Brasil | Lula recibe el apoyo de decenas de empresarios, economistas, políticos y científicos

1.080

Lula dijo que Bolsonaro busca destruir las instituciones y construir una corte a su medida

Por Pablo Giuliano

A 20 días del balotaje por la Presidencia de Brasil, el expresidente Luiz Inácio Lula da SIlva advirtió este lunes que el mandatario Jair Bolsonaro busca destruir las instituciones que garantizan la democracia por prometer que aumentará los miembros de la corte para poner a cinco que le sean favorables y tener mayoría.

El líder del Partido de los Trabajadores (PT) hizo esa declaración al recibir el apoyo de intelectuales, economistas liberales y dirigentes que fueron sus rivales.

En tanto, Bolsonaro criticó a Lula por prometer que “todos los fines de semana la gente debe tener el derecho a comer picaña con cerveza” y repudiar a los que quieren “que el Estado resuelva todos sus problemas”.

En el medio de denuncias de fake news por parte del bolsonarismo sobre un posible cierre de iglesias evangelistas en caso de una victoria de Lula, el coordinador de la campaña del expresidente, el senador Randolfe Rodrigues, adelantó a Télam en San Pablo que se preparaba una carta al pueblo evangelista.

“Es para desmentir las fake news y para mostrar lo que hizo Lula durante su gobierno”, explicó Rodrigues antes de participar con Lula de un encuentro con la entidad Derribando Muros, que reúne a economistas, políticos e intelectuales de diversas áreas, desde cambio climático hasta educación.

“Hoy Brasil está peor que cuando asumí en 2003, hay una falta de credibilidad, ahora el presidente busca destruir las instituciones que garantizan la democracia, está prometiendo aumentar los miembros del Supremo Tribunal Federal para que sea favorable a él; yo designé a seis jueces y nunca les pedí un favor, no fueron designados para que me ayuden, sino para hacer su trabajo en la corte”, aseguró Lula en su discurso.

Bolsonaro y el vicepresidente Hamilton Mourao dijeron que en caso de reelección habrá una reformulación de la corte aprovechando la mayoría de la derecha y ultraderecha en el Senado, e incluso la destitución de actuales ministros del Supremo Tribunal Federal (STF, corte suprema).

Favorito a vencer en el balotaje, Lula en la encuesta Ipec divulgada hoy tuvo dos puntos más de rechazo mientras Bolsonaro redujo el repudio de la sociedad en otros dos puntos.

“Somos la generación para sacar al país del atraso”, dijo Lula en la reunión de la que participaron tres expresidentes del Partido de la Social Democracia Brasileña (PSDB), los ex senadores Zé Anibal y Aloysio Nunes Ferreira y el exintendente de Belo Horizonte Pimenta da Veiga.

Exaliados del candidato a vice Geraldo Alckmin, hoy en el Partido Socialista Brasileño (PSB), esos interlocutores deberían atraer a las clases medidas que se resisten a Lula por ser de izquierda o exsindicalista.

Lula les aclaró a los liberales y neoliberales que lo fueron a visitar en la reunión para darle el apoyo ante Bolsonaro que “democracia no es apenas reclamar que uno tiene hambre, sino es dar de comer, no es permitir que se pida por un techo, sino es dar la vivienda al pueblo”.

Entre los presentes estaba Paulo Marinho, ex titular del PSDB en Río de Janeiro y personaje clave del momento en el que vive Brasil.

Marinho es el millonario que donó su mansión en 2018 para montar ahí el cuartel general del bolsonarismo, en Barra de Tijuca, Río de Janeiro.

Aliado y amigo de la familia presidencial, Marinho rompió en 2020 con el presidente debido las discusiones sobre la pandemia.

Sin embargo, Marinho es aún el suplente del senador Flávio Bolsonaro.

Lula, por su parte, se negó a presentar a parte de su gabinete económico en caso de victoria como le reclaman los diarios Folha de Sao Paulo y O Estado de Sao Paulo.

El grupo de intelectuales y Lula concordaron en lanzar una política pública para que la escuela pública sea en tiempo integral.

André Lara Resende, exbanquero y uno de los padres del Plan Real que estabilizó la moneda en el gobierno de Itamar Franco y de Fernando Henrique Cardoso, pidió invertir en reindustrialización y tecnología y aseguró que esta campaña es diferente a las de otras épocas, incluso recientes.

“Al contrario del lema común entre asesores de campañas, en esta elección no siempre es la economía, estúpido. Esta elección es mucho más que economoía, es sobre el sistema democrático y el reaccionarismo antidemocrático que surge siete décadas después de la Segunda Guerra Mundial”, aseguró el economista.

El apoyo de un “frente amplio” fue calificado por el principal organizador del plan de gobierno de Lula, Aloizio Mercadante, como un “respaldo incondicional, inmediato e independiente”.

En ese sentido, comparó la experiencia que podría ser un gobierno de cuatro años de Lula -ya anunció que no querrá una reelección debido a que tendrá 81 años en 2026- con la Geringonça, la coalición de centroizquierda y centroderecha de Portugal.

Lula buscará el voto en el bastión de Bolsonaro, Río de Janeiro, y acudirá a Belford Roxo, municipio del paupérrimo Gran Río de Janeiro, y visitará las favelas de Alemão y Rocinha.

Sorpresivamente, este lunes Bolsonaro canceló su única agenda oficial: recibir a cantores del ritmo musical sertanejo, el más escuchado de Brasil y que domina las radios comerciales, empujado por el dinero del agronegocio, que financia a esta clase de artistas, muchos de ellos bolsonaristas como el famoso Gustavo Lima.

Bolsonaro informó que se reunió con el pastor evangelista JB Carvalho, que también es un político que busca votos para el presidente en esa comunidad, donde Bolsonaro ganó por 70 a 30 ante Lula en la primera vuelta del 2 de octubre.

El ultraderechista cayó por 48 a 43 ante Lula y ha lanzado una estrategia de valores morales para intentar remontar la diferencia, al punto que el Ministerio Público del Trabajo advirtió a decenas de empresas donde gerentes y dueños de firmas amenazaron con despidos a los empleados en caso de que el excapitán pierda la elección.

Télam


Somos a geração que pode tirar o país do atraso, diz Lula ao receber apoio de personalidades

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin receberam nesta segunda-feira (10/10) o apoio de dezenas de personalidades da sociedade civil, entre jornalistas, economistas, empresários, cientistas políticos e lideranças políticas, entre outros. No encontro, o ex-presidente disse que todos pertencem a uma geração pode tirar o país do atraso.

A reunião em São Paulo contou com nomes como Aloysio Nunes, Zeca Martins, André Lara Resende, Priscila Cruz, Randolfe Rodrigues, José Aníbal, Eduardo Gianetti, Marcus Barão, Miguel Lago, Natalie Unterstell, José Aníbal, Pimenta da Veiga, Neca Setúbal, Philip Yang, Tereza Campello e Marina Silva.

Em seu discurso, Lula agradeceu o apoio e disse que está otimista na vitória após a caminhada em Minas Gerais no sábado, onde reuniu milhares de pessoas. “Aquilo me lembrou muito o comício das Diretas Já. Na época, o Tancredo Neves falava assim: ‘o que a gente vai fazer com esse povo?’ Era muita gente! E como eu estava num dia de sorte, quando eu chego no palanque, quem estava lá? Chico Buarque. E aquilo foi a realização total do evento”, contou.

Defesa da democracia

O ex-presidente observou que a democracia brasileira não vive um bom momento justamente pelo atual presidente, Jair Bolsonaro, ser um “negacionista da política”. Lula, ao contrário, defendeu o diálogo como forma de melhorar o Brasil, e garantiu que irá tirar o país do atraso e do mapa da fome mais uma vez.

“Nós estamos enfrentando um cidadão que quer aumentar o número de ministros da Suprema Corte para ter o controle sob ela. Eu nunca indiquei ministros para me ajudar, e sim para que eles cumpram o papel do Supremo”, afirmou.

“Essa não é uma eleição fácil, nós não estamos dentro de um processo democrático normal. Eu perdi duas eleições para o Fernando Henrique Cardoso e fui pra casa chorar. Mas este cidadão é anormal, ele não teve nenhuma formação civilizatória e pensa no Brasil pra ele, Suprema Corte, Formas Armadas, Congresso, ele acha que tudo é dele. Mas a gente vai recuperar esse país, nós vamos fazer a sociedade exercer a democracia”, alertou.

Por fim, Lula disse que tem como sonho que as pessoas tenham uma casa digna, façam no mínimo três refeições por dia, além de melhorar a educação, criando mais oportunidades para todos.

“Não me fale que investir em educação é gasto, educação é investimento. Nós somos a geração que podemos tirar o país do atraso. Vou precisar de vocês não só como eleitores, mas como condutores para tirar esse país do atoleiro que nos colocaram”, completou.

Pluralidade

Alckmin aproveitou a ocasião para comparar Lula com Mário Covas, por seu espírito democrático e história de luta pelos mais pobres. “O Brasil é o país da pluralidade e nossa campanha traduz isso. Como Franco Montoro dizia, essa é a lógica do segundo turno [fazer alianças]. Agora são 20 dias de campanha, aqui são todos formadores de opinião, e nós temos que acelerar, nos unir, lutar e vencer. Quem vai defender a democracia se não os democratas?”, questionou.

Presidente histórico do PSDB, José Aníbal também declarou voto em Lula neste segundo turno e recordou que o próprio Covas apoiou Lula contra o Fernando Collor – e o tempo provou que aquele foi um posicionamento correto.

“O Brasil não pode sacrificar mais uma geração, seria um desastre. A educação não pode ser discurso, tem que ser uma ação forte. Eu sei que o Lula, que viveu isso pessoalmente, conseguiu uma posição no mercado de trabalho. Eu nasci em Rondônia, e cada vez que eu vejo o que acontece na Amazônia é de chorar”, lamentou.

Pimenta da Veiga, outro tucano histórico que se posicionou a favor de Lula neste segundo turno, disse que tomou lado por não aguentar mais ver a desigualdade nos lares dos brasileiros.

“Ao longo da minha vida pública tive longos embates com o PT. Não obstante, no momento anterior, votei em Lula contra o Collor, porque vi que naquele instante havia um risco e precisávamos superar diferenças de orientação política. Hoje estou aqui numa posição semelhante. Entendo que nós temos um enorme risco institucional pela frente e isso deve nos unir, e essa união passa pela eleição de Lula presidente. Ele gosta dos mais pobres, compreende os mais pobres, quer ajudá-los e sabe como fazer. Por isso vim aqui me alistar nessa luta, pela sua vitória e pela vitória da democracia”, declarou.

Manifesto

O encontro serviu também para que o grupo Derrubando Muros entregasse para a campanha de Lula um manifesto intitulado Agenda Inadiável, que foi elaborado nos últimos três anos por uma centena de intelectuais.

O documento de 75 páginas apresenta “propostas de políticas públicas para um Brasil democrático com justiça, prosperidade e esperança” em diversas áreas, como educação, saúde, segurança pública, economia, geopolítica e meio ambiente. O grupo, que dialogou com diversas candidaturas nesta corrida eleitoral, também declarou apoio à Lula no segundo turno por considerar Jair Bolsonaro inimigo da democracia.

“O bolsonarismo tornou o Brasil uma vergonha internacional. Potencializou a perda de centenas de milhares de vidas. Solapou as estruturas públicas da educação, do meio ambiente, da ciência. O Brasil simpático e musical se foi, substituído pela imagem das motociatas agressivas, das matas em chamas e pelos insultos do presidente da República”, diz trecho do manifesto.

Brasil 247


Bolsonaro recebe apoio dos prefeitos de Manaus e Sorocaba: “Mais votos pra mim”

Por Ingrid Soares

Na corrida à reeleição, o presidente Jair Bolsonaro (PL) segue o plano de conquistar ainda mais palanques pelo Brasil. Nesta segunda-feira (10/10), o chefe do Executivo recebeu, no Palácio da Alvorada, os prefeitos de Manaus, David Almeida (Avante), e de Sorocaba, Rodrigo Manga (Republicanos). Ambos disseram que caminharão ao lado do presidente no segundo turno.

“Logo mais receberei outros prefeitos. Amanhã também estaremos com outros prefeitos de Santa Catarina, Camboriú, Pelotas e Rio Grande do Sul. Continuamos fazendo as articulações. Estamos indo bem e acreditamos na vitória”, disse Bolsonaro, que emendou querer “hipotecar solidariedade e esperança de continuar tendo uma política sadia” com sua reeleição.

“Agora, com votos somente de governador e presidente (nas eleições do segundo turno), esse apoio estará mais concentrado e, na ponta da linha, traduzido em mais votos para mim e para o Tarcísio”, completou.

David Almeida relatou que a questão sobre a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) na Zona Franca de Manaus era um fator de divergência, mas que, após a reunião de hoje, “tudo ficou esclarecido”. Destacou ainda ter autonomia para se posicionar a favor de Bolsonaro, mesmo que seu partido apoie o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“Eu comungo dos pensamentos dele, sou cristão, evangélico, desde que nasci, e defendo todos os princípios. O que estava divergindo era a questão da Zona Franca, e obtive todas as respostas necessárias. E eu estou com ele desde 2015. O Avante caminha de um lado diferente, mas eu tenho minha autonomia dentro do partido para poder escolher aquele que vai governar o nosso país pelos próximos quatro anos”, alegou o prefeito de Manaus.

Bolsonaro caracterizou como importante a visita do prefeito, por ser uma capital com “grande densidade eleitoral”. Sobre a Zona Franca, disse que a mesma “será preservada, como sempre foi pelo nosso governo”.

Por sua vez, o prefeito de Sorocaba disse entender que a reeleição de Bolsonaro é o melhor caminho para o estado paulista. “Alguns que não declaravam apoio explicitamente, agora, estão apoiando de fato, vestindo a camisa, entendendo que esse é o melhor caminho para o nosso país e para o nosso estado de São Paulo”, disse Rodrigo Manga.

Outros apoios

Desde o começo da semana passada, Bolsonaro faturou alianças de peso de governadores reeleitos do Sudeste, região que abriga os maiores colégios eleitorais, tendo como peça-chave, Romeu Zema (Novo-MG). No estado mineiro, Lula liderou a corrida com 5,8 milhões de votos no primeiro turno, enquanto Bolsonaro recebeu 5,2 milhões.

O presidente Bolsonaro também recebeu o apoio dos governadores Cláudio Castro (PL-RJ), Ratinho Jr. (PSD- PR), Ibaneis Rocha (MDB-DF), Ronaldo Caiado (União-GO), Gladson Cameli (PP-AC), Rodrigo Garcia (PSD-SP), Mauro Mendes (União-MT) e Antonio Denarium (PP-RR); e dos governadores de Rondônia, Marcos Rocha (União Brasil), e do Amazonas, Wilson Lima (União Brasil), que disputam o segundo turno.

No Nordeste, outra região essencial para seu projeto de reeleição, o presidente recebeu o apoio da senadora de Alagoas, Eudócia Caldas (PSB-AL), e do filho, o prefeito de Maceió, João Henrique Caldas (PL).

Sertanejos

Amanhã, a previsão é de que o presidente desembarque em Balneário Camboriú (SC) e Pelotas (RS). No feriado de quarta-feira (12), visitará Belo Horizonte (MG) e Aparecida do Norte (SP).

Já a agenda de campanha do presidente Bolsonaro com cantores sertanejos, foi desmarcada, ainda sem nova data prevista. O Palácio do Planalto não informou o motivo do cancelamento. No último sábado (8), a dupla Henrique & Juliano recebeu a visita de Bolsonaro, família e ministros nos bastidores da gravação do novo DVD, em Brasília.

Hoje, o chefe do Executivo encontrará às 16h30, na residência oficial, o pastor JB Carvalho. Ainda segundo relatos de Bolsonaro, ele pretende ir a Goiânia à noite para assistir ao jogo desta segunda-feira entre o Atlético Goianiense e o Palmeiras.

Correio Braziliense


Lula promete isenção de Imposto de Renda para quem ganha até R$ 5.000

Por Catia Serra 

Por determinação do próprio candidato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) levou ao programa eleitoral desta segunda-feira (10) promessa de reajustar a tabela do Imposto de Renda com faixa de isenção acima do previamente anunciado pela coordenação de plano de governo de sua campanha.

Na sexta-feira (7), a equipe de Lula afirmou que a faixa de isenção a ser proposta pelo candidato seria de R$ 3.000. Três dias depois, no entanto, o valor apresentado no programa eleitoral foi de R$ 5.000.

Segundo aliados do petista, essa foi a orientação política de Lula, que já havia prometido publicamente fixar em R$ 5.000 a faixa de isenção, caso de eleito.

À época, o coordenador de programa de governo de Lula, o ex-ministro Aloizio Mercadante, alegou que a inclusão da proposta no plano dependeria de cálculos. Segundo as projeções da equipe do ex-presidente, a inflação acumulada de 2015 até agora é de cerca de 50%.

Na inserção veiculada nesta segunda, que tem como tema a retomada do poder de compra dos brasileiros, a promessa é de “Imposto de Renda zero para quem ganha até R$ 5.000 e desconto para classe média”.

Hoje a faixa de isenção é de até R$ 1.903,98. Ou seja, quem ganha pouco mais de um salário mínimo paga Imposto de Renda. Corrigida, chegaria aos R$ 3.000. Lula, no entanto, defende a faixa de R$ 5.000, o que ampliaria o número de brasileiros beneficiados com a medida.

O reajuste da faixa de isenção teria o efeito de empurrar as demais faixas. Hoje, paga alíquota máxima quem ganha acima de R$ 4.664.

Na semana passada, o economista Guilherme Mello, que integra a comissão de redação do programa de governo do petista, disse à Folha que em caso de eleição de Lula, a correção da tabela seria implementada dentro de uma proposta de reforma tributária.

A perda de arrecadação provocada pelo reajuste da tabela do IR, diz, seria parcialmente compensada pela tributação sobre distribuição de lucros e dividendos, além de outras medidas como combate à sonegação.

Na campanha de 2018, Jair Bolsonaro (PL) prometeu que faria o reajuste da tabela do Imposto de Renda, mas não concretizou a promessa eleitoral. Com a alta da inflação nos últimos dois anos, a defasagem atingiu pico histórico.

Lula está em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto para a Presidência da República, à frente de Bolsonaro.

Na largada da disputa do segundo turno da disputa presidencial deste ano, o petista marca 49% da intenção de votos aferida pelo Datafolha em sua primeira pesquisa desta etapa da corrida. Se a eleição fosse hoje, 44% dizem votar no atual presidente.

Os indecisos são 2%, e brancos e nulos somam 6%. A pesquisa é um retrato do momento e não necessariamente reflete a votação que os candidatos terão.

Estado de Minas


Bolsonaro diz que reduzirá maioridade penal se reeleito

O presidente da República, Jair Bolsonaro, candidato à reeleição pelo PL, afirmou que, se eleito, enviará ao Congresso um projeto para reduzir a maioridade penal. Em entrevista à imprensa na porta do Palácio da Alvorada neste domingo, 9, o presidente voltou a afirmar que deixa em aberto a possiblidade de enviar aos parlamentares uma proposta para aumentar o número de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

“Não mandei estudar nada. Acredito que, após as eleições, por termos feito uma grande bancada no Congresso, haverá equilíbrio de forças. Devo conversar com a presidente STF após as eleições. Não quero afrontar ninguém, nem apresentar proposta que vai chatear nenhum outro Poder. Essa não é a ideia nossa. Mas uma boa conversa com a senhora Rosa Weber, a gente sai pacificado. O Congresso está pacificado. Essa maioria nos permite dar agilidade nas propostas. E o Judiciário vai fazer o seu papel. Chega de problema, de conflito. Os atritos que acontecem em Brasília, a conta fica para a população”, disse.

Bolsonaro também declarou que sua prioridade, se reeleito, será trabalhar para aprovar no Congresso uma proposta para reduzir a maioridade penal, atualmente em 18 anos. O presidente, entretanto, não deu detalhes sobre o projeto.

O presidente ainda afirmou que os prefeitos de Manaus (AM) e Sorocaba (SP) devem anunciar apoio a sua reeleição amanhã, 10. Segundo ele, estão programadas reuniões com prefeitos nesta semana em Balneário Camboriú (SC) e no Rio Grande do Sul.

“Quem está bem em qualquer grau de avaliação são os prefeitos. Receberam muito recurso do governo federal, estão no azul e estão com a popularidade bastante alta. E na ponta da linha, quem tem contato com o povo são os prefeitos e vereadores. Apesar de estarmos otimistas por ocasião do dia 30 de outubro, vamos trabalhar fortemente até essa data. Acredito na vitória e em Deus”, disse.

Estadao

Más notas sobre el tema