Brasil | Comisión investigadora ve indicios de delitos en la gestión del gobierno ante la pandemia

856

Una comisión investigadora ve indicios de delitos en la gestión de la pandemia en Brasil

La comisión del Senado de Brasil que investiga si el gobierno de Jair Bolsonaro fue omiso ante la pandemia de covid-19 considera que ya cuenta con pruebas de que se cometieron delitos. Según informó el diario Folha de São Paulo, el grupo mayoritario en la comisión, integrado por senadores independientes y opositores, podría pedir a la fiscalía que inicie una investigación al respecto.

Durante las últimas semanas la comisión investigadora recibió a exministros de Salud y otros funcionarios, y sus testimonios indican que Bolsonaro y su gobierno eran conscientes del impacto que podía tener la pandemia y deberían haber actuado para minimizarlo, señalaron los senadores.

Los testigos informaron que el presidente recibió advertencias del Ministerio de Salud acerca del rumbo que tomaba la situación sanitaria, que integrantes del gobierno evaluaron cambiar el prospecto de la cloroquina para agregar allí que se utiliza para tratar la covid-19, aunque no es recomendada para ese uso, y que el Ejecutivo dejó sin respuesta una oferta de vacunas del laboratorio Pfizer que le hubiera permitido a Brasil contar con las primeras dosis en diciembre, y no en marzo. Esa empresa le ofreció al gobierno sus vacunas en agosto, para que 1,5 millones de dosis llegaran antes de que terminara 20202, pero no recibió respuesta. Un exjefe de Comunicación, Fabio Wajngarten, finalmente hizo gestiones “personales” ante Pfizer para comprarle la vacuna.

Según informó la agencia de noticias Efe, Wajngarten evitó comentar las afirmaciones de Bolsonaro acerca de que la vacuna de Pfizer podía convertir a las personas en yacarés, pero negó que esa fuera una “estrategia de comunicación”.

Esta semana, el total acumulado de muertes en Brasil por covid-19 superó los 425.000. También esta semana, el respaldo a la gestión de Bolsonaro cayó seis puntos y alcanzó un mínimo de 24%, de acuerdo con un sondeo de Datafolha. Otra encuesta de ese instituto concluye que si las elecciones fueran hoy, el expresidente Luiz Inácio Lula da Silva ganaría frente a Bolsonaro en hipótesis de primera vuelta y de balotaje. “Los canallas de la izquierda siempre fueron iguales. Y quieren ahora que vuelva ese hijo del demonio”, dijo el presidente en alusión a Lula.

La Diaria


CPI reúne elementos que comprovam omissão do governo na compra de vacina contra covid

Quase quatro meses após o início da vacinação contra a covid-19, o Brasil chega à segunda semana de maio com menos de 10% da população vacinada com as duas doses do imunizante.

Na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a resposta do governo federal à pandemia, as inconsistências do executivo nos processos de aquisição do insumo foram tema dominante. Os depoimentos concedidos aos senadores trouxeram elementos que confirmam falhas consideráveis na gestão.

Mais de um ano após os primeiros registros de casos e mortes no Brasil, na segunda-feira (10), o governo criou a Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19. O órgão vai coordenar as ações a serem executadas no combate ao coronavírus.

O atraso na resposta à crise sanitária não está apenas na construção de um núcleo específico dentro do governo para tratar exclusivamente sobre a pandemia. Ao longo da semana, a CPI da covid reuniu elementos que indicam que a demora na compra das vacinas foi consciente.

“A gente está vendo a confirmação e a documentação de fatos que a gente sabia que aconteceram e que agora estão sendo sistematizados pela CPI”, afirma o médico de família Aristóteles Cardona, da Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares, no podcast A Covid-19 na Semana.

“Dentro das questões que a gente imaginava que a CPI deveria investigar, e que ela está cumprindo, está exatamente a incapacidade de gerir o sistema de saúde. Sempre falamos da preocupação de ver tanta gente incompetente comandando o Ministério da Saúde, no momento de maior crise sanitária da nossa história”, completa Aristóteles.

Também na segunda, governadores do Maranhão, Piauí e Mato Grosso do Sul participaram de audiência pública na Comissão Temporária da Covid do Senado e pediram ajuda na aquisição de vacinas.

Na mesma data, o governo de São Paulo informou que 10 mil litros de insumos da vacina CoronaVac estavam “travados” na China à espera de autorização para envio para o Brasil. O atraso seria consequência das relações diplomáticas estremecidas entre o Brasil e o país asiático.

O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, falou aos senadores na terça-feira (11). Perguntado se o negacionismo de Bolsonaro, pode causar impactos na vacinação, ele respondeu que a postura “vai contra tudo o que nós temos preconizado em todas as manifestações públicas” .

Na quarta-feira (12), o ex-chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) da Presidência, Fabio Wajngarten admitiu aos Senadores que o governo recebeu uma oferta da farmacêutica Pfizer para aquisição de vacinas em setembro do ano passado e ignorou o documento por pelo menos dois meses.

A falta de interesse do governo federal para compra do imunizante foi reafirmada no dia seguinte pelo ex-diretor da Pfizer no Brasil, Carlos Murillo. Na quinta-feira (13), ele dise que a primeira reunião com o executivo brasileiro foi realizada em maio de 2020. Três meses depois, em agosto, foram feitas três ofertas, todas negadas por Bolsonaro.

Outras quatro propostas foram feitas entre novembro do ano passado e fevereiro deste ano. Mas foi somente em março que o governo decidiu pela aquisição das doses. Carlos Murilo confirmou a existência da carta mencionada por Wajngarten.

A carta foi enviada a Bolsonaro, ao vice-presidente Hamilton Mourão; a Braga Netto, chefe da Casa Civil; a Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde; a Paulo Guedes, ministro da Economia; e a Nestor Forster, ex-embaixador do Brasil nos EUA.

“Depois de feitas estas ofertas, com data de 12 de setembro, nosso CEO [Albert Bourla] mandou uma comunicação para o governo do Brasil indicando nosso interesse em chegar a um acordo. E que nós tínhamos fornecido para o governo do Brasil as propostas anteriormente mencionadas”, afirmou Murillo.

Aristóteles Cardona alerta, “Há um projeto em torno disso tudo. Há uma justificativa. A gente ainda não tem certeza sobre o que exatamente justificou. Qual é a empresa que não queria pegar a situação do Brasil e mostrar o quanto a vacina funciona? Mas, a despeito disso, o presidente preferiu – no dia da reunião com a Pfizer – fazer outras coisas”.

No dia 23 de janeiro deste ano, o general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, afirmou que o Brasil não havia fechado acordo com a Pfizer, pois a empresa teria apresentado condições “leoninas”, o que teria dificultado o acordo e queria fazer publicidade às custas do programa de imunização do Brasil.

Cardona finaliza, “É até triste a gente ver o que se comprova na CPI. Mas é importante a gente seguir acompanhando, porque precisa ficar cada vez mais evidente toda a responsabilidade do governo federal no momento que a gente vive no nosso país.”

Brasil de Fato


Brasil registra mais 2.189 mortes por Covid e 84 mil novos casos

O Brasil registrou 2.189 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando nesta sexta-feira (14) 432.785 óbitos desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias chegou a 1.913 –abaixo da marca de 2 mil pelo terceiro dia seguido. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de -21%, indicando tendência de queda nos óbitos decorrentes do vírus.

Os números estão no novo levantamento do consórcio de veículos de imprensa sobre a situação da pandemia de coronavírus no Brasil, consolidados às 20h desta sexta. O balanço é feito a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde.

Nenhum estado apresenta tendência de alta nas mortes. Já com tendência de queda aparecem 19 estados e o DF.

O Brasil completa agora 114 dias com a média móvel de mortes acima da marca de 1 mil. De março até o dia 10 de maio, foram 55 dias seguidos com essa média acima da marca de 2 mil.

G1


VOLVER

Más notas sobre el tema