Brasil superó por primera vez las 3 mil muertes diarios y el gobierno admite aplicar medidas de distanciamiento

1.872

Brasil admite ahora aplicar medidas de distanciamiento social ante el “peor colapso hospitalario”

El designado ministro brasileño de Salud, Marcelo Queiroga, admitió la necesidad de aplicar medidas de distanciamiento social para contener la pandemia de coronavirus en el país, que atraviesa el “peor colapso sanitario y hospitalario de su historia” a raíz de la segunda ola del brote, según informó el laboratorio federal Fundación Oswaldo Cruz (Fiocruz).

“Conseguiremos reducir las muertes (…) con políticas de distanciamiento social que permitan disminuir la circulación del virus y mejorando la capacidad de nuestros servicios hospitalarios”, dijo Queiroga, nombrado el lunes por el presidente Jair Bolsonaro como el cuarto titular de la cartera sanitaria desde el inicio de la pandemia.

El también cardiólogo, de 55 años, instó en una conferencia de prensa junto al todavía ministro de Salud, Eduardo Pazuello, a la “unión de todos los brasileños” para frenar a la Covid-19, que ya dejó más de 282.000 muertos en el país sudamericano, el segundo más enlutado en el mundo.

“No sirve de nada recomendar el uso de barbijos si la gente no es capaz de adherir a ese tipo de medida sencilla (…) El Gobierno recomienda, por ejemplo, reducir las aglomeraciones fútiles y la gente sigue haciendo fiestas los fines de semana, contribuyendo a la circulación del virus”, opinó.

Si bien estas recomendaciones son corrientes en un planeta confrontado desde hace un año a la crisis sanitaria, son una novedad en el Gobierno de Bolsonaro, quien ha repudiado las cuarentenas, a las que llamó “estado de sitio” recientemente.

Hasta ahora, el mandatario ultraderechista ha mantenido una discurso escéptico sobre la gravedad de la enfermedad, promovió aglomeraciones, rechazó el uso de tapabocas y cuestionó incluso la eficacia de las vacunas.

No obstante, esta actitud empieza a tener un costo político y el mandatario, que aspira a ser reelecto en 2022, ha sufrido una fuerte baja en su popularidad, con un 54% de rechazo a su manejo de la crisis sanitaria, indicó hoy una encuesta de Datafolha publicada por el diario Folha de Sao Paulo.

Según el sondeo, un 43% de los brasileños considera a Bolsonaro como “el principal culpable” de la situación actual, frente a un 17% que la achaca a los gobernadores, defensores de las medidas de confinamiento.

Ante este contexto, Queiroga afirmó que podrá hacer cambios en la política federal contra el coronavirus.

“El presidente nos dio autonomía y haremos los ajustes que correspondan en el momento adecuado”, dijo el futuro ministro, quien destacó: “Creemos en la investigación, en la ciencia”, sin mencionar los tratamientos con medicamentos sin eficacia comprobada contra la Covid-19 promovidos por Bolsonaro.

Según el sondeo, un 43% de los brasileños considera a Bolsonaro como “el principal culpable de la situación actual, frente a un 17% que la achaca a los gobernadores, defensores de las medidas de confinamiento.

Colapso

Brasil volvió a batir este miércoles el récord de muertes diarias por coronavirus, con 3.149, y es la primera vez que supera los tres millares, pocos días después de haber sobrepasado los 2.000 también por primera vez. Con ese resultado, acumula 284.775 fallecimientos, además de casi 11,7 millones de casos confirmados desde el comienzo de la pandemia, informó esta tarde el Ministerio de Salud, mientras casi todo su territorio está al borde de la saturación hospitalaria. Epicentro mundial de la pandemia en marzo, según los científicos de la Fiocruz del Ministerio de Salud, más 24 de los 26 estados tienen más de 80% de ocupación hospitalaria y el estado de Río de Grande do Sul, fronterizo con la Argentina, ya fue superado en todas sus posibilidades, con 100%.

Quince estados tienen tasas superiores al 90% de ocupación de camas UTI para pacientes con Covid-19, dice el informe divulgado anoche por los científicos del más importante centro laboratorial oficial, responsable de producir a partir de este mes las vacunas de AstraZeneca.

“Se trata del mayor colapso sanitario y hospitalario de la historia de Brasil”, dice el comunicado del laboratorio Fiocruz.

Los únicos dos estados que no llegaron a la situación de colapso son el amazónico Roraima y Río de Janeiro, con menos del 80% de ocupación de UTI.

Estos números son promedios de cada estado, que, por su parte, tienen fila de espera en varias regiones y fallecidos sin encontrar camas de UTI, como en el estado de San Pablo, el más poblado y desarrollado del país, donde al menos 88 pacientes de Covid-19 murieron a la espera de una cama de terapia intensiva, consignó el diario O Estado de Sao Paulo.

Los científicos del instituto oficial recomiendan restricciones como las que están aplicando la mayoría de los estados y municipios para reducir la ocupación de camas, además del uso de mascarillas, medidas de distanciamiento físico y aceleración de la vacunación.

También piden suspender las clases presenciales en todo el país y prohibir actividades como shows, cultos religiosos y deportivos, e imponer toque de queda de 20 a 6 y los fines de semana, con cierre de playas y parques.

Un reclamo similar hizo la Organización Panamericana de la Salud (OPS), que alertó sobre la evolución de la pandemia en Brasil y destacó la necesidad de liderazgo para frenar el avance de la enfermedad.

“La situación en Brasil es una advertencia de que mantener este virus bajo control requiere una atención continua por parte de las autoridades de salud pública y de los líderes para proteger a las personas y los sistemas de salud del impacto devastador de este virus”, dijo en rueda de prensa la directora de la OPS, Carissa Etienne, según reportó la agencia de noticias AFP.

Etienne dijo que el gigante sudamericano registra actualmente el mayor número de nuevos contagios en la región de las Américas.

Télam


No pior colapso sanitário de sua história, Brasil supera 3 mil mortos por covid em 24 horas. E tem quase 100 mil novos casos

Por Gabriel Valery

O Brasil registrou hoje (17) 3.149 mortos pela covid-19 nas últimas 24 horas e segue batendo recordes diários em número de óbitos oficialmente notificados ao Conselho Nacional de Secretários de Saúde, o Conass. Com o acréscimo, a média móvel diária de mortes pela infecção, calculada nos últimos sete dias, passou , 2.170 pessoas por dia – três pessoas a cada dois minutos. O contágio e as mortes pelo coronavírus em território brasileiro seguem em aceleração. Este é o pior momento da pandemia no Brasil desde o início do surto, em março de 2020.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) define o cenário como “o maior colapso sanitário e hospitalar da história do Brasil”. Em boletim extraordinário divulgado na noite de ontem, a instituição chama a atenção para a “situação extremamente crítica em todo o país”. Até a conclusão do relatório, apenas dois estados brasileiros não estavam em colapso por falta de leitos de UTI, Rio de Janeiro e Roraima. A condição é declarada quando mais de 85% das unidades estão ocupadas.

O Brasil também bate recorde hoje de novos casos no período equivalente a um dia. O Conass aponta 99.634 novas infecções. O Brasil segue como epicentro da pandemia no mundo desde o dia 9 de março, quando passou a registrar mais mortes e casos do que os Estados Unidos, mesmo com capacidade de testagem inferior. Desde o dia 21 de janeiro o Brasil contabiliza mais de mil mortos por dia, em média.

Pior crise da história

O mapeamento da Fiocruz revela os estados com as piores condições, sendo que em todos eles pessoas morrem em suas casas sem atendimento hospitalar. São eles o Rio Grande do Sul, com 100% das UTIs ocupadas, Santa Catarina, 99%, Goiás, 97%, Distrito Federal, 97%, Paraná, 96%, Pernambuco, 96%, Rio Grande do Norte, 96%, Tocantins, 96%, Mato Grosso, 94%, Acre, 94%, Ceará, 94%, e Mato Grosso do Sul, 93%.

A Fiocruz é categórica em orientar por medidas rígidas de isolamento social. O Brasil enfrenta um cenário de colapso ao mesmo tempo em que vê grande resistência por parte da população em seguir os protocolos da ciência para mitigar os efeitos da crise. O principal adversário da ciência e da saúde pública no Brasil é o próprio presidente Jair Bolsonaro. Desde o início da pandemia ele desdenhou do vírus, estimulou e promoveu aglomerações e até mesmo atacou o uso de máscaras e as vacinas.

“A fim de evitar que o número de casos e mortes se alastrem ainda mais pelo país, assim como diminuir as taxas de ocupação de leitos, os pesquisadores defendem a adoção rigorosa de ações de prevenção e controle, como o maior rigor nas medidas de restrição às atividades não essenciais. Eles enfatizam também a necessidade de ampliação das medidas de distanciamento físico e social, o uso de máscaras em larga escala e a aceleração da vacinação”, afirma a Fiocruz.

Vacinas

No quesito vacinação, o Brasil avança com lentidão. O governo Bolsonaro, após pressão da sociedade e do ressurgimento da figura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apontando para a necessidade de respeitar a ciência, mudou ligeiramente de postura. O governo, repentinamente, passou a defender a vacinação. Contratos foram assinados às pressas, enquanto o bolsonarismo tenta se desvincular do histórico de ataques e divulgação de mentiras sobre vacinas.

Pouco mais de 20 milhões de doses contra a covid já foram distribuídas pelo governo do Brasil aos municípios, sendo 16 milhões de doses da CoronaVac. Destas, 12 milhões já foram aplicadas, ou 4,2% da população tendo recebido ao menos uma dose. Bolsonaro afirmou em diferentes ocasiões que não compraria a “vacina chinesa do João Doria”, em referência ao governador tucano de São Paulo.

Nesta semana o Butantan entrega mais 5 milhões de doses, e são esperadas quantidade similar de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca, que conta com apoio da Fiocruz para produção, envasamento e distribuição local.

Sem comando central para lidar com a pandemia, o esforço maior fica para os governadores. Os da região Nordeste, por exemplo, anunciam contratos para a aquisição de de 37 milhões de doses da russa Sputnik V (“vê”, de vacina).

Exemplo

No sentido oposto da regra brasileira está a cidade de Araraquara, no interior de São Paulo. No boletim da Fiocruz, a entidade destaca a boa condução da pandemia na cidade administrada pelo petista Edinho Silva. Com um “lockdown de verdade”, Araraquara reduziu pela metade o contágio em menos de um mês.

“O município de Araraquara, em São Paulo, é apresentado no Boletim como um dos exemplos atuais de como medidas de restrição de atividades não essenciais evitam o colapso ou o prolongamento da situação crítica nos serviços e sistemas de saúde. Com as medidas adotadas pelo município, Araraquara conseguiu reduzir a transmissão de casos e óbitos, protegendo a vida e saúde da população”, afirma a Fiocruz.

Rede Brasil Atual


Doria vê situação ‘gravíssima’ e promete anunciar medidas adicionais hoje

O governador de São Paulo João Doria (PSDB) anunciou hoje, pela manhã, que tomaria medidas adicionais para combater a pandemia de covid-19, classificando a situação no estado como “gravíssima”. Mas, durante coletiva, no início da tarde, ele não anunciou mais restrições, como sugeriu —no lugar disso, falou sobre auxílio econômico a comerciantes e antecipou a vacinação de idosos de 72 a 74 anos.

“Tenho reunião pela manhã e vai terminar às 11h. E às 11h30 teremos reunião preparatória da entrevista coletiva, onde anunciaremos quais serão as medidas adicionais. Estamos diante de um quadro gravíssimo em São Paulo e no Brasil. E São Paulo adotará novas medidas, a partir da decisão do Centro de Contingência. Não temos decisões políticas.” João Doria (PSDB), governador de São. Paulo

Pesquisadora de vacina lamenta impacto da suspensão e vê motivação política

O Centro de Contingência concluiu, em reunião do último domingo, que São Paulo poderia entrar em colapso total na quinta-feira, ficando sem leitos de UTI em todo estado.

Desde segunda-feira (15), o estado entrou na fase emergencial, mas o primeiro índice de isolamento não foi satisfatório: apenas 43% das pessoas ficaram em casa. O ideal é que essa taxa fique, pelo menos, acima de 50%.

Ontem São Paulo registrou 679 mortes em um dia —um recorde. O número de hospitalizados com covid-19 também reflete a escalada da pandemia: agora são 10,7 mil pacientes com o vírus internados em UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) e 14,2 mil em leitos de enfermaria — 24,9 mil no total, mais um recorde.

A taxa de ocupação dos leitos de UTI em todo o estado, segundo a Secretaria da Saúde de São Paulo, está em 90%. Na Grande São Paulo, a marca é levemente maior, de acordo com a pasta: 90,6%. Esses índices foram revelados ontem.

Desgaste

Os médicos do Centro de Contingência de São Paulo defendem medidas rígidas de controle de circulação das pessoas, para reduzir os números de casos, mortes e internações por causa da covid-19. Mas Doria tem evitado decretar lockdown e se prende ao Plano São Paulo, anunciado no ano passado, e que não tem sido respeitado em todos os municípios nos últimos meses.

Em outubro e novembro, especialistas chegaram a sugerir medidas mais restritas durante a campanha eleitoral. O governador, entretanto, esperou o segundo turno das eleições e apenas na segunda-feira seguinte anunciou uma atualização do plano. À época, ele foi criticado.

No fim de fevereiro, os médicos do Centro de Contingência chamaram a atenção para o avanço da pandemia e pediram anúncios mais drásticos, mas Doria não atendeu a demanda —o que gerou desgaste no grupo.

UOL

Más notas sobre el tema