Brasil | Lula afirmó que “el nuevo monstruo” de la “extrema derecha fanática” debe ser enfrentado y derrotado

1.170

Lula llamó a enfrentar el “nuevo monstruo” de la “extrema derecha fanática”

El presidente de Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, afirmó este jueves que el “nuevo monstruo” de la “extrema derecha fanática” debe ser enfrentado y derrotado no solamente en su país sino en todo el mundo.

“Tenemos que enfrentar y derrotar el surgimiento de una extrema derecha fanática, rabiosa, que odia todo aquello que no combina con lo que piensan”, dijo el mandatario en un acto con rectores de universidades en el palacio presidencial de Planalto.

El mandatario sostuvo que nunca había visto un Brasil “tomado por tanto odio”, que a su juico es consecuencia de la negación de la política, pero advirtió que ese fenómeno “no es un problema solamente brasileño”.

“Aunque hayamos derrotado a (su antecesor, Jair) Bolsonaro, tenemos que vencer al odio, la mentira, la desinformación, los fanáticos, porque esta sociedad tiene que volver a ser civilizada”, exhortó, según la agencia de noticias AFP.

Lula, del Partido de los Trabajadores (PT, izquierda), venció a Bolsonaro, de derecha, en segunda vuelta en octubre pasado.

El 8 de este mes, exactamente una semana después de su asunción, miles de simpatizantes de Bolsonaro invadieron y atacaron las sedes de los tres poderes públicos en Brasilia.

En los días siguientes se reveló que los servicios de inteligencia no previnieron de esos hechos a Lula, quien ese día estuvo fuera de Brasilia, y que militares y policías no cumplieron su deber de tratar de evitar la invasión y detener a manifestantes.

No obstante las fallas de seguridad de aquel día, más de 2.000 personas fueron detenidas desde entonces, de las cuales 1.382 continuaban este jueves bajo custodia de las autoridades.

Lula dijo este miércoles por la noche que el 30 de este mes recibirá al jefe del gobierno de Alemania, el canciller federal Olaf Scholz, con quien conversará sobre cómo enfrentar el desafío de la extrema derecha.

Agregó que ese tema también formará parte de las conversaciones con el presidente de Estados Unidos, Joe Biden, a quien visitará en Washington el mes próximo.

Télam


Lula chora em encontro com reitores no Palácio do Planalto…

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) chorou ao discursar em encontro com reitores de universidades e institutos federais nesta 5ª feira (19.jan.2023). Lula recebeu os representantes dessas entidades no Palácio do Planalto, em Brasília (DF).

Logo no início de sua fala, o chefe de Estado afirmou estar “emocionado” com o evento. “Quando comecei a falar com vocês, vocês perceberam que eu até gaguejei um pouco, porque eu estava emocionado com esse encontro. Emocionado porque era impensável. […] Eu tenho 77 anos e nunca vi o Brasil tomado pelo ódio em que foi tomado”, disse.

Segundo Lula, o sentimento negativo foi amplificado no país porque, em determinado momento, teve “muita gente que começou a negar a política”.

Na hora em que você nega a política, acontece o que aconteceu nos Estados Unidos com [o ex-presidente Donald] Trump. Acontece o que aconteceu no Brasil com o ‘coiso’, que eu não quero falar o nome”, afirmou.

O comentário refere-se à invasão do Capitólio nos EUA e aos atos extremistas do 8 de Janeiro no Brasil, quando extremistas de direita invadiram e depredaram prédios da Praça dos Três Poderes. Lula empregou o termo “coiso” para referir-se ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

A negação da política, prossegue, também influenciou no surgimento de uma extrema-direita “fanática e raivosa”.

É o novo monstro que devemos enfrentar e derrotar, porque não é uma coisa somente brasileira, é uma coisa do mundo afora”, afirmou.

Entre as pautas da reunião, Lula prometeu a reitores de universidades e institutos federais um “novo momento” na relação com o governo. O segmento teve relação conflituosa com a gestão de Jair Bolsonaro (PL).

“Agora nós estamos vivendo um novo momento”, disse Lula. “Estamos saindo das trevas para voltar à luminosidade de um novo tempo”, declarou o presidente da República.

Lula indicou que haverá mais reuniões do tipo ao longo de seu governo. Disse que, na 1ª vez que comandou o Planalto, de 2003 a 2009, se encontrava com reitores uma vez por ano para receber demandas e avaliar as políticas para o setor.

“Não existe na história da humanidade nenhum país que conseguisse desenvolver sem que antes resolvesse o problema da formação de seu povo”, declarou o presidente.

Invasão aos Três Poderes

Por volta das 15h de domingo (8.jan.2023), extremistas de direita invadiram o Congresso Nacional depois de romper barreiras de proteção colocadas pelas forças de segurança do Distrito Federal e da Força Nacional. Lá, invadiram o Salão Verde da Câmara dos Deputados, área que dá acesso ao plenário da Casa. Equipamentos de votação no plenário foram vandalizados. Os extremistas também usaram o tapete do Senado de “escorregador”.

Em seguida, os radicais se dirigiram ao Palácio do Planalto e depredaram diversas salas na sede do Poder Executivo. Por fim, invadiram o STF (Supremo Tribunal Federal). Quebraram vidros da fachada e chegaram até o plenário da Corte, onde arrancaram cadeiras do chão e o Brasão da República –que era fixado à parede do plenário da Corte. Os radicais também picharam a estátua “A Justiça”, feita por Alfredo Ceschiatti em 1961, e a porta do gabinete do ministro Alexandre de Moraes.

Os atos foram realizados por pessoas em sua maioria vestidas com camisetas da seleção brasileira de futebol, roupas nas cores da bandeira do Brasil e, às vezes, com a própria bandeira nas costas. Diziam-se patriotas e defendiam uma intervenção militar (na prática, um golpe de Estado) para derrubar o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Antes da invasão

A organização do movimento havia sido monitorada previamente pelo governo federal, que determinara o uso da Força Nacional na região. Pela manhã de domingo (8.jan), 3 ônibus de agentes de segurança estavam mobilizados na Esplanada. Mas não foram suficientes para conter a invasão dos radicais na sede do Legislativo.

Durante o final de semana, dezenas de ônibus e centenas de carros e pessoas chegaram à capital federal para a manifestação. Inicialmente, o grupo se concentrou na sede do Quartel-General do Exército, a 7,9 km da Praça dos Três Poderes.

Depois, os radicais desceram o Eixo Monumental até a Esplanada dos Ministérios a pé, escoltados pela Polícia Militar do Distrito Federal.

O acesso das avenidas foi bloqueado para veículos. Mas não houve impedimento para quem passasse caminhando.

Durante o domingo (8.jan), policiais realizaram revistas em pedestres que queriam ir para a Esplanada. Cada ponto de acesso tinha uma dupla de policiais militares para fazer as revistas de bolsas e mochilas. O foco era identificar objetos cortantes, como vidros e facas.

Poder 360

Más notas sobre el tema