Arranca la campaña electoral en Brasil con 12 candidatos y Lula como gran favorito

1.020

Suena disparo de arrancada de campaña electoral en Brasil

Por Osvaldo Cardosa Samón

El disparo oficial de comienzo de la campaña electoral hacia las elecciones de octubre sonará hoy en Brasil con el expresidente Luiz Inácio Lula da Silva y el mandatario Jair Bolsonaro como candidatos favoritos.

La Justicia Electoral abrirá el período de cruzada proselitista en el que 12 aspirantes al poder (incluidos Lula y Bolsonaro) registrados y partidos se moverán para conseguir el voto de 156 millones 454 mil 11 electores.

Después de la etapa de precampaña, a partir de ahora están permitidos los anuncios electivos, incluso en Internet. A los candidatos y a las partes se les autoriza hasta el 1 de octubre utilizar altavoces o amplificadores de sonido.

También hasta el 29 de septiembre están aprobados los mítines.

Desde este martes, los candidatos pueden además distribuir material gráfico, hacer caminatas, carreras o marchas, acompañadas o no por vehículos de sonido. Asimismo, están consentidas las divulgaciones de anuncios en la prensa escrita y en los portales digitales.

El 2 de octubre se realizará la primera vuelta de las votaciones. Si ningún candidato a presidente o gobernador logra el 50 por ciento más uno de los votos, habrá una segunda ronda, el día 30 de ese mismo mes.

De acuerdo con el Tribunal Superior Electoral, el plazo para el registro de las solicitudes, planes de gobierno y declaraciones de patrimonio terminó la víspera.

Lula, candidato presidencial del Partido de los Trabajadores, lidera las encuestas de opinión hacia el sufragio, seguido de Bolsonaro, quien ambiciona reelegirse.

Forma parte de la fórmula del extornero mecánico como vice el exgobernador de Sao Paulo Geraldo Alckmin y cuentan con el apoyo del movimiento Vamos Juntos Por Brasil.

La inédita alianza reúne a siete partidos políticos y siete centrales sindicales, así como a movimientos sociales.

Para el PT, este nuevo frente ve en «Lula la esperanza de volver a poner a Brasil en la senda de la justicia social, el crecimiento económico, la soberanía nacional y la democracia real».

Además de los partidos Comunista de Brasil y Verde, con los que el PT formó una federación de organizaciones políticas, el exdirigente obrero tiene el respaldo de formaciones como Red de Sustentabilidad, Solidaridad y el Partido Socialista Brasileño.

Con visión de futuro y el desafío de «escuchar al pueblo», la dupla Lula-Alckmin presentó las directrices del programa de su futuro gobierno.

ALARMA

Bajo un tenso escenario, el evento estreno de la campaña de Lula, previsto para este martes en una fábrica en Sao Paulo, fue cancelado por recomendación de la Policía Federal (PF).

Los responsables de la protección del abanderado del PT alegaron a los organizadores del acto razones de seguridad a la hora de la visita a la metalúrgica MWM Motores y Generadores, en el barrio paulista de Jurubatuba, a las 07:00, hora local.

En razón de la cancelación, el evento de estreno pasó a ser un acto en la fábrica de Volkswagen en Sao Bernardo do Campo, en horario vespertino.

La designación de ese distrito no es por casualidad. En 1968, Lula se afilió al Sindicato de Metalúrgicos del lugar y comenzó su trayectoria política.

Además de iniciar la campaña en Sao Bernardo do Campo, el exjefe del Ejecutivo también participará en la toma de posesión del ministro Alexandre de Moraes como presidente del Tribunal Superior Electoral.

El equipo de la PF, que se ocupa de su seguridad, envió un oficio a las superintendencias regionales de la corporación con una lista de adversidades que enfrentarán para resguardar a Lula en el próximo sufragio.

Aparece entre los problemas a ser enfrentados a lo largo de la campaña electiva, el «acceso a armas de letalidad ampliada resultante de los cambios legales realizados en 2019».

PROVOCADOR ADVERSARIO

En medio de denuncias por ataques a las urnas electrónicas y el sistema electoral, Bolsonaro decidió comenzar su campaña a la reelección en el mismo lugar en el que hace cuatro años, cuando se presentaba a las elecciones de 2018, fue apuñalado en la localidad de Juiz de Fora, estado de Minas Gerais (sudeste).

Fuentes cercanas a su comando de acciones señalaron que el exmilitar cuando llegue al sitio encabezará una marcha de motociclistas.

Dos días después será el turno de Lula para desembarcar en Belo Horizonte, capital de la división territorial.

El diario O Tempo asegura que la elección de Minas Gerais para los presidenciales no fue por contingencia: es el segundo mayor colegio electoral del país, con 16 millones de votantes, quedando atrás solo de Sao Paulo.

Desde 1989, luego de la redemocratización y la reanudación de las elecciones directas, todos los presidentes electos en el gigante suramericano salieron también victoriosos en el estado.

El gobernante de tendencia ultraderechista, quien tiene como vice en su fórmula al general Walter Braga Netto, exministro de Defensa, comunicó el viernes que el suceso de este martes en Minas Gerais sería un «acto cívico en aras» de Brasil.

Sin posibilidades se presentará en la consulta una llamada tercera vía con el exgobernador de Ceará Ciro Gomes a la cabeza. Por lo anterior se califica de polarizada la votación.

Comentaristas políticos consideran que la pugna Lula-Bolsonaro podría ser la batalla inconclusa de las justas comiciales de 2018, tras la condena sin pruebas emitida por el exjuez Sérgio Moro contra el líder petista para apartarlo de la carrera por el Palacio del Planalto (sede del Poder Ejecutivo).

Prensa Latina


Saiba quem são os candidatos à Presidência nas eleições 2022

O Brasil terá 12 candidatos à Presidência da República nas eleições deste ano. Com o fim do prazo para registro das candidaturas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), já estão definidos os nomes dos postulantes a ocupar o Palácio do Planalto pelos próximos quatro anos.

Vale lembrar que o TSE ainda julgará todos os registros de candidatura. Isso deverá ocorrer até o dia 12 de setembro. No entanto, os candidatos estão em campanha oficialmente a partir de hoje (16). São eles:

Ciro Gomes (PDT)

O candidato à Presidência da República, Ciro Gomes, do PDT, discursa durante o evento, Diálogos Eleitor, realizado pela União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços (Unecs).
Candidato à Presidência da República Ciro Gomes – José Cruz/Agência Brasil

Natural de Pindamonhangaba (SP), Ciro Gomes construiu sua carreira política no Ceará, onde foi prefeito de Fortaleza, eleito em 1988, e governador do estado, eleito em 1990.

Renunciou ao cargo de governador, em 1994, para assumir o Ministério da Fazenda, no governo Itamar Franco (1992-1994) por indicação do PSDB, seu partido na época.

Ciro foi ministro da Integração Nacional de 2003 a 2006, no governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Deixou a Esplanada dos Ministérios para concorrer a deputado federal e foi eleito. Também exerceu dois mandatos de deputado estadual no Ceará. Tem 64 anos e quatro filhos.

A candidata a vice-presidente na chapa é Ana Paula Matos (PDT), vice-prefeita de Salvador, eleita em 2020 na chapa encabeçada por Bruno Reis (União Brasil).

A soteropolitana tem 44 anos e atuação forte na área social e de combate à pobreza. Negra, tem lutado contra o racismo e defendido políticas afirmativas. Se eleita, será a primeira mulher negra a ocupar o cargo no Brasil.

Advogada, professora, pós-graduada em finanças e com mestrado em administração, Ana Paula é servidora concursada da Petrobras.

Constituinte Eymael (DC)

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) entrevista o candidato à Presidência da República pelo DC, José Maria Eymael. Ele é o oitavo a participar da série de entrevistas da EBC com presidenciáveis.
José Maria Eymael é o cabeça de chapa, tendo Professor Bravo como vice – Marcello Casal jr/Agência Brasil

Nascido em Porto Alegre, José Maria Eymael cursou filosofia e direito na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). É advogado com especialização em direito tributário e atua como empresário há 50 anos nas áreas de marketing, comunicação e informática. Nas urnas, será identificado como Constituinte Eymael.

Como líder universitário, Eymael presidiu o Centro Acadêmico São Tomás de Aquino da Faculdade de Filosofia da PUC-RS e a Federação dos Estudantes de Universidades Particulares do Rio Grande do Sul. Nessas funções, coordenou campanhas nacionais e regionais como a do barateamento do livro didático.

Em 1962, ingressou no Partido Democrata Cristão (PDC) em Porto Alegre, passando a atuar na Juventude Democrata Cristã. Eymael foi deputado constituinte. Aos 83 anos, é a sexta vez que se candidata à Presidência da República.

O vice na chapa é o economista João Barbosa Bravo, de 75 anos, natural de São Gonçalo (RJ), registrado como Professor Bravo.

Felipe D’Avila (Novo)

Felipe d'Avila
Candidato à Presidência do Novo, Felipe D’Avila – Reprodução twitter Felipe d’Avila

Felipe D’Avila, nascido em São Paulo, é cientista político, mestre em administração pública pela Universidade de Harvard e coordenador do movimento Unidos Pelo Brasil.

Fundou em 2008 o Centro de Liderança Pública, uma organização sem fins lucrativos dedicada à formação de líderes políticos.

É escritor e tem dez títulos publicados. Essa é a primeira vez em que ele se candidata ao cargo de presidente da República.

O candidato a vice-presidente na chapa é o deputado federal Tiago Mitraud (Novo-MG). Nascido em Brasília, participou intensamente do Movimento Empresa Júnior, chegando à Presidência da Brasil Júnior, a Confederação Brasileira de Empresas Juniores.

Após formado, ingressou na Fundação Estudar, organização referência no desenvolvimento de lideranças e concessão de bolsas de estudo no Brasil.

Nos últimos três anos, atuou como diretor executivo (CEO) da Fundação Estudar, liderando um time de mais de 50 pessoas responsável pelo grande crescimento da organização no período.

Jair Bolsonaro (PL)

O presidente Jair Bolsonaro participa do Culto de Santa Ceia da Frente Parlamentar Evangélica, no Auditório Nereu Ramos da Câmara dos Deputados.
Candidato à reeleição pelo Novo, Jair Bolsonaro – Marcelo Camargo/Agência Brasil

Jair Messias Bolsonaro é militar reformado, chegando a capitão do Exército. É o 38º presidente do Brasil, cargo que assumiu em 1º de janeiro de 2019.

Foi deputado federal pelo Rio de Janeiro entre 1991 e 2018. Nasceu em 1955, no município de Glicério, no interior do estado de São Paulo, mas morou em várias cidades paulistas.

Formou-se na Academia Militar das Agulhas Negras em 1977. Posteriormente, serviu nos grupos de artilharia de campanha e paraquedismo do Exército. É pai de cinco filhos.

O candidato a vice-presidente na chapa é o militar da reserva Walter Souza Braga Netto. Ele nasceu em Belo Horizonte em 1957 e alcançou o posto de general no Exército.

De fevereiro de 2018 a janeiro de 2019, chefiou a intervenção federal no Rio de Janeiro. Foi comandante Militar do Leste até fevereiro de 2019, quando assumiu a chefia do Estado-Maior do Exército.

Em fevereiro de 2020, assumiu o cargo de ministro-chefe da Casa Civil. Em março de 2021, foi nomeado ministro da Defesa.

Léo Péricles (Unidade Popular–UP)

Leonardo Péricles e Samara Martins.
Os candidatos Leonardo Péricles e Samara Martins. – Divulgação/ Unidade Popular

Leonardo Péricles é o único homem negro na disputa presidencial. Natural de Belo Horizonte, ele é técnico em eletrônica e mecânico de manutenção de máquinas.

O presidenciável começou a se aproximar da política em movimentos estudantis no início dos anos 2000. Anos depois, passou a integrar o Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB).

Em 2008, disputou uma vaga na Câmara Municipal de Belo Horizonte, mas não se elegeu. Já pelo Unidade Popular, nas últimas eleições municipais, em 2020, concorreu como candidato a vice-prefeito de Belo Horizonte (MG), na chapa de Áurea Carolina (PSOL), ficando em quarto lugar, com 103.115 votos.

A candidata a vice-presidente na chapa é a dentista Samara Martins, de 34 anos, também natural de Belo Horizonte.

Dentista no Sistema Único de Saúde (SUS), Samara mora na periferia de Natal, e é vice-presidente nacional da Unidade Popular pelo Socialismo e também milita no MLB e no Movimento de Mulheres Olga Benario.

Começou sua militância no movimento secundarista e foi diretora de mulheres da União Nacional dos Estudantes (UNE). Nas eleições de 2020, foi candidata à vereadora em Natal.

Lula (PT)

Rio de Janeiro - Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa do lançamento da campanha Se é público é para todos, organizada pelo Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas  (Fernando Frazão/Agência Brasil)
Candidato Luiz Inácio Lula da Silva – Fernando Frazão/Agência Brasil

Luiz Inácio Lula da Silva, de 76 anos, nasceu em Garanhuns (PE) e iniciou sua trajetória política como sindicalista em 1966. Foi presidente da República por dois mandatos a partir de 2003, depois de ser eleito em 2002, em disputa no segundo turno das eleições com José Serra (PSDB).

Em 2006, Lula venceu Geraldo Alckmin (à época, do PSDB), atual candidato à Vice-Presidência, sendo reeleito ao cargo. A primeira vez que disputou a Presidência foi em 1989, sendo derrotado por Fernando Collor de Melo. Antes de ser eleito, tentou mais duas vezes, em 1994 e 1998, quando perdeu para Fernando Henrique Cardoso em ambas.

Em 2017, foi condenado a nove anos e seis meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. Em 2018, teve a prisão decretada pelo então juiz Sergio Moro. Em 2021, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin anulou as condenações, por entender que a 13ª Vara Federal em Curitiba não tinha competência legal para julgar as acusações, tornando Lula elegível, decisão confirmada em plenário pelo Supremo no mesmo ano, o plenário.

O candidato a vice-presidente na chapa é o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB). Nascido em Pindamonhangaba (SP), tem 68 anos, é médico e professor.

Um dos fundadores do PSDB, Alckmin foi governador de São Paulo em duas ocasiões: de 2001 a 2006 e de 2011 a 2018, comandando o governo paulista por mais tempo desde a redemocratização do Brasil.

Atualmente é professor universitário no curso de medicina da Universidade Nove de Julho e membro da Academia de Medicina de São Paulo.

Pablo Marçal (Pros)

O Partido Republicano da Ordem Social (Pros) realiza convenção naciona para oficializar o nome de Pablo Marçal como candidato do partido a presidente da República nas Eleições 2022.
Convenção nacional oficializou Pablo Marçal como candidato a presidente – Marcelo Camargo/Agência Brasil

Esta é a primeira vez que Marçal disputa a um cargo público. Bacharel em direito e empresário, o goiano de 35 anos é casado e tem quatro filhos.

Ele é conhecido como autor de livros de autogestão e por palestras e vídeos motivacionais.

Em sua página na internet, também se apresenta como empreendedor imobiliário e digital, estrategista de negócios e especialista em gestão de marcas (branding).

A candidata a vice na chapa é Fátima Pérola Neggra, de 54 anos. Ela é policial militar de São Paulo, escritora e poetisa, nascida em Iporã (PR).

Pérola Neggra tem cinco filhos e dois netos.

Roberto Jefferson (PTB)

Roberto Jefferson fala à imprensa no Palácio do Planalto
Roberto Jefferson, presidenciável pelo PTB – Arquivo/Valter Campanato/Agência Brasil

Advogado nascido em Petrópolis (RJ), Roberto Jefferson tem 69 anos e circula há décadas na política nacional. Antes de fazer carreira na política, chegou a participar de programas de televisão na década de 1980. Participou dos programas Aqui e Agora, em uma espécie de júri simulado, na TV Tupi; e do programa Domingo à Noite, na TVS, atualmente SBT. Também foi apresentador do programa O Povo na TV, também na TVS.

Seu primeiro mandato como deputado federal foi em 1983 e depois disso emendou seis mandatos consecutivos. Teve seu mandato cassado após confessar participação no esquema do mensalão. Ficou conhecido nacionalmente por denunciar o esquema de compra de votos, escândalo do qual também participou. Foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Em agosto de 2021, Jefferson teve prisão preventiva decretada pelo ministro Alexandre de Moraes por ataques às instituições em redes sociais. Suas contas em redes sociais também foram bloqueadas. Em janeiro deste ano, por questões de saúde, Jefferson passou a cumprir prisão domiciliar.

A chapa terá Padre Kelmon, do mesmo partido, como candidato a vice-presidente. Ele lidera atualmente o Movimento Cristão Conservador do PTB (MCC) e o Movimento Cristão Conservador Latino Americano (Meccla).

Nascido em 1976, teve uma vida sempre dedicada à igreja. Liderou grupo de jovens e ajudou na pastoral da criança. Em 2003 decidiu seguir sua caminhada como ortodoxo.

Atuou sempre na defesa da vida e da família, em ações como nas eleições presidenciais de 2010, difundindo juntamente com Dom Luís Gonzaga Bergonzine uma ação contra o aborto.

Simone Tebet (MDB)

Mara Gabrilli
Lançamento da candidatura de Simone Tebet e da vice, Mara Gabrilli – Twitter Oficial do PSDB

Simone Tebet tem 52 anos. Nascida em Três Lagoas (MS), é formada em direito e começou a carreira política em 2003 como deputada estadual. De 2005 a 2010, foi prefeita de sua cidade natal por dois mandatos.

Deixou o cargo para ser vice-governadora de Mato Grosso do Sul. Ela é filha do ex-presidente do Senado Ramez Tebet, falecido em 2006. De 2013 a 2014, foi secretária de Governo até que, em 2015, foi empossada como senadora.

Tebet ganhou projeção nacional especialmente depois da forte atuação na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia do Senado, no ano passado.

A candidata a vice-presidente na chapa é a também senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP). Senadora pelo PSDB de São Paulo, Mara tem 53 anos, é publicitária e psicóloga.

Foi vereadora da capital paulista de 2007 a 2010, após ter sido secretária municipal da Pessoa com Deficiência, de 2005 a 2007. Foi deputada federal de 2011 a 2015, sendo eleita novamente em 2015 para mandato até 2019.

Em 1994, Mara Gabrilli sofreu um acidente de carro que a deixou tetraplégica. Foram cinco meses meses de internação.

Sofia Manzano (PCB)

Convenção do PCB oficializa candidatura de Sofia Manzano a presidente da República.
Convenção do PCB oficializa candidatura de Sofia Manzano – Reprodução/Youtube/PCB/Direitos reservados

A candidata à Presidência do Partido Comunista Brasileiro (PCB) é a professora e economista Sofia Manzano, nascida em 1971 na cidade de São Paulo. Graduada em ciências econômicas pela PUC de São Paulo, é mestra em desenvolvimento econômico pelo Instituto de Economia da Unicamp e doutora em história econômica pela Universidade de São Paulo (USP).

Assumiu o cargo de professora do curso de economia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia em 2013, motivo pelo qual mudou-se para Vitória da Conquista. Desenvolve pesquisas sobre mercado de trabalho e desigualdade social no capitalismo.

A militância no PCB teve início durante a campanha presidencial de 1989. Sofia Integrou alguns sindicatos de professores, chegando a ser eleita vice-presidente da Associação de Docentes da Universidade de São Paulo entre 2015 e 2016.

A chapa tem como candidato a vice-presidente o sindicalista Antônio Alves, de 43 anos, jornalista, natural do Recife, filiado ao PCB há 20 anos.

Fez parte de movimentos políticos culturais que buscavam articular e debater os problemas da comunidade. Militou no Núcleo Malcolm X (célula do Movimento Negro Unificado em Paulista), colaborou com o processo de organização do 20 de novembro em 1997, 1998, 1999.

Organizou a Posse Resistência Hip Hop – Paulista Zona Norte – grupo de jovens periféricos que trabalhavam diversos temas de luta, recuperação da autoestima e valorização cultural. Em 1999 teve seu primeiro contato com o PCB e iniciou sua militância na União da Juventude Comunista (UJC).

Soraya Thronicke (União Brasil)

Soraya Thronicke
A candidata do União Brasil, Soraya Thronicke – Roque de Sá/Agência Senado

Soraya Thronicke tem 49 anos e é advogada, natural de Dourados (MS). Estreante como candidata, foi eleita senadora pelo seu estado em 2018 pelo então Partido Social Liberal (PSL) – hoje União Brasil.

Foi vice-líder do governo no Congresso Nacional e, atualmente, é coordenadora política da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) no Senado Federal, além de membro de oito comissões da Casa.

Também preside o União Brasil Mulher Nacional e o diretório do União Brasil em Mato Grosso do Sul.

O candidato à Vice-Presidência é Marcos Cintra, de 76 anos. Formado em economia, Cintra tem especialização em planejamento econômico pela Universidade de Campinas.

Foi eleito deputado federal em 1998, cargo que ocupou até 2003. Na Câmara dos Deputados, foi membro das comissões de Finanças e Tributação e de Reforma Tributária e presidente da Comissão de Economia, Indústria e Comércio.

Em 2019, ocupou o cargo de secretário especial da Receita Federal.

Vera (PSTU)

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) entrevista a candidata à Presidência da República pelo PSTU, Vera Lúcia. Ela é a sétima a participar da série de entrevistas da EBC com presidenciáveis.
A candidata à Presidência pelo PSTU, Vera Lúcia – Marcello Casal jr/Agência Brasil

Vera Lúcia tem 54 anos e é natural de Inajá (PE). Operária sapateira, é formada em ciências sociais pela Universidade Federal de Sergipe.

Iniciou sua militância quando trabalhava em uma fábrica de calçados, aos 19 anos. Está no PSTU desde a sua fundação, em 1994. Já foi candidata ao governo de Sergipe, à prefeitura de Aracaju e à Câmara dos Deputados.

Em 2018, foi candidata à Presidência da República e teve como vice o professor Hertz Dias, do Maranhão. Em 2020, Vera foi a primeira mulher negra a disputar a prefeitura de São Paulo, cidade onde mora atualmente.

A candidata à Vice-Presidência é a indígena da etnia Tremembé, Kunã Yporã (Raquel Tremembé). Kunã tem 39 anos e é pedagoga.

Ela integra a Associação de Mulheres Indígenas Guerreiras da Ancestralidade (Anmiga) e é membro da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas.

Kunã Yporã é parte atuante das mobilizações dos povos indígenas na oposição ao governo atual.

EBC


Lula na USP: É nossa responsabilidade dizer que país a gente quer

Em ato realizado na Universidade de São Paulo (USP) na noite desta segunda-feira (15), o ex-presidente e candidato do PT à Presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva lembrou de suas realizações na área do ensino e também ressaltou a importância das eleições de 2022. Junto com o ex-ministro da Educação e ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad e outras personalidades, ele afirmou que o país terá que definir qual modelo será adotado a partir de 2023.

“É nossa responsabilidade dizer que país a gente quer”, disse Lula. “Nós não temos o direito de ficar quietos com a destruição que está em marcha nesse país. Temos que gritar, protestar, e no dia 2 de outubro temos que votar. E o voto significa: tirar quem está aí”, pontuou na aula pública realizada na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH).

Lula destacou também alguns dos principais problemas que o país enfrenta, chamando a atenção para a situação do mercado de trabalho. “Os empregos estão ficando desqualificados, a massa salarial está caindo”, afirmou. “Tudo piorou, mesmo para quem está trabalhando.”

Inclusão na universidade

Na sua fala, Lula também ressaltou a necessidade de investimentos na educação. “Lembro que quando ia falar que precisávamos fazer universidades, sempre vinha um ministro da Fazendo dizendo: ‘presidente, não tem dinheiro, a gente não pode gastar’. Eu falava: se a gente não pode gastar, pare de falar em gasto em universidade, por que universidade significa investimento no futuro desse país.”

O ex-presidente falou ainda a respeito da necessidade de incluir ainda mais pessoas no ensino superior brasileiro, destacando que em suas gestões à frente do governo federal houve iniciativas nesse sentido. “A gente percebe que mudou a cor das universidades e precisa mudar mais, por que é esse o país real. E é o país que precisamos construir, com mais diversidade.”

Em seu discurso, Lula também provocou o atual presidente ao convidá-lo para debater na USP. “Eu quero vir aqui sempre. E nem precisa ser coisa de um só partido, pode ter dois ou vários. Bolsonaro poderia vir aqui fazer um debate das eleições. Ele não vai vir por que não gosta de estudante, por que o ministro da Educação dele disse que a universidade não pode ser para todos, mas só para uma pequena parte.”

Brasil de Fato


Lanzan la campaña presidencial de Lula da Silva en Argentina

El Comité Argentina Lula Presidente lanzará este martes su agenda de trabajo en redes y calles para respaldar la candidatura del exmandatario brasileño y líder del Partido de los Trabajadores (PT), Luis Inácio Lula da Silva.

La agenda de la campaña de Lula da Silva en Argentina, el país con mayor número de votantes brasileños de América Latina, será anunciada en una conferencia de prensa convocada para la mañana de este martes en la sede del Sindicato de Prensa de Buenos Aires (SIPREBA), Solis 1158.

El Comité Lula Presidente en Argentina -pionero de los puntos de campaña del PT en el exterior- reúne a organizaciones sociales, partidos políticos, sindicatos, movimientos y personas independientes con el objetivo de construir y colaborar para la victoria de Lula y “para que Brasil derrote al fascismo en las elecciones de octubre de 2022”, dijeron los organizadores en un comunicado.

Las elecciones presidenciales de Brasil están convocadas para el domingo 2 de octubre y la segunda vuelta, en el caso de que ninguno contendiente supere el 50% de los votos en la primera votación, será el 30 de noviembre. Los sondeos de intención de voto otorgan una marcada ventaja de Lula da Silva por sobre el actual presidente, Jair Bolsonaro, que busca su reelección.

El Comité Argentino Lula Presidente fue lanzado el 7 de mayo último, el mismo día en que Lula da Silva anunció su precandidatura.

Fue el primero en el extranjero y el más grande en términos de organizaciones participantes. Creado para acompañar y apoyar a la comunidad brasileña en la búsqueda de votos, el Comité Argentino Lula Presidente es coordinado por la rama argentina del Partido de los Trabajadores, brazo institucional del PT con la comunidad brasileña en el exterior.

Télam


Nota relacionada: Brasil | Bolsonaro quiere contratar al hacker que salvó a Lula y hundió a Lava Jato

Más notas sobre el tema