Elecciones en Brasil | 57 ciudades disputan hoy la segunda vuelta de las elecciones municipales

745

Segunda vuelta en Brasil: claves de unas elecciones municipales que ponen en jaque a Jair Bolsonaro

Unos 38,3 millones de electores brasileños regresará a las urnas este domingo para elegir en segunda vuelta los alcaldes de 57 grandes ciudades, incluyendo San Pablo y Río de Janeiro. Los candidatos de centroderecha llegan con ventaja, en una elección que podría marcar un revés para el presidente ultraderechista Jair Bolsonaro.

La segunda vuelta se realiza en las ciudades donde ninguno de los candidatos obtuvo más de la mitad de los votos en la primera ronda, el 15 de noviembre.

En la primera vuelta fueron elegidos alcaldes y Concejos de los otros 5.512 municipios del país, con excepción de Brasilia, que cuenta con un gobernador, y Macapá, en el norte, donde los comicios fueron postergados por un apagón que se prolongó por 22 días.

Aquí, algunas claves para entender este proceso electoral:

1. Las ciudades más pobladas

A la segunda vuelta están convocados 38,3 millones de electores, la cuarta parte (25,9%) de los 148 millones de votantes del país, pese a que sólo se elegirá el alcalde de 57 ciudades, que corresponden al 1% del total de 5.569 municipios de Brasil.

Tal movilización obedece a que la elección de alcalde quedó pendiente en 18 de las 27 capitales regionales del país, incluidos tres de los seis mayores colegios electorales de Brasil.

Se trata de San Pablo (8,9 millones de electores), Río de Janeiro (4,8 millones) y Fortaleza (1,8 millones).

tras grandes ciudades como Belo Horizonte (1,9 millones) y Salvador (1,8 millones), definieron la alcaldía en primera vuelta.

2. El foco de atención, en Río y San Pablo

La alcaldía de San Pablo, la ciudad más poblada de Sudamérica, será definida entre el actual ocupante del cargo, el centrista Bruno Covas, que obtuvo el 32,85% de los votos, y el líder izquierdista y ex candidato presidencial Guilherme Boulos, que quedó segundo con el 20,24% de los sufragios (y que no podrá ir a votar porque este viernes le diagnosticaron coronavirus, aunque no presenta síntomas). En los últimos sondeos para segunda vuelta Covas tiene el 48% del favoritismo y Boulos el 40%.

La de Río de Janeiro la disputarán el actual alcalde, el pastor evangélico Marcelo Crivella, que fue el segundo más votado con el 21,90% y contó con el apoyo del presidente Bolsonaro, y el ex alcalde Eduardo Paes (37,01%), del centroderechista partido Demócratas (DEM). Las encuestas prevén la victoria de Paes, con el 53% de las preferencias, contra el 23% de Crivella.

3. Pocas chances para los candidatos apoyados por Bolsonaro

La segunda vuelta dará nueva oportunidad a dos candidatos apoyados por Bolsonaro ya que, de los 13 aspirantes a los que el líder ultraderechista dio respaldo público, nueve fueron derrotados y sólo dos fueron elegidos, aunque en ciudades más pequeñas.

Los sondeos prevén derrotas de los dos bolsonaristas el domingo.

Además de Crivella, el otro candidato al que apoya el mandatario es el derechista Wagner Sousa Gomes, que se medirá con el laborista José Sarto por la alcaldía de Fortaleza.

4. Posible respiro para el PT de Lula da Silva

El balotaje igualmente supone una posibilidad para que el Partido de los Trabajadores (PT) recupere parte del terreno que perdió en la primera vuelta, ya que la formación liderada por el ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva sufrió un nuevo revés.

El PT llegó a conquistar 630 alcaldías en 2012 pero ese número cayó a 254 en 2016 y a 179 en la primera vuelta de este año.

El partido, que no consiguió ninguna capital ni ciudad importante en primera vuelta, tendrá candidatos en 15 de las 57 ciudades aún en disputa, por lo que es la que más tiene aspirantes en la segunda vuelta. Entre ellas, Vitoria y Recife.

En Recife la “petista” Marilia Arraes, segunda más votada en primera vuelta (27,95%), disputará la alcaldía con su primo, Joao Campos (29,17%), del Partido Socialista Brasileño (PSB). En los últimos sondeos la candidata del PT tiene el 45% de la intención de voto frente al 39% de su rival.

5. El centro derecha consolida su hegemonía

Los partidos de centroderecha, que rechazan la actual polarización del país y distan de los extremos representados por Bolsonaro y Lula, se perfilan, según los sondeos, como los principales victoriosos en la segunda vuelta, tras haber alcanzado el mayor número de alcaldías en la primera ronda.

Los partidos Demócratas (DEM), Social Demócrata Brasileño (PSDB) y Movimiento Democrático Brasileño (MDB), que ya conquistaron cinco capitales en primera vuelta, pueden obtener otras siete el domingo, incluyendo San Pablo y Río y, con 12 de las 27 capitales, fortalecerse como opción de centro para las presidenciales de 2022.

6. Voto obligatorio y electrónico

El voto es obligatorio para electores alfabetizados de entre 18 y 70 años en Brasil, país que adoptó hace dos décadas un sistema electrónico de votación y escrutinio que agiliza el conteo. Según el TSE, las urnas electrónicas son seguras, confiables y de fácil uso, y hasta ahora no se ha registrado ninguna denuncia de fraude desde que comenzaron a ser usadas en 1996.

9. Protocolo anti coronavirus

Las elecciones municipales estaban previstas para octubre pero fueron aplazadas a noviembre ante el temor de que pudieran agravar la pandemia de covid-19 en Brasil, el segundo país en número de muertes y el tercero en número de casos por coronavirus.

Incluso con el aplazamiento, los electores tienen que seguir un rígido protocolo sanitario de votación, que incluye la obligación de llevar barbijo y de aplicarse alcohol en gel en las manos antes y después de votar.

Clarín


114 candidatos disputam neste domingo votos de 38 milhões de eleitores em 57 cidades

Cerca de 38 milhões de eleitores estão aptos a participar neste domingo (29) do segundo turno das eleições municipais em 57 cidades, entre as quais 18 capitais. Os eleitos, dentre 114 candidatos, tomarão posse em 1º de janeiro de 2021.

As eleições deste ano foram adiadas de outubro para novembro em razão da pandemia da Covid-19. Em Macapá (AP), as eleições serão realizadas somente em dezembro, por causa do apagão de 22 dias que atingiu o Amapá.

O segundo turno acontece nos municípios com mais de 200 mil eleitores em que nenhum dos candidatos conseguiu alcançar maioria absoluta (metade mais um) dos votos válidos no primeiro turno.

Disputam o segundo turno os dois candidatos mais votados no primeiro. Portanto, estão na disputa 114 candidatos a prefeito e igual número de candidatos a vice-prefeito — um candidato a prefeito em Piracicaba (SP) teve a candidatura indeferida pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP). Ele poderá concorrer, mas a situação terá de ser analisada posteriormente pelo TSE.

Mesmo com uma série de medidas adotadas pela Justiça Eleitoral, como a ampliação do horário de votação e a obrigatoriedade do uso de máscaras, o índice de abstenção no primeiro turno (23,14%) foi maior que o dos pleitos anteriores.

Analistas já previam uma taxa de ausência mais elevada em razão da pandemia de coronavírus. Apesar do aumento, o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, considerou o comparecimento na primeira etapa “extraordinário”. Projeções pessimistas apontavam para um índice de 30%, o que não se verificou.

Análise

Cientistas políticos ouvidos pelo G1 avaliam que, nas eleições municipais deste ano, houve um enfraquecimento de candidaturas apoiadas no discurso da negação da política e autointituladas de antissistema.

Para sustentar esse argumento, os especialistas recorrem ao aumento na taxa de reeleição e à predileção do eleitorado por legendas maiores e tradicionais em detrimento das siglas mais recentes e de menor tamanho.

Em 2016, 46,8% dos prefeitos que tentaram a reeleição conseguiram um novo mandato. Em 2020, o índice saltou para 61%.

MDB e PSDB elegeram menos prefeitos em 2020 que em 2016. PP e DEM, outros partidos tradicionais, foram os que, no intervalo de quatro anos, mais cresceram em número de prefeituras conquistadas.

“Há um retorno à própria política. A gente não vê aqueles candidatos que são negadores da política como candidatos fortes. Isso tem a ver com o fracasso de bolsonaristas que têm o discurso antipolítica e um desempenho muito fraco do partido Novo, que também tem esse discurso e que se ouve mal nesta eleição”, afirmou o cientista político Cláudio Couto, professor da Fundação Getúlio Vargas São Paulo (FGV-SP).

Segundo ele, o eleitor está votando em políticos convencionais. “Não interessa se de esquerda ou direita, se mais novos ou mais antigos, mas que fazem o discurso da política convencional”, disse.

O especialista vê um certo “cansaço” do eleitor com políticos que se elegeram em 2018 e agora enfrentam dificuldades na gestão e rejeição da sociedade. Ele cita os casos de Wilson Witzel (PSC-RJ) e Carlos Moisés (PSL-SC), governadores afastados dos mandatos. Essas experiências fazem o eleitor, na visão de Couto, “jogar no seguro”.

Diretor da Vector Análise, o cientista político Leonardo Barreto diz que a onda da “nova política” diminuiu de 2016 para 2020.

“MDB e PSDB, que são partidos da política, perderam muito espaço, mas acho que isso é mais um problema de renovação interna do que um voto antipartido ou antissistema. Se fosse um voto antissistema, aí o Novo tinha ganhado mais, o PSOL também”, afirmou Barreto.

“Aquele movimento antipolítico que atingiu o ápice em 2018, com aquela coisa de caras que surgiam do nada e atropelavam, isso não aconteceu em nenhum lugar, pelo menos, com expressão. Aquela figura da nova política deu uma arrefecida. Isso está claro nos sinais de reeleição e na redenção de caras julgados como enterrados”, disse.

Barreto também destaca o declínio no número de prefeituras conquistadas por partidos de esquerda, como PT, PSB e PDT, além do avanço de siglas de centro-direita, casos do DEM, PP, PSD, Republicanos e PL.

No entanto, para Creomar de Souza, fundador da consultoria política Dharma, é “precoce” dizer que o discurso da nova política foi derrotado nas eleições de 2020.

“As eleições municipais têm um elemento muito forte — o de zeladoria. Os prefeitos são muito avaliados pela capacidade de entrega de respostas aos dilemas cotidianos, como melhoria de transporte público, atendimento hospitalar, entrega de maior contingente na guarda municipal, nos municípios em que há. E essas ações têm impacto direto na vida das pessoas”, disse Souza.

“Há casos de políticos da ‘nova política’ que tiveram dificuldades, mas há casos também de prefeitos, eleitos quatro anos atrás com o discurso de nova política, que foram reeleitos no primeiro turno. É o caso do Alexandre Kalil (PSD-MG) em Belo Horizonte”, emendou o consultor político.

Totalização dos votos

Na última quinta-feira, o TSE informou, em nota, que realizou testes adicionais no computador e nos sistemas que realizam a totalização dos votos e a divulgação de resultados. Segundo a Corte, o sistema está “devidamente preparado para a realização exitosa do segundo turno”.

No documento, a Corte Eleitoral reiterou compromisso com a transparência e com a segurança do processo eleitoral no Brasil.

No primeiro turno, no último dia 15, houve atraso de cerca de três horas na divulgação dos resultados em relação às eleições passadas.

A centralização da apuração dos votos no TSE, uma mudança implementada nestas eleições, pode ter sido a causadora da lentidão.

Uma falha em um dos núcleos do supercomputador que processa a soma dos votos também pode ter contribuído para o atraso – que, segundo a Corte, não teve relação com ataques cibernéticos.

Apesar das falhas e de narrativas criadas por críticos do sistema eletrônico de votação, especialistas afirmam que a urna eletrônica é segura e confiável.

Horário de votação

Com o objetivo de evitar aglomerações, o TSE decidiu ampliar em uma hora o período de votação neste domingo.

Os eleitores podem votar das 7h às 17h. O período entre 7h e 10h é preferencial para eleitores com mais de 60 anos.

Medidas sanitárias

Além da ampliação de horário, deve ser disponibilizado nos locais de votação álcool em gel, para que o eleitor higienize as mãos antes e depois de votar.

O uso de máscara será obrigatório; quem chegar para votar sem a proteção deve ser barrado na entrada.

O TSE recomenda aos eleitores que levem a própria caneta para assinar o caderno de votações. Os eleitores também serão orientados a manter o distanciamento das demais pessoas e a ficar o mínimo de tempo necessário para votar.

Para evitar a contaminação, não haverá identificação biométrica, que exige compartilhamento de objetos.

Quem apresentar febre neste domingo ou tiver sido diagnosticado com o coronavírus nos 14 dias anteriores não deve participar das eleições.

Nesse caso, a recomendação ao eleitor é que justifique a ausência, informando que deixou de votar por questões de saúde.

O eleitor que não votou no primeiro turno pode participar da votação no segundo.

Documentos

O eleitor deve levar um documento oficial com foto, como carteira de identidade, carteira de trabalho ou passaporte.

Ainda que não seja obrigatório, o TSE recomenda o porte do título de eleitor para facilitar a localização da zona eleitoral e da seção de votação (consulte aqui o número do título e o local de votação).

O eleitor que souber o local de votação pode votar sem o título, desde que leve um documento oficial com foto.

Com o objetivo de não haver contato físico e aproximação, a documentação deve ser exibida ao mesário à distância.

Para facilitar a identificação, o mesário pode solicitar ao eleitor que abaixe rapidamente a máscara. Em seguida, a proteção deve ser recolocada no local correto, cobrindo nariz e boca.

Boca de urna

Quem fizer boca de urna, como o recrutamento de eleitores ou propaganda, pode ser preso. A pena varia de seis meses a um ano de detenção, podendo ser trocada por prestação de serviços à comunidade, além de multa no valor de até R$ 16 mil.

No dia da votação, também são proibidos o uso de alto-falantes e amplificadores de som, a realização de comício ou carreata e a divulgação de qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de seus candidatos.

A propaganda de boca de urna consiste na atuação, nas seções de votação, de cabos eleitorais e até de candidatos, com o objetivo de promover ou pedir votos para concorrentes ou partidos. A prática é proibida pela legislação eleitoral.

No primeiro turno, a prática de boca de urna e a de compra de votos lideraram as ocorrências, segundo o Ministério da Justiça.

Cola eleitoral e celular

A lei permite que o eleitor leve um papel com o número do candidato de sua preferência, para facilitar e agilizar a votação.

O TSE alerta que é proibida a utilização de telefone celular, tablets, rádios comunicadores, câmeras e quaisquer outros aparelhos eletrônicos dentro da cabine de votação.

Urna eletrônica

Segundo o TSE, para o segundo turno da eleição, foram disponibilizadas 94.124 urnas eletrônicas. Os equipamentos não são conectados à internet.

Na urna, o eleitor escolherá uma chapa formada por um candidato a prefeito e um candidato a vice. O número do candidato é composto por dois dígitos.

orças federais

Na última quinta-feira (26), o TSE aprovou o envio de tropas federais para as cidades de Manaus (AM), Fortaleza (CE) e Caucaia (CE) para o segundo turno das eleições.

Luís Roberto Barroso afirmou que ficou justificada a atuação de tropas militares nos locais devido à notícia de, por exemplo, aumento do número de crimes violentos nas localidades.

Segundo o presidente do TSE, nas cidades que receberão o apoio, há uma reduzida quantidade de policiais militares e civis, e existe a atuação de facções criminosas nas proximidades dos locais de votação.

G1


Segundo turno no RJ: Bolsonaro causa aglomeração, faz selfies e tira a máscara para falar com apoiadores

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já votou em seu candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro neste domingo (29) de segundo turno das eleições 2020. Durante sua presença na Escola Municipal Rosa da Fonseca, na Vila Militar, na Zona Oeste, o presidente causou aglomeração, fez selfies e tirou a máscara para falar com apoiadores.

Bolsonaro estava acompanhado por uma comitiva e usava máscara quando chegou ao local, como determinam as medidas sanitárias em vigor na capital fluminense.

Porém, após votar, o presidente tirou a máscara para falar com eleitores, cerca de 25 apoiadores e a imprensa.
Eleições no Rio de Janeiro

Segundo maior colégio eleitoral do Brasil com praticamente 5 milhões de eleitores aptos, o Rio de Janeiro viverá a disputa de um ex-prefeito contra o atual mandatário da cidade, protagonizada por Eduardo Paes (DEM) e Marcelo Crivella (Republicanos).

Paes, ex-prefeito da capital do Rio, teve problemas com sua candidatura antes de oficializá-la, mas nas pesquisas esteve sempre na liderança para o primeiro turno, no qual terminou com 37.01% dos votos válidos.

Já o atual prefeito Crivella teve uma campanha bem apagada, ameaçada em alguns poucos momentos por Martha Rocha (PDT) e Benedita da Silva (PT). Após chegar a 21,9% dos votos válidos, ele tenta agora mais quatro anos à frente da prefeitura.
Entenda o segundo turno

Para assumir a prefeitura no 1º turno, o candidato precisaria obter maioria absoluta – 50% mais um – dos votos válidos. Votos brancos e nulos não entram nessa conta.

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) esclarece que essa condição da existência do 2º turno é válida somente às cidades com mais de 200 mil eleitores.

Essa regra está prevista nos artigos 28 e 29 da Constituição de 1988, determinando, além do limite mínimo de habitantes, que o “segundo turno poderá ocorrer apenas nas eleições para presidente e vice-presidente da República, governadores e vice-governadores dos estados e do Distrito Federal, e para prefeitos e vice-prefeitos.”

Nas eleições de 2016 havia 92 municípios com mais de 200 mil eleitores. Já em 2020, outras três cidades alcançaram o número de habitantes mínimo. São elas: Ribeirão das Neves (MG), Paulista (PE) e Petrolina (PE). Sendo assim, nas eleições 2020, 95 municípios poderão ter um segundo turno para prefeito e vice-prefeito.
Eleições municipais em todo país

As Eleições 2020 moveram praticamente todo país neste domingo. Por conta do coronavírus, essa foi uma eleição diferente, com horários estendidos e mais critérios de segurança sanitária.

Uma questão que levanta muitas dúvidas ao longo processo é o famoso coeficiente eleitoral. Bem resumidamente, é a divisão do número de eleitores pelo número de vagas (nós explicamos com detalhes AQUI). Cada cidade, então, tem seu coeficiente eleitoral.

Caso não esteja presente na cidade onde você está apto para votar, é possível justificar seu voto. Para saber como, siga nosso guia clicando AQUI.
O que faz um prefeito?

O Estado se divide em três poderes o Executivo, Legislativo e Judiciário, e o prefeito é o chefe do Poder Executivo. Ou seja, é responsabilidade do prefeito administrar a cidade que exerce suas funções. Para mais detalhes da função e para saber quanto ganha um prefeito.

Yahoo Noticias


VOLVER

Más notas sobre el tema