Brasil | Exministro de Salud revela que Bolsonaro quería cambiar el prospecto de la Cloroquina para usarlo contra el Covid

796

Bolsonaro intentó cambiar el prospecto de cloroquina para usarla contra la Covid

El presidente de Brasil, Jair Bolsonaro, montó un comité paralelo bajo el comando de sus hijos para tomar decisiones sanitarias al inicio de la pandemia e intentó cambiar por decreto el prospecto del remedio cloroquina para que fuera usado, sin comprobación científica, en forma masiva en contra de la Covid-19, denunció este martes ante el Senado su primer ministro de Salud, Luiz Henrique Mandetta.

El exministro habló durante la inauguración de la fase de testigos de la comisión parlamentaria de investigación (CPI) abierta en el Senado para investigar las omisiones del Gobierno y del mandatario en la pandemia, ya que el ultraderechista se negó a decretar cuarentenas, el uso de tapabocas y el distanciamiento social, pese a que Brasil superó 400.000 muertos y está saliendo con dificultad de un colapso hospitalario de dos meses.

Mandetta, ministro hasta abril de 2020, contó que cuando estaba en el Gobierno Bolsonaro lo convocó a su despacho junto con otros asesores presidenciales y le hizo un pedido que lo sorprendió.

Encima de la mesa había un texto con un decreto en el cual se incorporaba al prospecto de la cloroquina la enfermedad del coronavirus, algo no probado científicamente.

“Había un papel no timbrado de un decreto presidencial para que fuera sugerido que se cambie el prospecto de la cloroquina. Fue el propio presidente de la Anvisa (la Anmat brasileña) que se negó”, dijo Mandetta.

Considerado un presidenciable de la derecha liberal del partido Demócratas, el exbolsonarista Mandetta acusó también a Bolsonaro de haberse rodeado de asesores comandados por su hijo Carlos -concejal de Rio de Janeiro y su coordinador de redes sociales-, que trabajaban en contra de las directrices científicas del Ministerio de Salud, especialmente en términos de la recomendación sobre el distanciamiento social.

Mandetta denunció también ante el Senado las omisiones de Bolsonaro sobre las alertas de los científicos y epidemiólogos dados al jefe del Estado para enfrentar la pandemia.

Desde bien temprano en la pandemia, Bolsonaro apostó a los remedios cloroquina, hidroxicloroquina, annita e ivermectina como forma de tratamiento contra el distanciamiento social defendido por la comunidad científica y en 2020 siguió la línea del expresidente estadounidense Donald Trump.

Aún cuando los expertos advertían que estos medicamentos no estaban probados para la nueva enfermedad, la Covid-19, Bolsonaro siguió presionando hasta que en marzo pasado aparecieron los pedidos de juicio político por genocidio sanitario y comenzaron los primeros casos de pacientes que tomaron cloroquina, un remedio contra la malaria, con necesidad de transplantes hepáticos.

Bolsonaro importó en 2020 cloroquina de Estados Unidos y ordenó la fabricación del antipalúdico al laboratorio del Ejército para entregarlo como parte de un ‘kit covid’, una suerte de tratamiento repartido sobre todo en las comunidades más pobres del país, pese a que aún no existe un remedio para la Covid-19 reconocido en ninguna parte del mundo.

Mandetta explicó que Bolsonaro se rodeó de asesores y médicos ajenos al Ministerio de Salud que abonaban la teoría de la ‘inmunidad de rebaño’ y el ‘aislamiento vertical’, es decir, habilitar contagios masivo y apenas dejar a los mayores de 60 años en sus casas.

El exministro evaluó que Bolsonaro adoptó el “negacionismo” como política y no quiso hacer campaña oficial de concientización sobre los peligros de la Covid-19.

Esta primera audiencia de testigos en el Senado fue explosiva y, por eso, varios senadores oficialistas habían intentado evitar la declaración de Mandetta.

Este miércoles le toca a Nelson Teich, segundo ministro de Salud de Bolsonaro, quien duró menos de 30 días en el cargo.

Aunque el oficialismo no logró frenar la declaración de Mandetta, sí respiró tranquilo cuando se canceló la presencia este miércoles del general Eduardo Pazuello, el ministro de Salud entre mayo de 2020 hasta marzo pasado, que hoy está de vuelta en el Ejército.

Pazuello, una voz clave en la investigación por la masacre de pacientes por falta de oxígeno en Manaos, Amazonas, en enero pasado, se negó a acudir porque dijo que estuvo en contacto con gente contagiada luego de haber sido fotografiado paseando en un shopping de Manaos sin tapabocas, en abierto desafío a las medidas del propio centro comercial y del Gobierno estatal.

Pero aún si Pazuello no declara mañana, ya la primera jornada de hoy fue lapidaria para el mandatario.

El relator de la comisión, senador opositor Renán Calheiros, del Movimiento de la Democracia Brasileña (MDB), calificó de “relevantes” las declaraciones de Mandetta y destacó la carta que el exministro dio a conocer y que le había dado a Bolsonaro en marzo del año pasado alertando sobre los muertos que vendrían si no se tomaban medidas.

Mandetta es uno de los considerados presidenciables para 2022 de la centroderecha no bolsonarista, espacio que comparte con el gobernador paulista, Joao Doria, y al que se acercó recientemente el exgobernador de Ceará y exministro Ciro Gomes, del Partido Democrático Laborista (PDT).

La comisión investigadora debe determinar si el presidente colaboró en la propagación del virus a propósito, como parte de su tesis de la inmunidad de rebaño y participando de grandes concentraciones de personas, como marchas de sus simpatizantes.

Télam


CPI da Covid: Mandetta diz que Bolsonaro queria que Anvisa alterasse bula da cloroquina

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta afirmou nesta terça-feira (4), na Comissão parlamentar de inquérito (CPI) da Covid, que o presidente Jair Bolsonaro queria que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) alterasse a bula da cloroquina para que o medicamento fosse indicado no tratamento da Covid-19 (veja mais no vídeo acima).

A cloroquina, de acordo com estudos científicos, é ineficaz contra a doença. Segundo Mandetta, o pedido para alterar a bula foi negado pelo presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres.

O ex-ministro foi à CPI na condição de testemunha, quando há o compromisso de dizer a verdade sob o risco de incorrer no crime de falso testemunho. O Brasil já tem mais de 408 mil mortes por Covid-19.

“Eu estive dentro do Palácio do Planalto quando fui informado, após uma reunião, que era para eu subir para o terceiro andar porque tinha lá uma reunião com vários ministros e médicos que iam propor esse negócio de cloroquina, que eu nunca tinha conhecido. Quer dizer, ele tinha esse assessoramento paralelo”, disse Mandetta.

“Nesse dia, havia sobre a mesa, por exemplo, um papel não timbrado de um decreto presidencial para que fosse sugerido daquela reunião que se mudasse a bula da cloroquina na Anvisa, colocando na bula a indicação da cloroquina para coronavírus. E foi inclusive o próprio presidente da Anvisa, [Antonio] Barra Torres, que disse não.”

Em seu depoimento, o ex-ministro disse ainda que Bolsonaro defendia o uso da cloroquina para o tratamento precoce, mesmo sem evidência científica, e que o presidente deveria ter outras fontes de informação, pois o uso do medicamento não era recomendado pelo Ministério da Saúde.

“Me lembro de o presidente sempre questionar a questão ligada à cloroquina como a válvula de tratamento precoce, embora sem evidência científica. Eu me lembro de o presidente algumas vezes falar que ele adotaria o chamado confinamento vertical, que era também algo que a gente não recomendava”, afirmou.

Mandetta disse ainda que o Ministério da Saúde seguia a “cartilha da Organização Mundial de Saúde” e que, se ele tivesse adotado a teoria de que o vírus não chegaria no Brasil, teria sido uma “carnificina”.

Ele também afirmou que “do Ministério da Saúde nunca houve a recomendação de coisas que não fossem da cartilha da Organização Mundial de Saúde, dessas estruturas todas”.

“Era o que a gente tinha, não por sermos donos da verdade, não. Pelo contrário, nós éramos donos da dúvida, eu torcia muito para aquelas teorias de que ‘ah, o vírus não vai chegar no Brasil’. Agora, se eu adotasse aquela teoria e chegasse, teria sido uma carnificina.”

Em seu depoimento, o ex-ministro também falou que:

  • Bolsonaro queria que a Anvisa mudasse a bula da cloroquina, remédio ineficaz contra a Covid;
    era “constrangedor” explicar divergências com o presidente sobre medidas de isolamento social;
    “provavelmente” Bolsonaro se aconselhava sobre a pandemia com fontes de fora do Ministério da Saúde;
  • o governo não quis fazer campanha oficial contra a Covid;
  • a política de testagem em massa foi abandonada depois que ele deixou a pasta;
    e a falta de unidade na ação do governo confundiu a população e teve impacto na pandemia.

Presidente duvidou de estimativa de mortos

No depoimento, Mandetta também disse que Bolsonaro teve dúvida quando apresentado, ainda no início da pandemia, a uma estimativa de 180 mil mortos até dezembro de 2020, caso o país não adotasse medidas firmes de combate ao coronavírus. Nesta terça, o Brasil já tem mais de 408 mil mortos.

“Eu levei, expliquei. 180 mil óbitos para quem tinha na época menos de mil era um número muito difícil de você fazer uma assertiva dessa. Eu acho que ali ficou dúvida, porque tinha ex-secretários de saúde, parlamentares, que falavam publicamente: ‘Olha, essa doença não vai ter 2 mil mortos, essa doença vai durar de quatro a seis semanas’”, afirmou o ex-ministro.

“Havia uma construção também de pessoas que falavam absolutamente o contrário. Eu acho que, naquele momento, o presidente entendeu que aquelas outras previsões poderiam ser mais apropriadas para aquele momento.”

Aconselhamento de fora

Mandetta afirmou que Bolsonaro “provavelmente” tinha uma outra fonte de aconselhamento sobre a pandemia que não era o Ministério da Saúde.

“Eu acho que ele tinha uma outra, provavelmente, eu não saberia lhe dizer, mas provavelmente uma outra fonte que dava para ele. Aí, ele teria que dizer, que dava para ele, porque do Ministério da Saúde nunca houve a recomendação de coisas que não fossem da cartilha da Organização Mundial de Saúde”, afirmou.

O ministro disse que viu diversas vezes o vereador Carlos Bolsonaro (Republicano-RJ) participando e fazendo anotações em reuniões ministeriais:

“Eu testemunhei várias vezes reuniões de ministros em que o filho do presidente que é vereador do Rio de Janeiro estava sentado atrás tomando as notas da reunião. Eles tinham constantemente reuniões com esses grupos dentro da Presidência.”

Falta de ‘unidade’ e de ‘fala única’

O vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), fez uma série de perguntas em sequência a Mandetta. Algumas delas foram:

“Na sua avaliação, a postura e as ações do presidente da República contra o isolamento social tiveram impacto no agravamento da pandemia e no aumento do número de mortes? A tragédia brasileira poderia ter sido evitada? O Brasil tinha condições de enfrentar de forma melhor esta pandemia?”.

Na resposta, Mandetta disse que faltou ao país ter uma “unidade” no combate à pandemia e uma “fala única” na condução da crise.

“Se a postura trouxe impacto? Sim. Você não pode, em tempos de epidemia… Você tem que ter a unidade, você tem que ter a fala única. O raciocínio não é individual. Esse vírus ataca a sociedade como um todo, ele ataca educação, cultura, esporte, lazer. Ele ataca tudo. Economia, emprego, microempresas. Ele ataca o sistema de saúde a ponto de derrubá-lo e aí sim o sistema de saúde não pode atender quem tem apendicite”, afirmou o ex-ministro.

Para Mandetta, as falas contrárias à ciência criaram divisões dentro do país e, com isso, parte da população achou que poderia desobedecer medidas de prevenção.

“Então você tem, sim, esse impacto. Porque houve uma ruptura. A medicina ficou completamente dividida. O conselho, de uma maneira, não consegue se pronunciar, as pessoas começaram a ver: ‘Sim, eu posso fazer isso, eu sou leal, eu faço dessa maneira’. A tragédia, sim. O Brasil podia mais, o SUS podia mais, a gente poderia mais. Poderíamos estar vacinando mais, desde novembro do ano passado”, disse o ex-ministro.

Falta de campanha nacional

Mandetta disse também que o governo não quis fazer uma campanha nacional de comunicação contra a Covid-19. O ministro afirmou que, por isso, dava entrevistas diárias para atualizar a população sobre o avanço da pandemia.

“Aquelas entrevistas, elas só existiam porque não havia… O normal, quando você tem uma doença infecciosa, é você ter uma campanha institucional, como foi, por exemplo, a Aids. Havia uma campanha onde se falava sobre a Aids, como pega, e orientava as pessoas a usarem preservativo. Era difícil para a sociedade brasileira fazer, mas havia uma campanha oficial. Não havia como fazer uma campanha [contra a Covid], não queriam fazer uma campanha oficial”, declarou.

Testagem

O ex-ministro também foi questionado sobre a política de testagens no país e disse que o ministério tinha um rumo claro sobre a necessidade de testagem em massa, baseado na ciência, e que foi abandonado após a sua saída da pasta.

“Eu acho que nós tivemos em um determinado momento um caminho traçado pelo Ministério da Saúde para testagem, para utilização da atenção primária […]. Nós tínhamos um caminho, nós sabíamos para onde nós iríamos. Nós tínhamos claramente que nós iríamos testar, bloquear ao máximo possível os contágios, identificá-los”, afirmou.

“E nós iríamos tratar, via atenção primária, e ampliar a nossa rede de atendimento hospitalar. Isso era a maneira como nós focávamos. Nós não tomamos nenhuma medida que não tenha sido pela ciência, e a ciência é essa, é isso que recomendava. Agora, a posteriori, nós vimos pararem muitas coisas e não colocarem outras no lugar. A testagem é uma delas.”

Gestão baseada na ciência

Mandetta disse que sua gestão na pandemia procurava se basear em três pontos principais: defesa da vida, fortalecimento da atuação do SUS e valorização da ciência.

“O que só me resta dizer que a tomada de decisão foi em cima de três pilares: a defesa intransigente da vida, que foi o princípio número um, não haveria nenhuma vida que não fosse valorizada; o SUS, como meio para atingir; e a ciência, como elemento de decisão”, afirmou.

“Esses foram os três pilares sob os quais nós construímos o eixo de prevenção, de atenção, de testagem, de hospitalização e de monitoramento da doença.”

Atraso na sessão

O depoimento de Mandetta estava marcado para começar às 10h desta terça. O atraso de pouco mais de uma hora ocorreu porque, na abertura da sessão, senadores governistas da CPI reivindicaram aprovação de pedidos para chamar à comissão autoridades ligadas aos governos estaduais.

Uma das estratégias da oposição é envolver governadores nas investigações da CPI, para tirar o foco do governo federal.

O presidente da CPI, senador Omaz Aziz (PSD-AM), e o vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) reforçaram aos colegas oposicionistas que o repasse de verbas para estados será alvo da CPI. Aziz e Randolfe disseram que essa questão já está esclarecida e que os oposicionistas estão tentando tumultuar os trabalhos da comissão.

“Ô tropa de choque atrapalhada. Vão para o STF [Supremo Tribunal Federal] para tentar obstruir toda vez, parece que tem uma coisa pessoal contra o relator, toda vez, tem uma paixão pelo relator, homem. Toda vez ficam querendo questionar os trabalhos do relator. Está no plano de trabalho aqui: emprego de recursos federais. Só era ler, homem. Só era se dar ao trabalho de ler o plano de trabalho. Minha questão de ordem é para gente trabalhar”, afirmou Randolfe, em meio ao debate no início da sessão.

G1


Covid-19: em 24 horas, Brasil tem 2.966 mortes e 77,3 mil novos casos

Nas últimas 24 horas, o Brasil registrou 2.966 mortes em decorrência de complicações da covid-19. No mesmo período, foram confirmados 77.359 novos casos da doença. Os dados foram divulgados na atualização diária do Ministério da Saúde, liberada na noite desta terça-feira (4).

Com esses novos dados, o total de vidas perdidas no Brasil para a pandemia chegou a 411.588. O sistema de dados do Ministério da Saúde marcava 408.622. Ainda há 3.651 óbitos em investigação. Isso ocorre porque há casos em que um paciente morre, mas a causa segue sendo apurada mesmo após a declaração do óbito.

Já o número de casos acumulados desde o início do surto global foi para 14.856.888. O total de pessoas infectadas, segundo as autoridades de saúde, estava em 14.779.529.

Ainda há no país 1.002.304 casos em acompanhamento. O termo é empregado para as pessoas infectadas e com casos ativos de contaminação pelo novo coronavírus.

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil tem 13.442.996 pessoas que se recuperaram da covid-19 desde o início da pandemia. Isso equivale a 90,5% do total de pessoas que foram infectadas com o vírus.

Os números são em geral mais baixos aos domingos e segundas-feiras em razão da menor quantidade de funcionários das equipes de saúde para realizar a alimentação dos dados. Já às terças-feiras os resultados tendem a ser maiores pelo envio dos dados acumulados.

Estados

O estado que registra o maior número de mortes é São Paulo (98.012). Em seguida vêm Rio de Janeiro (44.232), Minas Gerais (34.396), Rio Grande do Sul (25.417) e Paraná (22.991). Já na parte de baixo da lista, com menos vidas perdidas para a pandemia, estão Roraima (1.514), Acre (1.555), Amapá (1.566), Tocantins (2.601) e Alagoas (4.293).

Vacinação

Até o momento, foram distribuídos a estados e municípios 71,3 milhões de doses de vacinas contra a covid-19. Desse total, foram aplicadas 44,4 milhões de doses, sendo 30,1 milhões da 1ª dose e 14,2 milhões da 2ª dose.

Agencia Brasil

Más notas sobre el tema