Brasil | Entierros sin tregua en San Pablo después de la semana más letal desde el inicio de la pandemia

1.344

Entierros sin tregua y terapias llenas: Brasil, al límite en plena segunda ola

En contra de la tendencia global de estabilización, Brasil presenta el peor escenario desde el inicio de la pandemia y actualmente es el lugar del planeta que más casos y fallecidos por coronavirus registra diariamente, por encima de Estados Unidos.

Los dos últimos días ha superado la marca de los 2.000 decesos diarios.

En un año, el virus ha segado la vida de 272.889 personas en el país, el 10 % del global, aunque la población brasileña apenas representa un 3 % de toda la humanidad.

SIN DESCANSO EN EL MAYOR CEMENTERIO DE LATINOAMÉRICA

En Vila Formosa, el cementerio más grande de Latinoamérica, en Sao Paulo, la historia se repite: un entierro detrás de otro, como en la primera ola.

Los sepultureros están exhaustos, agotados. Su carga de trabajo se duplicó en 2020 y en 2021 no da señales de disminuir.

“Creíamos que se iba estabilizar este año pero hasta ahora no se ha normalizado”, afirma a Efe James Alan, de 35 años, coordinador en Vila Formosa.

A pala, están haciendo de 60 a 66 entierros al día, muchos de ellos por covid o sospecha de covid.

Este jueves, en apenas tres horas de la mañana, fueron una decena de sepulturas “D3”, como identifican los casos de posibles fallecidos asociados al Sars-CoV-2.

Vestidos con monos blancos de plástico, Pedro, de 55 años, y su equipo apenas tienen unos pocos segundos de descanso entre ataúd y ataúd. Es un esfuerzo descomunal. El sudor se escurre sobre sus rostros y empapa sus mascarillas, que gotean sin cesar.

“A veces tenemos que tomarnos un respiro”, dice uno de los enterradores que prefiere no revelar su nombre. “Está jodido”, añade otro después de dar sepultura a una mujer de 41 años presunta víctima de covid.

Sobre la tierra rojiza en la que ahora reposa su cuerpo han colocado una rosa amarilla, otra roja, otra blanca y un girasol.

Pero no hay mucho tiempo para despedidas, ni largas reflexiones, enseguida lleva el siguiente féretro.

Es el del suegro de Elaine Nunes, fallecido también por covid. Según relata Elaine, buena parte de su familia se ha contagiado con el virus: hijos, nietos, yernos…

Llena de impotencia, Elaine saca su celular y se pone a grabar un video para compartirlo en sus redes sociales, mientras los sepultureros cargan en el más absoluto silencio a su difunto suegro.

“¿Están viendo? Tumbas a mansalva y el pueblo no se lo cree. Miren al personal abriendo más tumbas, ¿están viendo? Ahora vayan a hacer aglomeraciones y fiestitas”, dice con ironía.

Los enterradores tampoco se han librado de la covid. Alguno ya pasó “el bicho”, como así lo llaman, dos veces. Pedro se infectó una.

“No tengo tiempo para secuelas”, responde al ser preguntado sobre si aún siente cansancio o dolores de cabeza, mientras examina los papeles del siguiente fallecido.

Él y sus colegas ya han recibido al menos la primera dosis de la vacuna y esta semana, la segunda. Aunque contra el cansancio físico y psicológico no parece haber remedio, ni sosiego por el momento.

En abril del año pasado, la Alcaldía de Sao Paulo anunció la apertura de unas 8.000 nuevas tumbas en Vila Formosa y en menos de un año han ocupado todas ellas.

Alan asegura que solo tuvieron algo de tranquilidad durante 20 días entre octubre y noviembre, pero a partir de ahí volvió a incrementarse el ritmo de trabajo.

“Los años van pasando y nos vamos haciendo mayores. Nuestro cuerpo no va aguantar como el año pasado. Si esa pandemia no acaba, el año que viene estaremos peor y así sucesivamente”, vaticina.

LAS UCIS PARA COVID, EN ESTADO “MUY CRÍTICO”

Las unidades de cuidados intensivos siguen por encima del 80 % de su capacidad en tres cuartas partes del país. Se estima que 40.000 personas están a la espera de una cama en la UCI.

“Las tasas de ocupación de ucis covid-19 para adultos en el sistema público de salud se mantienen en un estado muy crítico”, alertan científicos de la Fundación Oswaldo Cruz (Fiocruz), centro de investigación referencia en Latinoamérica, en su último boletín.

Detrás de este repunte se sospecha que está la circulación descontrolada de variantes del coronavirus asociadas a un mayor poder de infección, entre ellas una de origen brasileño (P.1).

Un ejemplo del rápido empeoramiento de la pandemia es el estado Sao Paulo, motor económico de Brasil y en números absolutos el más castigado por el coronavirus. El Gobierno regional se ha quedado sin colores para clasificar la gravedad de la situación.

De la “fase roja” ha tenido que crear y pasar a una “fase de emergencia” con restricciones aún más rígidas para evitar el colapso de la red pública.

En la calle la sensación es otra. Hay tránsito intenso y el transporte público va a rebosar en las horas punta, cuando faltan pocos días para que finalice el verano austral y comiencen a proliferar otros virus respiratorias.

Mientras, la vacunación marcha al ralentí, pues hasta la fecha solo un 5,8 % de la población ha recibido la primera dosis, aunque el Gobierno de Jair Bolsonaro mantiene que los 212 millones de brasileños estarán inmunizados a finales de este año.

Hoy


Brasil tem mais de uma morte por minuto da covid-19 na primeira quinzena de março

Por José Eustáquio Diniz Alves(*)

O Brasil chegou no dia 15 de março de 2021 com mais de uma morte por minuto nos primeiros 15 dias do mês mais letal da pandemia até aqui. Uma quinzena tem 21.600 minutos (15 dias x 24 horas x 60 minutos) e o Brasil registrou até o dia 14/03 o montante de 23.287 óbitos em decorrência do novo coronavírus. Portanto, independentemente dos dados do dia 15/03, a quinzena já registrou a incrível marca de mais de uma vida perdida por minuto. A situação é terrível, pois o país já é o novo epicentro da pandemia global, sendo que na semana que passou o Brasil – com 2,7% da população mundial – teve mais de 20% dos óbitos da covid-19 no mundo.

O recrudescimento da pandemia no Brasil pode ser comprovado pelos gráficos abaixo com o número de casos e mortes por semanas epidemiológicas. Na semana de 19/07 a 25/07/20 somou 319,4 mil casos e, depois de uma queda, saltou para 379 mil casos na semana de 10/01 a 16/01/21. Contudo, lastimavelmente, na semana que passou (07/03 a 13/03) ultrapassou o pico de meio milhão de casos. O número de vidas perdidas bateu o recorde de 2020 na semana de 19/07 a 25/07, com 7.714 óbitos em 7 dias. Na semana de 21/02 a 27/02/21 chegou a 8.244 óbitos. E o recorde absoluto foi atingido na semana passada com 12.766 óbitos.

A média móvel diária de casos que ficou abaixo de 40 mil infectados na maior parte do ano de 2020, ultrapassou 50 mil casos em janeiro de 2021 e passou de 70 mil casos diários no dia 13/03. No dia 14/03 houve uma queda para 66,3 mil casos. A média móvel diária de vítimas fatais que atingiu o máximo de pouco mais de 1.000 obitos em 2020, ultrapassou 1.100 óbitos em fevereiro e atingiu 1.831 óbitos no dia 14 de março de 2021.

O gráfico abaixo, da Organização Mundial da Saúde (OMS), mostra, que ao contrário do Brasil, o número de casos semanais da covid-19 no mundo diminuíram muito desde o início de janeiro. Na semana de 4 a 10 de janeiro de 2021 foram registrados 5,1 milhões de casos da covid-19 no mundo, caiu para menos da metade com 2,4 milhões de casos na semana de 15 a 21 de fevereiro, mas voltou a subir um pouco e chegou a 3,1 milhões de casos na semana de 8 a 14 de março de 2021. A maior proporção de casos continua ocorrendo na Europa e nas Américas.

O gráfico abaixo, também da Organização Mundial da Saúde (OMS), mostra que o número de mortes estão diminuindo consistentemente. Até o final de janeiro o número diário de vidas perdidas estava em torno de 14 mil óbitos diários, mas caiu nas semanas seguintes e ficaram abaixo de 9 mil óbitos diários nas duas últimas semanas epidemiológicas. Na semana de 18 a 24 de janeiro houve 99,5 mil mortes no mundo e caiu para 58,9 mil mortes na semana de 08 a 14 de março de 2021. A maior proporção de óbitos também ocorre na Europa e nas Américas.

Todos estes dados mostram que o Brasil está na contramão da tendência global e não se vê uma solução no horizonte próximo. Neste fim de semana foram ensurdecedoras as falas pela mudança do Ministro da Saúde, uma vez que o general Pazuello tem feito tantos desmazelos e erros primários que existe um clamor nacional pela mudança de comando da pasta da saúde.

Enquanto Gibraltar e Israel já ultrapassaram 100% da população vacinada (considerando as duas doses), o Brasil está no pelotão de baixo com menos de 6% depois de 2 meses de vacinação. O ritmo do plano de imunização tem sido muito lento. Mesmo que o Brasil dobre o número de doses diários só conseguirá chegar perto de 100% em meados de 2022. Até lá podem surgir novas cepas e novas ondas pandêmicas podem ocorrer.

Sem dúvida, o Brasil corre enorme risco com a multiplicação do vírus no território nacional, ao mesmo tempo que se torna uma ameaça para a América Latina e o resto do mundo. Sem controlar a pandemia será muito difícil recuperar a economia. As medidas de emergência aprovadas pelo Congresso são claramente insuficientes para alavancar o emprego e para reduzir o sofrimento do povo brasileiro. Se nada for feito efetivamente, tudo indica que 2021 será ainda pior do que 2020.

(*) Colunista do EcoDebate. Doutor em demografia, link do CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/2003298427606382

Referências:

ALVES, JED. A pandemia de Coronavírus e o pandemônio na economia internacional, Ecodebate, 09/03/2020
https://www.ecodebate.com.br/2020/03/09/a-pandemia-de-coronavirus-covid-19-e-o-pandemonio-na-economia-internacional-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Brasil com mais de 10 mil mortes da covid-19 por semana, Ecodebate, 08/03/2021
https://www.ecodebate.com.br/2021/03/08/brasil-com-mais-de-10-mil-mortes-da-covid-19-por-semana/

ALVES, JED. Passado, Presente e Futuro da Pandemia da Covid-19, Instituto Fernando Braudel, SP, 11/06/2020
https://pt.scribd.com/document/465506796/O-passado-o-presente-e-o-futuro-da-pandemia-do-novo-coronavirus

Vídeo: https://www.facebook.com/watch/live/?v=293538905150329&ref=watch_permalink

José Gomes Temporão, Carlos Gadelha, José Eustáquio Alves e Alberto Carlos Almeida. Vacinas, Política, Economia e Desenvolvimento Tecnológico, Live, 28/01/21
https://www.youtube.com/watch?v=8gFWznXkO8A

Alberto Almeida. Manhattan Disconnection – Pandemia, Lula e a situação do Brasil, 14/03/2021
https://www.youtube.com/watch?v=NcXp8Kxk2bM

Eco Debate


Morre de Covid-19 deputado de MT autor de lei contra obrigatoriedade da vacina

Morreu, no início da tarde deste sábado (13) o deputado estadual do Mato Grosso Silvio Antônio Fávero (PSL), aos 54 anos, por complicações da Covid-19.

O parlamentar estava internado desde a quinta-feira da semana passada (4). Segundo a assessoria de imprensa, o quadro de saúde se agravou nesta madrugada, e o deputado teve infecção generalizada.

Silvio Fávero apresentou em fevereiro deste ano um projeto de lei estadual “para assegurar o direto de o cidadão escolher ou não pela sua vacinação”. Fávaro também se manifestava a favor do uso de medicamentos que não têm eficácia comprovada contra a Covid-19 e compartilhava publicações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticando medidas de isolamento social.

Em nota, a família do deputado agradeceu por todas as orações e manifestações positivas: “Deus receba em paz nosso grande guerreiro, que bravamente lutou pela vida e hoje, com muita fé em Deus, segue aos braços do Pai Maior”.

O governador Mauro Mendes (DEM) lamentou a morte do deputado e anunciou que irá decretar luto oficial de três dias.

“Favero deixou sua marca na história de Mato Grosso, lutando por aquilo que acreditava ser o certo. Um companheiro do estado na busca das melhores condições para os mato-grossenses. Eu e minha esposa desejamos força neste momento de luto à toda família e que Deus possa abençoá-lo e recebê-lo de braços abertos”, declarou o governo em nota.

Folha de Pernambuco


Bolsonaro busca quarto ministro da Saúde e saída honrosa para Pazuello

Por Paulo Donizetti de Souza

Sem conseguir resolver a grave crise de saúde que assola o Brasil – após um ano de pandemia de covid-19 num país sem governo – o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello está por um fio. O ministro-general deveria alegar problemas de saúde, a dele mesmo, segundo informações de O Globo, e deixar o cargo a qualquer momento. Mais tarde, disse estar bem de saúde, mas que entregaria o cargo se o presidente Jair Bolsonaro pedir. Enquanto isso, o (des)governo Bolsonaro procura um substituto às voltas com dilemas cruéis: atender os pleitos de sua base fisiológica no Congresso, e indicar um nome pedido pelo Centrão; ou enfrentar seu próprio negacionismo e indicar um especialista de fato em saúde.

Bolsonaro já teria cogitado nomear o médico Luiz Antônio de Souza Teixeira Júnior, de 45 anos, o deputado federal Dr. Luizinho (PP-RJ), eleito em 2018. Foi secretário de Saúde do Rio de Janeiro, entre 2016 e 2018. E exerceu o mesmo cargo em sua cidade natal, Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, entre 2013 e 2015. Dr. Luizinho integra a Comissão Externa do Coronavírus e preside, ainda, a Comissão de Seguridade e Saúde da Câmara. Mas teria enfrentado resistência do ex-ministro Ricardo Barros, também deputado do PP – que seria ele próprio postulante a substituir Pazuello para assumir a pasta que já chefiou no governo de Michel Temer.

Porém, Bolsonaro, acuado pelo efeito Lula, após o contundente pronunciamento da última quarta (11) do ex-presidente, estaria procurando um especialista da área. A jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, crava que o presidente acuado já teria conversado com a cardiologista Ludhimila Hajjar, do Incor e da rede de hospitais Vila Nova Star. Inclusive, Ludhimila já estaria em Brasília. Marcelo Queiroga, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, seria outro nome cogitado.

Ser ou não ser ministro de Bolsonaro

Mas que profissional sério, qualquer que seja sua inclinação ideológica, aceitaria comandar uma pasta chave para o momento do país, subordinada a um governo que pratica a necropolítica e o negacionismo científico? O ex-ministro da Saúde, Artur Chioro, questiona que mudança faria alguma diferença para a saúde do país. “Quanto tempo sobreviverá um ministro da saúde que tenha empatia e respeite o sofrimento do povo brasileiro? Poderá pautar suas decisões e ações em evidências científicas, pelo cumprimento de seu papel de coordenador do SUS e respeitará o pacto interfederativo? Sem isso, tudo continuará como antes”, afirmou.

Para se ter ideia, voltou a circular um vídeo em que Ludhmilla Abrahão Haijar defende o isolamento e o distanciamento social, o uso de máscaras e o rastreamento de infecções por meio de testagem em massa como forma de prevenção. Considera o desenvolvimento de vacinas como promissor e também condena métodos “supostamente” preventivos, como uso de medicamentos ineficazes como a cloroquina. Assista aqui. E passaram a circular piadas que Bolsonaro, depois de ouvir isso, não a indicaria.

Para debater o enrosco – com preocupação antes política do que científica – Bolsonaro teria se reunido no sábado com o presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL, olha o PP aí de novo). E depois, com o próprio Eduardo Pazuello, além dos ministros Walter Braga Netto (Casa Civil), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Fernando Azevedo (Defesa) no hotel de Trânsito do Exército. A saída do dilema passa pelos militares que tentam monitorar o governo. Os militares ficaram amuados após a fala de Lula, em que afirma que teria demitido um “servidor” como Eduardo Villas Bôas por ter praticado ingerência política nos rumos da democracia do país – papelão inclusive vetado pelo código de ética das Forças Armadas.

“Pazuello erra, e erra muito”

Então secretário-executivo da pasta, Pazuello assumiu o Ministério da pasta em 16 de maio do ano passado, com a saída de Nelson Teich. Em 2 de junho foi nomeado ministro interino e empossado como titular em 16 de setembro. A indecisão, em plena pandemia do novo coronavírus, foi considerada como uma mostra do descaso de Jair Bolsonaro com a saúde dos brasileiros. O general substituiu o médico Nelson Teich, que esteve à frente do Ministério da Saúde entre 17 de abril e 15 de maio. Teich, por sua vez, assumiu no lugar de Luiz Henrique Mandetta, ministro desde a posse de Bolsonaro até ser demitido em 16 de abril. Teich e Mandetta caíram por discordar das posições negacionistas do presidente da República. Mandetta, hoje, tem o nome construído por setores da elite política que procuram uma “terceira via” para 2022.

A gestão parece ter feito mal à saúde de Pazuello. Isso porque ele acabou obrigado a corroborar as sandices do presidente Bolsonaro. Dentre elas, um manual de incentivo ao uso de cloroquina e a inação diante das mortes no Norte do Brasil, por falta de oxigênio.

O presidente do conselho de secretários estaduais de Saúde, Carlos Lula, secretário no Maranhão, admitiu em entrevista que Pazuello teve um início de gestão “admirável”, mas que sucessivos erros da pasta minaram a credibilidade no general. “Ele tem tentado acertar, mas tem errado muito. É aberto a escutar, é uma qualidade que não é fácil de se ver em quem é ministro”, reconheceu Carlos Lula. “Por outro lado, se cercou de pessoas que não fazem seguir o melhor caminho. Ele erra, e erra muito. De Manaus às vacinas. Não é só culpa dele. Ele tentou resolver a Coronavac lá atrás. O presidente não deixou.”

Rede Brasil Atual


VOLVER

Más notas sobre el tema