Brasil | Lula retira a su embajador de Israel

Foto: Fáabio Rodrigues/ Agência Brasi
1.020

Lula retira embaixador de Israel e indica piora nas relações entre os países

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva elevou novamente o tom contra o genocídio de palestino na Faixa de Gaza conduzido por Israel e retirou de forma definitiva o embaixador brasileiro no país. O governo brasileiro não indicou substituto e a embaixada será liderada pelo chefe de negócios, em sinal claro da redução de importância que as relações com Israel passam a ter para o Brasil.

Em decreto de terça-feira (28) publicado no Diário Oficial da União (DOU),  Lula removeu o embaixador Frederico Salomão Duque Estrada Meyer da Embaixada do Brasil em Tel Aviv para exercer o cargo de representante especial do Brasil junto à Conferência do Desarmamento em Genebra, Suiça.

A decisão do presidente brasileiro ocorre em meio ao aumento da pressão internacional contra a ofensiva militar de Israel em Rafah. No domingo (26), bombardeio israelense ao campo de refugiados montado na cidade deixou crianças, mulheres e idosos carbonizados, pelo menos 45 mortos e mais de 200 feridos.

O ataque desrespeitou decisão emitida pela Corte Internacional de Justiça (CIJ) e gerou indignação internacional.  O governo do México anunciou na terça-feira (28) que apresentou um pedido formal para fazer parte da ação que tramita na CIJ, na qual o Estado de Israel é acusado de cometer um genocídio contra a população palestina residente na Faixa de Gaza.

O processo foi iniciado em janeiro deste ano por iniciativa da África do Sul e afirma que a ação militar iniciada em outubro passado pelo governo sionista de Benjamin Netanyahu, que já causou a morte de mais de 36 mil civis palestinos, configura violação da Convenção para a Prevenção e Repressão do Crime de Genocídio, documento que Israel assinou e, portanto, se comprometeu a respeitar.

Estado palestino

Na última quinta-feira (23), o presidente Lula classificou como «histórica», a decisão de Espanha, Irlanda e Noruega reconhecerem o Estado palestino, decisão que ele considerou positiva para impulsionar os «esforços» de paz no Oriente Médio.

«A decisão conjunta de Espanha, Noruega e Irlanda de reconhecer a Palestina como um Estado é histórica por duas razões. Faz justiça em relação ao pleito de todo um povo, reconhecido por mais de 140 países, por seu direito à autodeterminação», escreveu Lula no X.

«Além disso, essa decisão terá efeito positivo em apoio aos esforços por paz e estabilidade na região. Isso só ocorrerá quando for garantida a existência de um Estado Palestino independente», acrescentou.

O presidente lembrou, ainda, que o Brasil foi «um dos primeiros países na América Latina» a reconhecer o Estado palestino, em uma decisão que logo foi seguida por outras nações da região. O reconhecimento ocorreu em 2010, durante o segundo mandato de Lula.

Em visita ao Brasil no início de março, o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, defendeu, ao lado de Lula, a criação de um Estado palestino como necessário para um acordo de paz na região.

Brasil de Fato


DECRETOS DE 28 DE MAIO DE 2024

decreto28

Gobierno de Brasil

Más notas sobre el tema