Jair Bolsonaro: “La Policía Federal de Sergio Moro se preocupó más con quién mató a Marielle que con quién intentó matar a su jefe supremo”

“A PF de Moro se preocupou mais com a Marielle”, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro fez um pronunciamento ressentido sobre a saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça, anunciada nesta sexta-feira 24. Junto a integrantes do seu corpo ministerial, Bolsonaro afirmou que Moro tem “compro misso com o seu ego, e não com o povo brasileiro”.

“Sabia que não seria fácil. Uma coisa é você admirar uma pessoa, outra é conviver com ela, trabalhar com ela”, afirmou Bolsonaro.

O presidente rebateu acusações de que tenha dificultado operações de combate à corrupção na Polícia Federal. O ex-capitão afirmou que seu governo “botou um ponto final” em esquemas de corrupção em empresas estatais e deu créditos a Moro quando ele levou apenas profissionais de Curitiba à sua equipe no Ministério da Justiça.

“Lógico, me surpreendeu. Será que os melhores quadros da Polícia Federal, todos estavam em Curitiba? Mas vamos confiar. Vamos dar um crédito. E assim nós começamos a trabalhar”, disse Bolsonaro.

Bolsonaro declarou que não fez interferência política no trabalho da Polícia Federal, mas reclamou de falta de esforços para investigar a tentativa de assassinato que sofreu durante a campanha eleitoral de 2018, com uma facada. Na opinião do presidente, houve maior apoio para as investigações sobre a execução da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ).

“É intervenção pedir a Sergio Moro, quase implorar, que apure quem mandou matar Jair Bolsonaro?” disse. “A PF de Sergio Moro se preocupou mais com quem matou Marielle do que com quem tentou matar seu chefe supremo.”

Moro queria STF, diz Bolsonaro

Bolsonaro afirmou que o ex-ministro da Justiça pediu a indicação do Palácio do Planalto para seu ingresso como magistrado do Supremo Tribunal Federal (STF), em troca da demissão de Maurício Valeixo da direção-geral da Polícia Federal.

“Já que ele falou em algumas particularidades, mais de uma vez, o senhor Sergio Moro disse para mim: ‘Você pode trocar o Valeixo sim. Mas em novembro. Depois que o senhor me indicar para o Supremo Tribunal Federal”, disse Bolsonaro. “Me desculpe, mas não é por aí. Reconheço as suas qualidades. Chegando lá, pode fazer um bom trabalho. Mas eu não troco. E outra coisa: é desmoralizante para um presidente ouvir isso.”

O presidente reivindicou o direito de trocar o ocupante da direção-geral da Polícia Federal, porque, por lei, está autorizado a tomar essa decisão sem “pedir autorização para ninguém”. Valeixo foi exonerado na manhã desta sexta-feira 24.

Bolsonaro atribuiu as críticas que recebeu a um levante de “poderosos” contra a sua luta “contra o sistema”.

Carta Capital


Filha de Marielle a Bolsonaro: ‘Lave a boca antes de falar da minha mãe’

Filha da ex-vereadora Marielle Franco, morta a tiros em uma emboscada na região central do Rio de Janeiro, em março de 2018, Luyara Santos pediu para que Bolsonaro “lave a boca” antes de falar de sua mãe.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) citou o nome da ativista ao dizer que a Polícia Federal estava mais preocupada em investigar a morte de Marielle do que a facada da qual ele foi vítima em setembro do mesmo ano, durante pronunciamento em que rebatia acusações do agora ex-ministro da Justiça, Sergio Moro.

“Será que é interferir na Polícia Federal quase que exigir, implorar a Sergio Moro, quem mandou matar Jair Bolsonaro? A PF de Sergio Moro mais se preocupou com Marielle do que com seu chefe. [Pessoas] de bem no Brasil querem saber”, disse ele.

“‘Entendo, me desculpe senhor ex-ministro: entre meu caso e o da Marielle, o meu está muito menos difícil de solucionar. Afinal, o autor foi preso em flagrante de delito. mais pessoas testemunharam. Telefones foram apreendidos'”, completou, em tom de ironia.

No Twitter, Luyara reagiu à fala de Bolsonaro com indignação. “Que o senhor presidente lave a boca antes de falar da minha mãe”, escreveu ela.

Anielle Franco, irmã de Marielle, também rebateu a fala de Bolsonaro e pediu para que ele assumisse sua incompetência. “Minha irmã não é palco pra você ficar jogando a sua cortina de fumaça. Assuma sua incompetência e falta de ética. Não se compare a ela! Marielle tinha e tem o que o senhor não tem: caráter e valores! Nos poupe!”, afirmou, no Twitter.

Em nome da família, o Instituto Marielle Franco manifestou o “desprezo e revolta” pela fala de Bolsonaro. “Nós, da família de Marielle e do Instituto Marielle Franco, manifestamos nosso total desprezo e revolta pela fala do presidente Jair Bolsonaro, que usa do crime que tirou a vida de Marielle para fazer uma cortina de fumaça desviar a atenção da sua incompetência e falta de ética.”

UOL


VOLVER