Bolsonaro amenaza a la Corte Suprema: “Está llegando la hora de poner las cosas en su lugar”

187

Bolsonaro contragolpea, denuncia “abusos” de la Corte y amenaza con poner “en caja” a los jueces

Por Pablo Giuliano

El presidente de Brasil, Jair Bolsonaro, lanzó un contraataque en la crisis institucional que vive el país, al amenazar con “poner las cosas en su debido lugar” y acusar a la Corte Suprema de haber “abusado” con la investigación por una supuesta red criminal golpista contra empresarios, parlamentarios y blogueros de ultraderecha.

“Yo no seré el primero en patear el tablero. Ellos (el Supremo Tribunal Federal, STF) están abusando, a la vista de todos. Han quebrado el sigilo fiscal y bancario de diputados y senadores, algo nunca visto en una democracia por más frágil que esta sea. Está llegando la hora de poner las cosas en su debido lugar”, advirtió.

Lo hizo en respuesta a la investigación abierta por la fiscalía de Brasilia que lleva adelante el juez Alexandre de Moraes, del STF, sobre articulaciones en redes sociales que forman parte de organizaciones de manifestaciones que piden un golpe militar.

Diez diputados y un senador del bolsonarismo fueron incluidos en la investigación por la cual fueron detenidos seis activistas del neofascismo brasileño, entre ellas la líder del grupo, Sara Giromini, alias Sara Winter, quienes pugnan por el cierre del Congreso y el Supremo Tribunal Federal.

Durante la pandemia y sin barbijo, Bolsonaro participó de esos actos en Brasilia, aunque dice que no los organiza, que son impulsados por sus seguidores.

El presidente enfrenta también un escenario lleno de interrogantes con las Fuerzas Armadas: según algunos interlocutores, los jefes militares no están de acuerdo en que el presidente use a las fuerzas como forma de ahuyentar a los otros poderes, como si fuera una amenaza de autogolpe.

Es por eso que el general Edson Pujol, jefe del Ejército, se reunió el fin de semana con el juez de la Corte Gilmar Mendes en una visita oficial de “cortesía”, en la cual el magistrado afirmó que no hay intenciones de obstruir el gobierno de Bolsonaro, principal argumento del oficialismo para invocar el fantasma militar.

En el Palacio de la Alvorada ante seguidores, Bolsonaro contó que después de haber vivido en la década del 70 (durante la dictadura militar) sabe “lo que debe ser hecho para gobernar Brasil”.

Cerca de la medianoche, en las redes sociales Bolsonaro había prometido “acciones legales para proteger la libertad e los brasileños” contra el Supremo Tribunal Federal y que no se quedará “callado mirando mientras derechos son violados e ideas son perseguidas”.

La investigación golpea al círculo cercano a Bolsonaro, porque se busca determinar desde 2018 la financiación de los grupos de la extrema derecha que organizan actos en todos el país y es por eso que se levantó el secreto bancario y fiscal de legisladores, para saber si hay desvío de dinero público para estas organizaciones golpistas.

Bolsonaro reivindicó en su mensaje “la defensa del libre mercado” y el cese de relaciones con “dictaduras comunistas”, además de afirmar que lo que la corte ve como “autoritarismo no pasa de una posición alineada a valores del pueblo, que en su gran mayoría es conservador”.

“El conservadurismo fue abolido de nuestra política por décadas y las personas con esos valores vivieron bajo gobiernos socialistas (sic) que entregaron el país a la violencia y a la corrupción, hirieron a la democracia y destruyeron la identidad nacional”, afirmó.

Bolsonaro acusó a lo que calificó “un militante de izquierda”, el inimputable psiquiátrico Adelio Bispo de Oliveira, de haberlo intentado asesinar en 2018, cuando sufrió un atentado a cuchillo durante la campaña presidencial.

“En enero de 2019 pusimos fin al ciclo PT-PSDB e iniciamos una escalada hacia la libertad, trabajando por reformas necesarias, adoptando economía de mercado, ampliando el derecho de defensa de los ciudadanos”, remarcó, y en el último punto hizo mención a la liberación del armamento para civiles.

En ese marco, el Gobierno se encuentra también haciendo equilibrio sobre la permanencia o no en el cargo del ministro de Educación, Abraham Weintraub, un economista ultraliberal que en una reunión de Gabinete afirmó que deberían estar presos todos los miembros de la Corte.

El ala militar del Gobierno quiere su renuncia, pero a raíz de una posible prisión preventiva el ala ideólgica del Ejecutivo, que responde al gurú de la ultraderecha, el astrólogo Olavo de Carvalho, sugirió que Bolsonaro lo designe en algún cargo en la embajada en Portugal.

La investigación contra la Ley de Seguridad Nacional que involucra a gran parte del bolsonarismo activista se agrega también a otra llamada de “fake news” (noticias falsas), en la que se investiga el modus operandi de una asociación criminal financiada por empresarios para entablar amenazas y campañas difamatorias en las redes.

En ese sentido, surge como clave la lejana alianza sellada en 2018 entre el diputado Eduardo Bolsonaro, hijo del Presidente, y el estratega digital de la campaña de Donald Trump y de la nueva derecha global antisistema, Steve Bannon.

En paralelo, corre en el TSF una investigación para ver si una organización criminal con lavado de dinero utilizó las redes para la campaña presidencial: el caso puede anular la victoria de la fórmula Jair Bolsonaro-Hamilton Mourao.

El Presidente está siendo investigado, también, por obstrucción de la justicia, a raíz de la acusación del ex ministro de esa cartera Sérgio Moro de querer manipular a la Policía Federal para proteger a sus aliados de investigaciones. Este caso puede llevarlo a una denuncia de la Fiscalía general.

En el Congreso, hay más de 35 pedidos de juicio político -los últimos por negligencia ante la pandemia, que ya causa más de 45.000 muertos -pero Bolsonaro se ha blindado logrando apoyos de partidos de centroderecha a los que les ha ofrecido cargos en empresas estatales y ministerios.

Justamente un nuevo Ministerio fue creado, el de Comunicaciones, que tendrá bajo su órbita desde el control de los medios públicos hasta responsabilizarse de la empresa Correios, la postal más grande América Latina, y la decisión de autorizar o no la implementación del 5G en Brasil, con la empresa tecnológica china Huawei de transfondo y la disputa Washington-Beijing en suelo tropical.

El nuevo ministro es el diputado Fábio Faria, del Partido Social Demócrata (PSD), yerno de un magnate bolsonarista, el empresario y presentador televisivo Silvio Santos, dueño del canal oficialista SBT.

Télam


Bolsonaro diz que prepara “emboscada” contra o STF, em resposta ao que chama de “abusos judiciais”

Em uma conversa com o grupo de apoiadores que costuma esperá-lo em frente ao Palácio da Alvorada, no final da tarde desta quarta-feira (17), o presidente Jair Bolsonaro se queixou das últimas decisões do STF (Supremo Tribunal Federal), que ele considerou “abusos judiciais”, e usou a palavra “emboscada” para se referir a reação que deve ter com relação ao tema.

“Têm abusos acontecendo e conseguem acusar a mim ainda. Mas importante que as mídias sociais hoje em dia mostram a verdade. E, brevemente, tudo estará resolvido. Pode ter certeza (…) É igual uma emboscada. Você tem de esperar o cara se aproximar. `Vem mais, vem jogando ovo e pedra´. Falei hoje de manhã: não quero medir força com ninguém. Continua vindo”, declarou o mandatário.

Em seguida, Bolsonaro criticou o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) devido ao processo que poderia levar à cassação da sua chapa presidencial, e que, segundo ele “já deveria ter sido arquivado”

“É até vergonhoso dizer que um tribunal superior está julgando uma ação como essa”, considerou, que recebeu a concordância dos seus seguidores presentes no local.

Logo, disse que “não queremos fazer nada de ilegal, ao arrepio da lei, mas também não admitiremos um julgamento político. Aí não. Isso é uma afronta?”, questionou Bolsonaro.

Em entrevista concedida na manhã desta mesma quarta, o presidente também usou o termo “abuso judicial” para se referir à operação autorizada pelo STF contra aliados de seu governo, e comentou que “está chegando a hora de tudo ser colocado no devido lugar”, mas não especificou que tipo de medidas estariam por trás disso.

Revista Forum


Maioria do STF decide que inquérito que apura ‘fake news’ é válido

O Supremo Tribunal Federal formou maioria a favor da validade do inquérito das fake news, ao retomar o julgamento, suspenso na semana passada. A votação está 8 a 0 pela continuidade do inquérito, com posicionamento dos ministros Edson Fachin (relator da ação ajuizada pela Rede contra o inquérito), Alexandre de Moraes (relator do inquérito), Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes.

O julgamento foi suspenso e deve ser retomado na próxima quarta-feira (24). Faltam votar os ministros Marco Aurélio, Celso de Mello e Dias Toffoli, presidente do STF. Mesmo com maioria formada, nenhum julgamento de plenário pode ser considerado definitivo antes do resultado final ser proclamado, mas dificilmente uma maioria formada é revertida, o que exigiria uma reviravolta e mudança de votos improváveis e raras.

Ao votar, pela manhã, Alexandre de Moraes afirmou que a liberdade de expressão não se confunde com ameaça, coação e atentado. A liberdade de expressão tem sido invocada pelos bolsonaristas de extrema direita para justificar os ataques ao STF e ministros.

Ameaças
Moraes citou mensagens enviadas por “militantes” contra a Suprema Corte. “Que estuprem e matem as filhas dos ordinários ministros do Supremo” foi uma delas. “Em nenhum lugar do mundo isso é liberdade de expressão. Isso é bandidagem. Isso é criminalidade”, disse em seu voto.

“Quanto custa atirar a queima roupa nas costas de cada ministro filha da puta do STF que queira acabar com prisão em segunda instância? Se acabarem com prisão em segunda instância só nos resta jogar combustível e tocar fogo no plenário com ministros barbies dentro”, continuou o relator do inquérito, mencionando outra ameaça.

A “coordenadora” do grupo neofascista “300 do Brasil”, Sara Winter, presa na segunda-feira (15), chegou a fazer ameaças diretas a Moraes. “A gente vai descobrir os lugares que o senhor frequenta, quem são as empregadas domésticas que trabalham para o senhor. A gente vai descobrir tudo da sua vida, até o senhor pedir para sair”, disse, entre outras ameaças.

Instituições
Gilmar Mendes também mencionou as “graves ameaças à vida de ministros do Supremo e seus familiares”, especialmente o próprio Moraes. Segundo Gillmar, citando doutrina norte-americana, fake news provocam forte impacto sobre as instituições republicanas dos Estados Unidos. Ele citou uma “cultura nefasta” os ataques ao tribunal incentivado por fake news.

A tensão entre o governo Jair Bolsonaro e o STF tem subido a cada semana, e, desde segunda-feira, atingiu seu ponto máximo. Depois da prisão de Sara Winter, no dia seguinte foram executados, pela PF, 21 mandados de busca e apreensão contra aliados do presidente Jair Bolsonaro, por determinação de Alexandre de Moraes.

Na mesma terça, foi divulgado que Moraes mandou quebrar sigilos fiscais e bancários de 10 deputados e um senador apoiadores de Bolsonaro. Bolsonaro reagiu à quebra de sigilo dos aliados, mais uma vez, com seu linguajar característico, com ameaças veladas ou diretas.

“Em 1970, eu já estava na luta armada e conheço tudo o que está acontecendo no Brasil”, disse. “Eu não vou ser o primeiro a chutar o pau da barraca. Eles estão abusando. Isso está a olhos vistos. O ocorrido no dia de ontem, no dia de hoje, quebrando sigilo de parlamentares, não tem história nenhuma visto numa democracia por mais frágil que ela seja. Então, está chegando a hora de tudo ser colocado no devido lugar”, ameaçou o chefe do Executivo.

Na opinião do cientista político Roberto Amaral, a grande preocupação do bolsonarismo são as apurações em torno das fake news. Isso porque são objeto não só do inquérito no STF como também de uma CPMI no Congresso Nacional.

Rede Brasil Atual


TCU decide apurar presença de militares no governo Bolsonaro

O Plenário do TCU decidiu por unanimidade fazer o levantamento da quantidade de militares da ativa e da reserva ocupando cargos civis no governo federal.

O TCU vai  apurar os dados e compará-lo com os dos últimos três anos, a fim de divulgar à opinião pública nacional.

O tribunal discute sobre uma possível militarização excessiva do serviço público civil.

As estimativas falam na existência de 3 mil militares exercendo cargos no governo. Agora o TCU decidiu fazer uma contagem rigorosa.

P ministro Bruno Dantas, autor da proposta istro Bruno Dantas, autor da proposta, diz que considera importante que a sociedade saiba exatamente quantos militares, ativos e inativos, ocupam atualmente cargos civis, dados os riscos de desvirtuamento das Forças Armadas que isso pode representar, considerando seu papel institucional e as diferenças entre os regimes militar e civil, informa o colunista do Globo Lauro Jardim.

Brasil 247


Três meses após primeira morte, Brasil tem mais de 46,5 mil óbitos por covid-19

De acordo com dados divulgados pelo Conselho Nacional de Secretarias de Saúde, os óbitos causados pelo coronavírus no Brasil somaram 46.510 entre terça (16) e quarta-feira (17). Em 24 horas foram reportadas 1.269 mortes. Pelo segundo dia consecutivo, o número de vítimas fatais ficou acima de 1,2 mil. Em três meses, desde a confirmação do primeiro falecimento causado pela doença no país, o crescimento segue em velocidade cada vez maior.

Até agora não houve registro de queda em relação a períodos anteriores. O total de brasileiros infectados pela doença chega a 955.377. Desses, 32.188 foram confirmados no último dia. Na terça-feira, os registros diários alcançaram 34.918, recorde em 24 horas. Em todo o mundo, o Brasil fica atrás apenas dos Estados Unidos em números absolutos de casos e mortes.

A taxa de letalidade no país é de 4,9%. Os estados do Rio de Janeiro e de Pernambuco seguem com índices significativamente acima dessa média, com 9,4% e 8,4% respectivamente. Entre os estados com maior número absoluto de pessoas que testaram positivo e de mortes estão São Paulo (191.517 casos e 11.521 mortes), Rio de Janeiro (86.963 casos e 8.138 mortes), e Ceará (84.967 casos e 5.282 mortes).

Nos últimos dois dias, diversas unidades da federação registraram resultados recordes. Por dois dias seguidos, São Paulo – que passa por um processo de reabertura de atividades econômicas – confirmou os maiores patamares de óbitos desde a chegada do vírus à região. Na terça-feira, foram 365 mortes, na quarta esse resultado chegou a 389.

Minas Gerais também registrou os resultados mais críticos desde o início da Pandemia nesta quarta-feira (17). Foram notificadas 35 mortes e há 221 suspeitas em investigação. O número total de óbitos no estado é de 537 pessoas. No Amapá, a capital Macapá iniciou abertura do comércio na terça-feira (16), mesmo dia em que foi registrado recorde casos: 1.211 infectados a mais que no dia anterior. Na terça-feira (16), o Mato Grosso também apresentou a marca mais preocupante do período em que o vírus circula na região. Foram 27 óbitos. Já no Mato Grosso do Sul, o número de casos na quarta-feira (17) foi o maior já registrado para um dia no estado, com 379 novas confirmações.

OMS pede garantias de distanciamento social

Nesta quarta-feira (17), o diretor-executivo da Organização Mundial da Saúde (OMS), Michael Ryan, afirmou que o cenário brasileiro é muito severo, apesar de alguns indicativos de que a velocidade do avanço da pandemia pode diminuir. Para isso, no entanto, o país precisaria garantir condições para que a população adote medidas de distanciamento social.

“Este é o momento de redobrar a cautela, pois já vimos em outros países que uma estabilização pode rapidamente se transformar em um aumento”.

A taxa de contágio no país está 1,05. Isso é o mesmo que dizer que cada 100 pessoas doentes podem passar a doença para outros 105 indivíduos, relação que cresce a cada novo infectado. O patamar acima de 1 mostra que a transmissão no país está fora de controle.

Covid vai aumentar a pobreza

Relatório da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), aponta que a pandemia pode levar 83,4 milhões de pessoas à extrema pobreza em 2020 na América Latina e no Caribe. Outros 215 milhões de cidadãos, que já vivem em situação de pobreza, podem ter suas condições agravadas.

Segundo o documento, após sete anos de crescimento lento, a região enfrenta a possibilidade de PIB negativo em 2020. Com trabalhadores vulneráveis, preços altos, desemprego e queda na renda, outro problema pode ser agravado: a fome, que até 2018 já atingia 53,7 milhões na América Latina e no Caribe.

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus causadores de doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em humanos, os vários tipos de vírus podem provocar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns, como a síndrome respiratório do Oriente Médio (MERS), a crises mais graves, como a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19.

Como ajudar quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.

Brasil de Fato


VOLVER

Más notas sobre el tema