Brasil superó las 50 mil muertes en otro domingo con marchas a favor y en contra de Bolsonaro

70

Protestas pro y contra el Gobierno de Brasil son menos numerosas y pacíficas

Miles de brasileños salieron por cuarto domingo seguido a las calles del país en actos a favor y en contra del Gobierno de Jair Bolsonaro, quien enfrenta una grave crisis política en medio del avance de la pandemia del coronavirus, que ya deja 50.000 muertos y más de un millón de casos.

Tanto las protestas favorables como las contrarias al mandatario registraron adhesiones significativamente más tímidas que las de los domingos anteriores y transcurrieron también de manera más pacífica.

Las manifestaciones suceden cuando el cerco judicial a la familia Bolsonaro se aprieta debido al encarcelamiento preventivo este jueves de un antiguo estrecho colaborador del hoy senador Flávio Bolsonaro, primogénito del presidente.

El expolicial Fabrício Queiroz, quien era también cercano al mandatario, es sospechoso de ser intermediario en un esquema corrupto de confisco de salarios de colaboradores del gabinete de Flávio que operó al menos entre 2016 y 2017 con la finalidad de beneficiar al propio legislador cuando era diputado regional de Rio de Janeiro.

BRASILIA, LA MAYOR PROTESTA

La mayor de ellas tuvo lugar en Brasilia, la capital del país, donde partidarios y detractores de Bolsonaro se concentraron desde primera hora en la Explanada de los Ministerios, sede administrativa del Ejecutivo.

Después de tres domingos consecutivos de duros enfrentamientos entre los dos grupos, la Policía ha reforzado la seguridad para evitar los violentos disturbios que fueron registrados en diversas ciudades del país en las últimas semanas.

Según pudo constatar EFE, cada uno de los actos marchó de forma pacífica en vías opuestas, aunque se encontraron enfrente al Parlamento, donde había un cordón sanitario para separarlos.

Sin embargo, no se registraron actos de violencia significativos. Hubo pequeños incidentes que fueron rápidamente controlados por los policías.

Manifestantes contrarios a Bolsonaro, reunidos en torno a movimientos sociales, antifascistas y antirracistas, sostenían pancartas que tildaban al líder ultraderechista de “fascista” y pedían la destitución del mandatario por su política “genocida” en medio de la pandemia del coronavirus.

“Ha quedado muy claro, fue ampliamente divulgado, que la mayoría de los brasileños no apoya esa política asesina del Gobierno”, dijo en declaraciones a EFE Danilo Passaro, director de la hinchada organizada del Corinthians y líder del movimiento Somos Democracia.

Mientras, partidarios de Bolsonaro llevaban banderas de Brasil y de Estados Unidos y clamaban por una intervención militar, la “no interferencia de China en la política” del país y el cierre del Congreso y de la Corte Suprema.

“El Supremo está tomando las riendas y está ejerciendo de Ejecutivo, Legislativo y Judicial. Es la hora de cohibir esos abusos, porque lo que está pasando es un abuso”, expresó a EFE el abogado Geraldino Santos Nunes.
A diferencia de otras ocasiones, Bolsonaro no acudió a las protestas, pues ha viajado a Río de Janeiro para participar en el funeral de un militar que falleció tras un salto de paracaídas.

Algunos pocos manifestantes también protestaron en las ciudades de Belo Horizonte y Sao Paulo, ambas en el sureste, de forma pacífica.

LA PANDEMIA SE ACELERA EN BRASIL

Las manifestaciones de este domingo se producen en momentos en que la pandemia del coronavirus se acelera en Brasil y deja ya unos 50.000 muertos y más de un millón de infectados. El gigante suramericano es el segundo país más afectado del mundo por el patógeno, detrás de Estados Unidos.

Tras registrar durante cinco jornadas consecutivas más de 1.000 decesos diarios, así como récord de casos en 24 horas, el país confirmó la veloz expansión del patógeno, lo que llevó a que diversos municipios volvieran a endurecer las medidas restrictivas en medio de la reapertura gradual iniciada en junio.

Según los datos compilados por un consorcio formado por los principales medios de comunicación brasileños, el país superó la barrera de los 50.000 muertos y tiene más de 1,07 millones de contagiados.

LA TEMPERATURA POLÍTICA SE ELEVA EN EL PAÍS

Pese a que la jornada de protestas de este domingo haya sido más modesta que las registradas en otras semanas, la tensión política en Brasil sigue escalando, mientras Bolsonaro se enfrenta una aguda crisis política, sanitaria, económica y judicial.

La semana del jefe de Estado fue especialmente dura por el encarcelamiento este jueves de Queiroz, el exasesor considerado clave en la investigación por corrupción contra Flavio Bolsonaro.

La mediática detención puso en aprietos al propio presidente, pues el antiguo policía fue arrestado en una casa del interior de Sao Paulo propiedad de Frederick Wassef, un abogado que trabaja con el mandatario.

También esta semana, el que era ministro de Educación Abraham Weintraub presentó su renuncia en medio de las presiones por los enfrentamientos de Bolsonaro con el Congreso y el Tribunal Supremo.

La salida de Weintraub, quien se marchó precipitadamente a Estados Unidos para ocupar la plaza de Brasil en el Banco Mundial, supuso la décimo segunda baja entre los ministros de Bolsonaro en un año y medio de Gobierno y el cuarto cambio en menos de dos meses.

Entre los dimisionarios figuran los dos últimos ministros de Salud, Luiz Henrique Mandetta y Nelson Teich, y el exjuez Sergio Moro, uno de los símbolos de la bandera de combate a la corrupción levantada por Bolsonaro y quien renunció en marzo tras acusar al jefe de Estado de injerencias políticas en la Policía Federal.

Infobae


Brasil registra 50.617 mortos e 1,085 milhão de casos de covid-19

O Brasil teve 641 novas mortes por covid-19 registradas em 24 horas, de acordo com os dados atualizados do Ministério da Saúde divulgados neste domingo (21). Com a soma dos novos números, o país chegou ao total de 50.617 mortos em função da pandemia do novo coronavírus.

O balanço de hoje contabilizou 17.459 novos casos da doença, totalizando 1.085.038 casos confirmados. A marca de 1 milhão de infectados foi ultrapassada na última sexta-feira (19).

Do total de casos confirmados de covid-19 no Brasil, 485.035 pacientes estão em acompanhamento e 549.386 estão recuperados (50,6%). Há ainda 3.817 mortes em investigação.

São Paulo lidera em número de casos (219.185) e têm 12.588 mortos. Em seguida, vêm Rio de Janeiro com 96.133 casos e 8.875 mortos, Ceará com 92.866 casos e 5.523 mortos, e Pará com 84.654 casos confirmados e 4.583 óbitos. O estado com o menor número de casos é o Mato Grosso do Sul, 5.237, e 45 mortes.

Agencia Brasil


Manifestantes pró e contra Bolsonaro fazem protestos na Esplanada

Manifestantes pró e contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se reuniram na Esplanada dos Ministérios na manhã deste domingo (21/06). Para evitar atritos, as vias S1 e N1 foram divididas. O esquema de segurança da Polícia Militar estava forte e, segundo a corporação, poucos materiais não permitidos foram recolhidos.

Ambos grupos se concentraram em pontos diferentes, mas começaram a se mexer após algumas horas. Com gritos de “Bolsonaro vai cair”, o ato contra o presidente começou a andar em direção ao Congresso Nacional. O protesto a favor do chefe do executivo já se encontrava no local.

A cavalaria da polícia estava na área para evitar que os manifestantes entrassem em confronto. Quando os dois atos começaram a dispersar, houve um princípio de confusão, mas os militares conseguiram afastar. Organizadores dos dois grupos pediram que os presentes não caíssem em provocações.

Manifestantes pró-Bolsonaro

Do lado a favor do governo, os manifestantes levantaram faixas com frases de apoio a Bolsonaro e de ataque ao comunismo. Havia também protestos a favor da intervenção militar e da elaboração de uma nova constituição. Os presentes ainda entoaram mensagens de ataque ao Supremo Tribunal Federal (STF) e pediram o impeachment do ministro Alexandre de Morais.

A revista no lado pró-Bolsonaro ficou apenas no visual. No início, a Polícia Militar ainda pedia para alguns manifestantes tirar os suportes das faixas, mas a medida de segurança parou de ser aplicada quando o grupo começou a andar. Quem estava com bandeiras com mastro e sem algum tipo de bolsa — o que estava proibido — não era mais abordado.

Manifestantes contra Bolsonaro

Do lado anti-Bolsonaro, os manifestantes pediam o impeachment de Bolsonaro. Havia também diversas faixas de protesto contra o racismo e violência policial contra o povo preto. Torcidas organizadas de diferentes times de futebol participaram do evento e acenderam sinalizadores. Gleisi Hoffmann, presidente do PT, e o deputado Paulo Teixeira (PT) se encontravam no ato.

Durante o ato pró-democracia, polícia recolheu diversos objetos como foguetes e pedaços de madeira. Os materiais foram colocados direto no caminhão de lixo. Eram permitidos apenas bandeiras sem mastro.

Operação da PCDF

Conforme o Metrópoles revelou, pouco antes das manifestações, a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), por meio da Coordenação Especial de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Cecor), cumpriu mandado de busca e apreensão em um dos pontos de apoio do grupo QG Rural, extremistas ligados ao grupo “300 do Brasil”. Os investigadores apuram a prática de supostos crimes de milícia privada, ameaças e porte de armas.

O alvo é uma chácara na região de Arniqueiras, na região de Águas Claras, com duas casas, onde também havia barracas instaladas. O imóvel conta com câmeras de segurança que cobrem toda a sua extensão. No momento da operação, duas pessoas estavam no local.

Em meio à ação, foram apreendidos fogos de artifício, vários manuscritos com planejamento de ações e discursos, cartazes, aparelhos de telefone celular, um facão, um cofre (que ainda será aberto), e outros materiais destinados a manifestações.

Nas redes sociais, o extremista Renan Sena, integrante dos 300, divulgou um vídeo narrando a ação da polícia. Afirmou que o local foi “invadido” e que se trata de mais uma ação da “ditadura comunista” e convocou os extremistas para a manifestação.

Metrópoles


Grupos de apoio a Bolsonaro são alvo de operação da polícia no DF

A Polícia Civil do Distrito Federal cumpriu neste domingo, 21, mandados de busca e apreensão em uma residência identificada como ponto de apoio de grupos de extrema-direita, como “300 do Brasil”, “Patriotas” e “QG Rural”. Todos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A chácara está localizada na região de Arniqueira, a 22 km do centro de Brasília. No local, foram encontrados fogos de artifício, celulares, um facão, um cofre e planos de ação para manifestações e outros objetos que poderiam ser usados em protestos. Câmeras de segurança também foram identificadas por todo o terreno da casa.

Duas pessoas estavam no local no momento da operação, mas nenhuma foi detida.

A ação aconteceu exatamente uma semana após uma série ataque ataques e manifestações antidemocráticas ter sacudido Brasília. No último sábado, entre palavras de ordem e ameaças, cerca de 30 apoiadores do presidente Bolsonaro laçaram fogos de artifício contra o prédio do STF (Supremo Tribunal Federal).

No começo da semana seis pessoas foram presas acusadas de envolvimento no ato. Entre elas estava a militante bolsonarista e líder do grupo 300 do Brasil, Sara Winter.

Catraca Livre


Wassef deixa defesa de Flávio Bolsonaro após prisão de Queiroz

Frederick Wassef decidiu deixar a defesa do senador Flávio Bolsonado (Republicanos-RJ) no inquérito que investiga suposto esquema de “rachadinha”, após Fabrício Queiroz ser preso em Atibaia, no interior de São Paulo, em um imóvel ligado ao advogado. A informação foi confirmada pelo filho “número 1” do presidente Jair Bolsonaro, na noite deste domingo (21), por meio de publicação no Twitter.

“A lealdade e a competência do advogado Frederick Wassef são ímpares e insubstituíveis. Contudo, por decisão dele e contra a minha vontade, acreditando que está sendo usado para prejudicar a mim e ao presidente Bolsonaro, deixa a causa mesmo ciente de que nada fez de errado”, escreveu na rede social.

No sábado (20), o senador afirmou por meio de nota ser vítima de um grupo político que patrocina uma campanha de difamação contra ele para “recuperar o poder perdido nas últimas eleições”. No texto, ele reafirma a inocência em acusações e diz que seu patrimônio é compatível com os seus rendimentos.

“Ele reafirma inocência em qualquer das acusações feitas por seus inimigos e garante que seu patrimônio é totalmente compatível com os seus rendimentos. Tudo ficará inequivocamente comprovado dentro dos autos. A verdade prevalecerá”, disse por meio de comunicado oficial.

Prisão de Fabrício Queiroz

Queiroz, ex-assessor de Flávio, foi preso na quinta-feira (18) em Atibaia, no interior de São Paulo, em um imóvel ligado ao advogado do senador, Frederick Wassef. A ação foi realizada pela Polícia Civil e Ministério Público de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Os mandados foram expedidos pela Justiça do Rio de Janeiro em investigação que apura esquema de “rachadinha” no gabinete do então deputado estadual, Flávio Bolsonaro, na Assembleia Legislativa do Rio.

Rachadinha é o nome dado a uma manobra em que o funcionário devolve parte do salário ao parlamentar. Segundo o MPRJ (Ministério Público do Rio de Janeiro), servidores da Alerj devolveriam parte dos vencimentos a Flávio na época em que ele era deputado estadual do Rio de Janeiro.

A Promotoria identificou que Queiroz recebeu R$ 2 milhões por meio de 483 depósitos de dinheiro em espécie feitos por 13 assessores ligados ao gabinete do filho do presidente da República.

A investigação começou depois do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) verificou movimentações bancárias atípicas no nome de Queiroz. O Conselho notou movimentação de R$ 1,2 milhão em uma conta no nome de Queiroz, entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.

O documento também cita um repasse de R$ 24 mil para a futura primeira-dama Michelle Bolsonaro — o presidente Jair Bolsonaro disse, à época, que se tratava do pagamento de uma dívida antiga do policial militar com ele.

R7


‘Operação’ de aliados tenta desvincular Bolsonaro de Frederick Wassef

Desde a última quinta-feira (18), aliados de Jair Bolsonaro deram início a uma “operação” para desvincular a imagem do chefe do Executivo ao advogado Frederick Wassef, dono da propriedade onde Fabrício Queiroz foi preso. Bolsonaro tem sido aconselhado a revogar procurações para que o advogado atue em seu nome e a tirá-lo da defesa de Flávio Bolsonaro.

As informações são da Veja. Segundo a publicação, Bolsonaro tem sido alertado sobre o advogado desde antes da revelação do paradeiro de Queiroz. Falava-se que Wassef recorria a métodos controversos nas causas que defendia. Um exemplo seria uma suposta nova testemunha no caso Adélio Bispo, que reforçaria a tese que a ação foi articulada. No entanto, a Polícia Federal já tinha ouvido a mesma testemunha a rechaçado as acusações.

O esforço de aliados pode não ser uma tarefa tão simples. Isso porque Wassef tem livre acesso ao Planalto e, como disse numa entrevista recente, está “no dia a dia com a família Bolsonaro. “Conheço tudo que tramita na família”, afirmou à Rádio Gaúcha.

Para proteger Jair e Flávio Bolsonaro, aliados têm dito que ambos não sabiam que Wassef estava em contato com Queiroz. Investigações do Ministério Público indicam que o advogado estaria monitorando os passos do ex-assessor de Flávio.

A operação que prendeu Queiroz tem como base investigação do esquema de “rachadinha” na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Queiroz é apontado como operador financeiro do esquema no gabinete do então deputado Flávio Bolsonaro.

Bahía

Más notas sobre el tema