Bolsonaro recibió a diputada ultraderechista alemana y nieta de un ministro de Hitler

1.147

Bolsonaro recibió en su despacho a la nieta de un ministro de Hitler

El presidente de Brasil, Jair Bolsonaro, recibió en su despacho del Palacio del Planalto a la vicelíder del partido ultraderechista Alternativa para Alemania (AfD), conocida también por ser nieta del ministro de Finanzas de Adolf Hitler. Hasta el momento se sabía que el diputado Eduardo Bolsonaro, hijo del presidente, y su colega Bia Kicis, titular de la Comisión de Constitución y Justicia de la Cámara Baja del Congreso brasileño, habían recibido a Beatriz von Storch, pero ella misma publicó en sus redes sociales una foto con el mandatario en el despacho presidencial. Von Storch sostuvo que estaba manteniendo “conversaciones con políticos, partidos y líderes de opinión conservadores” en Brasil “para ganar aliados para la AfD”, el partido de extrema derecha e islamofóbico alemán.

https://www.instagram.com/p/CRy_yBqKOKf/?utm_source=ig_embed&ig_rid=afd18d76-0f42-47fc-9e96-7897223255b3

“Me impresionó profundamente la comprensión del presidente Bolsonaro de los problemas en Europa y los desafíos políticos de nuestro tiempo”, resaltó von Storch en sus redes, y agregó que movimientos como Black Lives Matter, Antifa o LGBTIQ “operan a través de las fronteras nacionales para impulsar su agenda de izquierda y empujar las posiciones conservadoras contra la pared”.

Para contrarrestar con éxito “a la izquierda que opera a nivel internacional”, la diputada alemana sostuvo que Brasil “puede ser un socio estratégico con el que podemos moldear el futuro juntos”. La reunión entre los representantes de ultraderecha no fue anunciada ni estaba agendada oficialmente en el Palacio del Planalto.

Von Storch, de 50 años, es la diputada vicelíder de la AfD, primer partido de ultraderecha en ingresar al Parlamento alemán desde el fin de la Segunda Guerra Mundial. Es además nieta de Lutz Graf Schwerin von Krosigk, ministro de Finanzas de la Alemania nazi durante 12 años.

En 2018, la policía alemana pidió que se la investigue por cuestionar en redes sociales la decisión de la policía de la ciudad de Colonia de publicar mensajes en árabe como parte de una campaña multilingüe. Von Storch llegó a preguntarse: “¿Qué diablos está pasando en este país? ¿Están tratando de complacer a los bárbaros, los musulmanes y esa horda de violadores?”. Twitter y Facebook eliminaron sus publicaciones, que fueron clasificadas como incitación al odio.

El Instituto Brasil-Israel (IBI) emitió un comunicado este lunes repudiando el encuentro entre Bolsonaro y Von Storch, alegando que representa “un revés en los esfuerzos por construir una memoria colectiva del Holocausto” y una afrenta al espíritu de la Constitución de 1988.

El viernes pasado se había dado a conocer el encuentro de la dirigenta alemana con Eduardo Bolsonaro y Bia Kicis, ambos del ala más radicalizada de la ultraderecha brasileña. “Excelente reunión con la diputada federal alemana Beariz Von Storch. Estamos unidos por ideales de defensa de la familia, protección de fronteras y cultura nacional”, escribió en sus redes Eduardo Bolsonaro, quien conduce una entidad global ultraconservadora fundada por Steve Bannon, exgurú de la derecha estadounidense representada por Donald Trump.

Página 12


Encontro de Bolsonaro com extremista alemã expõe “articulação global da extrema direita”

A reunião da deputada alemã Beatrix von Storch com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e a deputada Bia Kicis (PSL-DF) expôs o Brasil como centro articulador da extrema direita global, afirmam pesquisadores ouvidos pelo Brasil de Fato.

Não informada por qualquer registro oficial da agenda presidencial, Bolsonaro recebeu von Storch em encontro que foi tornado público após a deputada do Alternativa para a Alemanha (AfD), partido de extrema direita alemão, divulgar o encontro em suas redes sociais nesta segunda (26).

A congressista afirmou que ficou “impressionada” com Bolsonaro e discutiu com ele a situação dos dois países. Na publicação do encontro com o presidente brasileiro, von Storch criticou o movimento antirracista Black Lives Matter e LGBTIQ e disse que o Brasil pode ser um “parceiro estratégico” para a Alemanha, ao lado da Rússia e dos Estados Unidos.

Quem é Beatrix von Storch?

Neta de Lutz Graf von Krosigk, ministro de Finanças do governo de Adolf Hitler, e de Nikolaus von Oldenburg, membro do Partido Nazista e da SA (força paramilitar de Hitler), von Storch é graduada em direito e trabalhou na área antes de entrar na política partidária. Ela também fez parte da Sociedade Friedrich A. von Hayek da Alemanha, grupo que defende as ideias do economista que foi um dos precursores do neoliberalismo.

Em 2014, foi eleita para o Parlamento Europeu como representante do AfD e, em 2017, foi eleita para o Bundestag, o Congresso alemão, novamente pelo AfD.

Von Storch afirma em seu site oficial que busca inspiração nos movimentos de apoio a Ronald Reagan, presidente do Estados Unidos entre 1981 e 1989, e no Tea Party, a ala radical mais recente do Partido Republicano, também dos Estados Unidos. Ela diz estar “preocupada” com a Alemanha e a Europa por conta da “migração em massa” e o “Islã político”. A deputada também afirma ser uma defensora de “famílias fortes e fronteiras seguras”.

Em 2018, a parlamentar criticou em seu Twitter a decisão da Polícia do departamento de Colônia por publicar uma mensagem de ano novo em árabe, além de outras mensagens em inglês, francês e persa.

“O que diabos há de errado com este país? Por que a página oficial da polícia em NRW tuíta em árabe”, escreveu von Storch. “Eles pretendem apaziguar as hordas de homens bárbaros, muçulmanos e estupradores em massa dessa maneira?”

A conta da parlamentar foi suspensa por 12 horas após a publicação.

Em 2016, von Storch afirmou em seu Facebook que mulheres e crianças deveriam ser impedidas com armas de fogo de entrar na Alemanha, em caso de emergências. Diante da repercussão negativa, a parlamentar do AfD afirmou que o uso de força letal seria apenas para as mulheres.

Quais são as bandeiras do Alternativa para a Alemanha e seu tamanho eleitoral?

Criado em 2013 como um partido crítico da União Europeia e do Euro (moeda única entre os membros), o Alternativa para a Alemanha foi gradualmente adotando críticas contra refugiados e imigrantes, especialmente muçulmanos, além de se opor ao casamento de pessoas do mesmo sexo e ter uma postura negacionista sobre as mudanças climáticas.

O AfD também defende uma postura negacionista sobre a pandemia de covid-19, com ataques contra medidas de isolamento social adotadas pela chanceler Angela Merkel, tendo proximidade com figuras que atacam a vacinação.

Em sua primeira eleição, no ano de sua fundação, o partido ficou abaixo da cláusula de barreira e não conseguiu nenhuma cadeira no Bundestag. Já em 2014, o AfD fez sete deputados no Parlamento Europeu. Em 2017, no entanto, a agremiação mudou de importância ao conseguir eleger 94 congressistas ao Bundestag e, assim, tornar-se o principal partido de oposição a Merkel.

Pesquisadores enxergam articulação global

A professora do curso de Relações Internacionais da ESPM-SP, Denilde Holzhacker, avalia que o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e os partidos políticos alinhados com Bolsonaro, foram coniventes com o extremismo ao não repudiarem a agenda de von Storch no Brasil.

“Tanto Eduardo Bolsonaro quanto Bia Kicis têm se aproximado de líderes da extrema direita, não é o primeiro movimento que eles fazem.Eles já tinham feito com representantes dos EUA, em contato com grupos de lá, e também com grupos europeus. Parece que é a mesma estratégia, de fortalecer e fazer parte dessa rede de partidos e políticos”, avalia Holzhacker.

O professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC (UFABC) Gilberto Maringoni diz que a agenda de Bolsonaro com a extremista é “escandalosa” e não pode ser enxergada com naturalidade.

“O Brasil é a ponta de lança da articulação da extrema direita internacional. Não é a Hungria, pelo peso que o país tem no mundo, já que é um país europeu da periferia, um país sem a importância geopolítica do Brasil”, analisa o professor da UFABC.

Maringoni considera que o encontro expôs o papel do presidente na geopolítica mundial. “Bolsonaro torna-se o principal articulador da extrema direita mundial. Não tem nenhum outro chefe de Estado, em nenhum outro país do mundo, em que a extrema direita tenha o peso que tem no Brasil”, opina o professor da UFABC.

O Brasil de Fato procurou os gabinetes de Eduardo Bolsonaro e Bia Kicis por e-mail e encaminhou perguntas sobre o encontro com von Storch, mas não recebeu nenhuma resposta até a publicação desta reportagem. A Secretaria Especial de Comunicação Social (SECOM) do Governo Federal também foi procurada, por telefone, mas também não respondeu.

Brasil de Fato


Bolsonaro lidera a extrema direita global, diz deputado que organizou encontro com neonazistas

“Os europeus, espanhóis, alemães e até mesmo representantes da Hungria e Inglaterra enxergam o presidente [Bolsonaro] como o principal líder conservador do mundo com mandato. Eles mesmos procuram a gente para entender a nossa realidade, como o presidente vem se consolidando, como a direita no país vem se organizando”, explica o deputado Gil Diniz, que organizou o encontro entre Jair Bolsonaro e a vice-líder do partido AfD (Alternativa para Alemanha), a deputada de ultradireita Beatrix von Storch.

Beatrix é neta de Lutz Graf Schwerin von Krosigk, ministro das Finanças de Adolf Hitler na Alemanha nazista, e já foi investigada por incitação ao ódio contra muçulmanos. O encontro dela com Bolsonaro gerou comoção e repúdio de diversas entidades judaicas. E mesmo judeus alinhados com Bolsonaro ficaram indignados, destaca a jornalista Mônica Bergamo em sua coluna na Folha de S.Paulo.

Gil Diniz conta que foi procurado por representantes da direita chilena, ligada ao marido da deputada alemã, e sua assessoria fez a ponte com os deputados Eduardo Bolsonaro e Bia Kicis (PSL-DF). E afirma que ele mesmo pediu a Jair Bolsonaro que recebesse Beatrix. A conversa da neonazista com Jair Bolsonaro ocorreu na quinta-feira passada (22) e não constou na agenda oficial da Presidência.

Brasil 247

Más notas sobre el tema