Brasil | Se registran 84 personas fallecidas por fuertes lluvias en Pernambuco

674

Brasil: tragedia por lluvias causa 84 muertos en Pernambuco

Las víctimas fatales de las fuertes lluvias que azotan el estado de Pernambuco, en el noreste de Brasil, subieron a 84, en tanto hay un número no determinado de desaparecidos, en el mayor desastre de los últimos 50 años en Recife, la capital regional, informó el gobernador Paulo Camara. Precisó que 79 de las 84 víctimas fallecieron entre la noche del viernes y este domingo, cuando se registraron intensas precipitaciones en el estado, principalmente en la región metropolitana de Recife. Camara puntualizó que todavía se desconoce el número exacto de desaparecidos.

Del total de fallecidos por los deslizamientos e inundaciones, al menos 30 se registraron el sábado en la región metropolitana de Recife, la más afectada por el temporal que castiga el noreste de Brasil desde comienzos de esta semana.

Jardín Monte Verde

El episodio más trágico tuvo lugar en el barrio Jardim Monte Verde, limítrofe entre Recife, capital del estado, y Jaboatao dos Guararapes, donde 20 personas murieron cuando un alud de tierra se llevó por delante decenas de viviendas construidas sobre pequeñas colinas.

La situación ayer era de desolación. Reginaldo Ramos sobrevivió a la tragedia, pero perdió a 11 parientes, entre ellos a su hija de 31 años, recién formada en Ingeniería y quien había empezado a trabajar hacía 15 días. “Yo y mi esposa estábamos en la cocina y conseguimos ser rescatados, porque solo nos enterró la parte de abajo de nuestro cuerpo. Mi hija estaba en la habitación y quedó completamente sepultada”, contó Reginaldo, todavía en shock, en declaraciones.

Los bomberos, el Ejército y los vecinos, principalmente jóvenes, proseguían con las búsquedas mientras la lluvia volvía a castigar la región tras una pequeña tregua y al menos una persona fue localizada sin vida en Jardim Monte Verde, según se constató.

Mientras algunos vecinos buscaban cuerpos entre el lodazal, otros, entre lágrimas, retiraban de sus hogares lo poco que quedó de una tempestad nunca vista.

Sigue el riesgo

El presidente de la Asociación Vecinos de Jardim Monte Verde, Elvio Miranda, alertó del riesgo de nuevas e inminentes “tragedias” en la zona si las autoridades regionales no desalojan de forma definitiva a las familias que viven en esta barriada humilde.

“Hay que retirar a las familias de las áreas de riesgo y encontrarles nuevas viviendas, porque si no van a ocurrir muchas tragedias en Recife. Hay un riesgo inminente y la probabilidad de que ocurran otras tragedias es grande”, afirmó Miranda, de 58 años, en declaraciones.

El alcalde de Recife, Joao Campos, calificó la situación de “extremadamente desafiante” y señaló que el fenómeno meteorológico “es completamente atípico” en esa época del año.

“Infelizmente es el mayor desastre de los últimos 50 años registrado en la región metropolitana de Recife”, resaltó Campos.

Desalojados

Además de los muertos y desaparecidos, las lluvias dejaron más 4.000 personas desalojadas, muchas de las cuales perdieron sus viviendas, según informó el ministro de Desarrollo Regional, Daniel Ferreira, durante una rueda de prensa en Recife.

Hasta allí se desplazó el ministro Ferreira junto con una comitiva integrada por el ministro de Salud, Marcelo Quiroga; el de Turismo, Carlos Brito, y el de Ciudadanía, Ronaldo Bento, quienes sobrevolaron ayer, domingo, la región afectada por el temporal.

Bolsonaro

El presidente de Brasil, Jair Bolsonaro, anunció que visitará Recife hoy lunes para “enterarse mejor de la tragedia”, la cual se produce dos meses y medio después de que las precipitaciones acabaran con la vida de más de 230 personas en Petrópolis, en la sierra de Río de Janeiro. Afirmó en sus redes sociales que el Gobierno puso a disposición “todos sus medios para prestar ayuda a los afectados, incluidas las Fuerzas Armadas”.

Los operativos de rescate continúan, así como los de ayuda a los damnificados. Se trata de una de las peores tragedias que tienen lugar en Brasil por razones climáticas, específicamente desplazamientos de tierra e inundaciones.

El País


Sobe para 84 número de mortes confirmadas em Pernambuco; 14 municípios decretam situação de emergência devido às chuvas

Por Katherine Coutinho e Pedro Alves

O número de pessoas que morreram em meio às fortes chuvas que atingem Pernambuco subiu para 84. A informação foi dada pelo governador, Paulo Câmara (PSB), em entrevista coletiva concedida no início da noite deste domingo (29).

De acordo com ele, foram 79 vítimas fatais registradas das 18h de sexta-feira (27) até este domingo. Somadas às cinco mortes registradas também por causa das chuvas, desde quarta-feira (25), o número chega 84.

Catorze municípios a decretaram situação de emergência: Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, São José da Coroa Grande, Moreno, Nazaré, Macaparana, Cabo de Santo Agostinho, São Vicente Ferrer, Paudalho, Paulista, Goiana, Timbauba e Camaragibe.

O governador anunciou a liberação de R$ 100 milhões para os municípios afetados pela chuva. O recurso deve ser utilizado para trabalho de busca e salvamento, obras urgentes e de infraestrutura e estará disponível esta semana.

“Sabemos que essas primeiras horas são muito difíceis, os primeiros socorros. [Agora] É atuar efetivamente nas ações. Conversei com todos os prefeitos justamente para elaborarem um plano de trabalho para saber quais as ações que vão precisar do apoio do estado nesse momento,”, afirmou.

O decreto de emergência é o primeiro passo também para que municípios possam ter acesso a recursos do governo federal. Mais cedo, o ministro do Desenvolvimento Regional, Daniel Ferreira, já havia adiantado que equipes federais ficariam no estado para auxiliar nesse trâmite e agilizar o reconhecimento por parte da pasta da situação de emergência ou calamidade pública.

O governador disse ainda que as buscas estão concentradas em 12 pontos, entre a Região Metropolitana do Recife e a Zona da Mata do estado.

“Estamos concentrados agora em 12 pontos mais críticos, pontos que ainda têm notícia de desaparecimento de pessoas e estamos com muita gente trabalhando justamente para efetivar essa localização. Estamos em estado de alerta”, afirmou.

Até o começo da tarde, segundo o governo estadual, 56 pessoas seguiam desaparecidas. Além disso, 3.957 estavam desabrigados, principalmente nos municípios da Região Metropolitana e na Mata Norte.

O secretário executivo de Defesa Civil de Pernambuco, Leonardo Rodrigues, afirmou que embora as chuvas tenham arrefecido, ainda há risco de deslizamentos e outras incidências. “A área de risco, hoje, está concentrada na região de Jardim Monte Verde, no limite entre o Recife e Jaboatão”, disse.

O secretário também afirmou que o cenário é “histórico” devido ao porte dos estragos causados ao Grande Recife. “Toda a região litorânea do estado está com um grau elevado de risco geológico, inclusive recebemos o alerta e estamos alertando todo sistema municipal. Diante do acumulado de chuvas, principalmente nas áreas de morro, há um risco muito alto para deslizamento”, afirmou.

As chuvas castigam o estado desde a segunda-feira (23) e a primeira morte foi registrada na quarta-feira (25). As buscas foram retomadas neste domingo pelo Corpo de Bombeiros, Exército e moradores da região.

Luto e dor

Dezenas de pessoas morreram em Jardim Monte Verde, no limite entre o Recife e Jaboatão. Entre os sobreviventes dessa tragédia está o auxiliar de pedreiro Thiago Estêvão, que perdeu perdeu a mãe, os avós e primos. “Eu só pensava em Deus, eu estava até a testa sufocado pela lama”, disse o auxiliar de pedreiro.

Ainda neste domingo (29), Corpo de Bombeiros, Exército e moradores da região buscavam por seis pessoas que ainda estariam soterradas. A aposentada Lucineia Maria Souza de Brito acompanhava os trabalhos rezando para encontrar o corpo da irmã.

“Eu estou sob efeito de remédios, porque estou muito nervosa desde que soube do que aconteceu. Perdi quatro pessoas na minha família, não sei o que fazer. Meu sobrinho era tão jovem”, disse a aposentada.

Na mesma área, o Luiz Estevão Aguiar perdeu 11 parentes no deslizamento de terra. “Faleceu minha irmã, meu cunhado, faleceram 11 pessoas da minha família, foi difícil. Difícil mesmo. Não esperava isso”, disse, em entrevista (veja vídeo acima).

O aposentado Genilson Sebastião, cujo filho, nora, ex-esposa e atual marido dela desapareceram em meio a escombros, acompanhava os trabalhos em Jardim Monte Verde neste domingo (29). “A gente fica pedindo força a Deus, porque só Deus é quem segura neste momento”, declarou Genilson.

Além da dor pela perda dos familiares, parentes das vítimas vivem mais uma angústia na hora de liberar os corpos junto ao Instituto de Medicina Legal (IML). “Cheguei de manhã, são quase 18h e não liberaram os corpos”, lamenta o pedreiro Thiago da Silva, que perdeu dois filhos, a mãe e a esposa.

Barragens vertendo

Neste domingo (29), 15 barragens do Grande Recife, Agreste e Zona da Mata estavam vertendo.

No Grande Recife, atingiram a capacidade máxima de acumulação e estão vertendo: Várzea do Una (em São Lourenço da Mata), Duas Unas (Jaboatão dos Guararapes), Pirapama (Cabo de Santo Agostinho), Sicupema (Cabo de Santo Agostinho), Utinga (Ipojuca) e Bita (Ipojuca).

No interior, foram nove os mananciais que atingiram a capacidade máxima de acumulação e também estão vertendo: Inhúmas e Mundaú (em Garanhuns), Santana II (em Brejo da Madre de Deus), Pedra Fina (em Bom Jardim), Pau Ferro (em Quipapá), Siriji, (em Vicência), Orá/Cursaí (em Paudalho), Tiúma, (em Timbaúba) e Tabocas/Piaça (em Belo Jardim).

Reforço de outros estados

Para reforçar as ações e socorro à população, os 92 novos soldados do Corpo de Bombeiros que foram nomeados no sábado (28) já começaram a trabalhar neste domingo (29).

O estado também recebeu bombeiros da Paraíba e profissionais de Minas Gerais, todos especializados no atendimento a casos de deslizamentos, segundo o governo estadual. A prefeitura do Recife recebeu apoio da Defesa Civil do Rio de Janeiro.

Além das forças de segurança estaduais, o Exército e a Marinha auxiliam nos resgates com cem e vinte profissionais, respectivamente, e seis embarcações. As escalas foram reforçadas também no Instituto de Medicina Legal (IML), informou o estado.

Segundo o governador Paulo Câmara (PSB), uma das prioridades definidas em reunião na manhã deste domingo (29) foi a desobstrução dos acessos às cidades e restabelecimento do abastecimento de água, além de uma análise do trabalho que está sendo feito nesses locais.

O Globo

Más notas sobre el tema