Brasil | Bolsonaro busca anular medidas dictadas por los gobernadores: “Mi Ejército no va a salir a la calle a cumplir decretos de cuarentena”

1.193

Bolsonaro: “Mi Ejército no va a salir a la calle a cumplir decretos de cuarentena”

El presidente de Brasil, Jair Bolsonaro, anunció que no intervendrá si ocurre un estallido de desobediencia civil contra las cuarentenas impuestas por los gobernadores ante el colapso sanitario y admitió que es “poco” el auxilio de 55 dólares por mes que entregará a casi 40 millones de personas, mientras casi el 80 por ciento de la población considera que la pandemia está “fuera de control”.

“Mi Ejército no va a salir a la calle para cumplir decretos (de cuarentena) de los gobernadores. Si el pueblo decide entrar en desobedienciai civil, no les entregaré el Ejército ni por orden del Papa”, avisó Bolsonaro a seguidores en la puerta del Palacio de la Alvorada.

El líder ultraderechista hizo la declaración para explicar un pedido realizado ante el Supremo Tribunal Federal, la corte máxima del país, para que sea declarado ilegal el toque de queda nocturno decretado por los gobernadores de Brasilia, Bahía y Río Grande do Sul como parte de las cuarentenas, a las cuales se opone.

Bolsonaro comparó a las cuarentenas con “dictaduras”, pronosticó “situaciones de caos” provocada por “el hambre y la falta de empleo que ya está sintiendo el pueblo por esta idea de cerrar todo” y hasta comenzó a amenazar con “acciones duras” a los gobernadores que insistan en las restricciones.

“Me culpan a mí como si fuera insensible frente a las muertes pero el hambre también mata; la depresión que causa suicidios en Brasil. ¿Dónde iremos a parar? ¿Será que la población está preparada para una acción del gobierno federal frente a eso? Pueden ser medidas duras. Para darle libertad al pueblo y para darle derecho al pueblo de ir a trabajar. Y eso no es dictadura. El terreno para una dictadura es justamente el hambre y la miseria”, afirmó.

En este sentido, agregó, sin detallar: “Me gustaría que no llegara ese momento, pero terminará llegando”.

“Yo tenía razón desde el principio. Ahora el intendente de Rìo de Janeiro (Eduardo Paes) prohíbe ir a la playa, cuando la vitamina D del sol es buena para prevenir casos graves de Covid”, dijo.

El mandatario elogió el plan de producción local de 20 millones de vacunas de AstraZeneca por mes que ejecutará a partir de abril el laboratorio público Fiocruz. “Estamos a favor de la vida, la vacuna, el trabajo y el ingreso de la gente”, sostuvo y defendió las partidas presupuestarias destinadas a comprar camas UTI en los estados y municipios.

“¿Dónde está ese dinero?”, se preguntó, casi como atribuyendo el colapso por el aumento de pacientes que necesitan cama de UTI para enfrentar la variante P1 del coronavirus a supuestas malversaciones.

El presidente pidió a la corte que sea el Poder Legislativo el que decida sobre medidas como toque de queda o confinamiento.

El laboratorio oficial Fiocruz admitió el martes que el país se encuentra en colapso hospitalario, el peor de su historia, y recomendó distanciamiento social.

Bolsonaro también habló de la enmienda constitucional aprobada por el Congreso para reanudar el subsidio a la población más pobre, al reconocer que “es poco pero lo único posible para el gobierno central” el pago del auxilio de emergencia por unos 55 dólares mensuales por 4 meses para compensar la crisis económica.

El año pasado, el Congreso había aprobado un piso de auxilio por seis meses de 125 dólares mensuales a 65 millones de personas y el gobierno recreó el subsidio este año, aunque con un alcance menor tanto de personas, unas 40 millones, como de dinero.

Las prohibiciones en Río de Janeiro

Mientras, la ciudad de Río de Janeiro, considerada la capital turística de Brasil, decretó la prohibición del uso de las playas y del baño de mar durante este fin de semana, con toque de queda nocturno, para contener el avance de los contagios.

El decreto fue publicado en el Diario Oficial del Municipio de la ‘ciudad maravillosa’ por el intendente Eduardo Paes. Río de Janeiro es la segunda ciudad más populosa de Brasil.

La medida establece el cese de entradas de pasajeros a la ciudad en ómnibus y combis, salvo los de los hoteles, con retenes en los principales accesos.

Los “quiosques” -bares y cafés instalados en la costanera de las playas de Leme, Copacabana, Ipanema, Leblón y Barra de Tijuca- fueron autorizados a seguir funcionando, aunque se prohibió el estacionamiento en la región. La medida dura hasta las 5 del lunes.

Mientras, una encuesta del instituto Datafolha mostró que el 79% de la población considera que la pandemia en Brasil está “fuera de control” y 82% asegura tener miedo a ser víctima de Covid-19, sobre todo porque el principal socio comercial de la Argentina es responsable durante marzo de uno de cada cuatro muertes por coronavirus en el mundo.

Los datos son un récord sobre la percepción de la sociedad desde el inicio de la pandemia en Brasil, en febrero del 20.

El sondeo, publicado en la portada del diario Folha de Sao Paulo, el más influyente del país, muestra los estragos causados por la segunda ola de coronavirus atribuida por los especialistas a las aglomeraciones que se registraron en diciembre, enero y febrero, con contagios que incluyen la poderosa nueva variante P1, o variante de Amazonas, surgida en Manaos en noviembre.

Télam


Ministério Público pede afastamento de Bolsonaro da gestão da crise da covid-19

O Ministério Público (MP) solicitou ao Tribunal de Contas da União (TCU) afastar o presidente Jair Bolsonaro das funções administrativas e hierárquicas relacionadas aos ministérios da Saúde, da Economia e da Casa Civil. O pedido apresentando nesta sexta-feira (19) pelo subprocurador-geral do MP, Lucas Furtado, também requer ao TCU o reconhecimento da legitimidade, competência administrativa e autoridade do vice-presidente Hamilton Mourão para nomear as autoridades responsáveis pelos ministérios.

Segundo reportagem do G1, não há prazo para o TCU analisar o pedido do MP para afastar Bolsonaro. “Em casos assim, é designado um relator, que pode tomar decisão sozinho ou submeter o pedido ao plenário do tribunal”, informa a reportagem.

O documento do MP ao TCU pede que seja determinado cautelarmente o afastamento do presidente da República desses ministérios e outros “eventualmente identificados como responsáveis pela inércia e omissão na execução das políticas públicas de saúde no combate à pandemia da Covid-19”.

Caprichos políticos

De acordo com o sub-procurador geral do MP, “não se discute que toda estrutura federal de atendimento à saúde, com recursos financeiros, patrimoniais e humanos, terá representado inquestionável prejuízo ao erário se não cumprirem sua função de atender à população no momento de maior e mais flagrante necessidade”. E também afirma ser “inaceitável que toda essa estrutura se mantenha, em razão de disputas e caprichos políticos, inerte diante do padecimento da população em consequência de fatores previsíveis e evitáveis”.

À reportagem do G1, Lucas Furtado afirmou ter baseado seu pedido no Artigo 44 da Lei Orgânica do TCU. A legislação diz: “No início ou no curso de qualquer apuração, o Tribunal, de ofício ou a requerimento do Ministério Público, determinará, cautelarmente, o afastamento temporário do responsável, se existirem indícios suficientes de que, prosseguindo no exercício de suas funções, possa retardar ou dificultar a realização de auditoria ou inspeção, causar novos danos ao Erário ou inviabilizar o seu ressarcimento”.

Não aplicável

O jurista Pedro Serrano considera não ser aplicável ao presidente da República esse dispositivo legal. “A Constituição oferece só uma forma de afastamento do presidente de suas funções, o chefe do Executivo. E é o impeachment”, diz. “Não se deve interpretar a Constituição pela lei e sim a lei pela Constituição. Esse dispositivo do TCU se aplica a servidores públicos e não agente político, chefe de Poder, como o presidente da República.”

Igualmente o jurista Mauro Menezes considera imprópria a medida. “Não li ainda a petição. Admito que a situação dramática sugere o esgotamento das providências de contenção desse presidente insensato e irresponsável”, afirma sobre a possibilidade de se afastar Bolsonaro. “Mas o protagonismo do TCU nessa matéria é completamente impróprio, sob o ângulo constitucional. Então considero que a iniciativa vai além da competência constitucionalmente atribuída à Corte de Contas.”

A solicitação do MP junto ao TCU tem alguma relevância no sentido de reforçar a inépcia do governo, considera o cientista político William Nozaki. “O governo se tornou um sócio institucional do vírus e da morte. Não se trata só de incompetência de gestão. A morte como projeto político é praticada à luz do dia”, avalia. “Nesse caos abre-se um vácuo institucional. Ora por desespero ora por oportunismo algumas instituições tentam se mexer tratando de matérias que não são as suas, como é o caso desse pedido do MP ao TCU tentando restringir as atribuições presidenciais. A medida é juridicamente inócua, mas é sintomática. Revela a histeria institucional que nos foi imposta pelo desgoverno Bolsonaro.”

Rede Brasil Atual


Três novas cepas identificadas no Brasil são mais potentes e transmissíveis

Por Vanessa Nicolav

Vírus mais transmissíveis, que levam a quadros de infecções mais graves e afetam, inclusive, a jovens e crianças. Essas são algumas das características das novas variantes do coronavírus detectadas no Brasil.

A mais recente tem o nome N9 e foi identificada pela Fiocruz nesta semana. Outras duas, chamadas de P.1 e P.2, foram identificadas nos últimos cinco meses e já se espalharam pelo país.

Até a última quinta-feira (18), o Brasil registrou 2.724 mortos por covid-19, e o total de vítimas chegou a 287.499 desde o início da pandemia, em março de 2020.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou, na última sexta-feira (12), que o Brasil representa “um risco para todo o mundo”.

“Certamente gostaríamos de ver o Brasil em uma direção contrária. O sistema de saúde do país está sob grande pressão. É preciso levar a situação a sério. O que acontece no Brasil tem consequências mundiais”, disse o diretor-executivo da OMS, Mike Ryan, à época.

Apesar de não haver comprovação de que sejam mais letais, sabe-se que as novas variantes infectam mais rápido e com maior intensidade, o que tem acelerado o número de internações e o colapso do sistema de saúde no país. Atualmente, 16 estados estão com mais de 90% dos leitos ocupados.

“Essa variante [P.1] tem uma transmissibilidade até 8 vezes maior que a cepa original, e tem gerado uma doença mais grave, principalmente em jovens, que antes eram pouco comprometidos”, explica Marcos Boulos, epidemiologista e professor da faculdade de medicina da USP.

“Isso sobrecarrega mais o sistema de saúde porque os jovens, por terem uma resistência maior, ficam mais tempo na UTI. Há uma disponibilidade de leitos menor também por causa disso.”

Integrante do comitê de contingenciamento do novo coronavírus no estado de São Paulo, o médico alerta que a situação é preocupante e que nunca havia presenciado algo parecido durante sua carreira.

“Eu já participei de muitas epidemias, aqui e pelo mundo, não só no Brasil, mas nunca tinha visto coisa parecida como a que estamos vivendo. Nós estamos numa situação dramática.”

Novas versões mais perigosas que original

Variantes são novas versões do agente biológico original, que ao longo do tempo sofreu mutações devido a grande circulação entre as pessoas. Cientistas explicam que esse tipo de modificação já era esperada, pois a covid-19 é um vírus com alto potencial de mutação.

O problema é quando as novas versões são mais perigosas que a original. Após o surgimento dessas mutações, o número de óbitos cresceu 71%. Só na última semana foram registradas mais de 12 mil mortes por covid-19.

Além do poder de contaminação maior, as variantes brasileiras também estariam levando pacientes internados por covid-19 a desenvolverem quadros mais graves de infecção, segundo Paulo Correa, pneumologista que atua em Belo Horizonte (MG).

“Quadros de encefalite viral, que não aconteciam antes, têm acontecido, assim como acometimento do miocárdico associado a covid-19. Encontramos pacientes com mais complicação bacteriana também. Então, o cenário atual é de extrema preocupação”, alerta o especialista.

Além do Brasil, países que pouco controlam a pandemia, como Reino Unido, Estados Unidos e a África do Sul, também detectaram mutações perigosas.

A mais preocupante é a encontrada no país africano. A variante demonstrou ser resistente às vacinas. Contra a mutação identificada na África do Sul, a vacina da Oxford, por exemplo, teve eficácia de apenas 20%.

Vacinação lenta

O imunizante mais eficiente contra as novas variantes tende a ser a CoronaVac, produzida pela China. O motivo apontada é pelo imunizante ser desenvolvido com o vírus inativado como um todo, e não só com as cepas, onde justamente ocorrem as mutações.

Segundo o Governo do Estado de São Paulo, mais de 22 milhões de doses do CoronaVac já foram distribuídas.

Porém, com o ritmo lento da campanha de vacinação – apenas 5% da população brasileira foi vacinada –, os riscos de surgimento de novas variantes ainda mais perigosas são grandes.

Medidas restritivas

Para especialistas entrevistados pelo Brasil de Fato, a prioridade deve ser a contenção da propagação do vírus, com medidas de restrições de circulação de pessoas mais rígidas, como o lockdown, combinado ao apoio financeiro aos trabalhadores, como o auxílio emergencial.

“Nós não estamos fazendo isolamento. A variante nova está pipocando. E a gente tem um estudo pequeno, ainda muito inicial, para poder dizer que vai afetar a vacina”, afirma o pneumologista Paulo Correa.

Sobre o uso de máscaras, o médico Marcos Boulos afirma que mais importante do que investir em modelos novos, como a N95 e PFF2, é garantir o uso constante do acessório de modo correto.

“Seja variante, seja o vírus original, ele vem acoplado à cutícula de saliva. Portanto, se você usar máscara, a gotícula de saliva não passa. Se você usar a máscara bem aderida, cobrindo todo o rosto, ela não deve passar”, afirma.

“É necessário que a gente tome cuidado porque é uma doença que veio para valer. Se nós não tomarmos cuidado, em agosto teremos mais de 500 mil mortos no Brasil”, projeta.

Brasil de Fato


Brasil tem recorde de casos de Covid-19 em 24h e segundo maior número de mortes

O Brasil bateu um novo recorde no número de casos do novo coronavírus (Sars-CoV-2) e registrou 90.570 infecções confirmadas da doença. O país teve ainda 2.815 óbitos por Covid-19, o segundo maior número desde o início da pandemia e completou 21 dias seguidos de recordes na média móvel de óbitos, que agora chegou a 2.173. Os dados são do levantamento do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass)

Com os números atualizados do país, ao todo, já são 290.314 mortes pela doença. São 58 dias seguidos com a média móvel de mortes acima de 1.000 e pelo 12º dia a marca aparece acima de 1,5 mil.

Ainda de acordo com o Conass, ao todo, o país soma 11.871.390 infecções provocados pelo novo coronavírus. A média móvel de casos é de 72.573.

Veja a sequência dos recordes da média móvel: 

Sábado (27): 1.180 (recorde)
Domingo (28): 1.208 (recorde)
Segunda-feira (1): 1.223 (recorde)
Terça-feira (2): 1.274 (recorde)
Quarta-feira (3): 1.332 (recorde)
Quinta-feira (4): 1.361 (recorde)
Sexta-feira (5): 1.423 (recorde)
Sábado (6): 1.455 (recorde)
Domingo (7): 1.497 (recorde)
Segunda-feira (8): 1.540 (recorde)
Terça-feira (9): 1.572 (recorde)
Quarta-feira (10): 1.626 (recorde)
Quinta-feira (11): 1.703 (recorde)
Sexta-feira (12): 1.762 (recorde)
Sábado (13): 1.824 (recorde)
Domingo (14): 1.831 (recorde)
Segunda-feira (15): 1.841 (recorde)
Terça-feira (16): 1.976 (recorde)
Quarta-feira (17): 2.017 (recorde)
Quinta-feira (18): 2.087 (recorde)
Sexta-feira (19): 2.173 (recorde)

O ranking de número de mortes segue liderado pelo estado de São Paulo, que tem 66.798 óbitos causados pela Covid-19. O Rio de Janeiro continua em segundo lugar, com 34.830 mortes, seguido por Minas Gerais (21.540), Rio Grande do Sul (16.507) e Paraná (14.658).

Último Segundo


VOLVER

Más notas sobre el tema