Incendios en Brasil | Se destruyen 2 millones de hectáreas y crece la presión internacional contra la política ambiental de Bolsonaro

1.318

Brasil: desde comienzos de año hubo más de 15.000 incendios en el Pantanal y destruyeron más de 2 millones de hectáreas

El Pantanal, mayor humedal del mundo y que Brasil comparte con Bolivia y Paraguay, terminará septiembre con número récord de incendios y aumentan la presión sobre la ya cuestionada política ambiental del presidente Jair Bolsonaro.

Según datos divulgados por el Instituto Nacional de Pesquisas Espaciales (INPE), el Pantanal brasileño registró en los primeros 16 días de septiembre 5.603 focos de calor, que superan los 5.498 incendios registrados en los 30 días de septiembre de 2007, que hasta ahora eran récord para el mes.

Los incendios en lo que va del mes prácticamente doblan los 2.887 registrados en los 30 días de septiembre de 2019 y al actual ritmo convertirán este septiembre en el mes con mayor número de focos de calor en la historia del Pantanal, por encima del récord de 5.993 registrado en agosto de 2005.

De acuerdo con el organismo, cuando aún faltan tres meses y medio para finalizar el año, el Pantanal acumuló 15.756 incendios entre el 1 de enero y el 16 de septiembre, un récord que ya supera los focos de calor registrados en todo 2005, el peor año en la historia del humedal y cuando fueron contabilizados 12.536 incendios.

Según el INPE, los incendios de este año habían destruido hasta la semana pasada 2,35 millones de hectáreas (23.500 kilómetros cuadrados) de vegetación en el Pantanal, casi el 16 % del humedal en Brasil y un área superior a la de países como Israel o El Salvador.

Pero algunas organizaciones ambientalistas calculan que la destrucción es muy superior. “El área quemada este año ya alcanza el 22 % del Pantanal”, dijo a Efe Alice Thuault, directora adjunta del Instituto Centro de Vida (ICV), una ONG que monitora la deforestación y los incendios en el ecosistema.

El Pantanal, que tiene unos 250.000 kilómetros cuadrados de extensión y es considerado uno de los ecosistemas más ricos del mundo en biodiversidad de flora y fauna, con cerca de 600 especies de aves, 124 de mamíferos, 80 de reptiles y 60 de anfibios.

Animales en peligro
Un recorrido por los 150 kilómetros de la Carretera Transpantanera entre Poconé y Porto Jofre, en el estado de Mato Grosso do Sul, permite ver las cenizas en que quedó convertido gran parte de su biodiversidad, una destrucción que afectó tanto reservas ambientales como indígenas y que dejó cientos de animales muertos, entre los cuales algunos amenazados como el jaguar.

Según el ICV, las llamas ya destruyeron el 85 % de las 109.000 hectáreas del parque ambiental Encontro das Aguas, ubicado en Porto Jofre y uno de los lugares más turísticos del bioma por concentrar el mayor número de jaguares del mundo.

Un año después de que las imágenes de la Amazonía brasileña en llamas conmocionaran al mundo y generaran protestas globales, los incendios de 2020 han afectado principalmente el Pantanal debido a la larga sequía -la mayor en 47 años-, las fuertes temperaturas de esta época, los cambios climáticos y la fuerza de los vientos.

Pese a que los incendios son naturales en el Pantanal en esta época, la organización ecologista Instituto SOS Pantanal calcula que más del 90 % de los de este año fueron provocados por hacendados y colonos interesados en ampliar sus tierras para cultivo y ganado.

“El desastre en curso en el Pantanal no tiene precedentes, pero podía haber sido mitigado. Desde finales del año pasado había indicios de que la sequía sería grave y el propio INPE lo advirtió. Faltó planificación e integración”, afirmó Thuault a Efe.

Presión sobre Bolsonaro
Por eso tanto Gobiernos de diferentes países, las organizaciones ecologistas y hasta las propias empresas brasileñas elevaron su presión contra la política ambiental de Bolsonaro, acusado de incentivar la deforestación con su retórica antiambientalista y que redujo recursos para el sector y flexibilizó la fiscalización.

El lunes el vicepresidente brasileño, el general de la reserva Hamilton Mourao, recibió una carta de 230 organizaciones y ONG exigiendo medidas al Gobierno para detener la degradación ambiental, un día después recibió una misiva de ocho países europeos, que alegan que la deforestación puede dificultar la venta de productos brasileños en el exterior.

Los ocho países firmantes de la carta (Alemania, Dinamarca, Francia, Italia, Holanda, Noruega, Reino Unido y Bélgica) importaron 6.770 millones de dólares en productos agrícolas brasileños entre enero y agosto, el 10 % de lo que el agronegocio de Brasil mandó al exterior este año.

El miércoles un grupo de ONGs europeos le pidió al Gobierno francés que “sepulte definitivamente” el acuerdo de libre comercio entre la Unión Europea (UE) y el Mercosur, que fue objeto de negociaciones por dos décadas y aún depende de ratificación.

“La carta enviada por los países europeos es preocupante y revela que antiguos socios comerciales de Brasil perdieron la confianza en el Gobierno. Bolsonaro está destruyendo nuestros biomas, el clima de la Tierra y el futuro económico del país por una ideología que favorece el crimen ambiental”, afirmó Marcio Astrini, secretario del Observatorio del Clima, una coalición brasileña de ONGs ecologistas.

El director de la Fundación Armando Alvares Penteado (Faap), el exembajador y exministro brasileño y exsecretario de la Unctad Rubens Ricupero, asegura que Brasil está ante la mayor ola de presión, externa e interna, de su historia. “En 80 años nunca vi eso: una presión con convergencia externa e interna que une ONGs, grandes empresas, bancos y hasta Gobiernos”, dijo.

Clarín


Incêndios já tomam quase metade das terras indígenas no Pantanal

Apenas em setembro, 164 focos de incêndio avançaram sobre terras indígenas (TIs) no Pantanal. Mais de 200 em agosto. Quase metade das áreas indígenas regularizadas na região já enfrenta queimadas – que têm cercado aldeias, destruído casas e plantações e levado a internações por problemas respiratórios.

As conclusões são resultado de um levantamento da Agência Pública a partir de dados de satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). A apuração, que analisou todos os focos de incêndio registrados no Pantanal em 2020, revelou que o número começou a aumentar no final de julho, mas explodiu em agosto e setembro – 72% dos focos do ano ocorreram apenas nesses meses.

Os dados de satélite revelam também que, em alguns dos locais que mais sofreram com as queimadas, os focos de incêndio surgiram e se multiplicaram primeiro em propriedades privadas para depois tomar as TIs. Além disso, parte do fogo teve início em áreas de reserva legal e de mata nativa de donos de terra, que são protegidas por lei e devem ser preservadas.

“O fogo entrou de uma hora para outra”, “tudo está acabando”, dizem indígenas

“O fogo se iniciou de fora da terra indígena. Quando veio, veio com tudo, entrou de uma hora para outra”, relata à reportagem o educador indígena Estêvão Bororo, conhecido como Estevinho. A Pública procurou Estevinho depois de ter verificado, nas imagens de satélite, que a TI Tereza Cristina, do povo Bororo, estava tomada por focos de incêndio. O território, que fica numa área de transição do Cerrado para o Pantanal no município de Santo Antônio do Leverger, registrou 86 focos de incêndio, 81 deles apenas nas duas primeiras semanas de setembro.

“A terra é cortada pelo rio São Lourenço: a margem esquerda do rio pegou fogo, cercou duas aldeias, queimou uma ponte. Depois, o fogo avançou em direção à aldeia Córrego Grande, que foi a mais impactada. Veio com tudo, cercou até mesmo as residências. Apesar de não ter pego fogo nas casas, nosso líder precisou ir para Rondonópolis porque inalou muita fumaça. Temos idosos, gestantes, puérperas [mulheres que pariram recentemente], crianças”, relata Estevinho.

Indígenas Bororo, da terra Tereza Cristina, viram o fogo cercar três aldeias. Pessoas precisaram sair para outras terras e um líder foi transferido por problemas respiratórios

Segundo o indígena, as queimadas haviam começado primeiro fora do Pantanal, na área de Cerrado da TI Tadarimana, que fica no município vizinho de Rondonópolis – região de plantações de soja, algodão e milho. Estevinho conta que, em julho, incêndios tomaram 60% da Tadarimana. Já agora em setembro, com a migração das queimadas para a área da Tereza Cristina e de outras terras dos Bororo no Pantanal, indígenas precisaram sair de suas casas e se refugiar justamente na Tadarimana, que enfrentou as queimadas antes.

Indígenas relataram que, terra Tadarimana, próximo a Rondonópolis e fora do Pantanal, sofreu antes com as queimadas. Pessoas precisaram ir para lá quando as queimadas passaram à terra Tereza Cristina, em agosto e setembro.

A situação é crítica também na Baía dos Guató, terra do povo Guató, no município de Barão de Melgaço, vizinho de Santo Antônio do Leverger. Os dados de satélite do Inpe registram 57 focos de incêndio na área em setembro e 85 em agosto. Quase toda a extensão da terra foi tomada por focos.

“As queimadas destruíram roças, queimaram casas. O fogo destruiu uma parte bem grande do nosso território, destruindo muitas árvores, animais, aves, prejudicando nossa fauna e flora e a nossa segurança alimentar, porque destruiu nossas roças. Estamos muito preocupado com as nossas matas porque é delas que retiramos o nosso sustento, as nossas medicações tradicionais. Com a queimada, tudo isso está comprometido. Não encontramos mais muitas ervas que usamos para tratar das enfermidades e também a palmeira acuri, que utilizamos para fazer cobertura das casas tradicionais e alguns utensílios, e pra fazer a chicha, uma bebida tradicional. Tudo está acabando”, desabafa Alessandra Guató.

A terra dos Guató fica próxima ao Parque Estadual Encontro das Águas, que também foi tomado por focos de incêndio: foram 456 apenas em agosto e setembro. Segundo reportagem do G1, 85% da área do parque foi destruída pelas queimadas.

O território dos Guató é um exemplo de como focos de incêndio podem proliferar em propriedades privadas para depois atingir TIs e unidades de conservação. No início de agosto, quase não havia focos de incêndio ao norte da terra dos Guató. Com o passar dos dias, eles passaram a ser registrados em áreas de reserva legal e mata nativa dentro de propriedades privadas ao norte da área indígena. Em seguida, surgiram incêndios dentro da TI. Ao final do mês de agosto, já havia focos em quase todo o território indígena, e 36 foram registrados em apenas um dia.

Indígenas alertam que queimadas, além de destruírem vegetação e matar animais, afetam rios e os deixam vulneráveis a assoreamento

Cinco TIs registram incêndios; três parques estaduais e federais também

Ao todo, a Pública encontrou focos de incêndio em cinco TIs regularizadas nos municípios do Pantanal: cerca de metade das 11 da região. A área indígena com mais focos é também a maior, a TI Kadiwéu, dos Terena e Kadiwéu, no Mato Grosso do Sul. Foram 176 focos desde maio deste ano, a maior parte deles em agosto.

A reportagem procurou a Funai, questionando sobre a situação das terras e qual apoio os indígenas têm recebido, mas não obtivemos resposta.

Além disso, em todo o Pantanal há focos de incêndio em três parques estaduais, em um nacional, em uma área de proteção ambiental, em duas reservas particulares e em uma estação ecológica.

Todos os municípios do Pantanal registraram focos de incêndio entre julho e setembro. Poconé e Barão de Melgaço, no Mato Grosso, foram os com maior número – o Parque Estadual Encontro das Águas está localizado nesses dois municípios.

Aumento de queimadas era previsto, mas governo demorou a agir, denuncia servidor.

A Pública conversou com um agente do PrevFogo, do Sistema Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais, que não quis se identificar por medo de represálias. Segundo o servidor, os monitoramentos meteorológicos já apontavam a intensificação das queimadas em 2020, com as temperaturas acima da média e as chuvas abaixo. De acordo com ele, o planejamento estratégico do órgão contava com a antecipação da contratação de brigadistas para trabalhar na prevenção das queimadas.

Contudo, o edital de contratação, que costuma ser publicado em meados de abril, só foi aberto em 23 de junho. O edital abriu 60 vagas para brigadistas indígenas no Mato Grosso do Sul, nas aldeias Taunay Ipegue, Limão Verde, São João e Alves de Barros, nos municípios de Aquidauana e Porto Murtinho, além de 29 brigadistas não indígenas em Corumbá, município recordista das queimadas no Brasil. Já no Mato Grosso, 46 vagas foram abertas para as brigadas nos municípios de Cotriguaçu e Serra Nova Dourada. Nenhuma em território indígena.

Para o servidor, o atraso na contratação prejudicou as ações de prevenção do órgão. “A gente acredita que isso prejudicou bastante o nosso trabalho. A nossa previsão era trabalhar a prevenção no mês de junho, para que a gente tivesse uma temporada um pouco menos pior do que estamos tendo”, relata.

A reportagem questionou o Ibama sobre a demora na contratação de brigadistas e sobre as ações que o órgão está tomando para combater as queimadas. O órgão não respondeu até a publicação da reportagem.

Em 20 de agosto, o presidente Jair Bolsonaro admitiu em uma live que a situação do bioma é grave, mas alegou que as dificuldades impostas pelo tamanho da região e “questões ideológicas”, como a proibição da criação de gado solto, pioraram o quadro. “A gente faz o possível, mas a oposição vai continuar botando a culpa em mim do fogo da Amazônia, do fogo do Pantanal, mas vamos tocar o barco. Como se nunca tivesse pegado fogo nessa região.” No dia 15 de setembro, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que o fogo no Pantanal “tomou proporções gigantescas”.

A Pública conversou com um agente do PrevFogo, que disse que dados meteorológicos já apontavam aumento das queimadas em 2020, mas governo atrasou edital para novos brigadistas

Maioria dos brigadistas no Mato Grosso são indígenas, que pedem mais recursos

Além de serem afetados pelo fogo que avança pelo Pantanal, os indígenas são uma parte da força que tenta impedir a destruição de seus territórios. Segundo o último edital do Ibama para brigadistas no Mato Grosso do Sul, das cinco brigadas existentes no estado, quatro são indígenas. A reportagem questionou o órgão sobre a quantidade de brigadas indígenas no Mato Grosso, mas não obteve resposta.

Para Eliane Bakairi, da Federação dos Povos Indígenas do Mato Grosso (Fepoimt), o número de brigadas é insuficiente, principalmente em territórios mais afetados, como a Baía dos Guató e a TI Perigara, em Barão de Melgaço. “Conversando com o cacique Roberto, ele disse que o fogo passou por lá na aldeia Perigara. E o fogo queimou tudo, queimou toda a TI. Conversando com o pessoal dos Guató, também a situação é bem complicada lá. As brigadas são insuficientes, o PrevFogo sofreu cortes orçamentários e isso está sendo sentido nas brigadas, mas o Pantanal continua queimando”, critica.

As brigadas fazem parte do Programa Brigadas Federais do PrevFogo, do Ibama, que deve realizar o controle, a prevenção e o combate a incêndios florestais. Contudo, segundo reportagem da Deutsche Welle, entre 2019 e 2020 o governo federal reduziu em 58% a verba destinada ao centro, um corte de R$ 13,79 milhões, que impactou a contratação de brigadistas para prevenção e o controle de incêndios florestais.

Para Eliane Bakairi, é necessário expandir as brigadas além de fortalecer as já existentes, “o Pantanal está queimando, por que não aumenta o contingente de pessoas? Por que não investe em mais carro, mais material de combate? Se não tivesse o recurso, mas tem. Sempre há cortes, mas nesse governo a gente tem sentido mais os cortes, cortes de pessoal, cortes de investimento no combate ao fogo, no combate ao desmatamento. Nos outros também aconteciam, mas não com essa intensidade”, questiona.

A crítica de Estêvão Bororo é parecida: “É imprescindível que as terras indígenas tenham equipes de brigadistas”, diz. “Aprendemos a lição: dizem que não podemos montar brigada porque tem corpo de bombeiros próximo. A terra Tereza Cristina está a 120 quilômetros de Rondonópolis, distante 200 quilômetros da sede do município de Santo Antônio de Leverger, longe de Cuiabá. Se tivéssemos apoio para manter a brigada, teríamos equipes de vigias, grupos de guarda à noite, equipe para fazer os aceiros [quando se retira vegetação para impedir avanço do fogo]. Teríamos poder de prevenção mais consolidado”, avalia.

Para ele, as brigadas indígenas devem ser apoiadas institucionalmente pelos governos federal e estaduais, que devem ter responsabilidade de custear as equipes, mas também de oferecer treinamento e atuar junto às organizações dos próprios indígenas.

As brigadas indígenas se queixam, além do corte de investimento, da pandemia. Um agente do PrevFogo, que conversou anonimamente com a reportagem, explicou que o órgão optou por isolar as brigadas indígenas para evitar o contágio dos brigadistas. O receio é que indígenas se infectem e levem o vírus para as suas comunidades.

O programa de brigadas indígenas foi criado em 2013 por um acordo entre a Funai e o Ibama. Os brigadistas indígenas são contratados temporariamente durante seis meses, recebendo um salário mínimo. De acordo com a Funai, atualmente existem 39 brigadas indígenas atuando em todo o Brasil.

Assim como na Amazônia, Ibama multa cada vez menos no Pantanal

Com o governo Bolsonaro, o Ibama tem aplicado menos multas em todo o Brasil – e a situação se repete no Pantanal. Segundo dados coletados pela Pública, no primeiro ano de mandato do presidente houve redução de 71% na quantidade de multas relacionadas à flora no Pantanal, em comparação ao ano anterior. Multas nessa categoria incluem infrações decorrentes de desmatamento e queimadas ilegais, por exemplo.

A diminuição se manteve em 2020. Até o final de agosto, foram registradas 21 multas nos municípios do Pantanal, menor número de multas da década, comparando-se os mesmos meses. No ano anterior, esse número foi mais que o dobro, com 54 multas aplicadas na região entre janeiro e agosto de 2019.

Dos 16 municípios que fazem parte do Pantanal, dez tiveram queda na aplicação de multas em 2019 em relação a 2018. Entre eles está Corumbá, cidade com o maior número de focos de incêndio registrados nesta temporada e onde se investiga um possível início criminoso das queimadas no Mato Grosso do Sul.

ONG internacional teve acesso à minuta do contrato que tratava da fundação que administraria a verba da Petrobras antes dele ser assinado; diretor sugeriu que MPF estivesse fora do conselho, mas Dallagnol o ignorou

Com Bolsonaro, fazendas foram certificadas de maneira irregular em terras indígenas na Amazônia

Levantamento exclusivo revela que mais de 100 propriedades foram autorizadas em TIs que aguardam demarcação; autorizações explodiram com nova portaria da Funai que desprotege territórios

“As pessoas acabam se sentindo livres para poderem cometer crimes ambientais, e isso vem sendo reforçado pelo próprio presidente”, diz à reportagem um brigadista do Ibama, em condição de anonimato. Segundo ele, o órgão tem encontrado dificuldades para embargar propriedades e destruir o maquinário utilizado nas infrações ambientais, o que compromete a fiscalização.

A reportagem procurou o Ibama, sobre a razão da diminuição das multas e se isso poderia incentivar crimes ambientes. O órgão não respondeu.

Em agosto, a Pública revelou situação parecida na Amazônia, onde as multas caíram em regiões com aumento de desmatamento. Na última terça-feira (15), a Polícia Federal deflagrou a Operação Tokens, que investiga fraudes no sistema de multas do Ibama em territórios da Amazônia Legal. Criminosos tinham acesso ao sistema de infrações, tirando o embargo de áreas multadas.

O fogo se espalha – e a desinformação também

Apesar de integrarem brigadas que combatem as queimadas, indígenas e brigadistas têm sido acusados nas redes sociais como responsáveis por elas no Pantanal. Em mensagens em grupos no WhatsApp, um grupo de indígenas é apontado por incendiar a vegetação. Contudo, de acordo com Eliane, trata-se de indígenas que, contratados pelo próprio Ibama, utilizam técnicas de queimada controlada, antes do período dos incêndios, justamente para evitar que estes se espalhem descontroladamente.

Conteúdos falsos compartilhados em redes sociais acusam indígenas e brigadistas de provocarem queimadas. Técnicos utilizam fogo controlado para retirar parte da vegetação, impedindo que incêndios se espalhem ainda mais

“Alguns fazendeiros em grupos de WhatsApp acusaram de serem os indígenas que tinham iniciado o fogo lá, e não é bem isso. Pelo contrário, a gente sabe que é o meio de queima de roça, que faz foco de fogo por causa disso”, conta Eliane Bakairi, da Federação dos Povos Indígenas do Mato Grosso.

De acordo com a Eliane, os indígenas são alvo também de acusações sobre a chegada do coronavírus na região. “Até o próprio Covid, somos acusados de levar o Covid. E não é verdade. Quem que trouxe pra gente? Como sempre, é o não indígena, e é o não indígena que tem dinheiro que traz as coisas ruins. Que vai passando pra todo mundo até chegar nos povos tradicionais”, desabafa.

Vídeos de brigadistas fazendo o manejo controlado do fogo foram utilizados para culpá-los pelos incêndios no Pantanal. O conteúdo falso afirmava que os funcionários do ICMBio tinham a intenção de prejudicar a imagem do presidente. “Existe todo um estudo técnico e científico para prescrever esse uso do fogo. E era isso que estava sendo feito naquele vídeo que circulou. Esse tipo de informação falsa que corre desconstrói todo um trabalho de anos que a instituição vem fazendo justamente para impedir que os incêndios florestais ocorram”, diz Luciano Pereira, morador de Cáceres e integrante do Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios (Icomos).

Metodologia da análise de dados:

1) Download dos dados abertos de multas aplicadas pelo Ibama. Foram exportadas, no dia 31 de agosto, as planilhas dos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

2) Limpeza das planilhas

– Unimos as planilhas do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

– Filtramos os municípios que fazem parte do Pantanal (Aquidauana, Barão de Melgaço, Bodoquena, Cáceres, Corumbá, Coxim, Itiquira, Ladário, Lambari d’Oeste, Miranda, Nossa Senhora do Livramento, Poconé, Porto Murtinho, Rio Verde de Mato Grosso, Santo Antônio do Leverger e Sonora) e removemos as outras cidades da planilha.

– Filtramos as entradas de multas aplicadas no período de janeiro de 2011 a agosto de 2020 e removemos os registros de 1985 a 2010.

– Os registros duplicados foram removidos, totalizando 911 multas para análise, que podem ser vistas nesta planilha.

3) Download e limpeza dos dados de queimadas: a partir de dados do satélite de referência (AQUA-MT), fizemos a exportação dos dados espaciais de focos de queimadas no Pantanal em todo o ano de 2020.

4) Cruzamento entre os dados de geolocalização das áreas queimadas, áreas de conservação e TIs no Pantanal com os dados de Cadastro Ambiental Rural, para identificar se os primeiros focos de incêndio ocorreram em imóveis privados. O resultado pode ser conferido aqui.

Brasil 247


Bolsonaro ignora queimadas no Pantanal e diz que preservação ambiental no Brasil ‘está de parabéns’

Em meio às críticas internas e externas decorrentes do aumento recorde das queimadas no Pantanal, Jair Bolsonaro afirmou, nesta quinta-feira (17), que “o Brasil está de parabéns” no que diz respeito à preservação ambiental.

“O Brasil é o país que mais preserva o meio ambiente e, não entendo como, é o país que mais sofre ataques no tocante ao seu meio ambiente. O Brasil está de parabéns pela maneira como preserva o seu meio ambiente”, disse Bolsonaro durante um evento de inauguração de uma usina fotovoltaica no interior da Paraíba.

Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), as queimadas no Pantanal cresceram 208% entre de 1 de janeiro e 16 de setembro deste ano sobre o mesmo período de 2019. A área queimada, de acordo com o Ibama, chega a 2,9 milhões de hectares, correspondendo a cerca de 19% do bioma. Na Amazônia, as queimadas cresceram 12%.

Brasil 247


Cresce pressão da Europa contra política que destrói florestas no Brasil

O embaixador da União Europeia no Brasil, Ignacio Ybáñez, reforçou enfaticamente nesta quinta-feira (17) o profundo mal estar político que a destruição da Amazônia e do meio ambiente no Brasil vem causando na Europa. “O processo de ratificação e assinatura do acordo (entre Mercosul e União Europeia) será político e haverá debate. O acordo tem um capítulo sobre comércio e desenvolvimento sustentável, com compromissos de ambas as partes sobre regras que promovem a sustentabilidade. O capítulo fala, por exemplo, sobre o compromisso de respeitar o Acordo de Paris sobre clima. Também sobre a proteção da biodiversidade”, disse ele ao jornal O Globo.

A omissão do governo Jair Bolsonaro frente ao desmatamento da Floresta Amazônica e ao incêndio no Pantanal ameaça fortemente a assinatura do acordo entre Mercosul e União Europeia (UE). A pressão das sociedades tem forçado líderes e políticos no Velho Mundo a refazer estratégias em seus posicionamentos nas relações internacionais e também internamente.

A menção ao Acordo de Paris por Ybáñez é significativa. No final de 2019, Bolsonaro não compareceu à Cúpula do Clima em Madri (COP 25) em reunião de chefes de Estado em Madrid para debater mudanças climáticas e justamente o Acordo de Paris. Recém-eleito em 2018, o presidente brasileiro cancelou a realização da importante reunião, que seria no Brasil. Representando o governo brasileiro, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, voltou do evento dizendo que “a COP 25 não deu em nada”.

Para entrar em vigor, o acordo Mercosul-União Europeia precisa ser aprovado pelo Parlamento Europeu e pelos congressos nacionais dos países-membros. O texto ainda não foi sequer fechado. Só depois disso ele passará pelo crivo dos parlamentos.

Mobilização na Europa

“A declaração de Ybáñez não surpreende, porque o movimento tem sido feito desde o ano passado. Alguns parlamentos já estavam se manifestando no sentido de não aprovar esse acordo”, diz Elaini Silva, doutora em Direito Internacional pela USP e professora do mestrado Profissional em Governança Global e Formulação de Políticas Internacionais da PUC de São Paulo. Ela cita os parlamentos da Bélgica, Holanda e Áustria como alguns onde há mobilização de parlamentares pedindo a rejeição do tratado.

“As sociedades estão se mobilizando, tentando meios de conseguir de alguma forma controlar melhor a atuação de seus políticos. Na democracia, a ação dos políticos tem que refletir o interesse da sociedade”, afirma. Um dos interesses crescentes para as sociedades em todo o planeta é a questão ambiental.

Na Alemanha, em particular, os políticos sabem que o tema pode ser decisivo para suas pretensões nas eleições de 2021, quando o país escolherá um novo chanceler.

Segundo a edição brasileira no jornal alemão Deutsche Welle, para o governo da primeira-ministra Angela Merkel, “as taxas de desmatamento no Brasil são preocupantes, e as condições para melhorar os direitos territoriais e a proteção dos povos indígenas e grupos tradicionais vêm se deteriorando”.

Esse posicionamento é reflexo das pressões sobre parlamentares, que por sua vez pressionam o governo. Os deputados verdes são os mais fortes opositores do acordo na Alemanha exercem influência no continente.

Acordo Mercosul-UE: risco de fracasso

A destruição das florestas no Brasil é principalmente consequência dos interesses dos latifundiários e do agronegócio, representados por Ricardo Salles. Na reunião de 22 de abril, uma fala do ministro provocou escândalo e perplexidade mundial. Ele defendeu que, aproveitando a pandemia de covid-19, as políticas deveriam “ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas”. Segundo ele, “de IPHAN, de ministério da Agricultura, de ministério de Meio Ambiente, de ministério disso, de ministério daquilo”.

Para Elaini, nem mesmo em “interesses do Brasil” se pode falar, quando se pensa na possibilidade de o acordo UE-Mercosul fracassar ou mesmo na ameaça que a postura brasileira representa às exportações do país. A produção de soja e carne, por exemplo, são as duas culturas mais altamente destrutivas do meio ambiente, e portanto prejudiciais à toda sociedade. A floresta amazônica está caindo para dar lugar a pastos.

“Quando se fala que o Brasil exporta, é uma falácia. O governo brasileiro não exporta, o Brasil não exporta, o povo brasileiro não exporta. Quem exporta são empresas. Numa sociedade altamente desigual como a nossa, os benefícios da exportação não são igualmente distribuídos por todo o povo”, destaca Elaini Silva.

Enquanto as florestas queimam e caem, Bolsonaro mantém seu discurso de indiferença perversa e o atrelamento aos Estados Unidos de Donald Trump. Na quarta (16), ele afirmou, sobre a tragédia ambiental, que as críticas são “desproporcionais”. “Pega fogo, né? O índio taca fogo, o caboclo, tem a geração espontânea”, disse o presidente da República do Brasil.

Defund Bolsonaro

Um vídeo divulgado por entidades ambientalistas e promovido pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) ganhou o mundo. Denominada Defund Bolsonaro (Corte o financiamento de Bolsonaro, em tradução livre), a campanha, para divulgação internacional, propõe o boicote a empresas de soja, carne e couro brasileiras que, com o apoio do governo, estão relacionadas com as queimadas na Amazônia. O ator Leonardo DiCaprio apoia a campanha.

Rede Brasil Atual


VOLVER

  

Más notas sobre el tema