SP, dedicación integral – Folha de San Pablo, Brasil

556

Los conceptos vertidos en esta sección no reflejan necesariamente la línea editorial de Nodal. Consideramos importante que se conozcan porque contribuyen a tener una visión integral de la región.

SP, dedicação integral

A vitória de Bruno Covas (PSDB), 40, para a Prefeitura de São Paulo, embora tecnicamente uma reeleição, representa também a sua primeira passagem como protagonista pelo rito consagrador das urnas num pleito majoritário. Os desafios a sua frente serão gigantescos.

Não bastassem os problemas habituais de uma metrópole de 12,3 milhões de habitantes, ainda longe em sua grande maioria de ostentarem padrões de renda e bem-estar das capitais do mundo rico, há o impacto sanitário e econômico da pandemia de coronavírus.

Dentre os fatores que parecem ter levado à prevalência do tucano neste domingo (29) —quando se tornou o segundo a ser reeleito na capital— está justamente a atuação na crise. A melhora da sua popularidade vincula-se à aprovação pela população das ações municipais contra a onda infecciosa.

Essa decerto é uma história que ainda está para ser contada em sua totalidade, e os próximos dias serão decisivos para isso, pois a cidade saberá se as autoridades retardaram a adoção de medidas restritivas por motivos eleitorais. Ainda assim, o contraste com a irresponsabilidade e a inépcia do governo do presidente Jair Bolsonaro diante da pandemia é patente.

Apesar de relativamente jovem, Bruno Covas teve a oportunidade de observar e conviver com políticos experientes, com os quais espera-se que tenha aprendido que lições não se tiram apenas das derrotas, mas também das vitórias.

Cabe-lhe detectar no bom desempenho de seu adversário, Guilheme Boulos (PSOL), demandas mal atendidas de largos segmentos da população por mais equidade no desfrute das facilidades urbanas.

Combater a desigualdade também significa interferir em dispositivos cegos que produzem moradias precárias e distantes, além de transporte deficiente, para milhões de paulistanos. Requer creches de qualidade nas periferias, e não depósitos de crianças pequenas.

A segunda lição dessa eleição para Bruno Covas é política. O prefeito poderia ter tido caminho mais suave nas urnas se dois de seus correligionários e antecessores no cargo, José Serra (2006) e João Doria (2018), não tivessem abandonado a prefeitura com menos da metade do mandato cumprido para candidatar-se ao governo estadual.

São Paulo é grande e complexa o bastante para exigir do prefeito dedicação integral à tarefa administrativa. A derrota de Serra na disputa da prefeitura em 2012 e a grande rejeição a Doria na capital atestam esse fato de modo cristalino.

Quem assume sem compromisso acaba queimado na grande fogueira de carreiras políticas que tem sido a prefeitura paulistana. Que Bruno Covas absorva o ensinamento e faça bom governo.

Folha de San Pablo

Más notas sobre el tema