Brasil | Lula tras la anulación de condenas: “Seré candidato si es necesario para ganarle a un fascista como Bolsonaro”

1.189

Lula en C5N: su candidatura a presidente de Brasil, lawfare, FMI y pandemia

El expresidente de Brasil, Luiz Inácio Lula Da Silva, ratificó esta noche que si el contexto político lo requiere será candidato en las elecciones de 2022 “para ganarle a un fascista como Bolsonaro”, aunque remarcó que en primera instancia buscarán consenso con otras fuerzas de izquierda para encontrar “a alguien que represente a los sectores progresistas”. Asimismo, se refirió a la anulación de las condenas por parte de la Corte Suprema, en un proceso que categorizó como “lawfare”. “El lawfare es usar el poder judicial con intereses públicos, eso pasó con mi proceso, eso también pasó con Cristina, con Rafael Correa, con Evo Morales”, aseguró.

El líder petista habló con el canal C5N sobre la situación que padeció en los últimos años debido a la operación orquestada por el Poder Judicial y la pata mediática, en conjunción con agentes de Estados Unidos. “En Brasil lo más grave es que había intereses del departamento de justicia de los Estados Unidos, de las petroleras americanas y las grandes industrias de ingenierías americanas que querían destruir nuestra industria de petróleo y de gas”, manifestó.

A su vez, explicó que su “proceso ha sido una mentira muy grande”. “Desde 2016 mis abogados han mostrado y probado que era una mentira en realidad”, expresó y profundizó: “La razón del proceso en contra mío ha sido un Power Point que los acusadores hicieron y mostraban que yo había creado una banda”.

Siguiendo esa línea, dijo que pese a el juez nunca pudo determinar los hechos sobre los cuales lo acusaban “aún así siguieron haciendo el proceso” con el fin de alejarlo de las elecciones presidenciales. “El juez (Sergio Moro), los procuradores y la policía mintieron porque había que alejarme de la campaña de 2018”, enfatizó.

Esta noche, el Supremo Tribunal Federal de Brasil ratificó la anulación de las condenas que pesaban sobre su persona y lo habilitaron para competir en los comicios del año próximo, en los que posiblemente se enfrente con el actual presidente Jair Bolsonaro. “Cinco años después la Corte dice que yo tenía razón y anula los procesos en Curitiba,. Vamos a ver cómo serán los destinos. Solo puedo decir que tengo la conciencia tranquila”, destacó.

Asimismo, enfatizó que pese a la embestida judicial se encuentra bien de salud. “Yo estoy vivo, entero, tengo una energía de 30 años y estoy listo para la pelea”, dijo.

Además recordó una anécdota con el presidente, Alberto Fernández. “Le agradezco muchísimo al presidente Alberto Fernández porque me fui a visitar a la cárcel y le pedí a Alberto que no se lo dijera a la prensa porque tenía miedo que si el comentaba eso fuera nefasto para él”. “Le tengo mucha gratitud a Alberto para siempre”, reconoció.

Candidatura

Con la anulación de las condenas, el exmandatario quedó habilitado para participar de las presidenciales del 2022. Por otro lado, encuestas recientes lo ubican por encima de Bolsonaro en cuanto a imagen positiva. De todas formas, el petista consideró que no tiene que ser obligatoriamente él quien encabece una fórmula presidencial, aunque de ser así, lo hará con gusto.

“Necesariamente no tiene que ser Lula. Yo tengo 75 años. Me considero que tengo una buena salud, estoy bien físicamente, pero no tengo que ser obligatoriamente yo. Podemos escoger a alguien que represente a los sectores progresistas en Brasil”, dijo. Sin embargo, remarcó que “si es necesario, si tengo que ser candidato para ganarle a un fascista como Bolsonaro, seré candidato. Pero es necesario que lo hablemos mucho. Tenemos que lograr lo que hicieron en Argentina”.

Pandemia y vacunas

A la hora de hablar de Bolsonaro, el expresidente no duda en calificarlo como “genocida” por su rol en el manejo de la pandemia. Desde que el coronavirus arribó a Brasil se cobró más de 360 mil vidas, amparado por el negacionismo del actual jefe de Estado, que en todo momento evitó aplicar cuarentenas mientras que consideraba al SARS-CoV2 como una “gripezinha”.

“Nunca me imagine que Brasil tuviera un presidente fascista, que además es genocida y es el mayor responsable del caos que la pandemia causa en Brasil. No compró las vacunas cuando debía haberlas comprado. No respetó a los laboratorios, ni expertos, ni a la OMS. Él solo piensa en sus milicianos”, fustigó Lula. Por eso, consideró que “la democracia va a volver” y dijo esperar poder “participar de ese proceso que le devuelva a Brasil la alegría”.

Al mismo tiempo, pidió un esfuerzo global para poder distribuir las vacunas. “En todas las entrevistas le decía a los gobernantes de distintos países que convoquen a una reunión de G20 o al Consejo de la ONU para discutir el tema de la vacuna. La vacuna se tiene que transformar en un bien público. No se les puede impedir a los países pobres que la tengan. Hay que salvar a la humanidad”, remarcó.

Argentina y el FMI

Respecto a la difícil renegociación de los u$s45.000 millones de deuda con el FMI que tomó el gobierno de Mauricio Macri a través del por entonces ministro de Economía, Nicolás Dujovne, el brasileño consideró que el Gobierno debe resistir a las presiones. “En este momento me preocupo porque se cómo Alberto tomo Argentina y lo que tiene entre las manos, la deuda enorme que el otro presidente (Macri) hizo”, manifestó.

Por eso ratificó su apoyo a Alberto para que el país pueda encontrar una salida que no afecte al pueblo argentino. “Argentina tiene un presidente con un compromiso enorme. EL FMI no puede hacerle presión, cobrarle la deuda ni intereses a Argentina. El Fondo tiene que entender que Alberto tiene un compromiso de salvarle la vida a los ciudadanos de argentina que pueden morirse por falta de recursos, porque un presidente irresponsable creo esa deuda de forma irresponsable”, puntualizó.

Además, dijo que “Argentina no puede aceptar la presión del FMI, que no tuvo el valor de presionar a los países ricos por Lehman Brothers”, en relación a la crisis de las hipotecas subprime en 2008.

Nuevas medidas anticovid

Por último, Lula le envió un mensaje a la sociedad argentina, que en las últimas horas fue informada respecto a las medidas que anunció el Gobierno de Alberto Fernández para frenar la segunda ola del coronavirus. “Sé de las medidas duras que ha tomado el presidente en el día de ayer, pero es necesario hacerlo”, dijo.

Además, consideró que el pueblo argentino “tienen que tener la conciencia que nadie sabe en ningún sitio del mundo cómo manejar la pandemia. Aunque uno no esté de acuerdo es importante tomar las medidas” porque “no podemos llevar a los pobres a un genocidio”. “Hay que cuidar de la gente y luego cuidar de la economía”, añadió.

Por último, en contraposición a la decisión del ministro Guzmán de no expandir la base monetaria con nuevas partidas presupuestarias para afrontar el Covid, Lula dijo que “no hay problema en aumentar la deuda pública interna para cuidar el pueblo” porque en el fondo lo que importa es “salvar la vida de millones de personas, argentinos y brasileños”. “Los ricos no se preocupan por los pobres. El Gobierno tiene que cuidar al pueblo. Espero que todos lo comprendan”, concluyó.

Ámbito


8 x 3: STF anula condenações da Lava Jato contra Lula, que pode ser candidato em 2022

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por 8 votos a 3, na tarde desta quinta-feira (15), pela manutenção da decisão do ministro Edson Fachin no Habeas Corpus (HC) 193.726, que reconheceu a incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba (PR) para julgar as ações penais da Lava Jato contra o ex-presidente Lula (PT).

Com isso, o petista mantém seus direitos políticos e a possibilidade de se candidatar à Presidência em 2022. As ações penais que estavam no Paraná deverão ser encaminhadas a Brasília (DF), conforme determinou Fachin no último dia 8.

Os votos divergentes foram de Kassio Nunes Marques, Marco Aurélio Mello e Luiz Fux. Formaram a maioria, os ministros Ricardo Lewandowski, Dias Tofolli, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Edson Fachin, Gilmar Mendes, Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso.

Suspeição

O plenário do Supremo deve decidir na próxima semana se a incompetência implica na anulação da decisão da 2ª Turma sobre a suspeição ou parcialidade do ex-juiz Sergio Moro, como propõe Fachin.

Também fica pendente a confirmação de qual foro receberá as ações que estavam em Curitiba.

O relatório de Fachin

O relator Edson Fachin começou a apresentar seu voto por volta das 14h25.

Logo ao início do pronunciamento, adiantou que considerava improcedente o recurso da Procuradoria-Geral da República (PGR) que alegava competência da 13ª Vara Federal de Curitiba (PR) para julgar as ações contra Lula.

Fachin citou o ex-ministro Teori Zavascki e disse que segue o entendimento consolidado pelo plenário ao reafirmar a incompetência da Vara de Curitiba.

“A homologação de acordos de colaboração premiada não constitui critério para definição de competência”, disse.

Ao citar outro colega, Dias Toffoli, Fachin reforçou: “Os fatos que geraram a Lava Jato são relacionados à Petrobras. Independentemente de algumas pessoas serem acusadas aqui e ali, isso não pode transformar a 13ª Vara Federal de Curitiba em um juízo universal.”

O voto durou cerca de 1h30. Em seguida, a sessão entrou em intervalo regimental de 30 minutos.

Nunes Marques não quer anulação

O segundo a votar foi Kassio Nunes Marques. O ministro, nomeado por Jair Bolsonaro, citou informações já desmentidas pela Justiça sobre os casos “triplex do Guarujá” e “sítio de Atibaia”.

Depois de mencionar que o STF já havia reconhecido a competência da 13ª Vara Federal anteriormente, Nunes Marques também citou denúncias envolvendo “empresas na região metropolitana de Curitiba”, ressaltando a proximidade com o juízo.

Até o procurador Deltan Dallagnol, segundo mensagens vazadas da Lava Jato, considera esse elo “capenga”.

Por fim, o ministro do Supremo disse ainda que “a gravidade da incompetência territorial, que não reconheço, é mínima.”

“A eventual incompetência territorial, apontada pelo relator, não resultou em prejuízo à defesa”, afirmou Nunes Marques, ignorando que Lula ficou preso por 580 dias. Para ele, os atos não podem ser todos anulados em razão da eventual incompetência.

Para Moraes, competência garante neutralidade

Com o placar empatado em 1 a 1, era a vez do ministro Alexandre de Moraes.

Antes desse voto, Cristiano Zanin, advogado de Lula, pediu a palavra e lembrou:

“Segundo o próprio Sergio Moro, já declarado parcial pela 2ª Turma, este juízo jamais afirmou que valores obtidos pela OAS nos contratos com a Petrobras foram usados para pagar vantagem indevida ao ex-presidente.”

Alexandre de Moraes iniciou seu voto ressaltando a importância do princípio do juiz natural.

“O que está sendo julgado aqui é o princípio do juiz natural, uma proteção garantida pela Constituição Federal que é minha, nossa, de toda a sociedade”, afirmou.

“O juiz não pode escolher o que vai julgar, nem as partes podem escolher quem vai julgar. Isso garante neutralidade do Judiciário e segurança da sociedade contra o arbítrio estatal”, completou o ministro.

Feitas essas considerações, Moraes desempatou o placar para 2 a 1 pela incompetência da Vara de Curitiba:

“Uma alegação genérica de que há uma organização criminosa que atua em várias frentes, sem identificar uma relação específica caso a caso, não serve para fixar competência”, argumentou.

A única discordância de Moraes em relação ao relator Fachin é sobre o envio das ações para a Justiça Federal em Brasília. O ministro também não vê competência naquele juízo para assumir as ações contra Lula.

Weber se baseia na colegialidade

A ministra Rosa Weber ampliou o placar para 3 a 1, concordando com o relatório de Fachin.

“Não identifico elementos que debilitem a decisão monocrática do relator. Há uma relação muito distante entre as condutas imputadas e sua repercussão sobre o patrimônio da Petrobras”, disse.

Para Weber, devem ser anulados apenas os atos decisórios, e não a totalidade dos processos, ao serem transferidos a Brasília.

Votos em tempo recorde

Na sequência, o ministro Dias Toffoli fez um voto ágil. Em menos de dois minutos, disse concordar com o relator Fachin e ampliou o placar para 4 a 1.

Após proposta de adiamento da sessão, os ministros Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Carmen Lúcia e Luís Barroso também adiantaram seus votos, em concordância com o relator.

Quando a maioria já estava formada, o presidente da corte, Luiz Fux, decidiu votar também, integrando a minoria e fechando o placar em 8 a 3 pela incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba para julgar Lula.

Brasil de Fato


“Só Deus me tira da cadeira”, repete Bolsonaro no dia em que STF confirma Lula elegível

Cerca de uma hora após o Supremo Tribunal Federal (STF) declarar a 13ª Vara Federal de Curitiba incompetente para julgar o ex-presidente Lula e, por consequência, anular as condenações do petista na Lava Jato, Jair Bolsnaro, em live, já se mostrou abalado com a volta de seu principal oponente ao jogo político-eleitoral.

Comentando decisão da ministra Cármen Lúcia, que deu o prazo de cinco dias para que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), explique os motivos pelos quais não deu seguimento aos pedidos de impeachment contra o ocupante do Palácio do Planalto, Bolsonaro reiterou declaração já dada por ele em outras ocasiões: “só Deus me tira da cadeira presidencial. E me tira, obviamente, tirando a minha vida”.

A realidade, porém, é que Lula se mostra, segundo pesquisas, perfeitamente apto a retirar Bolsonaro da presidência. Em levantamento divulgado na quarta-feira, Lula aparece com 52% das intenções de voto contra 34% de Jair Bolsonaro em um eventual segundo turno em 2022.

Bolsonaro também disse que “não é candidato”, porém afirmou que estava preocupado com “o futuro do Brasil” caso Lula seja eleito em 2022.

“Não estamos começando aqui uma campanha para 2022. Mas, pela decisão do STF hoje, o Lula é candidato. Faça uma comparação dos ministros do Lula com os nossos ministros. E, se o Lula voltar, pelo voto direto, pelo voto aditável, tudo bem. Agora, veja qual vai ser o futuro do Brasil, o tipo de gente que ele vai trazer para a presidência. Em março de 2023, três meses depois que ele porventura assumir a presidência, ele vai escolher mais dois ministros para o Supremo Tribunal Federal. Tá ok, pessoal?”, disse Bolsonaro.

Ele ainda complementou. “Eu não estou dizendo que sou candidato, nem que sou o melhor do mundo. Mas vamos ter umas eleições pela frente. Estão previstas eleições em 2022. O Lula vai ser candidato, vai estar lá. Me tira de combate? Quem iria com o Lula para o segundo turno? É só fazer um raciocínio que vocês vão entender qual o futuro de cada um de vocês”.

“Eu já tenho 66 anos de idade, até lá estou com 68, eu já estou no lucro. Estou mais para lá do que para cá, mas vejam qual futuro reserva pra vocês no Brasil, com o que está acontecendo e com esta decisão e hoje do STF anulando as condenações do Lula e tornando ele elegível”, afirmou o presidente.

Brasil 247


TCU absolve Dilma no caso da refinaria de Pasadena

O Tribunal de Contas da União (TCU) absolveu a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) no processo que analisa a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, pela Petrobras, em 2006, quando Dilma integrava o Conselho de Administração da estatal. Ela só seria eleita presidente em 2010.

A decisão do plenário do TCU foi tomada nesta quarta-feira (14). As informações são do analista da CNN Caio Junqueira. A decisão do TCU foi unânime, e contou até com o voto do ministro Jorge Oliveira, indicado em dezembro de 2020 pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao tribunal.

A petista e outros ex-integrantes do Conselho de Administração foram absolvidos, como Antônio Palocci, Claudio da Silva Haddad, Fabio Colleti Barbosa e Gleuber Vieira. Para o relator do caso, ministro Vital do Rêgo, os integrantes do conselho não agiram com má-fé, e suas contas foram consideradas “regulares com ressalvas”.

No mesmo processo, no entanto, o TCU condenou o ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli e os ex-diretores da estatal Paulo Roberto Costa (diretoria de Abastecimento) e Nestor Cerveró (diretoria Internacional). As contas destes três foram julgadas “irregulares”.

Cerveró, Gabrielli e Luís Carlos Moreira da Silva, então gerente da área de Internacional da Petrobras, foram condenados a pagar multa de R$ 110 milhões. Além disso, não poderão exercer cargos públicos por oito anos.

Entenda o caso

Em 2006, a Petrobras comprou 50% da Refinaria de Pasadena por US$ 360 milhões (R$ aproximadamente R$ 2 bilhões em valores atuais). Por causa das cláusulas do contrato, a estatal foi obrigada a comprar toda a unidade, o que resultou em um gasto total de US$ 1,18 bilhão (aproximadamente R$ 6,6 bilhões em valores atuais). A compra foi aprovada por unanimidade pelo Conselho de Administração da Petrobras, do qual Dilma, então ministra da Casa Civil de Lula (PT), fazia parte.

Segundo o TCU, o prejuízo com a compra de Pasadena chegou a US$ 580,4 milhões (cerca de R$ 3,2 bilhões em valores atuais).

O caso de Pasadena ajudou a corroer a base política e a popularidade da ex-presidente, que em 2016 sofreu um processo de impeachment, sendo sucedida pelo seu vice, Michel Temer (MDB).

CNN Brasil


VOLVER

Más notas sobre el tema