Tensión en Brasil | Policías llaman a marchar en apoyo a Bolsonaro y contra la Corte Suprema

1.518

Gobernadores en alerta porque los policías llaman a marchar por Bolsonaro

Por Pablo Giuliano

Gobernadores brasileños alertaron este lunes sobre un levantamiento armado de las policías a favor del presidente Jair Bolsonaro, luego de que policías retirados y en actividad convocaron a los agentes a participar de las manifestaciones de la ultraderecha oficialista anunciadas para pedir la intervención militar contra la corte suprema.

Las manifestaciones para repudiar a la corte por la investigación contra acciones que atentan contra la democracia, en la cual está bajo proceso el presidente Jair Bolsonaro, están convocadas en Brasilia y San Pablo para el 7 de setiembre, el Día de la Independencia brasileña.

Uno de los convocantes en las redes sociales es el coronel Aleksander Lacerda, comandante de siete batallones de la policía militarizada de San Pablo que horas después fue destituido del cargo por el gobernador paulista, Joao Doria.

“(Este levantamiento) puede ocurrir en el estado de ustedes. Aquí tenemos la inteligencia de la Policía Civil (investigaciones), que indica claramente el crecimiento de este movimiento autoritario para presionar a gobernadores e intendentes”, dijo Doria durante una reunión del foto de gobernadores realizado en Brasilia.

El eje de la protesta del 7 de setiembre es el Supremo Tribunal Federal por su investigación sobre el bolsonarismo, la fábrica de fake news (noticias falsas) y los movimientos supuestamente golpistas para que el Ejército invada la corte.

“No podemos aceptar pasivamente esto diciendo ‘a mí no me va a tocar’, porque esto le puede llegar a todos”, afirmó el presidente Bolsonaro a la FM 91, de Registro, San Pablo, la región donde nació.

Bolsonaro repudió la detención del diputado Daniel Silveira, famoso por haber roto una placa con el nombre de la concejala asesinada Marielle Franco, del bloguero Oswalgo Eustaquio y del exdiputado Roberto Jefferson, todos por decisión del juez supremo Alexandre de Moraes.

Por eso, luego de haber sido incluido en la causa por denunciar falsamente un fraude electoral pasado y en curso, el presidente presentó un pedido inédito de juicio político contra De Moraes, quien llegó allí luego de haber sido ministro de Justicia de Michel Temer

El gobernador Doria reveló en la reunión con sus pares que existen convocatorias para ir con armas a la manifestación del 7 de setiembre y que existe también una amenaza de las patronales de camioneros con bloquear caminos.

El gobernador de Maranhao, el socialista Flavio Dino, dijo que es necesario mantener las policías dentro de la legalidad.

En enero de 2020, policías de Ceará, donde gobierna el opositor Partido de los Trabajadores, protagonizaron un motín reivindicando a Bolsonaro, un excapitán famoso por su apoyo a las milicias de Río de Janeiro, los grupos de autodefensas compuestos por uniformados que le disputan el territorio en forma ilegal a los narcotraficantes.

La amenaza de levantamiento tuvo su pico con los mensajes en Facebook este domingo y lunes del coronel policial paulista Lacerda, quien acusó a su jefe, el gobernador Doria, de haber sido “blando contra la izquierda” y que para “derrocar la hegemonía izquierdista en el país es necesario un tanque y no un carrito de helados”.

“El clima va a calentarse. La libertad o se gana, se toma. Voy el 7 de septiembre”, dijo el comandante de las policías militares, que cuentan entre sus filas a parte de la fortaleza bolsonarista pese a que, por ser agentes de seguridad, no pueden hacer política.

La manifestación fue convocada por Bolsonaro y sus aliados luego de que fuera detenido el exdiputado Roberto Jefferson, bolsonarista que había pedido en un video, portando armas, atacar la embajada de China en Brasilia y el Supremo Tribunal Federal, y es además titular del conservador Partido Trabalhista Brasileño (PTB).

Otro policía que convocó a la marcha de 7 de septiembre fue el policía retirado Ricardo Nascimento, titular del mercado central brasileño ubicado en San Pablo (Ceagesp, por sus siglas en portugués).

En un video, Nascimento -extitular de las fuerzas especiales llamada Rota de la policía paulista-, pide a los policías adherir a la marcha para respaldar al presidente frente al Supremo Tribunal Federal y les indica el lugar de reunión en la Avenida Paulista de San Pablo.

La disputa del gobierno contra la corte llegó con pesimismo a sectores financieros y neoliberales, que alertaron según el diario Folha de Sao Paulo del “costo Bolsonaro” que se avecina, como el aumento de la inflación, de la tasa de interés y el dólar y el freno de la inversión extranjera.

El sábado, el diputado Eduardo Bolsonaro, se preguntó: “¿Cuál será el próximo paso? ¿Detener al presidente? ¿A sus hijos? No tenemos miedo de la prisión. Detienen por fake news, va a llegar un momento en que un mandato de la corte no será cumplido”.

Bolsonaro amenazó a inicios de agosto salirse de la Constitución para enfrentar a la corte a raíz de estas investigaciones.

El mandatario acusa de violar la Constitución a los jueces supremos Moraes y Luiz Barroso, también jefe de la justicia electoral.

La fiscalía general calificó el viernes pasado de “intento de levantamiento” a la manifestación en la causa abierta por atentar contra la democracia contra el empresario ruralista y empresario del transporte Sergio Reis, de 81 años, exdiputado que es un ícono del folklore brasileño y defensor de Bolsonaro.

Télam


Governadores pedem reunião com Bolsonaro para diminuir tensão entre poderes

Representantes de 24 estados e do Distrito Federal se reuniram nesta segunda-feira (23) e decidiram solicitar uma audiência com o presidente Jair Bolsonaro na tentativa de diminuir a tensão entre poderes, informou o coordenador do fórum de governadores e governador do Piauí, Wellington Dias.

A reunião do Fórum Nacional de Governadores acontece três dias após o presidente Jair Bolsonaro pedir o impeachment do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Nesta sexta-feira (20), a Polícia Federal deflagrou uma operação que investiga a incitação a atos violentos e ameaçadores contra a democracia.

Os gestores também informaram que preparam uma carta para os chefes dos Poderes, como da Câmara dos Deputados, do Senado e do STF, para que possam ser marcados encontros com o objetivo de diminuir a instabilidade política, além de avançar em pautas de interesse dos estados.

Após a reunião, Wellington Dias afirmou que os governadores defenderam uma posição única na defesa da democracia, do respeito à Constituição e à lei. Com isso, segundo Dias, a ideia é evitar que os investidores deixem o país.

“O objetivo é demonstrar a importância de o Brasil ter um ambiente de paz, um ambiente de serenidade, um ambiente em que possamos garantir nessa forma de valorização da democracia, da Constituição, da lei, mas, principalmente, criar um ambiente de confiança, que permita a atração de investimentos, a geração de emprego e renda”, disse Dias.

O governador Ibaneis Rocha, do Distrito Federal, afirmou que espera que Bolsonaro “consiga” receber todos os governadores.

“Todos têm ideias muito boas, todos querem ajudar o Brasil. Acho que o momento que o país passa é um momento muito ruim. Quando aparece alguém que quer fornecer ponte nesse momento, em vez de implodir as pontes, pode ser uma saída para restabelecer o ambiente”, afirmou o governador do Distrito Federal.

Os representantes também se manifestaram contra uma reforma tributária que gere perda de arrecadação aos estados, e pediram entendimentos para a criação de um consórcio para a gestão de projetos ligados à sustentabilidade do meio ambiente.

Participaram do evento 23 governadores e 2 vice-governadores de 24 estados e do Distrito Federal. Alguns representantes participaram do encontro presencialmente no Palácio do Buriti, sede do governo do Distrito Federal, mas a maioria optou pelo sistema de videoconferência.

Dos 27 governadores, somente dois não participaram: o do Tocantins, Mauro Carlesse (PSL) e o do Amazonas, Wilson Lima (PSC).

Outros governadores

Participando de forma virtual, o governador de São Paulo, João Doria, afirmou durante a reunião que é preciso defender a democracia e “não silenciar diante das ameaças que estamos sofrendo constantemente”.

Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul, avaliou que os governadores têm de se posicionar neste momento.

“Então, é grave, de fato, o que vivemos no Brasil, e acho que exige da nossa parte (…) a união é a soma das partes, a soma dos estados”, disse.

De acordo com o governador Rui Costa, da Bahia, a postura do presidente Jair Bolsonaro, de ataques ao STF e “àqueles que eventualmente são defensores da democracia”, tem afetado os investimentos estrangeiros na economia brasileira, gerando prejuízo ao país.

“Sem se falar na sua postura autoritária de perseguir os estados e jogar no colo e na conta dos governadores os efeitos nefastos dessa política econômica federal. Tanto é que tudo passa a ser responsabilidade dos governadores”, acrescentou.

Paulo Câmara, governador de Pernambuco, afirmou que as instituições têm sido agredidas diariamente, o que é preocupante.

“Nós vamos olhar a história dos últimos dois anos e tem discussões sobre cloroquina, voto impresso, agora esses ataques frontais ao Supremo Tribunal Federal e a seus membros. Ataques, na verdade, à democracia”, disse Câmara.

Aumento do combustível

Na reunião, governadores também reagiram às declarações de Bolsonaro, que disse que a responsabilidade sobre o aumento do valor do combustível seria dos representantes dos estados.

O governador da Bahia, Rui Costa, afirmou que o presidente tem uma “postura autoritária de perseguir os estados” e que ele “joga no colo e na conta dos governadores” os efeitos “nefastos” da política econômica.

“Tanto é que tudo passa a ser responsabilidade dos governadores. Se a gasolina está a R$ 7 hoje, a versão do grupo que segue o presidente da República é que os responsáveis por isso são os governadores. Difunde uma máquina de comunicação gigantesca que os governadores aumentaram o ICMS”, afirmou o governador da Bahia durante a reunião.

Em entrevista, Ibaneis Rocha afirmou que é uma “falácia” a avaliação de que os estados estariam aumentando o ICMS cobrado sobre os combustíveis – informação divulgada com frequência pelo presidente Bolsonaro.

“Houve nove aumentos de combustíveis nesse ano, e também por causa da instabilidade política que faz o dólar chegar a R$ 6, que puxa o aumento de combustíveis. Precisamos criar ambiente de harmonia, tranquilidade. Se o dólar cai, o combustível certamente vai cair. Não tem nenhum governador que tem aumentado o ICMS dos combustíveis. Isso é uma falácia grande, tentando culpar os governadores a culpa pelos 9 aumentos dos combustíveis”, declarou.

O Globo


Bolsonaro volta a mentir e atacar as urnas eletrônicas para inflar manifestações

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a mentir sobre o processo eleitoral e a atacar a democracia e o sistema de votação nesta segunda-feira (23), durante uma entrevista à Rádio Regional, de Eldorado (SP), com o intuito de inflamar apoiadores para os atos de 7 de setembro, marcados para São Paulo e Brasília. As informações são da Folha.

O presidente voltou a defender a tese do voto impresso para as eleições de 2022 e a afirmar que os votos são contados em um “quartinho secreto, por meia dúzia de pessoas”, o que é mentira.

“O que que é a alma da democracia? É o voto. O povo quer que você, ao votar, tenha a certeza de que o teu voto vai para o João ou para a Maria. Não quer que, num quartinho secreto, meia dúzia de pessoas conte os seus votos”, disse Bolsonaro.

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral, assim que a votação é encerrada no dia da eleição, os presidentes das seções eleitorais encerram a coleta de votos e, em seguida, a urna eletrônica imprime o Boletim de Urna, um extrato dos votos depositados pelos eleitores para cada candidato e legenda.

Esses boletins são divulgados imediatamente na porta de cada seção eleitoral para transparência, e outras vias dos mesmos boletins são entregues aos cartórios eleitorais e aos representantes ou fiscais dos partidos.

A totalização dos votos é computada pela soma de todos os boletins de urna, sem qualquer interferência humana, no TSE, em Brasília.

Bolsonaro também insistiu mais uma vez em falar que houve um ataque de hackers ao sistema do TSE em 2018, motivo pelo qual ele já é investigado pelo STF por vazamento de informações sigilosas. Segundo o TSE, nunca houve fraude no sistema de apuração das urnas eletrônicas.

“A gente espera que tenhamos eleições limpas, democráticas e com contagem pública de votos no ano que vem. Não podemos conviver com essa suspeição”, disse o presidente.

Mais tarde, durante uma conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, Bolsonaro disse que está conspirando para que todos cumpram a Constituição, sem dar detalhes dessas supostas ações.

“Só tenho uma coisa a falar. Estou conspirando, sim, e muito. Para que todos cumpram a nossa Constituição, ok? Essa é a minha conspiração. Cumpram a Constituição, só isso”, disse o presidente.

Bolsonaro também prometeu enviar ao Senado um pedido de impeachment do também ministro do STF e presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, contra quem tem feito ataques sistemáticos em suas investidas retóricas na defesa da implementação do voto impresso, rejeitado pelo Congresso no último dia 10.

Na última sexta-feira (20), o presidente entregou à Casa um pedido de impeachment do ministro Alexandre de Moraes, que conduz o inquérito das fake news no qual ele foi incluído por declarações feitas em uma de suas transmissões semanais pela internet contra o sistema de voto eletrônico.

Istoé


VOLVER

Más notas sobre el tema