Director del laboratorio público brasileño acusa a Bolsonaro de retrasar tres meses la vacunación por diferencias con China

621

Bolsonaro atrasó la vacunación tres meses en Brasil por su oposición a China

Por Pablo Giuliano

El director del laboratorio público brasileño Instituto Butantan, Dimas Covas, acusó ante el Senado al Gobierno de Jair Bolsonaro de haber atrasado tres meses la campaña de vacunación contra el coronavirus por negarse a sellar un acuerdo, por motivos ideológicos, con el laboratorio chino Sinovac para obtener su vacuna, CoronaVac.

Ante la Comisión Parlamentaria de Investigación (CPI) del Senado que indaga sobre la gestión de la pandemia del Gobierno, Covas sostuvo que Brasil perdió la oportunidad de haber sido el primer país del mundo en iniciar la vacunación porque Bolsonaro frenó durante tres meses las negociaciones con una empresa china por disputas políticas.

“El mundo comenzó a vacunar el 8 de diciembre. A fines de diciembre se habían aplicado cuatro millones de dosis en todo el planeta mientras nosotros teníamos guardadas 5,5 millones de dosis y otras cuatro millones estaban en procesamiento sin tener contrato con el Ministerio de Salud. Podríamos haber sido el primer país en vacunar si no fueran por estos accidentes contractuales y de reglamentación”, denunció Covas.

El Instituto Butantan desarrolla localmente la vacuna CoronaVac, que fue finalmente en enero pasado incorporada al plan nacional de vacunación. Mientras se negociaba su producción, en octubre del año pasado, el propio Bolsonaro mandó a detener su inclusión en la campaña federal porque “el origen de la vacuna”, en referencia a China, no era seguro.

Pese a estas declaraciones originales, hoy el 80% de las vacunas que aplica Brasil son dosis de Coronavac que envasa e importa el Instituto Butantan, fábrica de vacunas que depende del estado de San Pablo.

“Podríamos haber sido el primer país en vacunar si no fueran por estos accidentes contractuales y de reglamentación” – DIMAS COVAS.

La negativa inicial de Bolsonaro no hizo más que acentuar la rivalidad con el gobernador de San Pablo, Joao Doria, uno de los dirigentes de centro-derecha que se convirtió en un referente opositor a la gestión de la pandemia del Gobierno justamente por su postura a favor de la vacuna y de la cuarentena.

Covas relató que el 19 de octubre el Ministerio de Salud firmó un protocolo de intenciones por la CoronaVac, pero al día siguiente Bolsonaro, en televisión, dijo que el acuerdo se cancelaba.

“A partir de ese momento no hubo más progresos, si hubiéramos tenido definiciones, podíamos haber tenido 100 millones de dosis hasta mayo y comenzado a vacunar antes que todos los países”, comentó Covas.

El instituto tiene actualmente un contrato de 100 millones de dosis, pero con entrega prevista hasta septiembre.

Durante la sesión, los senadores oficialistas intentaron desacreditar las denuncias de Covas vinculándolo a una presunta promoción de Doria como candidato presidencial en 2022.

Sin embargo, Covas continuó sumando información contra el mandatario y su Gobierno.

Contó que funcionarios de la embajada de China le dijeron directamente que la provisión de insumos para las vacunas -incluida la AstraZeneca que desarrolla el laboratorio federal Fiocruz- puede sufrir presiones de plazos de entregas cada vez que Bolsonaro, sus hijos o los ministros atacan a Beijing, principal socio comercial brasileño.

“Posiciones que desmerecen a China causan disconformidad a los chinos, que son los principales líderes en biotecnología del mundo en todas las líneas de la ciencia médica”

El director del Instituto Butantan, un centro que es el principal fabricante de vacunas del Hemisferio Sur, afirmó a la comisión que el embajador chino en Brasilia, Yang Wanming, le transmitió “disconformidad” con el trato recibido por parte del bolsonarismo en el Poder Ejecutivo.

“Posiciones que desmerecen a China causan disconformidad a los chinos, que son los principales líderes en biotecnología del mundo en todas las líneas de la ciencia médica”, destacó.

En ese sentido, saludó la llegada a la Cancillería del nuevo ministro Carlos França, en reemplazo de Ernesto Araújo, un diplomático alineado con el expresidente estadounidense Donald Trump y quien ante la misma comisión parlamentaria dijo que nunca agredió a China, pese a que calificaba a la pandemia como un “virus chino” o un “comunavirus”, en alusión al Partido Comunista.

La comisión parlamentaria ha convocado a una decena de gobernadores -que pueden negarse a ir por ser jefes de poderes ejecutivos- y ya ha tomado testimonio de exministros de Salud y del actual titular de la cartera, Marcelo Queiroga.

Uno de los ejes de la oposición en la comisión es investigar si el Gobierno apostó a la inmunidad de rebaño sin vacuna y con la difusión del uso del antipalúdico cloroquina como parte de un remedio no probado contra la Covid-19 para mantener a la población en circulación y quebrar las cuarentenas dispuestas por gobernadores e intendentes.

La comisión parlamentaria se ha transformado en la principal caja de resonancia política del país, con un rating récord para el canal de televisión del Senado. Hasta ha sido comparada a una nueva temporada del reality show Gran Hermano, llamado localmente BBB (Big Brother Brasil).

Télam


#29M: movimentos sociais voltam às ruas neste sábado contra Bolsonaro

Entidades estudantis e de trabalhadores e até torcidas organizadas convocaram para este sábado (29) protestos por todo o país contra o governo Bolsonaro. É o #29M. Desta vez, o ato será presencial, com manifestações de rua praticamente em todas as unidades da federação (confira quadro de atividades confirmadas). Isso provocou receio e críticas em parte dos movimentos contrários ao governo, devido à possibilidade de exposição ao coronavírus, no momento em que a crise sanitária volta a se agravar e se fala na chegada de uma “terceira onda”. Por outro lado, vários grupos – mais de 100 organizações reunidas nas frentes Brasil Popular e Povo sem Medo – preocupam-se em apontar medidas de precaução para evitar riscos.

Até mesmo um “guia de cuidados” para quem for à manifestação circula nas redes sociais. Elaborado pelo Centro Acadêmico da Enfermagem da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar, no interior paulista), recomenda logo no início não ir caso a pessoa seja do grupo do risco ou tenha algum sintoma. Outra orientação é usar máscara o tempo todo (PFF2, de preferência), levando pelo menos uma de reserva e, se possível, mais uma para oferecer a alguém. Outras indicações são de guardar distância mínima de 1,5 metro dos outros manifestantes e lembrar a todos sobre isso. E não esquecer do álcool em gel 70º nos atos #29M.

Além disso, as orientações incluem o retorno para casa. Primeiro, tomar banho assim que chegar em casa, lavando os cabelos. Tomar cuidado ao manusear as roupas usadas, antes de lavá-las. Higienizar objetos, como carteira e celular, e “se monitorar” durante 14 dias, se possível mantendo-se isolado.

CPI, auxílio e “fora Bolsonaro”

Com vários itens, a pauta do chamado #29M tem como palavra de ordem o “fora Bolsonaro”. Os manifestantes vão defender ainda o auxilio emergencial de R$ 600 (tema de ato organizado por centrais sindicais e movimentos em Brasília na quarta-feira) e vacinação em massa. Também devem apoiar os trabalhos da CPI da Covid no Senado. A agenda inclui protestos contra o desemprego, cortes de verbas na educação, privatizações – especialmente da Eletrobras – e a “reforma” administrativa.

Entre os que se alinharam a favor do ato de sábado, está o ator e escritor Gregorio Duvivier, que nesta semana, inclusive, escreveu artigo a respeito, publicado no jornal Folha de S.Paulo. O título: “Não podemos ter medo de ir às ruas protestar nem deixar de ter cuidado”. Quase no final, ele afirma: “Tudo o que mudou, no mundo, só mudou porque tinha muita gente no mesmo lugar, ao mesmo tempo. Esse país não é feito só de moto sem silenciador e miliciano com silenciador”.

Mas quem estiver realmente impossibilitado de ir aos atos presenciais, consegue participar do #29M também alimentando as redes sociais. A ideia é fazer um cartaz de protesto e um autorretrato para postar no Instagram, Twitter ou Facebook comas hashtags #Foto29M, #FotografosPelaDemocracia e #ForaBolsonaro. O coletivo Fotógrafos pela Democracia 20 fotos com essas hashtags para compartilhar nas redes durante todo o dia 29.

Política de morte

A União Nacional dos Estudantes (UNE) aprovou convocação para a manifestação #29M, em um dia de protesto contra cortes de recursos no setor de educação. A entidade, inclusive, publicou documento listando 10 motivos para participar. “Ocuparemos as ruas, com todas as medidas sanitárias necessárias, para denunciar os ataques do governo Bolsonaro à educação pública e sua política da morte”, afirmou a vice-presidenta da UNE, Élida Elena.

O ex-ministro e ex-prefeito Fernando Haddad (PT) também defendeu o #29M, afirmando em entrevista que “o povo vai retomar, nas ruas, as rédeas do país”. Ele participou do programa Sua Excelência, o Fato, na TV 247. “Podem ter certeza que o Brasil está esperando sair às ruas com segurança. E não vai ser pequena a manifestação”, declarou. “Não estou falando apenas da próxima. Temos um ano e meio até a eleição. Este país vai tomar as ruas para virar esta página.”

Mais perigoso que o vírus

Nas redes sociais, parlamentares do Psol convocam para o #29M. “Quando o presidente é mais perigoso que o vírus, o povo precisa ir às ruas! No próximo dia 29 mostraremos nossa indignação, usando máscaras e respeitando as medidas de segurança”, afirmou, por exemplo, o deputado federal Ivan Valente (SP).

No Facebook, o Coletivo Democracia Corinthiana também aderiu ao #29M. “Enquanto a pandemia avança, a crise econômica e social também aflige o povo brasileiro. Com mais da metade da população vivendo situação de insegurança alimentar, o governo insiste na cartilha neoliberal, oferecendo um auxílio emergencial insuficiente, cortando recursos da educação e habitação e avançando com a privatização dos Correios e da Eletrobras e com o desmonte do Estado através da Reforma Administrativa”, afirma. Assim, o grupo convida para manifestação no Museu de Arte de São Paulo, na Avenida Paulista, a partir das 16h do sábado, com a mesma ressalva: “Seguindo as normas sanitárias de distanciamento social, uso de máscara, álcool em gel”.

Atos confirmados para o #29M

Sudeste

São Paulo
Assis – em frente ao Homem de Lata (Av. Rui Barbosa) | 10h
Campinas – Largo do Rosário | 10h
Guaratinguetá – em frente à FEG/Unesp | 10h30
Ilha Bela – Praça da Mangueira (em frente ao colégio Acei) | 9h
Indaiatuba – Rua João Martini (esquina Av. Ário Barnabé) | 14h
Jacareí – Pátio dos Trilhos | 10h
Praia Grande – Quadradão do Quietude | 11h
Praia Grande – Estátua Yemanjá | 13h
Ribeirão Preto – Esplanada do Teatro Pedro II | 10h
Rio Preto – Praça José Marcondes | 16h
Santos – Unifesp | 15h
Santos – Estação Cidadania | 16h
São Bernardo do Campo – Paço Municipal | 10h
São José dos Campos – Praça Afonso Pena | 10h
São Paulo – Masp | 16h
Taubaté – Praça Dom Epaminondas | 10h
Ubatuba – Trevo do Caiçara – Centro | 16h

Minas Gerais
Alfenas – Praça Getúlio Vargas | 15h
Barbacena – Praça da Matriz | 10h
Belo Horizonte – Praça da Liberdade | 10h
Caratinga – Praça da Estação | 15h
Divinópolis – Praça da Catedral | 9h
Formiga – Praia Popular | 10h
Governador Valadares – Praça dos Pioneiros | 9h
Ipatinga – Praça Primeiro de Maio | 10h
Itabirito – Em frente à Prefeitura | 8h
Itaúna – Praça da Matriz – 10h
Juiz de Fora – Parque Halfeld | 10h30
Lafaiete – Praça Barão de Queluz | 9h
Leopoldina – Praça José Pires, viaduto do Bela Vista | 10h
Mariana – Praça da Sé | 9h
Montes Claros – Praça Dr. João Alves | 9h
Ouro Preto – Praça Tiradentes | 10h
Passos – Praça do Rosário | 15h
Poços de Caldas – Parque José Afonso Junqueira | 15h
Pouso Alegre – Praça da Catedral | 10h
São João Del Rei – Teatro Municipal | 10h
Teofilo Otoni – Praça Tiradentes | 9h
Uberaba – Praça Rui Barbosa | 11h
Uberlândia – Praça Ismene Mendes | 10h
Varginha – Praça do ET | 10h
Viçosa – 4 Pilastras | 9h30

Rio de Janeiro e Espírito Santo
ES – Vitória – Ufes | 15h
Campos – Praça São Salvador | 10h
Macaé – Praça Veríssimo de Melo | 9h30
Miracema – Posto Confiança | 15h
Nova Friburgo – Centro de Turismo na Praça Getúlio Vargas | 16h
Petrópolis – Praça da Inconfidência | 11h
Rio das Ostras – Feira Livre da Ânconra | 9h | 16h30
Rio de Janeiro – Monumento Zumbi dos Palmares | 10h
Santo Antônio de Pádua – Centro | 10h
Teresópolis – Escola Sakura Ermitage | 9h30
Volta Redonda – Praça Juarez Antunes | 16h30

Nordeste
AL – Maceió – Praça Centenário (carro, moto ou a pé) | 9h
AL – Maceió – Praça dos Martírios | 9h
AL – Maceió – Monumento à Republica (carreata) | 15h
BA – Feira de Santana – em frente à prefeitura | 9h
BA – Ilheus – Praça Caiuru | 10h
BA – Salvador – Largo do Campo Grande | 10h
CE – Fortaleza – Carreata Arena Castelão | 15h
CE – Fortaleza – Praça da Gentilândia | 15h30
CE – Juazeiro do Norte – Praça da Prefeitura | 8h
MA – Imperatriz – Praça de Fátima | 9h
MA – São Luís – Praça Deodoro até a Praça Maria Aragão | 9h
PB – João Pessoa – Carreata Praça da Independência (até Parque da Lagoa) | 9h
PB – Patos – Correios | 8h
PB – Campina Grande – Praça da Bandeira | 9h
PE – Recife – Praça do Derby | 9 h
PE – Caruaru – Centro | 9h
PE – Garanhuns – Centro | 9h
PI – Teresina – Praça Rio Branco | 8h
RN – Mossoró – Praça Cícero Dias | 16h
RN – Natal – Em frente ao Midway Mall | 15h
SE – Aracaju – Praça de Eventos entre os Mercados | 8h

Sul
PR – Cascavel – Calçadão Av. Brasil | 10h
PR – Curitiba – Praça Santos Andrade | 16h
PR – Ponta Grossa – Praça Barão de Guaraúna | 16h
PR – Maringá – Praça Raposo Tavares | 10h
SC – Balneário Camboriú – Praça Tamandaré | 10h
SC – Blumenau – Praça Carlos Gomes | 10h
SC – Brusque – Esquina Getúlio Vargas com Primeiro de Maio | 9h
SC – Itajaí – Calçadão da Hercílio | 9h
SC – Jaraguá do Sul – Praça Ângelo Piazera | 9h
SC – Florianópolis – Largo da Alfândega | 10h
SC – Joinville – Praça da Bandeira | 10h
RS – Caxias do Sul – Praça Dante Alighieri | 15h
RS – Passo Fundo – Praça da Mãe | 8h
RS – Porto Alegre – Prefeitura | 15h

Norte
AM – Manaus – Praça da Saudade | 16h
AP – Macapá – Praça da Bandeira | 16h
PA – Abaetetuba – Praça do Barco | 15h
PA – Altamira – concentração na Equatorial Energia | 8h
PA – Belém – Praça da República | 8h
PA – Castanhal – Praça Estrela | 16h
PA – Santarém – Praça de Eventos | 17h30
TO – Araguaina – Praça das Bandeiras | 16h
TO – Palmas – Av. Juscelino Kubitscheck – em frente ao Palácio Araguaia | 9h
RO – Guajará-Mirim – Parque Circuito | 9h30
RO – Porto Velho – em frente à praça da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré | 8h

Centro-Oeste
DF – Brasília – Carreata Palácio do Buriti (até a Esplanada) | 8h30
DF – Brasília – Museu Nacional | 9h
GO – Goiânia – Praça Cívica | 9h
MS – Aquidauana – Praça dos Estudantes | 9h
MS – Campo Grande – em frente a UFMS | 8h
MS – Corumbá – Centro – 9h
MS – Dourados – 9h
MS – Três Lagoas – Praça Ramez | 9h
MT – Cuiabá – Carreata saindo da UFMT | 9h
MT – Rondonópolis – Panfletaço Praça do Centro | 9h

Rede Brasil Atual


Bolsonaro planejou 1,4 milhão de mortes no Brasil, aponta artigo publicado no New York Times

A jornalista e escritora Vanessa Barbara publicou um importante artigo no The New York Times, jornal mais influente do mundo, em que demonstra como a estratégia de imunização de rebanho, levada adiante pelo governo Bolsonaro com seu charlatanismo em torno da cloroquina, pode causar a morte de 1,4 milhão de brasileiros.

“Bolsonaro aparentemente pretendia levar o Brasil à imunidade de rebanho por infecção natural. Isso significa – assumindo uma taxa de mortalidade de 1% e infecção de 70% como um limite para imunidade de rebanho – Bolsonaro planejou pelo menos 1,4 milhão de mortes no Brasil”, escreveu. (leia aqui a íntegra do artigo). Saiba mais em reportagem sobre a estratégia bolsonarista e vídeo da TV 247:

Brasilia (Reuters). O presidente Jair Bolsonaro sugeriu em sua tradicional live de quinta-feira que se tome chás usados por indígenas para combater a Covid-19, após a defesa enfática da cloroquina e outros medicamentos sem eficácia comprovada contra o coronavírus que vem fazendo desde o ano passado.

Em sua transmissão pelas redes sociais a partir de Matucará, no Amazonas, Estado onde cumpriu agenda pública, Bolsonaro disse ter conversado com índios balaios. Segundo ele, nenhum havia morrido de Covid-19.

“Daí eu perguntei: foi antes da vacina? Foi antes da vacina, que já foram vacinados também. Não morreram por quê? Tomaram alguma coisa? Vamos lá, pessoal, anota aí: segundo eles, tomaram chá de carapanaúba, saracura ou jambu. Não tem comprovação científica, certo, mas tomaram isso”, disse.

O presidente comentou que a CPI da Covid poderia convidar os indígenas para ouvi-los a respeito do uso desses chás. Disse ainda que também conversou com índios ianomâmis que tomaram chá também. De acordo com ele, houve três mortes nessa comunidade, sendo que todos eram idosos e, sem apresentar evidência, “com toda certeza deveriam ter comorbidade”.

O governo Bolsonaro tem sido alvo de críticas e da investigação da CPI sobre possível desinteresse na aquisição de vacinas contra Covid-19 enquanto defendia o uso da cloroquina e outros medicamentos sem eficácia comprovada contra a doença.

Ainda assim, o presidente reforçou a sua defesa em favor da cloroquina, agora evitando falar publicamente o nome do medicamente. “Eu tomei aquele negócio que mostrei pra ema e no outro dia estava bom”, disse.

Brasil 247


Brasil chega a 16,3 milhões de casos de covid-19

O Brasil registrou nesta quinta-feira (27) mais 2.245 mortes em decorrência da covid-19 em um período de 24 horas. Também foram notificados 67.467 novos casos da doença. Os dados são o Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass), em boletim divulgado às 18h. O país chega assim a 16.342.162 de casos de covid confirmados e 456.674 mortes. A média móvel de mortes apurada nos últimos setes dias está em 1.797, ante 1.820 na véspera. Houve também uma pequena redução na média de casos, de 66.091 para 64.010.

nquanto os registros oficiais apontam para uma estabilização num ponto elevado da curva de contaminações, a comunidade científica segue em alerta. Conforme informado ontem pela RBA, a média móvel de contaminação, a taxa de contágio e ocupação de leitos apontam para mais um recrudescimento da pandemia no Brasil. E assim, para a iminência de uma terceira onda. Em meio a esse cenário, Bolsonaro voltou ao microfone na tarde de hoje. Não para tratar da saúde e da vida dos brasileiros, mas para dirigir às Forças Armadas mais um discurso constrangedor.

O recado foi dado durante visita a São Gabriel da Cachoeira (AM), quando o presidente disse que “queremos paz, progresso e acima de tudo, liberdade”, e que esse “último desejo” passa pelos militares. E embora mais uma vez não tenha dito nada sobre os doentes e mortes, Bolsonaro atribuiu aos governadores a ausência de “liberdade” durante a pandemia. Isso porque, sem política nacional de combate ao coronavírus, resta aos governos locais adotar medidas de restrição com a finalidade de conter o contágio. O presidente também não comentou a crise provocada pelo atraso na vacinação.

A responsabilidade do governo federal por esse cenário foi mais uma vez exposta hoje durante o depoimento do presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, à CPI da Covid no Senado. Covas afirmou que, em outubro de 2020, o governo federal recusou oferta para aquisição de 100 milhões de doses da vacina CoronaVac, produzida pelo instituto em parceria com o laboratório chinês Sinovac. E que, do total, havia a previsão de entrega de 60 milhões de doses até dezembro do ano passado. Mas a negociação não prosperou após “manifestação do presidente Jair Bolsonaro”.

“Se nós fizermos aqui uma ‘conta de padaria’, juntando o que deixamos de comprar da CoronaVac com o que deixamos de comprar da Pfizer, aproximadamente até meados do mês de maio nós teríamos no Brasil algo em torno de 150 milhões de doses para a população. Quantas vidas teriam sido salvas, preservadas?”, questionou o senador Humberto Costa (PT-PE), integrante da CPI da Covid.

Rede Brasil Atual

Más notas sobre el tema