Tras el mega-apagón, el país empieza a importar energía de Argentina

RIO e BRASÍLIA – Um dia após os apagões em diversas áreas de 11 estados e do Distrito Federal, o Brasil recorreu à importação de energia da Argentina para garantir plenamente o consumo do país. Segundo dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), ontem, dia 20, foram importados 165 megawatts (MW) médios do país vizinho.

Houve intercâmbio internacional da Argentina para o Brasil a pedido do ONS em tempo real, das 10h23min às 12h e das 13h às 17h02min, entre 500 MW e 1.000 MW, para contribuir no atendimento à ponta do Sistema Interligado Nacional (SIN). Os períodos coincidem com os novos horários de pico de consumo identificados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O motivo da mudança, segundo a reguladora, seria o uso mais intenso de aparelhos de ar-condicionado.

A energia veio da Argentina pelas estações de conversão Garabi 1 e 2 existentes no Rio Grande do Sul. Há um acordo operacional energético entre os dois países pelo qual, em caso de emergência, um solicita ao outro o envio de um volume de energia por um período curto. Não se paga por essa energia que, conforme o acerto, é depois devolvida ao outro país.

– A importação é um sinal de desequilíbrio conjuntural na ponta de consumo – disse Nivalde de Castro, pesquisador de energia elétrica do Gesel/UFRJ.

Segundo o gerente de Regulação da Safira Energia, Fábio Cuberos, esse volume importado da Argentina consegue abastecer uma cidade de 600 mil habitantes por mês.

– É muita energia, sim. O Brasil tem interligação com a Argentina.Tradicionalmente, o Brasil exporta energia elétrica para a Argentina porque o país vizinho gera energia, basicamente, a partir de usinas termelétricas. E, por isso, tem energia mais cara em relação à do Brasil, quando os reservatórios estavam cheios. Mas, hoje, essa situação em relação aos preços se inverteu por conta da fraca condição hídrica do Brasil – destacou Cuberos.

O GLOBO