Brasil | Lula acusó a Israel de cometer un “genocidio” contra palestinos y lo comparó con el Holocausto

1.471

Lula calificó de genocidio la guerra en Gaza

El presidente brasileño, Luiz Inácio Lula da Silva, acusó este domingo a Israel de cometer un «genocidio» contra civiles palestinos en la Franja de Gaza y comparó sus acciones con la campaña de Adolf Hitler para exterminar a los judíos.

«Lo que está ocurriendo en la Franja de Gaza no es una guerra, es un genocidio», declaró ante la prensa en Adís Abeba, en Etiopía, donde participó como invitado en la cumbre anual de la Unión Africana.

El mandatario de izquierda de la principal potencia latinoamericana declaró que el conflicto «no es una guerra de soldados contra soldados». «Es una guerra entre un ejército muy preparado y mujeres y niños», afirmó.

«Lo que está ocurriendo en la Franja de Gaza con el pueblo palestino no ha ocurrido en ningún otro momento de la historia. En realidad, ha ocurrido: cuando Hitler decidió matar a los judíos», agregó.

En respuesta, el primer ministro israelí, Benjamin Netanyahu, calificó los comentarios de Lula de «vergonzosos y graves», afirmando que constituyen una «trivialización del Holocausto», y anunció que su gobierno convocó al embajador de Brasil en Israel.

«Al comparar con el Holocausto la guerra de Israel en Gaza contra el Hamas, una organización terrorista genocida, el presidente da Silva deshonra la memoria de los seis millones de judíos asesinados por los nazis y diaboliza el Estado judío como el más virulento de los antisemitas. Debería darle vergüenza», abundó Netanyahu por la noche, en un discurso en Jerusalén.

Según el ministro israelí de Relaciones Exteriores, Israel Katz, la reunión con el embajador brasileño tendrá lugar el lunes.

Las declaraciones de este domingo son las más contundentes emitidas hasta ahora sobre el conflicto por Lula, un importante representante de los países del sur global y que ocupa la presidencia rotatoria del G20.

El movimiento Hamas se «congratuló» en un comunicado por las declaraciones de Lula, que son «una descripción exacta lo que sufre su pueblo» en Gaza y revelan «la magnitud del crimen» cometido por Israel «con el apoyo abierto de la administración Biden».

Lula, de 78 años, afirmó en noviembre que el movimiento islamista palestino Hamas había cometido «un acto de terrorismo» en su ataque del 7 de octubre contra Israel, que dejó 1.160 muertos, en su mayoría civiles, según un balance establecido por AFP en base a datos oficiales israelíes.

Los comandos islamistas también capturaron ese día a 250 personas, de las cuales 130 siguen retenidas en Gaza, incluyendo 30 que habrían muerto, según cifras israelíes.

Pero al mismo tiempo Lula ha criticado la «respuesta desproporcionada» de Israel en Gaza, que ya ha dejado 28.985 muertos, en su mayoría mujeres y menores, según el Ministerio de Salud de Hamás, que gobierna el territorio desde 2007.

Brasil incrementará la ayuda humanitaria

El mandatario brasileño viajó esta semana a Egipto y Etiopía para profundizar el acercamiento político y económico de su país con el continente africano, al que ya lo unen lazos culturales e históricos.

Se trata de su tercer viaje a África desde que volvió al poder en enero de 2023, sucediendo al ultraderechista Jair Bolsonaro.

Ante la asamblea anual de la Unión Africana, una cumbre de jefes de Estado de los 55 países del continente, Lula volvió a defender la existencia de un Estado palestino.

«La solución a esta crisis sólo será duradera si avanzamos rápidamente hacia la creación de un Estado palestino libre y soberano», subrayó el sábado.

«Un Estado Palestino que sea reconocido como miembro de Estados Unidas. De una ONU fortalecida y con un Consejo de Seguridad más representativo, sin países con poder de veto y con miembros permanentes de África y América Latina», apuntó.

«No habrá solución militar a este conflicto. Ha llegado el momento de la política y la diplomacia», insistió el líder brasileño.

Lula, que también se reunió el sábado con el primer ministro palestino, Mohammad Shtayyeh, afirmó que Brasil incrementará su contribución a la Agencia de Naciones Unidas para los Refugiados de Palestina (UNRWA).

Varios países occidentales suspendieron su ayuda financiera al organismo de la ONU, después de que Israel acusara a algunos de sus empleados de estar involucrados en el ataque del 7 de octubre.

«Cuando veo que el mundo rico anuncia que interrumpirá sus contribuciones a la ayuda humanitaria para los palestinos, me imagino lo grande que es la conciencia política de esta gente y lo grande que es el espíritu de solidaridad en sus corazones», dijo Lula.

«Necesitamos dejar de ser pequeños cuando necesitamos ser grandes», sentenció.

En El Cairo, la capital egipcia, el mandatario brasileño había calificado la ofensiva israelí como un «castigo colectivo». «El Estado de Israel también está cometiendo varios actos de terrorismo, al no tener en cuenta que ni los niños ni las mujeres están en guerra», dijo.

Página 12


Lula compara ações de Israel na Faixa de Gaza ao extermínio de judeus na Segunda Guerra; declarações geram reações duras

A declaração de Lula foi no último compromisso na Etiópia antes de embarcar para o Brasil de volta da viagem de cinco dias ao continente africano. Em uma entrevista coletiva, Lula foi questionado sobre o envio de ajuda financeira à Agência das Nações Unidas para Refugiados Palestinos.

O presidente criticou os países que interromperam o financiamento para o órgão depois das denúncias de que integrantes da agência tiveram envolvimento no ataque terrorista de 7 de outubro em que o Hamas matou 1,2 mil pessoas e sequestrou 242 pessoas. As denúncias estão sendo investigadas pela agência e já resultaram na demissão de um grupo de funcionários.

Lula disse que o que acontece na Faixa de Gaza não é uma guerra, mas um genocídio. Segundo o Ministério da Saúde do Hamas, mais de 28 mil pessoas morreram em Gaza desde o início da reação israelense.

“É muito engraçado. Quando eu vejo o mundo rico anunciar que está parando de dar a contribuição para a questão humanitária aos palestinos, eu fico imaginando qual é o tamanho da consciência política dessa gente e qual é o tamanho do coração solidário dessa gente que não está vendo que na Faixa de Gaza não está acontecendo uma guerra, mas um genocídio”, disse Lula.

O presidente comparou a reação de Israel ao Holocausto, quando o regime nazista de Adolf Hitler exterminou 6 milhões de judeus.

“Sabe o que está acontecendo na Faixa de Gaza com o povo palestino não existe nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu quando Hitler resolveu matar os judeus. Então como é possível que a gente possa colocar um tema tão pequeno, sabe? Você deixar de ter ajuda humanitária? O Brasil condenou o Hamas, mas o Brasil não pode deixar de condenar o que o Exército de Israel está fazendo na Faixa de Gaza”, afirmou.

As declarações do presidente brasileiro geraram reações duras de autoridades e entidades israelenses. Em uma rede social, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, classificou as palavras de Lula como vergonhosas e graves.

«Trata-se de banalizar o Holocausto e de tentar prejudicar o povo judeu e o direito de Israel de se defender. Comparar Israel ao Holocausto nazista e a Hitler é cruzar uma linha vermelha. Israel luta pela sua defesa e pela garantia do seu futuro até à vitória completa e irá fazê-lo ao mesmo tempo que defende o direito internacional. Decidi com o chanceler Israel Katz convocar imediatamente o embaixador brasileiro em Israel para uma dura conversa de repreensão», escreveu.

Mais tarde, em um evento em Jerusalém, Netanyahu voltou a falar sobre as declarações de Lula.

«O presidente desonrou a memória de 6 milhões de judeus assassinados pelos nazistas e demonizou o Estado judeu, como o mais virulento antissemita. Ele deveria ter vergonha de si mesmo”, afirmou.

O ministro de Relações Exteriores de Israel disse que vai convocar na segunda-feira (19) o embaixador do Brasil. Israel Katz afirmou que as palavras do presidente do Brasil são vergonhosas e sérias.

«Ninguém vai prejudicar o direito que Israel tem de se defender», declarou.

Os principais jornais israelenses também noticiaram a fala do presidente brasileiro.

O presidente do Museu do Holocausto, em Jerusalém, escreveu em uma rede social: «As palavras vergonhosas de Lula são uma combinação repugnante de ódio e ignorância. Comparar uma nação que luta contra uma organização terrorista assassina com as ações dos nazistas no Holocausto merece total condenação”.

Em entrevista à GloboNews, o diplomata e ex-embaixador do Brasil em Londres Rubens Barbosa afirmou que a comparação feita por Lula é muito grave.

“Olha, eu acho que a fala do presidente realmente passou da linha vermelha, como se diz. Porque ele já vinha criticando o governo de Israel, criticou Netanyahu por insanidade nas ações que ele estava tomando, mas até aqui ficava a crítica ao governo de Israel. Agora, ao comparar as ações de Israel com Holocausto, ele critica o próprio Estado de Israel. Eu acho que aí aumentou a gravidade e a reação do governo de Israel foi imediata. E tem acontecido isso sempre. É que ele, na área internacional, fala de improviso. Quer dizer, certamente o Itamaraty não partilha dessa opinião. Então isso realmente é muito grave, porque realmente faz uma comparação que, na minha opinião, não é apropriada. O Holocausto é uma coisa gravíssima, é uma coisa que supera a imaginação do mal. E a crise de Gaza é uma guerra localizada, é uma ação contra um grupo terrorista que matou israelenses também. Você pode criticar, como ele tinha criticado, se foi desproporcional a reação e tal. O próprio presidente Biden está criticado isso. Mas nunca ninguém chegou a comparar o que está acontecendo lá com o Holocausto”, diz.

A Confederação Israelita do Brasil afirmou que a fala do presidente brasileiro foi uma distorção perversa da realidade e ofende a memória das vítimas do Holocausto e de seus descendentes.

Em nota, o Instituto Brasil-Israel afirmou que a comparação de Lula é um erro grosseiro que inflama tensões e mina a credibilidade do governo brasileiro como um interlocutor pela paz.

Em entrevista a GloboNews, Andre Lastj, presidente executivo StandWithUs Brasil, uma instituição educacional sobre Israel dedicada a combater o extremismo e o antissemitismo, afirmou que as declarações do presidente têm um cunho antissemita, quando há preconceito e ódio aos judeus.

“Por mais triste que seja, isso é de uma certa forma acusar os judeus do crime de seus algozes de 80 anos atrás e, ao mesmo tempo, diminui e banaliza a memória das 6 milhões de vítimas do Holocausto. Inclusive, a Aliança Internacional de Memória do Holocausto, IHRA na sigla em inglês, que tem uma definição muito clara, onde o Brasil é membro observador dessa organização, junto com outros 40 e poucos países. Está lá muito claro que é um tipo de antissemitismo contemporâneo fazer qualquer tipo de comparação de políticas israelenses em relação aos palestinos, ao conflito árabe-israelense, ao processo de paz, ou seja, lá o que for em relação ao que aconteça no Oriente Médio, com o Holocausto. São coisas completamente diferentes e precisam ser separadas. O presidente pode criticar Israel, pode apoiar os palestinos, está no direito dele, no direito de qualquer país democrático, de líderes democráticos de apoiarem a solução de dois Estados, apoiarem Israel de se defender e os palestinos de terem um país, ou até mesmo de lamentar as mortes em Gaza, assim como as mortes em Israel. Isso que ele não lembra, a maior parte das vezes que ele fala, não lembra os reféns, ele não lembra as mortes que teve em Israel, não lembra os estupros e, ao mesmo tempo, ele faz essa comparação”.

No início da noite deste domingo (18), a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República divulgou uma nota em que não explica a comparação feita por Lula com o Holocausto, mas afirma que «o presidente Lula condenou desde o dia 7 de outubro os atos terroristas do Hamas; o fez diversas vezes; e se opõe a uma reação desproporcional e ao sofrimento de mulheres e crianças na Faixa de Gaza”.

O Globo

Más notas sobre el tema