Lula se reunió con el presidente de Portugal luego de que Bolsonaro cancelara agenda con el mandatario

667

Brasil: el presidente de Portugal se reunió con Lula pese al desplante de Bolsonaro

El presidente portugués, Marcelo Rebelo de Sousa, se reunió este domingo en San Pablo con el exmandatario brasileño Luiz Inácio Lula da Silva ignorando el enojo que el solo aviso de ese encuentro le causó al gobernante Jair Bolsonaro. La entrevista con Lula, favorito para ganar las elecciones de octubre próximo en Brasil frente a Bolsonaro, llevó al líder de ultraderecha a cancelar una audiencia oficial que iba a tener este lunes con Rebelo de Sousa en Brasilia, una reacción poco habitual entre jefes de Estado.

Aún así, el líder portugués mantuvo su agenda y recibió a Lula en la sede del Consulado portugués en San Pablo, adonde el expresidente brasileño acudió junto con su excanciller Celso Amorim, uno de los responsables de la redacción del capítulo de relaciones exteriores del programa de gobierno que presentará al electorado. La conversación duró cerca de una hora y media y hablaron sobre la situación política en América latina, Europa y la guerra en Ucrania, según informó el equipo de prensa del expresidente Lula.

Luego del encuentro con Lula, Rebelo de Sousa tenía previsto hacer otra visita a la Bienal del Libro paulista, en cuya inauguración participó la noche del sábado y que este año está dedicada a Portugal, con motivo del bicentenario de la independencia de Brasil de ese país, que se celebrará el próximo siete de septiembre. Luego tenía programada una cita con el también expresidente brasileño Michel Temer y además participará en una recepción ofrecida en el Consulado de Portugal a miembros de la colectividad lusa que reside en San Pablo.

“Nadie muere” por una cancelación

El mandatario portugués llegó a Brasil el sábado e hizo una primera escala en Río de Janeiro, donde participó en una ceremonia conmemorativa del centenario de la primera travesía aérea sobre el Atlántico, realizada en 1922 por dos pilotos lusos. Rebelo de Sousa también aprovechó para zambullirse en las aguas de la playa de Copabacana, por donde dio un paseo antes de iniciar su agenda oficial.

Allí conversó con algunos periodistas y le restó importancia a la decisión de Bolsonaro de cancelar la reunión prevista para el lunes y garantizó que ese hecho no afecta la relación entre ambos países, porque esta trasciende a los propios gobiernos y en realidad pertenece “a los pueblos”.

Según el mandatario portugués, “nadie muere” por una reunión cancelada y cualquiera puede “mantener o retirar una invitación”. Lo cierto es que no es habitual que se cancele un evento entre jefes de Estado durante una visita oficial a un país. Según pautas de protocolo oficial, esto solo ocurre en casos de salud o fuerza mayor pero nunca por motivos políticos, como es el caso de la negativa de Bolsonaro.

El presidente brasileño dijo el viernes que canceló la agenda que tenía previsto compartir con su par portugués luego de conocer que este se reuniría antes con Lula. “Resolví cancelar el almuerzo que tendría conmigo, así como toda la programación”, afirmó a CNN Bolsonaro, quien aspirará a renovar su mandato en las elecciones de octubre ante Lula, su principal adversario político y líder en los sondeos. Preguntado sobre cuál sería el motivo de su decisión, Bolsonaro alegó que Rebelo de Sousa “tendría una reunión con Lula”.

A pesar de que Portugal mantiene importantes lazos económicos, sociales y culturales con Brasil, las relaciones entre los líderes de los dos países se mantuvieron distantes durante la administración de Bolsonaro. El mandatario brasileño, por ejemplo, no ha visitado Portugal durante su mandato hasta el momento, a diferencia de todos los líderes desde la redemocratización, con la excepción de Itamar Franco.

Página 12


Lula se encontra com o presidente de Portugal

O pré-candidato à presidência Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se encontrou com o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, na manhã de ontem, em São Paulo. A reunião ocorreu após o presidente Jair Bolsonaro (PL) desmarcar agenda com o português. O político europeu desembarcou no Brasil no sábado. Ele viajou para o Brasil em comemoração ao centenário do primeiro voo pelo Atlântico feito por Sacadura Cabral e Gago Coutinho.

O líder português aproveitou sua passagem por São Paulo, onde participa da Bienal do Livro, para conversar com o petista. Lula compartilhou nas redes sociais fotos do encontro, que ocorreu na residência oficial do cônsul-geral do país europeu, em São Paulo. Bolsonaro se irritou quando soube que Marcelo Rebelo de Souza iria se encontrar com seu principal adversário na disputa presidencial este ano e cancelou a agenda. “Não se morre porque um almoço foi cancelado. Não há drama nisso”, disse o presidente de Portugal, ao tomar conhecimento da decisão do chefe do Executivo brasileiro.

Segundo ele, partiu de Bolsonaro o convite para que eles almoçassem. Rebelo de Castro já tinha agenda no Brasil e decidiu estender por mais um dia para o compromisso com o presidente brasileiro. O deslocamento dele para Brasília, inclusive , exigiria uma logística interna. Um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) teria que deslocá-lo da capital do país para que ele pudesse embarcar em outra cidade, provavelmente Recife, de volta para Portugal.

“Quem convida para almoçar é que decide se quer almoçar ou não”, afirmou Rebelo de Souza também. Ele disse entender o contexto político brasileiro, mas lembrou que, no ano passado, esteve no Brasil e conversou com ex-presidentes brasileiros e, ainda assim, Bolsonaro o chamou para um almoço. “Portanto, há um paralelo na situação”, frisou.

Além de Lula, o líder português se encontrará com os ex-presidentes Michel Temer e Fernando Henrique Cardoso. Para o presidente português, “é evidente que, se o presidente da República do Brasil entende que não pode, não quer, não é oportuno, não entra na sua programação neste momento manter o convite, que, aliás, me mandou por escrito, que o faça. Quem convida tem a palavra de manter ou não o convite”, declarou também.

UCRÂNIA

Rebelo de Sousa lembrou que há questões políticas importantes, nas quais Portugal e Brasil discordam. “Na questão da Ucrânia, Brasil e Portugal tiveram posições diferentes. Portugal é aliado da Ucrânia, o Brasil, não. Essa é uma situação pesada. O almoço, não”, enfatizou o líder português. No seu entender, porém, nada atrapalha as relações entre os dois países, pois não se trata de pessoas, mas de relações entre povos. Há, segundo ele, mais de 200 mil brasileiros vivendo hoje em Portugal e mais de 1 milhão de portugueses no Brasil. “Temos, portanto, saber o que é fundamental ou não”, disse.

Estado de Minas


Lula se junta à multidão durante caminhada em Salvador com Bolsonaro na cidade

Por Ivan Longo

O ex-presidente Lula (PT) participou, na manhã deste sábado (2), de uma caminhada pelas ruas de Salvador (BA). O cortejo se deu em comemoração ao dia da Independência da Bahia, celebrado todo dia 2 de julho, em alusão à expulsão das tropas portuguesas e declaração de independência do estado, em 1823.

O petista chegou à capital baiana na sexta-feira (1) e sua presença na caminhada pública não era esperada. Em sua agenda, constava apenas um ato político na Arena Fonte Nova. Lula, no entanto, apareceu no cortejo de surpresa e se juntou a uma multidão. Ele estava acompanhado de seu candidato a vice-presidente, Geraldo Alckmin (PSB), do candidato do PT ao governo da Bahia, Jerônimo Rodrigues, do governador Rui Costa (PT) e do senador Otto Alencar (PSD), entre outros.

A atividade se deu paralelamente à presença de Jair Bolsonaro (PL) na cidade, que reuniu, no mesmo horário, apoiadores de moto na Orla Atlântica de Salvador.

“Estivemos em uma caminhada em Salvador com milhares de pessoas e não houve um incidente sequer, numa demonstração de que o povo brasileiro não só é democrático como gosta de manifestações democráticas”, escreveu Lula em suas redes sociais.

Ciro e Simone Tebet

Ciro Gomes (PDT) e Simone Tebet (MDB), que assim como Lula e Bolsonaro são candidatos à presidência, também participaram de caminhadas pelas ruas de Salvador em alusão à Independência da Bahia. Os dois políticos, inclusive, se encontraram em meio às festividades.

“Eu e Simone Tebet  nos encontramos há pouco, nas ruas, envolvidos pelo calor do povo baiano. Democracia é isso: convivência harmônica e respeitosa”, escreveu o pedetista em suas redes sociais ao divulgar uma foto do encontro.

Brasil de Fato

Más notas sobre el tema