7-S en Brasil | Líderes mundiales advierten sobre un autogolpe de Bolsonaro

4.295

Declaración de líderes mundiales que advierten una insurrección en Brasil alentada por Jair Bolsonaro


Líderes mundiales advierten “temores de un golpe de Estado” el 7 de septiembre en Brasil

Expresidentes, académicos y líderes mundiales advirtieron que el 7 de septiembre de 2021 “una insurrección pondrá en peligro la democracia en Brasil”. Entre más de 100 firmas, la carta abierta cuenta con el respaldo del premio Nobel de la Paz Adolfo Pérez Esquivel, el lingüista estadounidense Noam Chomsky, el expresidente de Ecuador, Rafael Correa, y el excanciller de Brasil, Celso Amorim. Está previsto que el este martes, Día de la Independencia brasileña, seguidores del presidente Jair Bolsonaro protesten en ciudades como Brasilia y San Pablo contra los jueces de la Corte Suprema, uno de los principales blancos de las críticas del mandatario. El propio Bolsonaro dijo días atrás que en esa convocatoria “el pueblo” le dará “un ultimátum a quienes desafían a la Constitución”.

“Temores de un golpe”
“Ahora mismo, el presidente Jair Bolsonaro y sus aliados -entre quienes se encuentran grupos de supremacistas blancos, la policía militar y funcionarios públicos en todos los niveles del gobierno- están preparando una marcha a nivel nacional en contra de la Corte Suprema y el Congreso el siete de septiembre, agudizando los temores de un golpe de Estado en la tercera democracia más grande del mundo”, advierte la carta que recuerda que en las últimas semanas el mandatario de ultraderecha intensificó sus ataques contra las instituciones democráticas.

El 10 de agosto, Bolsonaro dirigió un desfile militar sin precedentes por Brasilia y sus aliados en el Congreso impulsaron reformas radicales al sistema electoral del país, considerado uno de los más confiables del mundo. El presidente amenazó varias veces con cancelar las elecciones presidenciales de 2022 si el Congreso no aprueba esas reformas, una actitud que parece un manotazo de ahogado mientras ve al expresidente Luiz Inácio Lula da Silva subir en las encuestas.

“Bolsonaro convoca a sus seguidores a viajar a Brasilia el siete de septiembre en un acto de intimidación a las instituciones democráticas del país”, remarca el documento. Según un mensaje compartido por el presidente el 21 de agosto, la marcha preparará a su gobierno para un “contragolpe necesario” contra el Congreso y la Corte Suprema. En esa ocasión Bolsonaro agregó que la “Constitución comunista” de Brasil le quitó poder, volviendo a acusar al “poder judicial, la izquierda y todo un aparato de intereses ocultos” de conspirar en su contra.

El antecedente con Trump
La carta de los líderes mundiales recuerda que diputados brasileños advirtieron que la movilización del martes “se inspira en la insurrección en la capital estadounidense el seis de enero de 2021”, cuando el entonces presidente Donald Trump incitó a sus seguidores a manifestarse agitando falsas denuncias de fraude electoral en las elecciones presidenciales de 2020.

El documento enfatiza su preocupación por la “inminente amenaza a las instituciones democráticas” y agrega: “El pueblo de Brasil ha luchado por décadas para garantizar la democracia contra el dominio militar. No debemos permitir que Bolsonaro se la arrebate ahora”.

Durante un acto en el interior del estado de Bahía, el viernes Bolsonaro reiteró sus críticas a “una o dos personas”, en clara referencia a miembros de la Corte Suprema a quienes acusa desde hace semanas de “usar su poder” para intentar “darle otro rumbo al país”. Aunque no los nombró, aludía a los magistrados Alexandre de Moraes y Luis Barroso, con los que se ha enemistado en el marco de un grave conflicto institucional alimentado por grupos de ultraderecha que apoyan al gobierno.

Barroso, además de integrar el Supremo, preside el Tribunal Superior Electoral (TSE) sobre el cual Bolsonaro sostiene, sin pruebas, que prepara un “fraude” para los comicios de 2022 y que se valdrá para ello del sistema de voto electrónico que el país adoptó en 1996 y cuya transparencia es mayoritariamente reconocida. De Moraes, por su parte, es responsable de un proceso sobre la difusión masiva de noticias falsas y ataques a las instituciones democráticas a través de internet, en el que el propio mandatario y decenas de activistas de ultraderecha son investigados.

Aunque Bolsonaro insiste en que las manifestaciones del próximo siete de septiembre serán por la “libertad” y los “valores conservadores”, algunos grupos que las convocan llaman a una “intervención militar” que clausure el Parlamento y la Corte Suprema y mantenga al gobernante en el poder. La convocatoria fue rechazada por el Congreso y el propio Supremo, y condenada por organizaciones empresariales, la banca, los sindicatos y los partidos políticos de la derecha más moderada, que en los últimos días han publicado sendos manifiestos en defensa de la democracia y contra cualquier tipo de “aventura autoritaria”.

Las principales firmas
La dura proclama contra el intento golpista en Brasil lleva la firma de los expresidentes de Ecuador Rafael Correa; de Paraguay, Fernando Lugo; de Colombia, Ernesto Samper y de España, José Luis Rodriguez Zapatero. Además acompañan los senadores de Colombia Iván Cepeda y Gustavo Petro; y de Argentina Omar Plaini, Marita Perceval, Nora Del Valle Giménez y Nanci Parrilli.

Adhieren los diputados Eduardo Valdes, Victoria Donda, Fernanda Vallejos, Guillermo Carmona, Eric Calcagno, José Roselli, Monica Macha, Cristina Alvarez Rodríguez, Lia Veronica Caliva, Héctor Fernández, Juan Carlos Alderete y Carolina Yutrovic; de Colombia María José Pizarro; y de Francia Jean-Luc Melenchon. Por el Parlasur firman desde Argentina el vicepresidente Oscar Laborde y los diputados Gastón Harispe, Julio Sotelo, Cristian Bello, Carlos López, Ricardo Oviedo y Cecilia Britto.

También expresaron su apoyo el economista y diputado griego Yanis Varoufakis; los exministros de Relaciones Exteriores de Brasil, Celso Amorim; de Ecuador Guillaume Long y de Chile José Miguel Insulza; la exembajadora argentina ante Venezuela y Reino Unido Alicia Castro.

Asimismo adhieren el excandidato presidencial y exministro Coordinador de Conocimiento y Talento Humano de Ecuador, Andrés Arauz; el Secretario General de la Central de Trabajadores de la Argentina, Hugo Yasky; y el secretario de Relaciones Internacionales del Movimiento Evita, Alejandro Rusconi, entre más de 100 firmantes.

Página 12


Líderes mundiais alertam para risco à democracia e insurreição no Brasil.

Os atos planejados para o dia 7 de setembro, organizados por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ameaçam a democracia e representam uma “insurreição” no Brasil. O alerta faz parte de uma carta aberta assinada por líderes de todo o mundo e que deixam claro que a comunidade internacional não irá tolerar qualquer ruptura democrática.

Nos últimos dias, entidades estrangeiras já indicaram que estavam preocupadas com os atos do 7 de setembro e que temiam que a data agravasse a tensão política no país. Haverá um monitoramento por parte da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, enquanto organismos estrangeiros também se mobilizam para acompanhar a situação.

Já o governo americano emitiu um alerta de segurança a seus cidadãos que estejam no Brasil, nesta data. Há poucas semanas, o governo de Joe Biden havia enviado sinais claros ao Palácio do Planalto sobre o risco de uma ruptura ou de uma narrativa de fraude eleitoral.

Agora, líderes, ex-presidentes, parlamentares e personalidades de mais de 25 países apontam para os riscos que a data pode representar. “Nós, representantes eleitos e líderes de todo o mundo, estamos soando o alarme: em 7 de setembro de 2021, uma insurreição colocará em risco a democracia no Brasil”. disseram.

A carta é assinada por nomes como o ex-chefe de governo espanhol José Luis Rodriguez Zapatero, o ex-presidente da Colômbia, Ernesto Samper, além Noam Chomsky, o vencedor do prêmio Nobel da Paz, Adolfo Pérez Esquivel, e políticos europeus como o grego Yanis Varoufakis, o britânico Jeremy Corbyn e o francês Jean Luc Melanchon. Congressistas americanos também fazem parte dos signatários, além de deputados suíços, alemães e mesmo da Nova Zelândia.

“Estamos seriamente preocupados com a ameaça iminente às instituições democráticas do Brasil – e estamos vigilantes para defendê-las antes e depois de 7 de setembro. O povo brasileiro tem lutado por décadas para proteger a Democracia de um regime militar. Bolsonaro não deve ter permissão para roubá-la agora”, diz o texto.

O texto alerta que «Bolsonaro e seus aliados – incluindo grupos supremacistas, policiais militares e funcionários públicos, em todos os níveis do governo – estão preparando uma marcha nacional contra a Suprema Corte e o Congresso em 7 de setembro, alimentando temores de um golpe na terceira maior democracia do mundo».

«O presidente Bolsonaro intensificou seus ataques às instituições democráticas do Brasil nas últimas semanas », alerta. “Em 10 de agosto, ele dirigiu um desfile militar sem precedentes pela capital, Brasília, enquanto seus aliados no Congresso promoviam reformas radicais no sistema eleitoral do país, considerado um dos mais confiáveis do mundo”.

O texto lembra como Bolsonaro ameaçou – várias vezes – cancelar as eleições presidenciais de 2022. “Agora, Bolsonaro convoca seus seguidores a viajarem a Brasília no dia 7 de setembro, em um ato de intimidação às instituições democráticas do país”, disse.

“De acordo com uma mensagem transmitida pelo presidente em 21 de agosto, a marcha é a preparação para um “contra-golpe necessário” contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal”, explicam.

“Membros do Congresso no Brasil alertaram que a mobilização de 7 de setembro teve como modelo a insurreição na capital dos Estados Unidos em 6 de janeiro de 2021, quando o então presidente Donald Trump encorajou seus partidários a “parar o roubo” com falsas alegações de fraude eleitoral em eleições presidenciais de 2020″, completam.

UOL


Atos pró e contra Jair Bolsonaro vão marcar o Sete de Setembro

No sete de setembro, dia em que se celebra a Independência do Brasil, grupos antagônicos planejam manifestações em todo o país, incluindo o Rio Grande do Sul. Em Porto Alegre, os favoráveis ao presidente Jair Bolsonaro prometem se concentrar no Parcão, no bairro Moinhos de Vento, enquanto os contrários começarão uma passeata a partir do Parque da Redenção, no bairro Farroupilha, a 3,2 quilômetros dos seus adversários. Ambos os lados convocam participação de milhares de pessoas, com mobilização de frotas de ônibus alugados para os eventos.

Os atos políticos lembrarão um ideário cívico que costuma ser preenchido pelo tradicional desfile militar de sete de setembro, que este ano não acontecerá, como já não ocorreu no ano passado. A parada foi cancelada para evitar aglomerações, como precaução contra a pandemia de coronavírus.

Direita fará ato de apoio

Os atos de apoio a Jair Bolsonaro são protagonizados, no Rio Grande do Sul, pelo movimento Livre Iniciativa RS, uma aglutinação de vários grupos de direita. A concentração está marcada para as 15 horas no Parque Moinhos de Vento (Parcão), em Porto Alegre, mas a previsão é que desde 10 horas da manhã manifestantes comecem a fluir para a região, para um “esquenta” animado por músicos.

Uma das iniciativas previstas é uma carreata. Ela sairá da loja Havan na avenida Assis Brasil (Zona Norte), às 13h30min, e percorrerá diversas avenidas, até chegar no Parcão, por volta das 15h.

A advogada Paula Cassol, uma das organizadoras do ato no Parcão, afirma que mais de 50 cidades gaúchas mandarão ônibus com apoiadores do presidente até Porto Alegre. Foram feitas “vaquinhas” (coletas de doações de dinheiro) para custear o transporte. Está planejado que food-trucks e banheiros químicos estejam à disposição de quem quiser passar o dia no Parcão.

Quatro caminhões de som devem animar os atos, um deles a cargo da Banda Loka Liberal, que há anos embala atos de grupos de direita. Não está previsto deslocamento dos manifestantes, até para evitar encontro com a passeata de esquerda. A manifestação não se limitará a Porto Alegre, avisa Paula.

— Teremos atos nas maiores cidades gaúchas, como Passo Fundo, Caxias do Sul, Alegrete e Santa Maria. Em cada local desses haverá concentração e carros de som. Vamos também enviar pelo menos cinco ônibus para São Paulo e outros cinco para Brasília, num apoio dos gaúchos às maiores concentrações previstas no país — anuncia Paula.

A pauta principal dos apoiadores do presidente é “Grito de Liberdade”. As demandas incluem punição dos que cometem abuso de autoridade, “em especial o ministro Alexandre de Moraes”, sinaliza Paula.

— Queremos acabar com a ditadura da toga. O povo brasileiro quer respeito entre as instituições, o que não vem ocorrendo. Alguns ministros do STF se acham acima da lei, como deuses.

A pauta dos pró-Bolsonaro inclui ainda voto impresso e auditável, complementa Paula.

Esquerda fará passeata

O Grito dos Excluídos, manifestação de movimentos de esquerda que ocorre há décadas no sete de setembro, ganhou este ano uma nova palavra de ordem: “Fora Bolsonaro”. A manifestação contará com ônibus fretados da Região Metropolitana e de outros municípios, segundo a servidora da Ufrgs Tamyres Filgueira, 34 anos, coordenadora-geral da ASSUFRGS Sindicato e uma das líderes dos atos de oposição ao governo federal.

Serão realizadas também manifestações em Ijuí, Passo Fundo, Pelotas, Santa Maria, Erechim e Santa Cruz do Sul, entre outras cidades.

Em Porto Alegre, a orientação é se concentrar no espelho d’agua da Redenção, onde deve acontecer um ato ecumênico às 11h30min, seguida de um almoço para 1,5 mil pessoas. A partir das 13h30 está previsto o início da passeata de protesto. Os manifestantes pretendem se deslocar pelas principais avenidas do centro de Porto Alegre, em trajeto ainda não revelado “por questões de segurança”, mas que provavelmente vai incluir a Osvaldo Aranha, o Túnel da Conceição, a Mauá e a I Perimetral.

A alta no preço dos alimentos, insumos e combustíveis estão entre as reivindicações dos opositores, além de críticas à postura de Bolsonaro frente à pandemia.

– Estamos vivendo um momento muito difícil no País. Desde o início da pandemia, o Governo Bolsonaro vem negando a importância e a gravidade desse vírus. Hoje, estamos vivendo as consequências dessa política negacionista – defende Tamyres.

A manifestação antibolsonarista incluirá o desemprego, insegurança alimentar, projetos de privatização e o Projeto de Emenda a Constituição (PEC 32), que propõe mudanças administrativas e nas carreiras de servidores públicos.

— (Bolsonaro) quer acabar com o concurso público, piorar o atendimento no SUS, na saúde pública e acabar com a estabilidade do servidor público —reforça Amarildo Censi, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), ao justificar os protestos.

Os grupos participantes do protesto da oposição são Povo Sem Medo, Povo na Rua e Brasil Popular, além de centrais sindicais, como Central Única dos Trabalhadores, Intersindical, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, entre outras.

Polícias monitoram radicais

Radicais de esquerda e de direita são monitorados por diversos organismos policiais, com vistas a prevenir distúrbios no sete de setembro, apurou a reportagem. A Polícia Federal tem monitorado as redes sociais e grupos de whatsapp, por exemplo.

Já a Brigada Militar, além de também fazer isso (porque terá de guarnecer as ruas), está de olho, sobretudo, em possíveis manifestações envolvendo sua própria tropa. A PM2 (serviço reservado) e a Corregedoria verificam atividade dos mais exaltados.

Em algumas manifestações foram observadas transgressões ao Regulamento Disciplinar da BM, tais como o artigo 40: censurar publicamente decisão legal tomada por superior hierárquico ou procurar desconsiderá-la. O artigo 41 também veta “publicar ou contribuir para que sejam publicados fatos ou documentos afetos às autoridades policiais ou judiciárias que possam concorrer para o desprestígio da Corporação, ferir a disciplina ou a hierarquia, ou comprometer a segurança”.

Conforme procuradores da Justiça Militar consultados pela reportagem, o regimento disciplinar de todas as PMs veda “petições, manifestações de caráter reivindicatório, de cunho político-partidário e religioso de crítica ou apoio a ato de superior e para tratar de assunto de natureza policial”.

A Corregedoria da Brigada Militar abriu procedimentos para advertir e, se for o caso, punir os transgressores. Já o presidente Jair Bolsonaro defende que PMs participem dos atos.

A BM se reuniu com organizadores dos atos de apoio e repúdio a Jair Bolsonaro e acertou que eles não devem ser cruzar (seja em carreatas ou passeatas), para evitar confrontos. Uma unidade do Batalhão de Operações Especiais (Bope) está de prontidão para atuar, carro ocorram distúrbios.

GHZ


Bolsonaro desafia governadores e defende presença de policiais no 7 de setembro

A três dias dos atos que convoca em defesa de seu governo, o presidente da República, Jair Bolsonaro, repetiu o roteiro de ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF) no sábado 4.

Como mostrou o jornal O Estado de S. Paulo, o Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT) recomendou que a Polícia Militar e a Secretaria de Segurança Pública distritais proíbam expressamente a participação de militares da ativa nos protestos a favor do governo convocados para o 7 de Setembro.

Além do DF, em ao menos mais seis Estados os Ministérios Públicos tomaram providências para inibir a participação de PMs (Ceará, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraíba, Mato Grosso e Santa Catarina).

Ao falar aos militantes, ladeado por alguns de seus auxiliares e ex-ministros, o presidente mirou os ministros do Supremo Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso.

Apesar das investidas da Suprema Corte para conter ameaças antidemocráticas por parte de bolsonaristas, o presidente dobrou a aposta e avisou que não vai recuar. “Ou falo o que os caras querem ou abrem inquérito contra mim. Estão achando que vão me brochar, estão achando que vou recuar. Sei que estar do lado deles é muito fácil, mas não vou fugir da verdade nem do compromisso que fiz com vocês”, afirmou. ” Ninguém vai no 7 de setembro para idolatrar nenhum político. Vamos todos juntos falar: com a nossa liberdade não.”

Ao se manifestar em Brasília neste sábado, o presidente chegou a se referir “aos 10 ministros” da Suprema Corte. Relator das principais investigações contra Bolsonaro e aliados, Alexandre de Moraes passou a ser considerado inimigo.

Com preocupações sobre radicalização dos atos, com invasão às sedes dos Poderes, Bolsonaro afirmou “que nunca invadimos e nunca invadiremos prédios”. O presidente pretende discursar em atos marcados para Brasília e São Paulo no feriado da Independência. A pauta das manifestações é contra o STF, inclusive com pedido de prisão de ministros.

Além de frases como “poder moderador é o povo”, Bolsonaro disse que, nas manifestações agendadas por apoiadores para o dia 7 de Setembro, Dia da Independência, espera que seja formado “um retrato” capaz de frear a atuação de ministros do Supremo Tribunal Federal.

“O retrato que queremos nesse dia não é meu, não é de nenhum político, é o retrato de vocês que será usado naquela velha máxima, uma imagem vale mais que 1 milhão de palavras. Essa imagem é o nosso passaporte para mostrar para aqueles pouquíssimos que ousam brincar com a nossa Constituição e nossos direitos, falar: dá um tempo aí, cara. Não vai continuar fazendo gracinha. Não vai continuar prendendo gente que, segundo eles, abusou da liberdade de expressão”, disse Bolsonaro.

O recado pode ser lido como uma ameaça ao ministro do Supremo Alexandre de Moraes, que nas últimas semanas determinou — atendendo a solicitações da Procuradoria-Geral da República — prisões de apoiadores de Bolsonaro investigados em inquéritos que apuram organização de manifestações violentas no feriado de 7 de Setembro.

Em outro momento de sua fala no congresso de conversadores, Bolsonaro, sem mencionar nomes, instou o presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, a dar uma “reprimenda” em ministros da Corte, em nova alusão a Alexandre de Moraes.

“Se alguém estiver fora e tem um ou dois ou três fora, não mais do que isso, esse elemento tem que receber uma reprimenda de seu respectivo chefe de poder. É assim que vive uma nação civilizada é assim que nós nos comportaremos, não jogaremos fora das quatro linhas, mas também não podemos admitir que nenhuma pessoa com o poder da força jogue fora das quatro linhas também”, disse Bolsonaro.

Procurada, a assessoria de imprensa do Supremo Tribunal Federal disse que não se manifestará sobre as falas.

CartaCapital


VOLVER

Más notas sobre el tema