Brasil superó los 600 mil muertos por coronavirus

1.129

Brasil ultrapassa marca de 600 mil mortes por covid-19

O Brasil cruzou nesta sexta-feira (08) a marca dos 600 mil mortos por covid-19. Foram mais de duas centenas de mortes registradas nas últimas 24 horas, elevando o total para 600.077, segundo dados do consórcio de veículos de imprensa. No mesmo dia, o país atingiu a marca de 21.893.752 milhões de casos notificados.

A primeira morte oficial associada à covid-19 no Brasil foi a de uma mulher de 57 anos, em São Paulo, em 12 de março de 2020. Desde então, é como se toda a população de Joinville, a maior cidade de Santa Catarina, tivesse desaparecido.

Apenas um país acumula mais mortes do que o Brasil: os Estados Unidos, que recentemente superaram a marca de 700 mil óbitos por covid-19. Os EUA, no entanto, têm uma população 55% maior que a do Brasil e contam com mecanismos mais eficientes de notificação.

Especialistas também alertam que os números reais de casos e mortes no Brasil são maiores, em razão da falta de testagem em larga escala e da persistente subnotificação. Em junho, quando o Brasil superou a marca de 500 mil mortes oficialmente notificadas, estudos indicavam que o país provavelmente já contava mais de 600 mil óbitos por covid-19.

Desta vez, porém, a nova trágica marca oficial de mortos por covid-19 no Brasil pelo menos ocorre num momento de desaceleração. Apenas 51 dias separaram as marcas de 400 mil e 500 mil mortes notificadas. Já a divisa das 600 mil mortes ocorre 111 dias depois de o país ter superado meio milhão de vítimas.

Após início tumultuado, vacinação avança

Essa desaceleração no ritmo de mortes coincide com o avanço veloz da vacinação no país, que deslanchou apesar da demora do governo federal em comprar imunizantes e da má organização do Ministério da Saúde no início da campanha de vacinação. No momento, 69,78% da população tomou pelo menos uma dose da vacina e 45,5% completaram o esquema vacinal. Mais de 1,9 milhão tomaram uma dose de reforço.

Em 19 de junho, quando o país ultrapassou as 500 mil mortes registradas, 29,61% da população havia tomado pelo menos uma dose e apenas 11,45% haviam completado a imunização.

A média móvel de mortes nos últimos sete dias estava em 451 na quinta-feira – a menor desde 13 de novembro. Quando o Brasil superou a marca de 500 mil mortes, a média móvel estava acima da casa dos 2 mil óbitos. Os números também contrastam com as taxas de abril, o mês mais mortífero da pandemia, quando o país chegou a atingir uma média móvel de 3.125 mortes.

No fim de julho, o Brasil voltou a registrar média móvel de mortes abaixo de mil, após um período de 191 dias seguidos acima dessa marca.

O estado de São Paulo contava no início desta semana com 4.997 internados por covid-19 – menor dos últimos 18 meses e quase cerca de sete vezes menor que o registrado no pico da segunda onda, que teve mais de 31 mil pacientes com a doença. As taxas de ocupação de leitos de UTI também estavam entre as menores desde o início da pandemia, com 31,4% no estado e 39,5% na grande São Paulo.

“Podemos esperar números ainda mais animadores conforme chegarmos em 70 a 80% da população completamente vacinada. Pela primeira vez desde março do ano passado, apesar do esforço contrário e constante do governo federal, temos um horizonte favorável à frente”, escreveu nesta semana o biólogo e divulgador científico Átila Iamarino em artigo na Folha de S.Paulo.

Segundo pesquisa Datafolha divulgada em julho, 94% dos brasileiros acima de 16 anos já teriam se vacinado ou que pretendiam se imunizar. Em dezembro de 2020, antes do início da campanha e quando o presidente Jair Bolsonaro fez seguidos ataques explícitos contra os imunizantes, esse percentual chegou ao seu nível mais baixo, 73%. No entanto, em março, com as mortes por covid-19 explodindo e o país superando a marca de 300 mil mortes, a adesão às vacinas já havia saltado para 89%.

Bolsonaro continua a sabotar esforços

A alta adesão à vacinação se impôs apesar do negacionismo e dos ataques regulares de Jair Bolsonaro às vacinas. Num ciclo que se repete desde 2020, o presidente continua a alimentar paranoia sobre os imunizantes, minimizar o número de óbitos e promover aglomerações e drogas ineficazes contra a covid-19, além de mentir sobre o papel do governo federal no combate à pandemia.

Bolsonaro mostrou nos últimos meses que nem mesmo a superação da marca de meio milhão de mortos em junho teve algum impacto em como o Planalto encara a doença. Ele demorou dois dias para expressar algum tipo de condolência sobre a marca de meio milhão de óbitos, e quando o fez logo emendou a fala com declarações defendendo drogas desacreditadas contra a covid-19, como a hidroxicloroquina e a ivermectina, aproveitando ainda a ocasião ainda para ofender uma jornalista.

Na mesma semana em que aquela marca foi batida, Bolsonaro ainda abaixou a máscara contra covid-19 de um menino em evento no Rio Grande do Norte e pediu para que uma menina também baixasse a sua. Nas semanas seguintes, chegou a usar a morte de celebridades idosas como supostos exemplos da ineficiência da Coronovac – a vacina promovida pelo governo de São Paulo, chefiado pelo seu rival João Doria.

Nesta sexta-feira, horas antes da marca de 600 mil mortes ser atingida, Bolsonaro voltou a alimentar paranoia sobre os imunizantes, desencorajando a imunização em jovens de até 20 anos.

“O número de pessoas que morre por covid abaixo de 20 anos, tá, hein, Queiroga, 99,999 alguma coisa não é isso Queiroga? Então por que vacina, meu Deus do céu? Será que é um negocio que estamos vendo em jogo no Brasil e no mundo?”, disse Bolsonaro, em evento ao lado do seu ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

No final de setembro, Bolsonaro chegou a receber dois negacionistas alemães no Planalto para uma entrevista na qual repetiu mentiras e distorções sobre a pandemia, afirmando, por exemplo, que o coronavírus “apenas encurtou a vida delas [vítimas] por alguns dias ou algumas semanas”.

Desde o início do ano, Bolsonaro também afirmou repetidamente que a melhor forma de se proteger contra o vírus é ser contaminado, reiterando a tese da imunidade de rebanho pela infecção. “Eu disse para as pessoas não terem medo, que enfrentassem o vírus”, disse Bolsonaro aos negacionistas alemães.

No fim de junho, Pedro Hallal, epidemiologista e pesquisador da Universidade Federal de Pelotas, afirmou à CPI que quatro em cada cinco mortes pela doença no país seriam evitáveis, caso o governo federal tivesse adotado outra postura – como, por exemplo, apoiando o uso de máscaras, medidas de distanciamento social, campanhas de orientação e ao mesmo tempo acelerando a aquisição de vacinas.

Naquele momento, o país acumulava 508 mil mortes. Ou seja, de acordo com as estimativas do pesquisador, até 400 mil mortes poderiam ter sido evitadas até julho. Só a demora na compra de vacinas – que deixou o país para trás de outras nações na vacinação em dezembro e início de janeiro –, teria provocado 95.500 mortes evitáveis, segundo Hallal.

Nesta quinta-feira (7), a Fiocruz destacou em boletim a queda nos números de mortes e casos de covid-19 nas últimas semanas, mas por outro lado apontou que ainda é essencial manter em vigor medidas preventivas para impedir que as taxas de infecção e mortes voltem a aumentar. Entre as medidas citadas pela fundação estão uso de máscaras e distanciamento social, além dos passaportes sanitários – justamente três medidas que Bolsonaro vem combatendo.

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) pediu nesta sexta-feira (8) que os gestores do SUS mantenham a obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção facial. “É preciso que estejamos atentos às experiências frustrantes de alguns países que, acreditando ter superado os riscos, suspenderam a obrigatoriedade do uso de máscaras, afrouxaram as medidas de prevenção e, por isso mesmo, tiveram recrudescimento importante do número de casos e de óbitos, obrigando-os a retroceder”, disse.

No entanto, Bolsonaro, um adversário do uso de máscaras, vem demonstrando impaciência com a manutenção das regras e chegou a pressionar publicamente o Ministério da Saúde a elaborar um estudo que embase o fim da obrigatoriedade.

Sem mudança de rumo no governo

Enquanto líderes de outros países, como o ex-premiê israelense Benjamin Netanyahu ou a chanceler federal alemã Angela Merkel deram o exemplo ao se vacinar na frente das câmeras ou divulgando o feito, Bolsonaro continua a ser o único chefe de Estado ou de governo do G20 que ainda não se imunizou. Ele afirma, ainda, que não pretende fazê-lo, como se isso fosse um problema exclusivamente seu.

A atitude causou vexame internacional quando Bolsonaro viajou a Nova York para participar da abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas.

Sem possuir uma comprovação de vacinação, ele se viu barrado de áreas internas de restaurantes e foi alvo de críticas do prefeito da cidade. Num gesto de populismo para sua base radical, deixou-se fotografar comendo pizza na calçada com seus ministros.

O desleixo da comitiva com o coronavírus foi escancarado quando três membros da comitiva, incluindo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, um diplomata do cerimonial e o deputado Eduardo Bolsonaro testaram positivo para covid-19 – no que pareceu uma repetição de uma viagem de Bolsonaro aos EUA em março de 2020, quando duas dezenas de membros da comitiva voltaram doentes.

Bolsonaro ainda usou a tribuna da ONU para defender mais uma vez seu pacote de drogas ineficazes contra a covid-19. “Não entendemos por que muitos países se colocaram contra o tratamento precoce. A história e a ciência saberão responsabilizar a todos”, disse na ocasião. Hoje, o “tratamento precoce” só é defendido mundo afora em círculos conspiracionistas e de extrema direita, além de Bolsonaro e seu círculo.

Queiroga ainda se destacou durante o périplo aos EUA por fazer um gesto obsceno a um grupo de manifestantes antibolsonaristas em Nova York. Em março, sua indicação ao posto de ministro da Saúde foi encarada com algum alívio por secretários estaduais de Saúde e até setores da imprensa, já que, ao contrário do seu antecessor, o general Eduardo Pazuello, ele tinha experiência na área de saúde.

No entanto, Queiroga já deu várias demonstrações de seguir o mesmo comportamento servil de Pazuello. O exemplo mais recente ocorreu em setembro, quando o presidente interveio pessoalmente no Ministério da Saúde para interromper a vacinação de adolescentes, que vinha sendo realizada por estados e municípios. Segundo vários veículos da imprensa brasileira, Bolsonaro tomou a iniciativa após ouvir declarações de jornalistas de extrema direita da Rádio Jovem Pan que regularmente espalham mentiras e alimentam temores infundados sobre vacinas.

O ministro Queiroga, assim como havia ocorrido diversas vezes com seu antecessor Pazuello, aquiesceu às ordens sem base cientifica de Bolsonaro. O episódio exigiu intervenção do Supremo Tribunal Federal, o qual decidiu que estados e municípios têm autonomia para decidir sobre a imunização de adolescentes de 12 a 17 anos.

Diante desse histórico do governo e a persistência das atitudes negacionistas de Bolsonaro,na terça-feira, o relator da CPI da Pandemia, Renan Calheiros, declarou que vai indiciar o presidente Jair Bolsonaro e mais 29 indivíduos por ações e omissões durante a pandemia.

Ainda nesta quinta-feira, a CPI aprovou um requerimento para pedir esclarecimentos a Queiroga sobre o motivo de a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) ter retirado da pauta a análise de um relatório sobre o “tratamento precoce”.

Os senadores suspeitam que tenha sido feito algua pressão para que os técnicos deixassem de avaliar na data prevista o documento, que aponta para a não utilização de cloroquina e ivermectina no tratamento da covid-19.

Incógnita em 2022

O ministro Marcelo Queiroga afirmou nesta semana que o governo federal está considerando para 2022 uma campanha de vacinação contra a covid-19. No entanto, ele não detalhou como o governo está negociando a compra de mais doses para imunizar os brasileiros e qual é o cronograma de entrega das doses.

As falas não foram consideradas tranquilizadores. No mesmo dia, a CPI da Pandemia aprovou um pedido de informações ao Ministério da Saúde sobre o planejamento para vacinação contra a covid-19 em 2022 e para que o órgão justifique sua intenção de descontinuar o uso da CoronaVac no próximo ano. A CPI ainda aprovou um requerimento para que fabricantes de vacina informem sobre tratativas mantidas com o governo para o fornecimento de imunizantes em 2022.

O temor de uma repetição do quadro do fim de 2020 e início de 2021, quando ficou claro que o governo não havia se esforçado para comprar vacinas de grandes laboratórios e em alguns casos até mesmo ignorou ofertas, também foi levantado no fim de agosto, quando o governo enviou o projeto de Orçamento de 2022 ao Congresso. O texto só reservava R$ 3,943 bilhões para a compra de vacinas contra a covid-19 – uma queda de 85% em comparação ao autorizado para 2021 (R$ 27,8 bilhões).

No segundo semestre de 2020, a equipe econômica do governo desdenhou de advertências de uma segunda onda da pandemia, enquanto o Ministério da Saúde, então sob o comando de Pazuello, ignorava ofertas de grandes laboratórios.

Em novembro, pouco mais de um mês antes de o Brasil cruzar a marca de 200 mil mortes, o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, chegou a afirmar explicitamente, sem citar qualquer argumento cientifico, que a probabilidade de segunda onda da doença no país era “baixíssima”. Em dezembro, o ministro Paulo Guedes fez afirmações semelhantes, apesar da advertência de cientistas sobre novas ondas mortíferas da doença, que acabaram se concretizando.

Brasil de Fato


Protesto em Copacabana (RJ) homenageia as 600 mil vítimas de covid-19 no país

Em memória das mais 600 mil vítimas da covid-19 no Brasil, a ONG Rio de Paz realizou um ato simbólico na manhã desta sexta-feira (8) na praia de Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro. Para o protesto, a ONG ocupou um trecho da faixa de areia com lenços brancos pendurados em referência à trágica marca.

Quatro cartazes repudiaram a condução do governo federal na crise sanitária. “Quem são os responsáveis por esta tragédia?”, dizia um deles. Irresponsabilidade e incompetência também estavam estampadas nas faixas.

“Houve um morticínio no Brasil: 600 mil mortos pela covid-19. Se queremos tirar alguma lição dessa espantosa perda de vidas a fim de que sofrimento como esse não se repita no nosso país, precisamos responder a uma pergunta central: quem são os responsáveis por esta tragédia?”, questionou o presidente da ONG Rio de Paz, Antonio Carlos Costa, durante o ato.

O taxista Marco Antonio, que perdeu um filho para a covid-19 e recolocou cruzes na areia durante um outro ato ano passado, vai entregar os 600 lenços ao vice-presidente da CPI da Covid no Senado Federal, Randolfe Rodrigues (Rede), em Brasília (DF), na data de encerramento da comissão, que acontece no próximo dia 19.

Brasil de Fato


VOLVER

Más notas sobre el tema