Presupuesto vuelve urgente las reformas – Diario O Globo, Brasil

Los conceptos vertidos en esta sección no reflejan necesariamente la línea editorial de Nodal. Consideramos importante que se conozcan porque contribuyen a tener una visión integral de la región.

Orçamento torna urgentes as reformas

Parte do cenário de terra arrasada da economia brasileira, construído pelo experimentalismo da política do “novo marco macroeconômico”, executada a partir do final do segundo governo Lula e aprofundada em Dilma 1, foi conhecida na semana passada com a divulgação do PIB do segundo trimestre. Ficou sacramentada a entrada do país em recessão — depois de dois trimestres seguidos de queda do PIB, com uma retração de 2,1% na primeira metade do ano.

Junto com os dados negativos do primeiro semestre, veio a deterioração das perspectivas para o ano. E ontem, o quadro de pessimismo foi reforçado com a decisão do governo de, pela primeira vez na História, enviar ao Congresso uma proposta de Orçamento para o exercício seguinte com déficit primário: R$ 30,5 bilhões, ou 0,5% do PIB. Vale lembrar que a meta inicial para 2016 era de um superávit de 2%.

Na parte da manhã, em São Paulo, o vice-presidente da República, Michel Temer, ressaltou que o governo, com a decisão de enviar um projeto orçamentário com saldo negativo, sinalizava rejeitar qualquer maquiagem. Que assim seja.

Antes, porém, o Planalto ensaiou um show de incompetência política — mais um —, ao tentar ressuscitar o malfadado imposto da CPMF, numa manobra engendrada a partir do Ministério da Saúde, sob controle do PT, contra a opinião geral de empresários e políticos. Teve, então, de recuar às pressas, no fim de semana.

Houve quem entendesse a proposta de um orçamento deficitário como forma de transferir o problema para o Congresso, onde a CPMF, imposto dos sonhos lulopetistas — apesar de sua iniquidade social e malefícios econômicos —, não tem trânsito. Nem na sociedade. Sucede que a União não pode fugir às suas responsabilidades na formatação final do Orçamento.

Na entrevista concedida à tarde, em Brasília, pelos ministros da Fazenda e Planejamento, Joaquim Levy e Nelson Barbosa, após a entrega formal da proposta ao Congresso, ficou evidente que a evolução rápida da crise colocou governo e sociedade diante da crucial e inadiável tarefa de conter o crescimento dos gastos públicos obrigatórios — Previdência, Saúde, Educação e folha do funcionalismo, para citar os principais itens.

Como são despesas indexadas, muitas ao salário mínimo, elas crescem mesmo na recessão e consequente queda de receita. Um dado: enquanto a coleta de impostos deverá continuar a cair, esses gastos compulsórios subirão, no ano que vem, de R$ 871,8 bilhões para R$ 960,2 bilhões. Trata-se, por óbvio, da fórmula da hecatombe fiscal.

Portanto, não há alternativa a não ser atacar logo algumas reformas: a da Previdência, por exemplo, com a fixação da idade mínima para se obter o benefício, bem como acabar com a atual fórmula de reajuste do salário mínimo. Ele terá um aumento de cerca de 10% em 2016, o suficiente, calcula-se, para gerar um gasto adicional equivalente a 0,2% do PIB. Algo inviável.

O Globo