Elecciones en Brasil | Alckmin cree que una victoria de Lula en primera vuelta ayudaría a reducir la violencia política

964

Alckmin cree que una victoria de Lula en primera vuelta ayudaría a reducir la violencia política

Gerardo Alckmin, candidato a vicepresidente de Luiz Inácio Lula da Silva, afirmó que lo ideal es que el líder de izquierda se imponga al mandatario Jair Bolsonaro en la primera vuelta de las elecciones del próximo domingo en Brasil, al sostener que de esa manera se acabaría con el creciente clima de violencia política que vive el país.

“Creo que es lo mejor para Brasil (vencer en la primera vuelta) porque sales de esa confusión, peleas, de repente puede haber muertes, puede haber accidentes, tragedias; es mejor para el pueblo, da más tiempo de organizar, es mejor para la economía”, expuso durante una entrevista con el portal local UOL.

Alckmin aseguró que no ve clima para un posible golpe por parte de Bolsonaro y remarcó que el cuestionamiento del presidente a las urnas electrónicas es “medio ridículo”, porque él fue elegido hasta en cinco ocasiones con ese sistema de voto.

“¿Ahora ya no funciona?”, ironizó.

En un video publicado anoche en su cuenta de Facebook, el mandatario volvió a expresar dudas, otra vez sin pruebas, de que las elecciones sean limpias

Estas declaraciones se suman a amenazas veladas que ha hecho de no reconocer los resultados en caso de triunfo de Lula y llegaron horas después de que su Partido Liberal divulgara una supuesta pericia con recomendaciones por fallas en el escrutinio, algo tildado de “falso” por la Justicia electoral.

Por su parte, Alckmin consideró que los ataques antidemocráticos que ha estado realizando en los últimos meses Bolsonaro son un “farol”, por lo que descarta cualquier intentona golpista.

“Para el perdedor es difícil dar un golpe. No creo mucho en eso, creo que hay mucho farol, mucha excusa para justificar un posible fracaso electoral y también confío en la profesionalidad y la seriedad de las Fuerzas Armadas, que cumplen con la Constitución”, expresó al diario Folha de Sao Paulo.

“La democracia en Brasil viene siendo testeada y se ha mostrado bastante sólida”, ponderó Alckmin, otrora rival político Lula, quien cree que en caso de que se produjeran movilizaciones en las calles sería “para echar a Bolsonaro”.

Encuestas

De acuerdo con los últimos sondeos conocidos, Lula, que fue presidente de Brasil dos veces entre 2003 y 2010, supera a Bolsonaro por entre 10 y 14 puntos en intención de voto de cara a la primera vuelta del domingo próximo.

Los sondeos indican que exlíder sindical podría obtener la mitad más uno de los votos necesaria para evitar un balotaje, programado para un mes después en caso de que la elección deba dirimirse en esa instancia.

El equipo de campaña del presidente espera revertir la situación esta noche durante el último debate electoral televisado, en el que también participarán Ciro Gomes y Simone Tebet, los otros dos candidatos, que no superan el 9 y el 6%, respectivamente.

Télam

Alckmin diz não ver golpe e que vitória no 1º turno pode evitar mortes

Por Stella Borges, Allan Brito e Larissa Maurício

O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB), candidato a vice-presidente na chapa de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), disse hoje não acreditar que o presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, dará um golpe caso perca o pleito e entende que uma vitória do petista no primeiro turno pode evitar mais conflitos no país.

As declarações foram dadas durante sabatina promovida por UOL e Folha de S.Paulo. Mara Gabrilli (PSDB), vice de Simone Tebet (MDB), foi a entrevistada de segunda-feira (26) e Ana Paula Matos, vice de Ciro Gomes (PDT), a de ontem. Braga Netto (PL), da chapa de Bolsonaro, foi convidado, mas não respondeu.

Pesquisa Ipec realizada com entrevistas pessoais, contratada pela TV Globo e divulgada na segunda-feira (26), aponta que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) está com 48% das intenções de voto e tem possibilidade de vitória em 1º turno, com 52% dos votos válidos. Bolsonaro aparece com 31% e 34% dos votos válidos.

Destaques da sabatina:

  • Alckmin declarou que vencer no 1º turno pode evitar “mortes” e uma “tragédia”
  • Afirmou que é difícil o perdedor das eleições dar golpe: “Tem muito blefe aí”
  • Não respondeu se aceitaria assumir o Ministério da Economia
  • Declarou que Lula foi injustiçado em 2018
  • E, contrariando o PT e o próprio Lula, disse que o impeachment de Dilma Rousseff (PT) “não foi um golpe”, embora tenha sido “injusto”

O que Alckmin disse:

Acho que é melhor para o Brasil [vencer em 1º turno] porque sai dessa confusão, briga, de repente pode ter morte, pode ter acidente, pode acontecer tragédia. É melhor para o povo, dá mais tempo de você organizar, é melhor para economia. Você já tem mais tempo para preparar

Não vejo clima para isso [golpe], e também essa contestação de urna eletrônica, ela é meio ridícula, porque o Bolsonaro foi eleito cinco vezes pela urna eletrônica, agora ela não funciona mais? Aliás, na última eleição ele foi eleito presidente da República, quem poderia reclamar sou eu, que perdi a eleição. Os três filhos [dele] foram eleitos pela urna eletrônica, então não tem o menor sentido, eu acho que é uma agenda equivocada

Você não pode dizer que [o impeachment de Dilma] foi golpe porque quem presidiu foi o Supremo Tribunal Federal, se perguntar foi injusto, eu acho que foi. Foi injusto, porque na realidade a Dilma é uma pessoa correta, honesta, aliás, com quem eu tive sempre um bom relacionamento
Como foi a sabatina

O candidato a vice-presidente disse que seria importante o petista vencer a eleição presidencial no 1º turno para evitar mais casos de violência política no país e atribuiu a recente escalada a Bolsonaro. Para ele, o chefe do Executivo deveria “dar o exemplo” de postura à sociedade. “E não [o exemplo] de divisionismo, o ódio, a violência que acabam estimulando pessoas que cometem atos absurdos.”

Apesar do cenário conflituoso pré-eleitoral, ele afirmou não acreditar que o presidente dê um golpe antidemocrático. “É difícil o perdedor dar golpe, né? Não acredito muito nisso não, acho que tem muito blefe aí”, afirmou. “Também acredito no profissionalismo, na seriedade das Forças Armadas, que são cumpridoras da Constituição, isso é um dado de realidade.”

Adversário histórico do PT quando era filiado ao PSDB, Alckmin disse ainda que a Operação Lava Jato foi usada para tirar Lula das eleições de 2018. Na ocasião, o líder petista estava preso e teve o registro de sua candidatura rejeitado.

Minha opinião: acho que [a Lava Jato] foi feita para tirar o Lula da eleição em 2018. Isso se comprovou depois. Não tinha nenhuma razão para o processo estar lá em Curitiba, não havia competência para isso, e havia parcialidade, porque se tinha conversas [entre o ex-juiz Sergio Moro e procuradores]

Questionado se acredita que o PSDB vai declarar apoio formal a chapa Lula-Alckmin no segundo turno, o ex-governador disse que não pode falar pelo partido, mas vê mais afinidade dos tucanos com eles do que com Bolsonaro.

O paulista discordou dos petistas sobre o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e afirmou que não aconteceu um golpe, embora entenda que a saída dela tenha sido injusta.

Alckmin disse que se posicionou contra o impeachment em conversas com a direção partidária, mas, por fim, apoiou o partido. Conforme mostrou o UOL Confere, apesar de, em 2015, ele ter questionado publicamente a necessidade do impeachment de Dilma, há vários registros posteriores do ex-tucano se posicionando a favor da medida.

Cotado para comandar a Economia em um possível mandato de Lula, Alckmin não cravou se aceitaria exercer a função. “Esse negócio de sentar na cadeira antes dá um azar danado”, brincou. Na sequência, no entanto, ele passou a falar sobre as propostas para a área.

O Brasil precisa de uma agenda de competitividade, reforma tributária. Eu visitei três fábricas. Se não simplificar a questão tributária, não tem jeito. O Brasil é o país dos impostos, nós precisamos simplificar. E reforma tributária é necessária. Agenda de competitividade. Desburocratizar. Acordos internacionais: o país está isolado. Quando você não faz um acordo e seu vizinho faz, você está perdendo mercado

Ele também negou que sua candidatura à vice-Presidência seja uma estratégia para concorrer ao Palácio do Planalto em 2026 caso Lula se saia vitorioso e disse que sua tarefa é ajudar o país.

A favor ou contra? O candidato se posicionou a favor do uso de câmeras nos uniformes de policiais, das cotas raciais, e da restrição a posse e porte de armas, exceto na zona rural.

Alckmin disse ser contra ampliar a possibilidade do aborto legal e contra a legalização da maconha, “a não ser para casos medicinais”.

O presidente Lula já falou que ele, pessoalmente, ele é contra o aborto. Como eu quero reiterar aqui que eu, pessoalmente, também sou contra. Esse é um tema do Congresso Nacional, e eu acho que a legislação já contempla três hipóteses importantes: risco de vida para a mãe, estupro e anencefalia. Então eu acho que a legislação já tá adequada, não mudaria. E lei se cumpre, lei é pra ser cumprida, mas é evidente. Agora, esse é um debate da sociedade, a sociedade discute, a sociedade debate, o Congresso legisla, então eu defendo a legislação atual

Na seara econômica, posicionou-se contra a privatização da Petrobras e disse ser preciso “aperfeiçoar” a reforma trabalhista.

‘Não diga nada’. Alckmin também foi indagado se João Doria (PSDB), seu afilhado político e com quem rompeu em 2018, foi um bom prefeito e um bom governador e se se arrependia de ter trazido ele para a política.

Olha, santo Antônio de Pádua dizia: ‘Quando você não puder falar bem não diga nada’. Ele era filiado ao partido, quis ser candidato a prefeito e pediu meu apoio (…) Mas enfim, eu respeito as aspirações das pessoas, não guardo mágoa de ninguém

Ele disse ainda não ter tido problemas com o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles durante o período que ele trabalhou como secretário em seu governo e que ele “não tinha essa postura tão radical”.

UOL

Más notas sobre el tema