El nuevo ministro de Energía anuncia la intención de privatizar Petrobras

493

Asumió un nuevo ministro de Energía y anunció la intención de privatizar Petrobras

Por Pablo Giuliano

El presidente de Brasil, Jair Bolsonaro, designó este miércoles nuevo ministro de Minas y Energía a Adolfo Sachsida, quien anunció este miércoles por la noche el inicio de los estudios para la privatización de la principal empresa brasileña, la compañía estatal petrolera Petrobras.

“Como mi primer acto de gestión solicito también el inicio de los estudios tendientes a la propuesta de cambios en la ley necesarios para la desestatización de Petrobras”, dijo Sachsida, quien también expresó el interés de privatizar la administración y exploración de los megayacimientos petroleros submarinos descubiertos en 2007 frente a las costas de Río de Janeiro y San Pablo.

El nuevo ministro dijo que Bolsonaro está de acuerdo con todo su plan en el Ministerio de Minas y Energía, luego de que el mandatario lo nombrara en reemplazo del almirante Bento Albuquerque, echado al ser responsabilizado por la política de aumentos de precios de los combustibles alineados al dólar por parte de la estatal Petrobras.

Ultraliberal y aliado del ministro de Economía, Paulo Guedes, Sachsida es el primer ministro que habla de privatizar Petrobras desde 1998, cuando en el gobierno de Fernando Henrique Cardoso se comenzó a abrir el capital de la empresa estatal, que continúa siendo controlada por el estado, que posee más de la mitad de las acciones ordinarias de la compañía que cotiza en la bolsa de San Pablo y en Nueva York.

El nuevo ministro dijo que seguirá dando secuencia al proceso de privatización de la gigante eléctrica Eletrobras que aprobó el Congreso como una “señal para atraer inversiones extranjeras”.

El ministro dijo que pedirá a su par y jefe político, Guedes, incluir en el programa de privatizaciones a la empresa estatal PPSA, responsable por la administración y gestión de los yacimiento submarinos conocidos como la camada geológica présal.

“Todo lo que digo tiene 100% de aval del presidente de la República”, dijo Sachsida, cuyos anuncios se metieron de lleno en la campaña electoral, debido a que el candidato opositor Luiz Inácio Lula da Silva prometió fortalecer Petrobras y utilizar el petróleo submarino como una palanca para la recuperación económica en caso de vencer las elecciones del 2 de octubre.

El ala más liberal del gobierno pero también los hijos de Bolsonaro expresaron el apoyo a la venta de Petrobras, creada en 1953 por el entonces presidente Getulio Vargas.

El nuevo ministro dijo que no tomará medidas directas para evitar no vincular los precios internacionales del crudo a los que pagan localmente los brasileños en las estaciones de servicio o por el gas de garrafa.

Este miércoles Bolsonaro destituyó al almirante Albuquerque, a quien había responsabilizado por los recientes aumentos de combustibles, en un intento de despegarse de las políticas de liberación de precios que su gobierno aplica, de cara a su reelección del 2 de octubre.

La salida de Albuquerque fue publicada este miércoles en el Diario Oficial de la Unión.

En su lugar fue nombrado Sachsida, que deja el cargo de asesor especial del ministro de Economía, Paulo Guedes, siendo un defensor de la política de paritarias cero para los empleados públicos y de la no intervención estatal en la política de precios de Petrobras.

Bolsonaro reemplazó así a uno de los militares de su gabinete, que lo acompañaba desde 2019 y que era considerado uno de los principales nombres de su gestión, en el marco de las críticas hacia su propio gobierno y a Petrobras por la política de precios que siguen la cotización internacional del crudo en dólares y son repasadas para el consumidor interno.

Esta semana, Petrobras aplicó un aumento del 8,9 por ciento en el gasoil.

El jueves pasado Bolsonaro había pedido a Petrobras y al Ministerio de Minas y Energía frenar la ola de aumentos “porque Brasil va a quebrar con otro ajuste”, algo que no ocurrió.

En abril Bolsonaro cambió al presidente de Petrobras descontento con las políticas de precios, sobre todo después del récord e inflación mensual para marzo, el mayor desde 1994.

El mandatario ultraderechista había pedido a Petrobras detener “la violación contra el pueblo” por las ganancias extraordinarias de los accionistas privados, principales beneficiarios del lucro generado por la política de precios internacionales de los combustibles que pagan los brasileños, que cobran en reales.

“Ministro Bento Albuquerque, José Mauro Ferreira (presidente de Petrobras), no pueden aumentar el precio del gasolil. Van a quebrar a Brasil, yo no puedo intervenir pero ustedes tienen ganancias y tienen marcado un rol social de Petrobras en la Constitución”, había dicho Bolsonaro.

La campaña electoral también está marcada por la inflación y la política petrolera: Lula prometió cambiar la política de precios de Petrobras y retomar los subsidios que durante 14 años aplicaron los gobiernos de su Partido de los Trabajadores.

La política de precios internacionales fue inaugurada en 2016 cuando fue destituida Dilma Rousseff y asumió Michel Temer, cuyos lineamentos continúan bajo el bolsonarismo.

Télam


Novo ministro das Minas e Energia quer desestatizar Petrobras

Por Marina Barbosa

O novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, pedirá estudos sobre a desestatização da Petrobras e a inclusão da PPSA (Pré-Sal Petróleo) no programa de privatizações do governo. Ele disse que este será o seu 1º ato no cargo.

“Meu 1º ato como ministro de Minas e Energia será solicitar ao ministro Paulo Guedes, o presidente do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), que leve ao conselho a inclusão da PPSA no PND (Programa Nacional de Desestatização)”, afirmou Sachsida.

Ele seguiu: “Ainda como parte do 1º ato como ministro, solicito também o início dos estudos tendentes à proposição das alterações legislativas necessárias à desestatização da Petrobras”.

Sachsida disse que a capitalização da Eletrobras também é uma prioridade do Ministério de Minas e Energia, que conta com o apoio do presidente Jair Bolsonaro (PL).

“É fundamental avançarmos no processo de capitalização da Eletrobras. É um sinal importante para atrair mais capitais para o Brasil e mostrar ao mundo, de maneira definitiva, que o Brasil é o porto seguro do investimento”, afirmou.

Este foi o 1º pronunciamento de Adolfo Sachsida como ministro de Minas e Energia. Ele deu a declaração para a imprensa na sede do ministério e saiu sem responder às perguntas dos jornalistas.

O novo ministro de Minas e Energia também colocou o projeto de lei que muda o regime de partilha dos leilões do pré-sal para o regime de concessões na lista de prioridades, além do projeto que trata da modernização do setor elétrico. Os projetos estão no Congresso Nacional.

Disse ter “certeza que, em parceria com o Congresso Nacional, iremos aprovar importantes projetos de lei para aprimorar marcos legais e melhorar a segurança jurídica, dando a previsibilidade necessária para que o investimento privado flua cada vez mais para o Brasil”.

Combustíveis

Sachsida evitou falar diretamente sobre os combustíveis e a política de preços a Petrobras. A disparada dos preços tem irritado o presidente Jair Bolsonaro e levou à demissão do ex-ministro Bento Albuquerque nesta 4ª feira (11.mai).

Nesta semana, a Petrobras anunciou mais um aumento do diesel. O combustível subiu 8,9% nas refinarias. O presidente havia um feito um “apelo” na semana passada para que a empresa não aumentasse os preços. O chefe do Executivo pediu que a Petrobras “não quebre o Brasil” na live em que chamou o lucro da empresa de “estupro”. A Petrobras teve um lucro líquido recorde de R$ 44,5 bilhões no 1º trimestre de 2022.

O novo ministro disse, contudo, que o governo deve avançar em medidas estruturais, porque “medidas pontuais têm pouco ou nenhum impacto e, por vezes, tem um impacto oposto ao desejado”. Falou ainda que tinha “100% de apoio e aval” de Bolsonaro para trabalhar nessa linha.

Economia

O novo ministro de Minas e Energia foi secretário de Política Econômica e atualmente atuava como chefe da Assessoria Especial de Assuntos Estratégicos do Ministério da Economia. Na posição, foi um dos grandes defensores da consolidação fiscal.

Ao falar como ministro nesta 4ª feira (11.mai), Sachsida voltou a defender pautas caras à equipe econômica, como a aprovação de novos marcos regulatórios para a atração de investimentos privados.

“Temos que insistir na economia pelo lado da oferta. Precisamos melhorar os marcos legais e trazer mais segurança jurídica para o investimento privado aportar cada vez mais no Brasil, aumentando a produtividade da nossa economia e, com isso, expandindo a oferta agregada, o emprego e a renda”, afirmou.

Ainda pediu a aprovação pelo Congresso Nacional dos seguintes projetos:

  • Mais Garantias Brasil;
  • MP 1085/2021: Modernização de Registros Públicos;
  • PL 4188/2021: Novo Marco de Garantias;
  • MP 1103/2022: Novo Marco de Securitização;
  • MP 1104/2022: Aprimoramento das Garantias Agro.

Sem citar a guerra entre Rússia e Ucrânia, ele disse que o momento é de “realinhamento mundial dos investimentos” e falou que o Brasil precisa aproveitar esse movimento para atrair novos investimentos.

Agradecimentos

No 1º discurso como ministro de Minas e Energia, Sachsida agradeceu o presidente Bolsonaro pela confiança e a ministro Paulo Guedes pelo apoio nos últimos 3 anos de trabalho.

Ele também fez um agradecimento ao ex-ministro Bento Albuquerque e a toda a equipe do Ministério de Minas e Energia. Disse que seu antecessor “prestou um serviço valioso ao Brasil, seja na questão da cessão onerosa, seja na liderança de outros processos igualmente importantes para o Brasil”.

Sachsida ainda fez agradecimentos à família e a Deus. “Peço a Deus para nos conceder a graça de ajudar o Brasil nesse momento tão delicado”, disse.

Poder 360


Quem é Adolfo Sachsida, nomeado para o Ministério de Minas e Energia no lugar de Bento Albuquerque

O presidente Jair Bolsonaro nomeou Adolfo Sachsida como Ministro de Minas e Energia no lugar de Bento Albuquerque, que foi exonerado a pedido. As decisões foram publicadas no “Diário Oficial da União” desta quarta-feira (11).

Sachsida estava na equipe de Paulo Guedes no Ministério da Economia, como assessor especial desde fevereiro de 2022. Antes, Sachsida era o secretário de Política Econômica da Pasta desde o início do governo.

De acordo com o blog da Ana Flor, Sachsida é um dos mais ferrenhos bolsonaristas da Esplanada dos Ministérios. Estava na equipe que desenvolvia um plano econômico para um governo do então candidato Jair Bolsonaro antes mesmo de o ministro da Economia, Paulo Guedes, entrar para o time, em 2018.

Doutor em Economia e advogado, ele é autor de livros e artigos técnicos sobre políticas econômica, monetária e fiscal, avaliação de políticas públicas, e tributação. Foi professor em diversas universidades brasileiras, entre as quais a Universidade Católica de Brasília, onde foi diretor da graduação e do mestrado em economia. Também foi professor de economia da Universidade do Texas, nos Estados Unidos.

No Twitter, Sachsida postou mensagem de agradecimento a Bolsonaro, a Paulo Guedes, ministro da Economia, e a Albuquerque.

“Agradeço ao Presidente Jair Bolsonaro pela confiança, ao ministro Guedes pela apoio e ao ministro Bento pelo trabalho em prol do país. Com muito trabalho e dedicação espero estar a altura desse que é o maior desafio profissional de minha carreira. Com a graça de Deus vamos ajudar o Brasil.”

Bento Albuquerque foi exonerado, a pedido, do Ministério de Minas e Energia. Foi nomeado como titular da pasta Adolfo Sachsid. — Foto: Reprodução / Diário Oficial da União

Vale-gás e combustíveis

Questionado por jornalistas sobre a expansão do vale-gás em 4 de março, Sachsida disse que algumas medidas podem ter boas intenções, mas gerar resultado negativo.

“Algumas vezes as medidas têm boas intenções, mas terminam com resultado negativo. Temos de tomar muito cuidado para que as medidas tomadas não agravarem a situação. Por isso a economia se posiciona contra determinadas medidas, pois apesar da intenção ser boa, o resultado pode ser ruim. Temos de trabalhar para que o resultado também seja bom”, disse ele.

Na mesma ocasião, ele foi perguntado sobre a mudança na política de preço da Petrobras, que estabelece a paridade com a cotação do petróleo no mercado internacional, e a criação de um fundo estabilizador.

“Se eu criar medidas que gerem receio sobre a consolidação fiscal, risco país sobe, real se desvaloriza, combustíveis sobem. Começa com uma medida para reduzir o preço do combustível, mas é equivocada. Vai ter o resultado contrário. Entendo a demanda do Congresso e da sociedade, mas cabe a nós mostrar que elas não vão ter o resultado esperado.”

Mudança no ministério

A mudança no Ministério de Minas e Energia ocorre após recentes críticas do presidente à política de preços da Petrobras, estatal ligada à pasta.

No último dia 5 (quinta-feira), Bolsonaro citou o Bento Albuquerque e o presidente da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho, ao reclamar de reajuste no preço do Diesel para as refinarias.

“Vocês não podem, ministro Bento Albuquerque e senhor José Mauro, da Petrobras, não podem aumentar o preço do diesel. Não estou apelando, estou fazendo uma constatação levando-se em conta o lucro abusivo que vocês têm. Vocês não podem quebrar o Brasil. É um apelo agora: Petrobras, não quebre o Brasil, não aumente o preço do petróleo. Eu não posso intervir. Vocês têm lucro, têm gordura e têm o papel social da Petrobras definido na Constituição”, disse.

O presidente fez apelos para que a Petrobras não voltasse a aumentar o preço dos combustíveis no Brasil. Aos gritos, durante uma transmissão ao vivo por redes sociais, afirmou que os lucros registrados recentemente pela empresa são “um estupro”, beneficiam estrangeiros e quem paga a conta é a população brasileira.

Bolsonaro fez as críticas pouco antes da divulgação pela Petrobras do resultado do primeiro trimestre, quando a empresa teve lucro de R$ 44,561 bilhões. Esse valor é 3.718% maior que o registrado no mesmo período do ano passado. Em todo o ano de 2021, a empresa, que tem a União como maior acionista, registrou lucro líquido recorde de R$ 106,6 bilhões.

“O lucro de vocês é um estupro, é um absurdo. Vocês não podem aumentar mais os preços dos combustíveis”, airmou Bolsonaro na ocasião.

Cinco dias depois, a estatal reajustou em 8,87% o Diesel para as distribuidoras. O valor médio do litro vendido pela petroleira subiu de R$ 4,51 para R$ 4,91.

O Globo


Nota relacionada: Brasil | Bolsonaro destituyó al ministro de Minas y Energía por el aumento de combustibles

Más notas sobre el tema