Los conceptos vertidos en esta sección no reflejan necesariamente la línea editorial de Nodal. Consideramos importante que se conozcan porque contribuyen a tener una visión integral de la región.

Derrota de Cunha precisa recolocar Câmara nos eixos 

Na mais longa tramitação de um pedido de impeachment no Conselho de Ética da Câmara, oito meses, o deputado e presidente da Casa, de mandato suspenso, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) começa mesmo a sair de cena. Pode não ser para já, mas é inexorável, pelo volume de inquéritos, denúncias e até pedido de prisão que orbitam em torno de Cunha. Agora, ele começa a perder sustentação entre os próprios pares. Por 11 votos a nove — com a ajuda de Tia Eron (PRN-BA), até há pouco considerada voto certo de Cunha, e a surpreendente conversão de Wladimir Costa (SD-PA), liderado por Paulinho da Força (SD-PA) —, terminou aprovado o relatório de Marcos Rogério (DEM-RO) a favor da cassação do deputado suspenso.

O processo foi instaurado a pedido do PSOL depois que Eduardo Cunha, na condição de presidente da Casa, compareceu à CPI da Petrobras e negou ter contas no exterior, não declaradas ao Fisco.

Mentiu, como logo ficou provado pelas provas remetidas à Procuradoria-Geral da República pelo Ministério Público suíço.

Cunha, fiel a um estilo, continuou a negar e passou a manobrar cada vez mais, com os poderes de comandar a Mesa da Casa, para garantir uma composição no Conselho de Ética que lhe fosse favorável na votação final. As manobras chegaram a tal ponto que o MP federal pediu, e o Supremo concordou, que o deputado tivesse o mandato suspenso, uma decisão carregada de ineditismo, por tangenciar a fronteira de um outro poder, o Legislativo. Cunha, porém, não parava de ultrapassar limites.

A derrota no Conselho deverá levá-lo a recorrer à Comissão de Constituição e Justiça. Argumentos, ele sempre tem alguns. E chegando o processo de impeachment ao plenário, onde a votação também será aberta, são escassas as chances de ele escapar. Eduardo Cunha se candidata a ser um dos símbolos da enorme faxina que a Operação Lava-Jato tem feito na vida pública do país — não apenas no ramo político-partidário, mas também no empresarial. Um processo histórico de fortalecimento das instituições de fato republicanas, mais visível a partir do mensalão, no primeiro mandato de Lula. Cunha está a caminho de vir a ser ser lembrado junto a outros poderosos obrigados a ser curvar à Lei, como Lula, Dirceu, Genoíno, Marcelo Odebrecht etc.

O mau momento do político do PMDB fluminense também se tornará ainda pior, se e quando ele for cassado. Sem a prerrogativa de ser investigado e julgado pelo Supremo, Cunha fará companhia à mulher, Cláudia Cruz, na primeira instância. Ela acaba de ser declarada ré pelo juiz Sérgio Moro, um dos vértices da Operação Lava-Jato, em Curitiba, por se beneficiar de milhares de dólares das contas as quais Cunha diz não existir.

O dia de ontem passa a ter destaque na já longa história da repressão ao crime de colarinho branco no país. A torcida é para que também marque o início de uma regeneração na Câmara.

O Globo