Inundaciones en Brasil | El Gobierno prepara “ciudades temporales” para los evacuados

1.048

Continúan las inundaciones en Brasil y el Gobierno prepara «ciudades temporales» para los evacuados

Las inundaciones no dan respiro a la población del sur de Brasil: desde principios de abril, las intensas lluvias ya dejaron 151 muertos, 100 desaparecidos y alrededor de medio millón de personas evacuadas de sus hogares. Ante este escenario crítico, las autoridades regionales están planeando conformar cuatro «ciudades de tiendas de campaña» para refugiar a 8.000 personas, que actualmente están alojadas en lugares improvisados.

Aproximadamente 500.000 personas tuvieron que dejar sus hogares y más de 77.000 se encuentran en refugios públicos. Los especialistas advirtieron que las inundaciones pueden tardar un mes o más en disminuir y que muchos residentes no tienen a donde regresar.

Es por esto, que el gobierno local está planificando estructuras temporales, con dormitorios individuales, baños, cocinas y lavaderos para miles de personas que actualmente están parando en escuelas, iglesias o estadios deportivos.
«Parte de esta gente, lamentablemente, no tiene adónde ir», dijo el vicegobernador Gabriel Souza de Rio Grande do Sul a Reuters en una entrevista telefónica.
El funcionario reconoció que una vez que pase la inundación, muchos edificios públicos que actualmente funcionan como refugio tendrán que volver a sus funciones normales y los voluntarios tendrán que volver a sus rutinas. Ante esta situación, Souza adelantó que el Gobierno ya identificó locaciones en Porto Alegre, y en las cercanas Canoas y Sao Leopoldo que cumplen con los requisitos para albergar las estructuras.

Las autoridades también están buscando al menos un lugar más con servicios en la ciudad de Guaiba, muy inundada.

Inundaciones en Brasil: cuántas personas fueron evacuadas
De las aproximadamente 50.000 personas que se encuentran en refugios públicos en esas cuatro ciudades, el gobierno estatal estima que alrededor del 15% necesitará alojamiento a largo plazo en las estructuras temporales. Se espera que la mayoría regrese a sus hogares o encuentre alternativas, como quedarse con familiares.

La agencia de las Naciones Unidas para los refugiados (ACNUR) anunció la donación a Rio Grande do Sul de 108 unidades de una estructura temporal normalmente utilizada en los campos de refugiados.

AMBITO


Quatro municípios gaúchos vão construir “cidades provisórias” para receber desabrigados

Por Guilherme Sperafico

O governo do Estado está desenvolvendo um projeto para a construção de «cidades provisórias» em quatro municípios que concentram mais de 65% da população desabrigada pelas enchentes. As cidades de Porto Alegre, Canoas, São Leopoldo e Guaíba receberão essas estruturas temporárias, destinadas a acolher os desabrigados com toda a infraestrutura mínima necessária, até que as políticas de habitação definitiva sejam implementadas.

Essas cidades provisórias oferecerão acomodações para as famílias, além de espaços de uso comum, terão banheiro com chuveiro, cozinha, lavanderia, áreas kids e pets. A montagem dessas estruturas, conforme o gabinete do vice-governador Gabriel Souza, está prevista para ocorrer de forma rápida.

A partir da próxima semana, será iniciada a contratação dos serviços, seguida pela montagem das instalações. No entanto, ainda não há uma data específica para a conclusão, pois a execução depende de diferentes fornecedores. Mais informações devem ser divulgadas pelo governo à medida que as definições forem finalizadas, em conjunto com as prefeituras e parceiros.

Atualmente, áreas indicadas pelas prefeituras estão sendo avaliadas para a construção dessas cidades provisórias. Em Porto Alegre, a área escolhida é o Porto Seco, na Zona Norte. Em Canoas, o Centro Olímpico Municipal (COM) foi apontado como a melhor opção e, inclusive, recebeu a visita do vice-governador Gabriel Souza na terça-feira, dia 14, acompanhado pelo prefeito Jairo Jorge. Em São Leopoldo, a indicação é o Centro de Eventos, enquanto em Guaíba a definição do local ainda está em andamento.

CORREIO DO POVO


Enchentes afetam 90% dos municípios gaúchos, segundo a Defesa Civil

As enchentes afetaram 90% dos municípios gaúchos, segundo a Defesa Civil.
O cenário da enchente ganha outra forma com o recuo da água. Em Lajeado, no Vale do Taquari, alguns moradores conseguiram chegar até as casas para fazer a limpeza. O comerciante aposentado Ricardo Ewald não sabe quando vai poder voltar de vez. O barro cobre todas as paredes.

“Eu tenho a casa para limpar. Tem muitos amigos meus que não tem mais a casa para limpar”, conta.

A lama e os entulhos começam a aparecer nas ruas de Porto Alegre onde a água baixou. O empresário Jair Lamm tenta recuperar o que sobrou da padaria aberta há 25 anos.

“ Os freezers viraram de cabeça pra baixo, toda a mercadoria estragou. Agora, tem que ter forças para recomeçar. ”, diz.

Em uma casa, os moradores conseguiram salvar apenas os colchões que foram empilhados em cima de cadeiras. A água chegou a pouco mais de meio metro – como mostra a marca na parede – e tudo ficou inundado por quatro dias.

O supervisor de transporte Luciano Forte tentou recuperar o guarda-roupa, mas desistiu. Móveis e eletrodomésticos não podem mais ser usados.

“O roupeiro vai fora, a cama vai fora, vai sobrar só a janela e porta”, lamenta.

A Confederação Nacional dos Municípios fez uma estimativa da destruição a partir de dados de prefeituras.

“96 mil foram destruídas semi ou parcialmente. Isso chega a um prejuízo de R$ 5 bilhões”, afirma Paulo Ziulkoski, pres. COnf Nacional dos Municípios.

Segundo a Defesa Civil, as enchentes afetam 458 dos 497 municípios do Rio Grande do Sul. Mais de 600 mil pessoas estão fora de casa em todo o estado. É um número maior, por exemplo, do que toda a população de uma capital como Florianópolis. A Zonal Sul de Porto Alegre é uma das áreas que segue tomadas pela água.

Em Canoas, na Região Metropolitana, o desespero de um cachorro mostra a dimensão da enchente. Ele nada entre as casas, percorre os telhados. Quase sem forças, tem dificuldade para alcançar outros cães. É o mais próximo possível que ele consegue chegar de alguma segurança.

GLOBO

Más notas sobre el tema