Brasil | Aprueban uso de emergencia de dos vacunas y comenzó su aplicación en San Pablo

689

Brasil aprobó las dos primeras vacunas y comenzó a aplicar una de ellas en San Pablo

El organismo regulador sanitario de Brasil aprobó este domingo el uso de emergencia de las vacunas británica AstraZeneca/Oxford y china CoronaVac, las dos primeras en obtener la luz verde para ser aplicadas en el país, y la última de ellas comenzó a ser aplicada esta misma tarde en San Pablo y se distribuirá a partir del miércoles en el resto del país, informaron fuentes oficiales.

Los cinco directores de la Agencia Nacional de Vigilancia Sanitaria (Anvisa) votaron este mediodía por unanimidad a favor de la autorización, tras debatir este domingo mismo esa posibilidad, y permitieron de ese modo que Brasil iniciara sin más demora la campaña de vacunación con la CoronaVac, la única de las dos de la que ya hay dosis en el país.

Para la Anvisa, la eficacia general de la vacuna de Oxford/AstraZeneca es de 70,42% y la de CoronaVac, de 50,39%, y aún hay dudas de que sean adecuadas para personas mayores de 65 años, informó el gerente de Medicamentos y Productos Biológicos del organismo, Gustavo Mendes, según la agencia de noticias ANSA.

Apenas conocida esa noticia, una enfermera que trabaja en un hospital de la ciudad de San Pablo se convirtió en la primera persona en ser inmunizada, en una ceremonia de la que participó el gobernador del estado homónimo, Joao Doria.

Se trata de Mônica Calazans, de 54 años, quien presta servicios en el área de terapia intensiva del hospital Emilio Ribas y el año pasado fue distinguida con el premio Notaveis por su empeño en la lucha contra el coronavirus.

Poco más tarde, el ministro de Salud del gobierno federal, general Eduardo Pazuello, anunció en conferencia de prensa que la vacunación masiva contra el coronavirus en todo el país comenzará el miércoles próximo, a las 10.

Pazuello explicó que no será posible iniciarla antes porque se necesita tiempo para organizar la logística de distribución de los medicamentos a todos los estados federados, según la agencia Sputnik.

La vacuna de AstraZeneca/Oxford, fabricada por el Instituto Serum, en India, todavía no fue importada a Brasil.

El gobierno del presidente Jair Bolsonaro había anunciado la semana pasada que enviaría un avión para buscar dos millones de dosis, pero las autoridades indias, en pleno inicio de su propia campaña de inmunización, informaron a último momento que no podían cumplir con la entrega.

En tanto, seis millones de dosis de la vacuna CoronaVac -que es producida por el laboratorio chino Sinovac en asociación con el Instituto Butantan, de Brasil- ya están en San Pablo.

El gobierno de ese estado, enfrentado con Bolsonaro por la gestión de la pandemia, solo esperaba la autorización de la Anvisa para empezar su campaña de vacunación.

El inicio de la vacunación en San Pablo no solo marcó un hito sanitario para el país -el tercero con más contagios de Covid-19 y el segundo con más muertes por la enfermedad en todo el mundo-, sino que además representa un desafío político para el gobierno de Bolsonaro, quien pidió la entrega inmediata de las dosis para distribuirlas a los diferentes estados brasileños e iniciar una campaña simultánea en todo el país.

Doria celebró la decisión de la Anvisa y anunció que entregaría inmediatamente los seis millones de dosis de CoronaVac incluidas en el pedido de autorización al Ministerio de Salud para que las distribuya a todos los estados brasileños, según la agencia AFP.

En paralelo, anoche la Anvisa informó que necesita más información sobre la fase 3 de los ensayos clínicos de la vacuna rusa Sputnik V antes de poder tomar una decisión sobre su eventual aprobación.

La Anvisa explicó en un comunicado que la presentación hecha por el Fondo Ruso de Inversión Directa (RDIF) “no presenta los requisitos mínimos para ser sometida a análisis”, en especial en relación con la última fase de desarrollo, la tercera.

Fuentes del Gobierno de Rusia aclararon que eso no significa un rechazo sino solo un pedido de más información.

“Habida cuenta de que algunos medios de comunicación publican erróneamente que Brasil denegó el registro de urgencia para la vacuna Sputnik V, comunicamos que la Anvisa solicitó información complementaria sobre aquella, que se le va a proporcionar próximamente”, aclaró hoy el RDIF, la institución que financió y lideró el desarrollo de la vacuna.

El laboratorio local União Química, junto con el RDIF, había presentado ante la Anvisa una petición para usar con carácter de urgencia 10 millones de dosis de la vacuna Sputnik V, como ya sucede en la Argentina, Rusia y Bielorrusia.

Mientras tanto, el gobierno del estado nororiental Bahía recurrió al Supremo Tribunal Federal (STF, corte suprema) para que le permita comprar hasta 50 millones de dosis de la vacuna rusa, informó el propio gobernador, Rui Costa.

“Nuestra logística está lista y queremos empezar la vacunación en Bahía; ayer presentamos una petición al STF para hacer efectiva de la vacuna Sputnik V”, dijo Costa en Twitter.

Tanto Bahía como el estado sureño Paraná firmaron el año pasado acuerdos de compra de vacunas con el RDIF, pero la concreción de la operación está supeditada a la aprobación por parte de la Anvisa.

Desde el comienzo de la pandemia, Brasil acumulaba 8.455.069 casos confirmados de coronavirus, de los cuales 856.979 estaban activos y 209.296 terminaron en la muerte de los pacientes, según el último balance del Ministerio de Salud, publicado anoche.

Télam


Por unanimidade, diretoria da Anvisa aprova uso emergencial de vacinas contra a covid-19

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial das vacinas contra a covid-19 CoronaVac e AstraZeneca. A primeira está sendo produzida em São Paulo pelo Instituto Butantan, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. A Fiocruz é a autora do pedido de aprovação da AstraZeneca foi apresentado pela Fiocruz, que desenvolve o imunizante junto à Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Após três gerências técnicas da agência recomendarem a aprovação do uso emergencial das duas vacinas, a diretora Meiruze Freitas, relatora dos processos, votou favorável à liberação. Ela foi seguida por três outros diretores: Romison Rodrigues Mota, Alex Campos e Cristiane Rose Jourdan Gomes.

A votação foi encerrada com o voto do presidente da Anvisa, Antonio Barra, que também foi a favor do uso emergencial da CoronaVac e AstraZeneca contra a covid.

Começou
Poucos minutos depois após a Anvisa autorizar o uso emergencial das vacinas, a enfermeira Mônica Calazans recebeu a primeira dose da CoronaVac aplicada no Brasil. O evento foi registrado no Hospital das Clínicas, em São Paulo.

Moradora de Itaquera, zona leste da capital paulista, Mônica tem 54 anos e perfil de alto risco para complicações da covid-19. Porém, apesar de acima do peso, hipertensa e diabética, ela trabalha há oito meses na linha de frente do combate ao coronavírus.

Em maio do ano passado, no auge da primeira onda da doença, Mônica se inscreveu para vagas de CTD (Contrato por Tempo Determinado), e fez opção de trabalhar no Hospital Emílio Ribas, epicentro do combate à pandemia.

Ressalvas
No caso da Coronavac, a relatora condicionou o aval à assinatura pelo Butantan de um termo de compromisso que prevê a apresentação dos dados de imunogenicidade da vacina até 28 de fevereiro, já que os relatórios sobre o tema foram considerados insuficientes.

As informações de imunogenicidade devem mostrar por quanto tempo dura a resposta imune provocada pela Coronovac. “Após avaliação dos relatórios, ressalvadas algumas incertezas, os benefícios conhecidos superam os riscos potenciais”, disse Meiruze.

Já a aprovação do uso emergencial da vacina de Oxford vale apenas para o lote de 2 milhões de doses que o governo federal ainda tenta importar da Índia.

Urgência
Tanto na análise do pedido do Butantã, quanto no da Fiocruz, o gerente-geral de medicamentos e produtos biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes, afirmou que há algumas “incertezas” sobre ambos os imunizantes. No entanto, recomendou à diretoria a aprovação emergencial do uso devido à gravidade da pandemia, com aumento rápido de de casos óbitos.

Tanto o corpo técnico, quanto a diretoria da Anvisa foram igualmente unânimes em afirmar que não existe terapia preventiva contra a covid-19. O parecer, contraria o Ministério da Saúde do governo de Jair Bolsonaro, que segue insistindo em divulgar o “tratamento precoce” contra a doença, feito com medicamentos comprovadamente ineficazes, em vez de liderar uma campanha nacional de vacinação.

Rede Brasil Atual


Com panelaços, brasileiros criticam falta de vacina e oxigênio, e pedem impeachment de Bolsonaro

Em dia de derrotas do governo Jair Bolsonaro na tentativa de receber vacinas contra a Covid-19 e de relatos de pacientes morrendo sem oxigêncio em Manaus, o presidente foi alvo de panelaço em várias cidades das cinco regiões do país na noite desta sexta-feira (15).

Com gritos de “fora, Bolsonaro” e “assassino”, brasileiros criticam a demora para o início da imunização e para o envio de mais insumos para evitar o colapso do sistema de saúde amazonense. Manifestantes também pedem o impeachment do presidente.

Ao menos 19 estados e no Distrito Federal registraram protestos. Entre as cidades, estão Ribeirão Preto, no interior paulista, Rio de Janeiro, Recife, Salvador, Florianópolis, Brasília, Belo Horizonte, Fortaleza, Aracaju, Florianópolis, Porto Alegre, Vitória, Curitiba, Cuiabá, Maceió e João Pessoa.

Na capital paulista, as panelas foram ouvidas em bairros de todas as zonas da cidade. Do centro, como na Consolação, Santa Cecília, Barra Funda e Bela Vista, da zona oeste como Pinheiros e Jardins, da zona norte como Santana, Pirituba e Casa Verde e da zona sul, na Saúde e Vila Mariana, além de Anália Franco, na zona leste.

O panelaço começou por volta das 20h, antes do horário divulgado para o início da manifestação nas redes sociais, às 20h30. Postagens anunciavam: “Sem oxigênio, sem vacina, sem governo. Panelaço sexta, 20h30. #BrasilSufocado.”

O coronavírus já matou mais de 208 mil pessoas no Brasil e os casos vem aumentando após as festas de fim de ano. Só nas últimas 24h, foram 1.131 mortes e 68.138 casos da doença.

Enquanto os sistemas de saúde são pressionados pela explosão de infectados, o governo Bolsonaro vem acumulando derrotas na tentativa de começar a imunização —ao menos 42 países já iniciaram a vacinação no mundo.

Nenhuma das duas vacinas esperadas para o início da campanha nacional brasileira, no entanto, foram entregues ao Ministério da Saúde.

Uma delas, a da AstraZeneca/Oxford, viria da Índia e tinha previsão de chegar neste sábado (16). Nesta sexta, porém, o governo indiano negou a entrega imediata do lote de dois milhões de doses do imunizantes, o que frustrou uma operação montada para buscar o material no país asiático. O avião está parado no Recife.

Com o veto indiano, o presidente Bolsonaro corre o risco de assistir o início da vacinação com a Coronavac, que tem sido utilizada como trunfo do governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

A pasta da Saúde deu um ultimato ao Instituto Butantan nesta sexta pedindo que fossem entregues os 6 milhões de doses da Coronavac, mas o órgão respondeu que não vai enviar o imunizante ao governo federal porque não há um plano para distribuí-las entre os estados.

Além disso, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) ainda não autorizou a aplicação de nenhuma vacina contra o coronavírus no país. A decisão deve ser tomada neste domingo (17).

É Manaus que, novamente, registra o primeiro maior colapso na segunda onda da doença no país.

A capital do Amazonas vive um cenário de recorde de hospitalizações pelo coronavírus e falta de oxigênio nos hospitais. O insumo tem faltado em unidades de saúde desde quinta (14), resultando na morte de pacientes por falta de oxigenação, segundo relato de médicos.​

Ainda assim, Bolsonaro afirmou que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, tem feito um “excelente trabalho” e que ninguém administraria a atual crise sanitária melhor do que a atual gestão.

O presidente também minimizou os pedidos de impeachment ingressados contra ele na Câmara dos Deputados. Ele afirmou que não existe “nada de concreto contra ele” e que não vão tirá-lo do cargo na “mão grande”.

Em entrevista à TV Bandeirantes, o presidente reconheceu que Manaus passa por uma situação crítica. Ele disse, contudo, que não pode “fazer nada”, já que, segundo ele, o STF (Supremo Tribunal federal) definiu que as iniciativas cabem a estados e municípios.

A Corte, no entanto, só decidiu que os estados e municípios tinham automonia para determinar isolamento e adotar providências a fim de proteger a saúde da população, mas não impediu de o governo federal cumprir sua função para frear os efeitos da pandemia.

Nesta sexta, o ministro do STF Ricardo Lewandowski determinou, ao contrário, que o governo federal promova, imediatamente, todas as ações ao seu alcance para debelar a “seríssima
crise sanitária” instalada em Manaus, em especial suprindo os estabelecimentos de saúde locais de oxigênio medicinal.

A administração do presidente também terá que apresentar ao Supremo, no prazo de 48 horas, um plano detalhado sobre as estratégias que está colocando em prática ou pretende desenvolver para o enfrentamento da situação de emergência.

Folha de Sao Pablo


Reunião de Pazuello com governadores inicia distribuição nacional da vacina

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, reúne-se às 7h desta segunda-feira (18), em São Paulo, com governadores. O encontro marca o início da “distribuição simbólica”, conforme classificou o próprio ministério, dos 6 milhões de doses da Coronavac.

Dirigentes como Wellington Dias (PT), governador do Piauí; Romeu Zema (Novo), de Minas Gerais; Fátima Bezerra (PT), do Rio Grande do Norte; Ratinho Jr (PSD), do Paraná, confirmaram presença no encontro, que ocorre no Centro de Distribuição Logística do Ministério da Saúde, em Guarulhos.

A logística de distribuição das vacinas será realizada aviões e caminhões, compondo estes últimos uma frota de 100 veículos com áreas de carga refrigeradas, que até o final de janeiro aumentarão em mais 50 . que se encontram em processo de expansão para 150 veículos até o final de janeiro de 2021. Toda frota possui sistema de rastreamento e bloqueio via satélite.

O Ministério da Saúde terá o apoio da Associação Brasileira de Empresas Aéreas por meio das companhias aéreas Azul, Gol, Latam e Voepass para o transporte gratuito da vacina. Segundo o ministério da Saúde informou, a distribuição aos municípios ocorrerá junto com o Ministério da Defesa.

Convite

No domingo (17), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou, por unanimidade, os pedidos para uso emergencial da Coronavac e da vacina de Oxford — no entanto, apenas a vacina do Instituto Butantan já está disponível no Brasil.

O governo paulista informou que enviará 4.636.936 doses da vacina do Instituto Butantan para o Ministério da Saúde.

O estado de São Paulo ficará com 1.357.940 doses, número determinado pelo Programa Nacional de Imunização (PNI).

As demais doses serão distribuídas para os 26 estados e para o Distrito Federal.

Coordenador da temática de vacina no Fórum Nacional de Governadores, o governador do Piauí, Wellington Dias (PI), disse ao analista da CNN Igor Gadelha que o encontro ocorrerá às 7h, no depósito do Ministério da Saúde localizado no Aeroporto de Guarulhos.

Dias afirmou ainda que o critério de distribuição das doses será o equivalente a 2,5% da população de cada estado.

Os governadores também esperam que o ministro da Saúde anuncie nesta segunda-feira o cronograma para distribuição de novos lotes de doses de vacinas que serão importadas ou produzidas no Brasil nos próximos meses.

Em entrevista coletiva no domingo, Pazuello previu o início da campanha de vacinação simultânea em todo o país para quarta-feira (20), às 10h.

Vacina de Oxford atrasou

O ministro da Saúde contava com a chegada de 2 milhões de doses já prontas da vacina de Oxford compradas da Índia. No entanto, o voo, que estava previsto para decolar do Brasil na última sexta-feira (15), atrasou e ainda não partiu rumo a Mumbai.

A mudança de data do voo fretado pelo Ministério da Saúde para buscar 2 milhões de doses da vacina de Oxford na Índia foi definida após um pedido do governo daquele país.

Segundo assessores, após o Índia atrasar a liberação das doses prontas, Pazuello quer acelerar o processo de produção própria do imunizante. Fontes da Fiocruz, responsável pela produção do imunizante em território nacional, disseram ao analista Igor Gadelha que a fundação ainda depende da chegada do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), insumo importado da China.

CNN Brasil


Nota relacionada

Venezuela envía a Manaos 107 médicos y 136 mil litros de oxígeno ante el colapso sanitario


VOLVER

Más notas sobre el tema