Bolsonaro dialogó con el primer ministro británico Boris Johnson sobre acuerdos comerciales y la vacunación

742

Presidente Bolsonaro se reúne com primeiro-ministro britânico nos EUA

Em encontro na véspera da abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), o presidente Jair Bolsonaro e o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, acompanhados de ministros e auxiliares, conversaram sobre as relações comerciais entre os dois países e o fortalecimento da parceria bilateral. A reunião ocorreu nesta segunda-feira (20) pela manhã, em Nova York, nos Estados Unidos. A informação do encontro bilateral é da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

De acordo com a pasta, eles também conversaram sobre seus programas de vacinação contra a covid-19, destacando a parceria entre Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a Universidade de Oxford, na Inglaterra, e a companhia farmacêutica AstraZeneca. Outro assunto abordado pelos dois líderes foi sobre a preparação para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP26), que será realizada em novembro, na cidade Glasgow, na Escócia, país que faz parte do Reino Unido.

O presidente brasileiro está nos Estado Unidos para participar, pela terceira vez como chefe de Estado, da Assembleia Geral da ONU, cuja abertura será nesta terça-feira (21) pela manhã. Bolsonaro discursou pela primeira vez em 2019, no primeiro ano de mandato. Em 2020, por causa da pandemia, a Assembleia Geral foi totalmente virtual.

Na edição deste ano, o encontro está sendo em formato híbrido, com parte dos discursos gravados e outra parte presencial. Bolsonaro optou por viajar a Nova York para discursar presencialmente. Por tradição, o presidente brasileiro é o primeiro entre todos os chefes de Estado e de governo a fazerem discurso no plenário da ONU.

Na semana passada, durante sua live semanal nas redes sociais, Bolsonaro comentou sobre o discurso que pretende fazer na Assembleia Geral deste ano.

“Vou fazer o discurso de abertura. Um discurso tranquilo, bastante objetivo, focando os pontos que interessam para nós. É um palanque muito bom para isso também, serve como palanque, aquilo lá. Vamos mostrar objetivamente o que é o Brasil, o que estamos fazendo na questão da pandemia — coisa que somos atacados o tempo todo não é? — bem como o agronegócio, a energia no Brasil”, disse o presidente durante a transmissão. Ele também comentou que defenderá a validade da tese do marco temporal, atualmente em julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF), e que limita o reconhecimento de terras indígenas.

Agencia Brasil


Prefeito de Nova York envia a Bolsonaro lista de postos de vacinação contra a Covid

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, marcou o presidente Jair Bolsonaro em uma publicação nas redes sociais que informava todos os locais de vacinação contra a Covid-19.

Bolsonaro, que está na cidade para participar da 76ª Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas, é o único líder entre as principais economias do mundo a dizer publicamente que não se vacinou

O ex-capitão chegou a Nova York no domingo 19 acompanhado da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, de um de seus filhos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), e dos ministros Gilson Machado (Turismo), Marcelo Queiroga (Saúde) e Augusto Heleno (Turismo), Marcelo Queiroga (Saúde) e Augusto Heleno (Secretaria-Geral)

Mais cedo, em pronunciamento divulgado na internet, Bill de Blasio disse a Bolsonaro que ele “nem precisa vir” à cidade caso não queira se vacinar.

“Com os protocolos em vigor, precisamos enviar uma mensagem a todos os líderes mundiais, principalmente Bolsonaro, do Brasil: se você pretende vir aqui, você precisa estar vacinado”, disse. “Se você não quer se vacinar, nem precisa vir”

O prefeito nova-iorquino ainda afirmou que “todos precisam estar em segurança e juntos, e isso significa que todos precisam ser vacinados”.

Sem a vacina, Bolsonaro está impedido, por exemplo, de circular pela área interna de restaurantes em Nova York. Nesta segunda, ele almoçou em uma churrascaria brasileira que se dispôs a preparar uma espécie de ‘puxadinho’, com mesas ao ar livre e cercadas por tapumes pretos.

É a segunda vez que Bolsonaro come nas ruas de Nova York. Na noite do domingo 19, ele foi a uma pizzaria sem mesas internas e consumiu o pedido na entrada do local.

Além de se recusar a receber uma vacina, Bolsonaro continua a disseminar fake news sobre os imunizantes e a sugerir, sem provas, ter imunidade superior à de vacinados.

Carta capital

VOLVER

Más notas sobre el tema