Se agrava la crisis en Brasil con la detención del expolicía amigo de Bolsonaro y la renuncia del ministro de Educación

238

Detención de exasesor de hijo de Bolsonaro caldea la crisis en Brasil

La detención de un exasesor del senador Flávio Bolsonaro, hijo mayor del presidente Jair Bolsonaro, estrechó este jueves el cerco en torno al mandatario ultraderechista, que acumula reveses judiciales en medio de una inestabilidad política agravada por la crisis económica y sanitaria.

Fabrício Queiroz, de 54 años, fue detenido en la localidad de Atibaia (interior de Sao Paulo) en la residencia de un abogado que actúa como defensor de Flávio Bolsonaro, indicó el Ministerio Público de Sao Paulo (MPSP). Según los medios brasileños, el abogado también presta servicios al presidente Bolsonaro.

Queiroz es investigado por su presunta participación “en un esquema de desvío de salarios de funcionarios del gabinete del entonces diputado regional [de Rio de Janeiro] Flávio Bolsonaro”, precisó el MPSP.

La fiscalía de Rio de Janeiro, que conduce las investigaciones, informó que también busca a la esposa de Queiroz, considerada “fugitiva”.

Según responsables de la operación citados por los medios, cuando la policía irrumpió en la vivienda Queiroz estaba durmiendo y no ofreció resistencia. Los agentes decomisaron papeles y dos celulares. Enseguida lo trasladaron a una prisión en Rio de Janeiro.

Bolsonaro criticó la operación. Queiroz “no estaba fugitivo y ni siquiera había una orden de detención en su contra”, afirmó el mandatario en su programa en vivo en las redes sociales de los jueves.

“Fue una operación espectacular, como si fuesen a detener al mayor bandido de la Tierra, pero si la justicia se lo hubiese pedido (…) pienso que hubiese comparecido”, agregó.

– Medida “excesiva” –

El caso salió a la luz a fines de 2018, cuando el organismo de control de movimientos financieros (COAF) descubrió giros atípicos entre 2016 y 2017 en una cuenta de Queiroz, por un valor de 1,2 millones de reales (376.000 dólares al cambio promedio de 2017).

Por la mañana, Flávio Bolsonaro atribuyó en Twitter la investigación sobre su exasesor, un exoficial de la Policía Militar, “a una nueva jugada para atacar a [Jair] Bolsonaro”.

En diciembre de 2019, la policía allanó varios inmuebles pertenecientes a Flávio Bolsonaro, a sus exaesesores de la Asamblea Legislativa de Rio y a la segunda exesposa del presidente Bolsonaro, en el marco de la investigación de ese esquema.

Ya en ese momento, el senador y promogénito de Bolsonaro, de 39 años, denunció una “persecución política” para “alcanzar al presidente”.

Queiroz, a quien algunas líneas de investigación filtradas por los medios locales vinculan a las temidas milicias parapoliciales que actúan en Rio, estaba ilocalizable desde hacía meses y tanto el presidente como sus hijos, así como el abogado en cuya casa fue hallado, decían desconocer su paradero.

El actual abogado de Queiroz, Paulo Catta Preta, afirmó tras visitar a su cliente en prisión que no presentaba ningún riesgo de fuga y que pedirá un habeas corpus para revertir la medida “excesiva”.

– Un “nuevo ingrediente” a la crisis –

La detención de Queiroz “agrega un ingrediente adicional a la inestabilidad del escenario, conturbado por la inestabilidad política, por la crisis económica que se inicia, por la crisis sanitaria y, claro, por otras denuncias y hechos que implican al presidente”, dijo a la AFP Thiago Vidal, analista político de la consultora Prospectiva.

La operación policial se produce efectivamente en momentos en que el Supremo Tribunal Federal (STF) avanza en investigaciones que involucran a empresarios, legisladores y blogueros bolsonaristas, acusados de diseminar noticias falsas para promover ataques contra el STF y de orquestar manifestaciones contra las instituciones democráticas.

Esta semana, la policía detuvo a varios partidarios de Bolsonaro, un admirador de la dictadura militar (1964-85), por llamar a una “intervención militar” y atacar con bengalas el edificio del STF.

El Congreso tiene en sus manos una treintena de pedidos de destitución contra Bolsonaro, aunque ninguno fue formalmente abierto hasta el momento.

El mandatario está además en conflicto con los gobernadores de los mayores estados, a los que critica por haber impuesto medidas de cuarentena para enfrentar la pandemia de coronavirus, que a sus ojos son ruinosas para la economía.

Brasil se ha convertido entre tanto en el segundo país con más casos y más muertos por covid-19, detrás de Estados Unidos, con 978.142 casos confirmados y 47.748 muertes.

Swiss Info


Renuncia ministro de Educación de Bolsonaro que pidió encarcelar a los jueces de la corte

El ministro de Educación de Brasil, Abraham Weintraub, anunció este jueves su renuncia al cargo, en medio de una serie de investigaciones judiciales que lo involucran luego de haber dicho en una reunión de gabinete que los 11 miembros de la corte suprema debían ir presos.

Lo hizo a través de un video en el cual aparece al lado del presidente Jair Bolsonaro y en el que anunció que trabajará en un cargo del gobierno brasileño en el Banco Mundial.

Weintraub, uno de los líderes de la extrema derecha brasileña que responde políticamente al gurú de este sector, el astrólogo Olavo de Carvalho, renunció tras 14 meses en el cargo en el que acumuló polémicas en el sector educativo, político, diplomático y judicial.

“Voy a seguir luchando por la libertad y por los valores del presidente Bolsonaro, el mejor presidente de Brasil”, dijo Weintraub, un economista que había sido vicejefe de gabinete en los primeros tres meses.

El último acto de gobierno en Educación de Weintraub fue revocar una resolución del gobierno de Dilma Rousseff, del hoy opositor Partido de los Trabajadores (PT) que asegura cupos y acciones afirmativas (incentivos) en cursos de posgrado en las universidades federales brasileñas a negros, indígenas y discapacitados.

En un video de la reunión de gabinete del 22 de abril que fue revelado por la justicia para invetigar a Bolsonaro por obstrucción de invesigaciones, Weintraubdice que los poderes de Brasilia “son el cáncer del país” y que si fuera por él “encarcelaría a los 11 jueces del Supremo Tribunal Federal”.

Durante la pandemia, Bolsonaro perdió ya cuatro ministros, dos de Salud (Luiz Mandetta y Nelson Teich), uno de Justicia (Sérgio Moro) y Weintraub.

La renuncia del ministro ocurre luego de que el lunes el Supremo Tribunal Federal lo incluyera en una invesgtigación sobre supuesta financiación ilegal y lavado de dinero para montar medios que arquitectan campañas de odio en las redes sociales.

El ministro perdió la mayor parte de las reformas que impulsó en el Congreso e intentó la semana pasada tener autoridad especial en la pandemia para nombrar nuevos rectores, contra los procedimientos de autonomía universitaria.

También Weintraub, un defensor del gobierno estadounidense, causó problemas diplomáticos con China, principal socio comercial de Brasil desde 2009.

Es por eso que responde a acusaciones de racismo, por comentarios que hizo precisamente en las redes sociales y en los que se burló de los chinos y sus dificultades para pronunciar la letra erre, usando la famosa historieta brasileña “A Turma da Mónica”, conocida en la Argentina como “Mónica y sus Amigos”.

Además, insinuó -al igual que el diputado Eduardo Bolsonaro, hijo del presidente- que la pandemia de Covid-19 sería parte de unos supuestos planes de China para “dominar el mundo”.

Télam


Em vídeo ao lado de Bolsonaro, ministro Abraham Weintraub, da Educação, anuncia saída do cargo

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou nesta quinta-feira (18) que deixará o cargo. A informação foi dada em um vídeo publicado pelo próprio Weintraub, em que o ministro aparece ao lado do presidente Jair Bolsonaro e lê um texto de despedida. O nome do substituto não foi informado.

Nesta quarta, a comentarista do G1 e da GloboNews Cristiana Lôbo informou que o governo pretende indicar Weintraub para o Banco Mundial, em Washington, o que o ministro confirmou no vídeo. No Banco Mundial, o Brasil lidera um grupo de nove países e, como maior acionista, tem a prerrogativa de indicar o diretor da área.

“Sim, desta vez é verdade. Eu estou saindo do MEC e vou começar a transição agora. Nos próximos dias, eu passo o bastão para o ministro que vai ficar no meu lugar, interino ou definitivo”, diz Weintraub.

 

Ele não quis falar sobre as razões da demissão. “Neste momento, eu não quero discutir os motivos da minha saída, não cabe. O importante é dizer que eu recebi o convite para ser diretor de um banco. Já fui diretor de um banco no passado. Volto ao mesmo cargo, porém no Banco Mundial”.

No vídeo, o presidente Jair Bolsonaro diz a Weintraub que o momento é “difícil”, mas “de confiança” e que os compromissos de campanha estão mantidos.

“É um momento difícil, todos os meus compromissos de campanha continuam de pé. Busco implementá-lo da melhor forma possível. A confiança você não compra, você adquire. Todos que estão nos ouvindo agora são maiores de idade, sabem o que o Brasil está passando. E o momento é de confiança. Jamais deixaremos de lutar por liberdade. Eu faço o que o povo quiser”, afirma Bolsonaro no vídeo.

Weintraub assumiu o cargo em abril de 2019, após a saída de Ricardo Vélez Rodríguez, e permaneceu no posto por 14 meses. No período, acumulou desafetos e disputas públicas com diversos grupos sociais – entre eles, a comunidade judaica e a representação da China no Brasil.

A polêmica mais recente surgiu após a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, no Palácio do Planalto. No encontro com o presidente Bolsonaro e outras autoridades do Executivo federal, Weintraub defendeu a prisão dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), a quem chamou de “vagabundos”.

“A gente tá perdendo a luta pela liberdade. É isso que o povo tá gritando. Não tá gritando pra ter mais Estado, pra ter mais projetos, pra ter mais… o povo tá gritando por liberdade, ponto. Eu acho que é isso que a gente tá perdendo, tá perdendo mesmo. A ge… o povo tá querendo ver o que me trouxe até aqui. Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF”, disse.

O vídeo foi revelado no inquérito que apura suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal. Relator dessa investigação, o ministro do STF Celso de Mello disse ver possível crime de injúria por parte de Weintraub e, por isso, enviou ofício aos demais membros da Corte.

No último domingo (14), Weintraub participou de um protesto com pautas antidemocráticas e inconstitucionais na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Ele voltou a usar o termo “vagabundos” mas, desta vez, não disse textualmente a quem se referia.

Questionado sobre impostos pagos para bancar “funcionários corruptos”, Weintraub disse aos apoiadores: “Eu já falei a minha opinião, o que eu faria com vagabundo”. O ministro não usava máscara de proteção e, por isso, foi multado pelo governo local. Veja no vídeo

Na manhã desta segunda, o blog da comentarista do G1 e da TV Globo Andréia Sadi já havia mostrando o aumento da pressão da ala política do governo, incluindo ministros militares, pela substituição de Weintraub.

Interlocutores da Corte ouvidos pelo blog afirmaram que o ideal seria ele ser demitido até a posse de Fabio Faria, na quarta (17), uma vez que os chefes dos outros Poderes, como STF e Congresso, querem prestigiar o novo ministro das Comunicações, mas classificam como “um constrangimento” comparecerem a um ato do governo federal, para prestigiar o Executivo, enquanto Weintraub seguir no comando da Educação, com ataques aos demais Poderes.

Inquérito das fake news

As ofensas registradas na reunião ministerial levaram Weintraub a ser citado em outro inquérito no Supremo: o que investiga esquemas de disseminação de fake news e ofensas a ministros do STF e demais autoridades.

O relator dessa investigação, ministro Alexandre de Moraes, determinou que Weintraub fosse ouvido sobre a fala. Uma equipe da Polícia Federal foi à sede do MEC, mas o ministro usou o direito de ficar em silêncio, garantido pela Constituição para que ninguém produza prova contra si mesmo.

O ministro da Justiça, André Mendonça, apresentou pedido ao STF para que Weintraub seja excluído desse inquérito. O habeas corpus entrou em votação no plenário virtual do STF e, por 9 votos a 1, foi rejeitado nesta quarta.

Weintraub x China

Há ainda um terceiro inquérito no STF relacionado a Weintraub, que apura suposto crime de racismo cometido contra a população chinesa. O ministro relator, Celso de Mello, também intimou o então ministro da Educação a depor neste tema – ele compareceu à sede da PF e entregou manifestação por escrito.

No começo de abril, Weintraub fez, em uma rede social, insinuações de que a China poderia se beneficiar, de propósito, da crise mundial causada pelo coronavírus. Depois, ele apagou o texto.

O texto de Weintraub imitava o jeito de falar do personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, que troca a letra “R” pela “L”.

G1


Fabrício Queiroz é preso em Atibaia, interior de São Paulo

Fabrício Queiroz, ex-assessor do hoje senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), foi preso no início da manhã desta quinta-feira (18) em Atibaia, interior de São Paulo. Ele deverá ser levado para o Rio de Janeiro.

A ação faz parte da Operação Anjo, que cumpre ainda outras medidas cautelares autorizadas pela Justiça, relacionadas ao inquérito que investiga a chamada “rachadinha”, em que servidores da Assembleia Legislativa do Estado (Alerj) devolveriam parte dos seus vencimentos ao então deputado estadual Flávio Bolsonaro.

Queiroz era lotado no gabinete do parlamentar à época em que Flávio era deputado estadual.

O nome de Fabrício Queiroz consta em um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que aponta uma movimentação atípica de R$ 1,2 milhão em uma conta em nome do ex-assessor.

O relatório integrou a investigação da Operação Furna da Onça, desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro, que prendeu deputados estaduais no início de novembro do ano passado.

Contra outros suspeitos de participação no esquema (o servidor Matheus Azeredo Coutinho, os ex-funcionários Luiza Paes Souza e Alessandra Esteves Marins e o advogado Luis Gustavo Botto Maia), o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro obteve na Justiça a decretação de medidas cautelares que incluem busca e apreensão, afastamento da função pública, comparecimento mensal em juízo e a proibição de contato com testemunhas.

A Agência Brasil entrou em contato com a defesa de Queiroz, mas não obteve resposta.

Repercussão

Pelo Twitter, o senador Flávio Bolsonaro disse que encara a prisão do ex-assessor com tranquilidade e que “a verdade prevalecerá”. De acordo com o senador, a operação de hoje é “mais uma peça foi movimentada no tabuleiro para atacar Bolsonaro”.

Agencia Brasil


Entenda o caso Queiroz e as denúncias dos crimes que envolvem a família Bolsonaro

Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro e amigo pessoal do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), foi preso na manhã desta quinta-feira (18) em Atibaia, interior de São Paulo.

Os mandados de prisão e de busca e apreensão foram expedidos pela Justiça do Rio, a pedido do Grupo de Combate à Corrupção (Gaecc) do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP- RJ), que investiga a participação de Queiroz em um esquema de desvio de vencimentos de servidores do gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro, conhecido como “rachadinha”.

Queiroz foi encontrado pelo Gaeco, responsável pelo levantamento do terreno e pela confirmação do alvo da operação. Ele estava em um imóvel do advogado de Flávio, Frederick Wassef, o que explicita ainda mais as relações do senador com seu ex-funcionário.

Ele deixou o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil, no centro da capital paulista, por volta das 9h50, e foi levado para o Aeroporto do Campo de Marte, na Zona Norte da cidade. No Rio, ele deverá ir para o presídio de Benfica.

Policial militar aposentado, Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão em sua conta bancária de maneira considerada “atípica”, segundo relatório do antigo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), o que deu início às investigações.

A Polícia Civil de São Paulo declarou que os caseiros do imóvel onde Queiroz foi preso afirmaram, durante a operação, que o ex-assessor estava na residência havia cerca de um ano.

Entretanto, Wassef, advogado da família Bolsonaro e dono do imóvel em Atibaia, negou ter conhecimento do paradeiro de Queiroz, durante uma entrevista à jornalista Andreia Sadi, na GloboNews.

Além de representar Flávio, Wassef defendeu o próprio presidente recentemente. Inclusive no caso Adélio Bispo, envolvido no episódio da facada durante campanha presidencial de 2018, assim como nas denúncias envolvendo as acusações nas investigações do assassinato de Marielle Franco.

Entenda os detalhes do caso

Em 18 de dezembro de 2018, poucas semanas antes de Jair Bolsonaro tomar posse como presidente da República, o documento do órgão identificou uma série de transações financeiras atípicas em contas de assessores de parlamentares, entre eles, o deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro. Ambos os políticos eram integrantes do PSL na época.

Criado em 1998, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, e vinculado ao Ministério da Fazenda, o Coaf tem por objetivo disciplinar, aplicar penas administrativas, receber, examinar e identificar transações financeiras com suspeita de ilicitude.

Há poucas informações sobre o destino dos recursos, mas segundo o relatório, uma das transações é um cheque de R$ 24 mil destinado a Michelle Bolsonaro, esposa do presidente.

No relatório, o Coaf explica que as movimentações são suspeitas por três tipos de processos identificados:

1) “Pagamentos habituais a fornecedores ou beneficiários que não apresentam ligação com a atividade ou ramo de negócio da pessoa jurídica”;

2) “Movimentações em espécie” feitas por clientes que costumam utilizar “outros instrumentos de transferência”, como “cheques, cartões de débito ou crédito”;

3) “Movimentação de recursos incompatível com o patrimônio, a atividade econômica ou a ocupação profissional e a capacidade financeira do cliente”.

O documento ainda revela que a maior parte dos depósitos em dinheiro, feitos na conta do ex-motorista de Flávio Bolsonaro, coincide com as datas de pagamento na Alerj.

Na folha de pagamento de setembro, por exemplo, o motorista aparece com salário de R$ 8.517. Ele ocupava o cargo comissionado de Assessor Parlamentar III, no gabinete de Flávio Bolsonaro. Segundo o Coaf, ele também acumulava um salário de R$ 12,6 mil da Polícia Militar.

O relatório foi produzido a pedido do Ministério Público Federal e fez parte da Operação Furna da Onça, um desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro deflagrado em novembro.

Interferência

A operação que trouxe à tona a denúncia do esquema de rachadinha no gabinete de Flávio Bolsonaro teria sido adiada para não afetar eleição de seu pai, Jair Bolsonaro.

Em maio deste ano, Paulo Marinho, suplente do senador Flávio Bolsonaro, afirmou que o parlamentar foi avisado, entre o primeiro e o segundo turno das eleições de 2018, que a operação da Polícia Federal contra Fabrício Queiroz e desvio de dinheiro público na Assembleia fluminense, seria deflagrada em novembro daquele ano.

Segundo declarou Marinho, que é pré-candidato à prefeitura do Rio pelo PSDB, o alerta a Flávio partiu de um delegado da PF, partidário de Jair Bolsonaro.

Na ocasião, ele afirmou que Flávio Bolsonaro o procurou “absolutamente transtornado”, em busca de indicação de um advogado criminal. E lhe confessou que os policiais teriam impedido a deflagração da operação em outubro de 2018, no meio das eleições, para não prejudicar a candidatura de Bolsonaro à presidência.

O partidário de Bolsonaro na Polícia Federal ainda teria dito a seu filho que deveria demitir imediatamente Queiroz e sua filha, Nathália Queiroz – essa que estava lotada no gabinete do presidente, à época, deputado federal em Brasília. Ambos foram, de fato, exonerados no dia 15 de outubro de 2018.

Apuração das acusações

O andamento das investigações da operação que tem como um dos alvos Flávio Bolsonaro, teria levado Jair Bolsonaro a interferir diretamente na troca do comando da Polícia Federal no Rio de Janeiro, motivo alegado pelo ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, para deixar o cargo. O órgão é responsável pela investigação do caso no estado fluminense e também em Brasília.

O inquérito que o Ministério Público do Rio apura sobre acusações de organização criminosa, lavagem de dinheiro e peculato (desvio de dinheiro público) pelo filho de Bolsonaro segue em sigilo.

O site The Intercept Brasil teve acesso em abril deste ano a documentos sigilosos e dados levantados pelo MP-RJ durante a investigação que apontam que o dinheiro de “rachadinha” foi utilizado como investimento para edificações levantadas por três construtoras: São Felipe Construção Civil Eireli, São Jorge Construção Civil Eireli e ConstruRioMZ.

Segundo a investigação do MP, elas teriam sido registradas em nome de laranjas do Escritório do Crime. Adriano da Nóbrega – executado em fevereiro – e dois outros oficiais da PM integrantes do grupo, o tenente reformado, Maurício da Silva Costa, e o major Ronald Paulo Alves Pereira, seriam os verdadeiros donos das construtoras.

O hoje senador Flávio Bolsonaro receberia o lucro do investimento dos prédios, de acordo com os investigadores, por meio de repasses feitos por Nóbrega e pelo ex-assessor Fabrício Queiroz.

O papel de Queiroz

Segundo as investigações, Queiroz confiscava em média 40% dos salários dos servidores do gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj e repassava parte do dinheiro ao ex-capitão do Bope, Adriano da Nóbrega, apontado como chefe do Escritório do Crime, milícia especializada em assassinatos por encomenda que atua na zona oeste do Rio.

A organização criminosa também atua nas cobranças de “taxas de segurança”, ágio na venda de botijões de gás, garrafões de água, exploração de sinal clandestino de TV, grilagem de terras e na construção civil em Rio das Pedras e Muzema.

Ainda de acordo com o MP-RJ, Flávio também pagava os salários de seus funcionários com a verba de seu gabinete na Casa Legislativa.

Queiroz e Adriano da Nóbrega

Queiroz e Adriano da Nóbrega se conheceram em 2003, quando serviram juntos no 18º Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro (PMRJ). Justamente neste ano, Nóbrega recebeu a primeira homenagem de Flávio Bolsonaro na Alerj. A segunda viria em 2005, ano em que o ex-agente do Bope foi julgado e condenado por um júri popular, por conta de um homicídio. O miliciano não compareceu à premiação por estar preso.

Durante o seu julgamento, Nóbrega recebeu um apoio importante, do então deputado federal Jair Bolsonaro. Após a audiência que culminou na condenação do miliciano, o atual presidente da República foi até a tribuna da Câmara dos Deputados e defendeu o militar: “Ele sempre foi um brilhante oficial”.

Em 2007, Nóbrega recorreu da decisão e foi inocentado. Em 2013, foi expulso da PM, por conta de seu envolvimento com o jogo do bicho.

Outro importante personagem do Escritório do Crime, o major Ronald Paulo Alves, apontado por Beto Bomba como responsável por organizar o grupo de assassinos que executariam Marielle Franco e Anderson Gomes, também foi homenageado por Flávio Bolsonaro na Alerj.

Justiça para Marielle

O brutal assassinato da vereadora Marielle Franco, há mais de dois anos, também colocou em evidência o envolvimento da família presidencial com a milícia carioca.

Exatamente um ano após a morte, o policial reformado Ronnie Lessa e o ex-policial militar Élcio Queiroz foram detidos, acusados de serem os executores do crime que repercutiu mundialmente.

Lessa é vizinho de Jair Bolsonaro no condomínio Vivendas da Barra, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. Nas redes sociais, Élcio Queiroz, por sua vez, exaltava o mandatário brasileiro com frequência, além de expor fotos com ele.

Meses depois, em outubro de 2019, Raquel Dodge apresentou uma denúncia ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) apontando Domingos Inácio Brazão, ex-deputado e conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, como mandante do assassinato da vereadora.

O envolvimento da família Bolsonaro com os responsáveis da morte de Marielle provocou até mesmo uma campanha contra a federalização da investigação do caso. Uma bandeira antiga da família da vereadora, que mudou completamente de posição após a chegada de Bolsonaro na presidência.

Já Adriano da Nóbrega foi assassinado no dia 9 de fevereiro deste ano, após uma operação policial que tentava capturá-lo na Bahia, depois de um ano foragido.

Em entrevista ao Globo, seu advogado, Paulo Emílio Catta Preta, chegou a levantar a possibilidade de que seu cliente tenha morrido como “queima de arquivo”.

“Ele me disse assim: ‘doutor, ninguém está aqui para me prender. Eles querem me matar. Se me prenderem, vão matar na prisão. Tenho certeza que vão me matar por queima de arquivo’. Palavras dele”, afirmou o defensor.

Com Adriano, foram apreendidos 13 celulares, que estão com a Polícia Civil do Rio de Janeiro.

Brasil de Fato


Bolsonaro critica prisão ‘espetaculosa’ de Queiroz

O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta quinta-feira (18) a forma “espetaculosa” como ocorreu a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, em Atibaia, no interior de São Paulo, em um imóvel do advogado Frederick Wassef.

“Parecia que estavam prendendo o maior bandido da face da Terra”, avaliou o presidente durante sua tradicional live semanal em uma rede social.

De acordo com Bolsonaro, Queiroz não estava foragido e a prisão foi realizada sem a existência de um mandato contra ele. “Tranquilamente, se tivessem pedido ao advogado o comparecimento dele a qualquer local, creio eu que ele teria comparecido”, afirmou Bolsonaro.

Ao analisar o fato de que o ex-assessor estava na casa do advogado da família em Atibaia, o presidente diz que a região é próxima do hospital onde Queiroz faz tratamento contra o câncer.

investigado pela suposta prática de “rachadinha” quando atuava no gabinete de Flávio na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), Queiroz encontra-se no presídio de Bangu, para onde foi transferido após a prisão.

Bolsonaro aproveitou a live pra também negar a existência de operações de busca a apreensão em uma casa dele cidade de Bento Ribeiro (RJ) e de uma funcionária de seu outro filho, o deputado Carlos Bolsonaro.

Assista ao vídeo:

Veja abaixo o vídeo do momento da prisão de Queiroz:

R7

Más notas sobre el tema