Brasil: allanan casas de aliados de Bolsonaro por investigación de estructura de fake news

El máximo tribunal le declara la guerra a la máquina de propaganda de Bolsonaro

La ‘oficina del odio”, como se conoce en Brasil a la máquina de propaganda y ‘fake news’ de aliados y adeptos del presidente Jair Bolsonaro, fue desbaratada ayer por el máximo tribunal de Brasil, que ordenó 29 allanamientos e investiga una asociación ilícita financiada por magnates cercanos al mandatario y ejecutada por blogueros y parlamentarios.

El juez del Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes ordenó los allanamientos ejecutados por la Policía Federal en domicilios de amigos de Bolsonaro que forman parte de los medios de la ultraderecha brasileña, lo cual provocó la reacción de los hijos del mandatario, que calificaron de “inconstitucional” y “dictatorial” a la medida.

De esta manera, Brasil parece haber entrado en un espiral de tensión entre el máximo tribunal y el bolsonarismo, la misma fuerza política que realiza manifestaciones los fines de semana para pedir el cierre de esa misma corte.

Este choque de poderes suma, además, otro condimento: el fiscal general, Augusto Aras, se opuso a esta operación y busca anularla.

Sin embargo, Moraes fue contundente en su orden de allanamiento: “Las pruebas recogidas y las pericias apuntaron a la existencia de una asociación criminal dedicada a la diseminación de noticias falsas, ataques a personas, autoridades e instituciones, como el supremo tribunal, con contenido de odio, subversión del orden e incentivo al quiebre de la institucionalidad democrática”, subrayó.

Seis diputados federales bolsonaristas serán llamados a declarar por Moraes tras el allanamiento en Brasilia de la oficina de Terça Livre (Martes Libre), el portal del bloguero estrella de la extrema derecha, Allan dos Santos, aliado de los hijos del presidente.

El juez quebró el secreto fiscal y bancario desde 2018 -año en que Bolsonaro encabezó con éxito su primera campaña presidencial- de empresarios bolsonaristas como Luciano Hang, el excéntrico magnate dueño de una cadena de productos importados llamada Havan, famosa por tener la Estatua de la Libertad como símbolo de sus tiendas.

También accedió a los registros del dueño de la cadena de gimnasios de bajo costo SmartFit, Edgar Corona, el militar Winston Rodrigues Lima y el humorista Reynaldo Bianchi, conocido por su personaje “Hurry Fucker”, una suerte de Harry Potter fascista.

Según analistas, la filial local de Steve Bannon, uno de los hombres que estuvo detrás de la maquinaria de fake news de la campaña de Donald Trump en Estados Unidos, estaba representada por estos aliados de Bolsonaro.

Para Folha de Sao Paulo, el presidente Bolsonaro teme que su hijo Carlos, concejal de Río de Janeiro y estratega de las redes sociales, sea el próximo blanco de los allanamientos de la corte.

“Esta investigación es inconstitucional, política y ideológica”, sentenció Carlos Bolsonaro, el hijo del mandatario a quien se le atribuye haber montado en el Palacio del Planalto la llamada “oficina del odio”.

En tanto, en Twitter, Eduardo Bolsonaro, diputado y otro de los hijos del mandatario, acusó al juez Moraes de actuar de forma “dictatorial” contra sus aliados.

“Los que creían que Brasil tendría medidas autoritarias a partir de las elecciones de 2018 acertaron, pero no contaban con que la orden dictatorial no vendría del presidente que ellos tanto acusan de dictador”, denunció el joven Bolsonaro.

La ira de los hijos del mandatario demuestra que la operación, ordenada por el STF, sorprendió al bolsonarismo.

Además de las residencias de magnates y empresarios allanadas en varios estados, seis diputados federales que son parte de la tropa de choque del presidente Bolsonaro en la Cámara de Diputados y en las redes sociales están siendo investigados y serán llamados a declarar.

Se trata de Carla Zambelli, Bia Kicis, Daniel Silveira, Filipe Barros, Junior de Amaral y Luiz Phillipe Orleans e Bragança, descendiente de la familia real brasileña que gobernó hasta 1889.

En San Pablo, los allanamientos se extendieron incluso hasta dos despachos de diputados de la Asamblea Legislativa estadual.

“Estamos viviendo un estado de excepción”, denunció Zambelli, y pidió el juicio político del juez Moraes.

La ofensiva judicial también hizo reaparecer a otro personaje famoso de la derecha brasileña: Roberto Jefferson, presidente del Partido Trabalhista Brasileño (PTB).

Jefferson es famoso en el país por haber confesado su participación en el primer escándalo de corrupción que sacudió al gobierno de Luiz Inácio Lula da Silva, el mensalao.

Jefferson fue un aliado del ex presidente Fernando Collor de Mello y reapareció en este contexto de crispación política para defender a Bolsonaro en las redes sociales.

Su última aparición fue un video con un arma diciendo que los jueces de la corte no podían enfrentar a una escopeta con la toga.

La serie de allanamientos también se centró en los domicilios de otros dos personajes populares de la extrema derecha brasileña: el periodista Allan dos Santos, del blog Terça Livre (Martes Libre); y la ex dirigente feminista Sara Gironimi, quien adoptó el nombre de Sara Winter, de una líder fascista británica.

Winter comanda un campamento en Brasilia llamado “300 de Brasil”, que según ella misma explica, se encarga de adoctrinar a la población contra el comunismo, y habitualmente al presidente Bolsonaro en la puerta del Palacio de la Alvorada.

La operación se mantuvo en sigilo hasta hoy y logró el efecto sorpresa deseado, pese a la creciente escalada institucional que domina la relación del Poder Ejecutivo y los otros dos poderes del Estado y que tiene actualmente como eje el control el control de la Policía Federal, una entidad autónoma del gobierno, que, no obstante, depende del Ministerio de Justicia.

El STF investiga si Bolsonaro intentó e intenta manipular las investigaciones de la Policía Federal que involucran a su familia y aliados, en base a una denuncia que hizo el ex juez Sérgio Moro al dejar el Ministerio de Justicia el mes pasado.

Télam


Ministro do STF quebra sigilo de empresários em inquérito das fake news

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou a quebra de sigilo bancário e fiscal de quatro empresários suspeitos de financiar a disseminação de informações falsas e ataques contra os ministros da Corte. A determinação faz parte do inquérito das fake news, que investiga prática remetida ao chamado “gabinete do ódio”, como apontado por parlamentares em depoimentos.

Os empresários com sigilo afastado no período compreendido entre julho de 2018 a abril deste ano são: Luciano Hang, dono das lojas Havan; Edgard Gomes Corona, fundador e CEO da rede de academias Smart Fit; o humorista Reynaldo Bianchi Júnior (conhecido como Rey Bianchi); e Winston Rodrigues Lima, criador do Bloco Movimento Brasil e dono do canal do Youtube ‘Cafézinho com Pimenta’. Todos apoiam o presidente Jair Bolsonaro.

Segundo o ministro, toda a estrutura, chamada de “gabinete do ódio”, “está sendo financiada por um grupo de empresários que, conforme os indícios constantes dos autos, atuaria de maneira velada fornecendo recursos (das mais variadas formas), para os integrantes dessa organização”.

O ministro relatou na decisão que há informações que os empresários investigados no inquérito integram um grupo de WhatApp com o nome “Brasil 200 Empresarial”, “em que os participantes colaboram entre si para impulsionar vídeos e materiais contendo ofensas e notícias falsas com o objetivo de desestabilizar as instituições democráticas e a independência dos poderes”.

No documento, Moraes incluiu um print que seria do grupo no qual o empresário Edgard Corona teria enviado publicações que atacam o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e escrito: “Temos de impulsionar estes vídeos. Precisamos de dinheiro para incestir (investir) em mkt (marketing)”.

A decisão faz parte do inquérito e que resultou nesta quarta-feira (27/5) em uma operação da Polícia Federal que cumpriu 29 mandados de busca e apreensão, tendo os empresários como alguns dos alvos. Moraes pontuou que as publicações que ameaçam e divulgam informações falsas sobre os ministros são “inúmeras e reiteradas quase que diariamente”. “Há ainda indícios que essas postagens sejam disseminadas por intermédio de robôs para que atinjam números expressivos de leitores”, pontuou.

Moraes também determinou o bloqueio de contas das redes sociais, citando Facebook, Twitter e Instagram, de 17 pessoas investigadas, dizendo que ação é necessária “para a interrupção dos discursos com conteúdo de ódio, subversão da ordem e incentivo à quebra da normalidade institucional e democrática”. Dentre elas, estão os empresários já citados, o blogueiro Allan dos Santos e a líder do movimento “300 do Brasil”, Sara Winter.

Correio Braziliense


Em reunião com ministros, Bolsonaro critica STF e ameaça resistir a decisões da corte

Irritado com a operação autorizada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) que atingiu deputados da base e apoiadores, o presidente Jair Bolsonaro reuniu sua equipe de ministros nesta quarta-feira (27) para definir uma estratégia de reação à corte.

No encontro, segundo auxiliares presentes, o presidente avaliou como absurda e desnecessária a investigação contra aliados do seu governo, considerou que se trata de uma retaliação e reforçou que o Poder Executivo não pode aceitar calado.

A primeira medida que ficou definida é que a AGU (Advocacia-Geral da União) ingressará com pedido de habeas corpus para que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, não preste depoimento ao STF. Ele foi intimado no mesmo inquérito que apura o disparo de fake news por aliados do presidente.

A ideia seria ingressar com o habeas corpus para impedir a prisão ou outra medida cautelar contra o ministro no caso de ele se recusar a cumprir a determinação do STF de prestar depoimento.

Na reunião, também foram discutidas outras iniciativas de resistência, mas ainda nao se chegou a uma definição. Entre elas, a sugestão para que o ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), Augusto Heleno, não acate nenhum pedido de diligências no âmbito de um pedido de impeachment contra o ministro que foi apresentado ao tribunal e é relatado por Celso de Mello.

O núcleo ideologico defendeu ainda que o presidente insista mais uma vez na nomeação do delegado Alexandre Ramagem para o comando da Polícia Federal. O ministro do STF Alexandre de Moraes suspendeu a posse do amigo do presidente no mês passado.

Com exceção do pedido de habeas corpus, as demais propostas não foram unânimes na reunião, o que levou o presidente a rediscuti-las com o núcleo jurídico do governo.

Para tratar do tema, Bolsonaro se reuniu no início da noite no Palácio da Alvorada com o ministro da Justiça, André Mendonça.

De acordo com relatos feitos à Folha, no encontro, também foi lido um texto de 2019 atribuído ao advogado Modesto Carvalhosa que sugeriu a prisão preventiva dos ministros Dias Toffoli e Alexandre de Moraes por causa do inquérito das fake news.

Outra ideia discutida é a divulgação de uma uma nota descrevendo a reação planejada. Caso Bolsonaro siga essa linha, aprofundará ainda mais a crise do governo com o Judiciário.

Segundo assessores do presidente, Bolsonaro avaliou nesta quarta-feira que a operação deflagrada teve como objetivo atingi-lo. O presidente discutiu o assunto com ministros, inclusive com o titular da Defesa, Fernando Azevedo.

A aliados que o visitaram, o presidente avaliou que o ministro Alexandre de Moraes quer disputar poder com ele. Auxiliares do mandatário disseram que o presidente tratou a situação como uma guerra.

Segundo pessoas próximas, Bolsonaro hoje teria mais condições de tomar uma medida forte porque tem o apoio de ministros militares. Aliados do presidente avaliam que as últimas ações do Supremo uniram o núcleo fardado em defesa do governo.

Mais cedo, integrantes do Palácio do Planalto disseram que cresceu a disposição do presidente de questionar ministros da corte com base na lei de abuso de autoridade.

Segundo auxiliares de Bolsonaro, o governo avalia entrar com uma ADI (ação direta de inconstitucionalidade) contra a investigação que mira parlamentares no Supremo, como mostrou a coluna Painel, e também questionar Alexandre de Moraes e Celso de Mello, ambos da corte, por excessos que teriam cometido em ações recentes.

Em outra frente, aliados de Bolsonaro do núcleo mais ideológico avaliam reforçar o movimento nas redes pedindo o impeachment dos magistrados, embora tenham pouca chance de avançar no Congresso.

O inquérito das fake news apura a disseminação de notícias falsas, ofensas, ataques e ameaças contra integrantes do STF.

Foi no âmbito deste inquérito que Moraes mandou tirar do ar reportagem dos sites da revista Crusoé e O Antagonista que ligavam Toffoli à empreiteira Odebrecht. Dias depois, o ministro voltou atrás e derrubou a censura.

No Supremo, com exceção do ministro Marco Aurélio, mesmo os críticos ao procedimento têm evitado comentá-lo, seja para não enfraquecer o tribunal perante o público, seja porque, como observam, desconhecem a gravidade do que a apuração ainda pode encontrar.

O motivo dos questionamentos sobre o inquérito é que, segundo seus críticos, há uma série de vícios de origem. A investigação foi aberta em março pelo presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli, sem provocação de outro órgão —no jargão jurídico, foi instaurada de ofício.

Moraes foi escolhido relator por Toffoli sem que houvesse um sorteio entre todos os ministros. E o objeto da apuração é amplo demais, sem um fato criminoso bem definido, o que permite que várias situações sejam enquadradas no escopo da investigação, como tem ocorrido.

A investigação foi aberta em uma semana marcada por derrotas da Operação Lava Jato no STF e troca de farpas entre magistrados, congressistas e membros da força-tarefa em Curitiba.

O anúncio causou descontentamento no Congresso e no Ministério Público. Podem ser alvo parlamentares e procuradores que, no entendimento dos ministros, tenham levado a população a ficar contra o tribunal.

QUE PONTOS DO INQUÉRITO ESTÃO SENDO QUESTIONADOS?

Ato de ofício

Toffoli abriu o inquérito sem provocação de outro órgão, o que é incomum. Segundo o STF, porém, há um precedente: uma investigação aberta de ofício pela Segunda Turma da corte no ano passado para apurar o uso de algemas na transferência de Sérgio Cabral (MDB-RJ).

Competência

A investigação foi instaurada pelo próprio Supremo, quando, segundo críticos, deveria ter sido encaminhada para o Ministério Público. O argumento é que o órgão que julga não pode ser o mesmo que investiga, pois isso pode comprometer sua imparcialidade.

Relatoria

O presidente da corte designou o ministro Alexandre de Moraes para presidir o inquérito, sem fazer sorteio ou ouvir os colegas em plenário. Assim, Moraes é quem determina as diligências investigativas.

Foro

O que determina o foro perante o STF é quem cometeu o delito, e não quem foi a vítima. Para críticos, a investigação não deve correr no Supremo se não tiver como alvo pessoas com foro especial. Moraes disse que, localizados os suspeitos, os casos serão remetidos às instâncias responsáveis por julgá-los.

Regimento

Toffoli usou o artigo 43 do regimento interno do STF como base para abrir a apuração. O artigo diz que, “ocorrendo infração à lei penal na sede ou dependência do tribunal, o presidente instaurará inquérito”. Críticos dizem que os ataques pela internet não ocorrem na sede do Supremo, mas Toffoli deu uma interpretação ao texto de que os ministros representam o próprio tribunal.

Liberdade de expressão

Moraes pediu o bloqueio de redes sociais de sete pessoas consideradas “suspeitas de atacar o STF”. A decisão foi criticada por ferir o direito à liberdade de expressão. O mesmo pode ser dito sobre a censura, depois derrubada, aos sites da revista Crusoé e O Antagonista.

Folha de S. Paulo


Com mais de mil óbitos no último dia, Brasil já registra 25.598 mortes por covid-19

O Ministério da Saúde informou nesta quarta-feira (27) que o número de óbitos causados pelo coronavírus no Brasil já chega a 25.598 pessoas. Nas últimas 24 horas foram registradas 1.086 mortes. Mais de quatro mil ainda estão em investigação.

Os casos confirmados da doença somam 411.821, um crescimento de mais de 20,5 mil confirmações nas últimas 24 horas.

Em todo o mundo, o Brasil é o sexto em número de mortes por causa da pandemia. A falta de controle no avanço do vírus aproxima o país de nações que enfrentaram verdadeiras calamidades nos últimos meses, como França e Espanha, que contabilizam entre 27 e 28,5 mil mortes até o momento.

São Paulo segue como a unidade da federação que mais registra casos da doença, com 89.483 infectados e mais de 6,7 mil mortes. Na sequência está o Rio de Janeiro, que tem mais de 42.398 casos e 4.605 óbitos.

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus causadores de doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em humanos, os vários tipos de vírus podem provocar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns, como a síndrome respiratório do Oriente Médio (MERS), a crises mais graves, como a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19.

Como ajudar quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.

Brasil de Fato


“Fora Bolsonaro” é urgente diante de pandemia e crise econômica, defendem movimentos

O afastamento de Jair Bolsonaro da presidência se torna cada dia mais urgente, defendem as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

As organizações discutiram a conjuntura política nacional e os caminhos para fortalecer a unidade em busca do impeachment, diante do avanço da pandemia do novo coronavírus e do aprofundamento da crise socioeconômica que atinge principalmente a população em condições mais vulneráveis em plenária online realizada na manhã desta quarta (27).

Mais de 200 representantes de movimentos populares do campo e da cidade, sindicatos, centrais sindicais, movimentos feministas, LGBTs e da juventude participaram da reunião.

“Já há sinais de uma indignação crescente contra Bolsonaro. O Fora Bolsonaro está começando a pegar. Agora, não é só uma necessidade. Se transformou em indignação. É preciso trocar o governo pra salvar vidas, salvar empregos e nossas condições objetivas de sobrevivência”, defendeu João Pedro Stedile, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST).

Durante sua fala, Stedile elencou as possibilidades de afastamento do presidente na atual conjuntura, entre elas uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) a partir de denúncias que acusam Bolsonaro de crime de responsabilidade, os mais de 30 pedidos de impeachment protocolados na Câmara dos Deputados, e, principalmente, a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Nesta terça (27), o ministro Luís Roberto Barroso, afirmou que deve pautar o processo em questão em breve. Segundo ele, o prazo máximo é de três semanas para que o tema seja alvo de julgamento na Corte.

Para o dirigente do MST, as imagens da reunião ministerial do dia 22 de abril, divulgadas na semana passada, “desnudam a natureza fascista do governo que estamos enfrentando.”

“O governo vive com um desgaste cada vez maior e se isola cada vez mais das forças organizadas na sociedade. A burguesia se afasta de Bolsonaro e quer criar uma alternativa própria, naquilo que está expresso no trio Moro, Maia e Doria”, avalia Stedile.

“A burguesia econômica, que tem interesse em acumular, se afastou da extrema direita mas não decidiu derrubá-lo. Ela só vai derrubá-lo, quando perceberem que tem unidade em um projeto de direita, excluindo as forças populares. Seja os partidos de esquerda ou os movimentos”, acrescentou, endossando o papel da mídia hegemônica na construção dessa narrativa e a proteção por parte dos militares.

“A força que sustenta o governo, agora, é a tutela militar. São 9 ministros e 2.800 oficiais ocupam o segundo e terceiro escalão. As forças armadas já controlam esse governo”, afirmou.

Na opinião de Guilherme Boulos, coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) e da Frente Povo Sem Medo, o governo Bolsonaro demonstra, todos os dias, a ausência de qualquer estratégia para combater a covid-19, assim como seus danos socioeconômicos.

Ele citou, por exemplo, a ausência da testagem em massa de casos suspeitos de infecção, um monitoramento epidemiológico adequado, uma política para criação de hospitais de campanha em nível nacional, assim como a não disponibilização de um recurso emergencial digno para a população.

Defendendo uma ampla frente em defesa do afastamento do político, Boulos ressaltou que uma atuação diferente em meio à pandemia por parte do governo seria completamente possível, por meio da execução de programas de proteção ao emprego, medidas de renda básica ampliadas e a ajuda a pequenos comerciantes como uma política de estado.

“A ausência dessas políticas aprofunda o desespero da população e Bolsonaro joga com isso. A ausência dessas políticas faz com que a crise tome uma dimensão muito maior. É um cenário aberto, indefinido, mas preocupante”, declarou o dirigente.

Para Boulos, “Bolsonaro é um elemento de desorganização no combate ao coronavírus” e as graves consequências econômicas, decorrentes da ausência de políticas emergenciais durante a quarentena, levará o Brasil a um cenário ainda mais desolador.

“É possível, a depender de como as coisas se derem, que tenhamos um cenário de convulsão. E Bolsonaro aposta verdadeiramente nisso. Nós, da esquerda, temos muita dificuldade de canalizar uma revolta como essa para um sentido progressivo. Um cenário que pode ser aproveitado pelo discurso fascista de Bolsonaro para usar como pretexto para convencer setores das Forças Armadas, que de fato são os fiadores de seu governo, a embarcarem em alternativas de Estado de Sítio e Garantias de Lei e Ordem”, alertou a liderança sem-teto.

“A estratégia do Bolsonaro neste momento é a de usar o desespero das pessoas como combustível para seu projeto, que é um projeto fascista. Bolsonaro faz uma aposta calculada e consciente no caos”.

“Eles não”

Carmen Foro, integrante da Central Única dos Trabalhadores (CUT), participou da plenária online e afirmou que a campanha pelo Fora Bolsonaro deve crescer a partir dos próprios erros da gestão, mas é preciso que as forças de esquerda e do campo democrático tenham unidade de atuação nesse momento, em defesa do mesmo programa.

De acordo com a sindicalista, o repúdio também deve ser dirigido aos ministros do governo, não só ao presidente.

“É importante que tenhamos claro que queremos o fim desse governo. Não é o fim só do Bolsonaro, é o fim do Mourão e de todo o governo, tendo em vista o que vimos naquela reunião de horrores. Está mais claro do que nunca que não podemos achar que alguém desse governo sirva ao povo brasileiro”, disse.

Foro reforçou ainda que os movimentos populares potencializem a organização nos municípios e estados, divulgando o máximo possível a Plataforma Emergencial para Enfrentamento da Pandemia do Coronavírus e da Crise Brasileira, que conta com mais de 60 propostas.

A necessidade do contínuo fortalecimento da iniciativa Vamos precisar de todo mundo, criada pelas frentes, e que protagoniza milhares de ações solidárias em todo país, também foi reforçado durante a plenária.

Para Boulos, a doação de alimentos, por exemplo, também é um momento de reconstruir a relação das organizações essenciais e de esquerda com o povo, dando capilaridade à disputa de consciência.

“Mais do que nunca, nesse momento de pandemia, o povo está jogado à sua própria sorte. Nas periferias e nos interiores. Ter ali um braço solidário dos movimentos sociais e de esquerda pode ser a diferença para muita gente entre ter o que comer ou não”.

Estratégias

O uso massivo das redes sociais para engrossar e angariar apoiadores para a campanha Fora Bolsonaro foi defendido por Iago Montalvão, presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE).

Segundo ele, as ações nas redes podem gerar um impacto real na política brasileira. A exemplo do adiamento do Enem, após ampla mobilização online.

“É uma vitória não só pontual entorno de uma questão da educação, de um processo seletivo, mas uma vitória política. Foi uma vitória da mobilização popular, da juventude, e que devemos levar como exemplo. Quando conseguimos unificar a pauta e ampliar o diálogo, temos capacidade de mobilizar milhões de pessoas e ter vitórias efetivas”, relatou.

Montalvão sublinhou que não deve ser criada uma contradição entre a mobilização virtual e presencial, ainda mais nesse momento de distanciamento social.

Ele também defendeu a ampliação do diálogo com a população durante as ações das redes de solidariedade, assim como a aproximação com influenciadores de opinião, lideranças políticas, artistas e outros setores importantes que podem ecoar a campanha pelas redes sociais.

“Quando fazemos a campanha pelas ações de solidariedade, estamos fazendo o diálogo direto com a população sobre o papel dos movimentos sociais, e, ao mesmo tempo, sobre a inabilidade e incapacidade que o governo tem de promover as políticas necessárias nesse momento para que as pessoas tenham o direito a se isolar”, afirmou.

Agenda

Como encaminhamento da plenária, os movimentos reforçaram a articulação pela campanha a favor do impeachment de Bolsonaro a partir de um dia de agitação e propaganda voltado para ações simbólicas, como lambes e artes, mas principalmente ações de divulgação e comunicação nas redes sociais. A data da mobilização virtual é 5 de junho.

Para o dia 13 de junho, também está convocado um ato nacional virtual em defesa do Fora Bolsonaro, que adotará a cor preta, de luto, como simbologia e homenagem às vítimas da covid-19.

Brasil de Fato


VOLVER