Brasil: Avanza proceso de juicio político contra jefe de Diputados Eduardo Cunha y allanan su casa por escándalo de Petrobras

Agentes de la Policía Federal de Brasil requisaron el martes la residencia oficial de la Cámara de Diputados, a la que llegaron con tres vehículos para aislar el área, cumpliendo mandatos judiciales de incautación de documentos del presidente del cuerpo, Eduardo Cunha. La acción, bautizada Catilinaria, fue pedida por la Procuraduría General de la República y contó con el aval del juez del Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki. Cunha está acusado de recibir cinco millones de dólares en sobornos por contratos de alquiler de navíos-sondas para Petrobras y también por operaciones de la petrolera estatal en África. También fue requisada la residencia de Cunha en Rio de Janeiro. La operación policial fue bautizada Catilinaria, en alusión al senador golpista romano. El operativo policial también alcanzó a dos ministros del gobierno, ambos del PMDB.

Agentes de la Policía Federal de Brasil se presentaron el martes en la residencia oficial de la Cámara de Diputados con tres vehículos aislando el área para cumplir mandatos judiciales de requisa e incautación de documentos del presidente del cuerpo, Eduardo Cunha.

La acción, bautizada Catilinaria, fue pedida por la Procuraduría General de la República y contó con el aval del juez del Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki, alcanzando fuertemente al Partido del Movimiento Democrático Brasileño (PMDB).

Cunha está acusado de recibir cinco millones de dólares en sobornos por contratos de navíos-sondas y también por operaciones de la petrolera estatal Petrobras en África.

Cunha conduce y lidera el pedido de impeachment a la presidenta Dilma Rousseff.

También fueron blanco de la operación el senador Edison Lobao y el diputado Aníbal Gomes, ambos del PMDB. La policía también allanó e incautó documentos en la casa de Cunha en el barrio de Barra de Tijuca, de Rio de Janeiro.

La orden del juez Zavascki se realizó por un pedido de la Procuraduría General de la República, que investiga desde hace meses a Cunha por su supuesta participación en la red de corrupción que operó en Petrobras.

La acción de la Policía Federal fue bautizada Catilinaria en referencia a la serie de discursos del cónsul, jurista y republicano romano Cicerón contra el senador Lucio Catilina, quien buscaba derrocar al gobierno.

También fueron blanco de la operación dos ministros del gobierno, ambos del PMDB: Eduardo Henrique Alves, de Turismo, y Celso Pansera, de Ciencia y Tecnología.

La policía realizó acciones en Sao Paulo, Rio de Janeiro, Pará, Pernambuco, Alagoas, Ceará, Rio Grande do Norte y Brasilia.

Los operativos policiales se relacionan con los ilícitos cometido en torno a la petrolera estatal Petrobras.

Además de sufrir el operativo policial, Cunha sufrió una derrota en el Consejo de Ética de la Cámara baja, que aprobó un parecer favorable para que su mandato sea anulado.

Brasil247

Conselho de Ética vota pela continuidade de ação contra Cunha

Presidente da Câmara será notificado e terá 10 dias para apresentar defesa por escrito

Por 11 votos a 9, o Conselho de Ética da Câmara votou a favor do parecer do deputado Marcos Rogério (PDT-RO), que mantém a admissibilidade da representação contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por quebra de decoro parlamentar. A decisão dá continuidade às investigações sobre o presidente da Câmara. Cunha é acusado dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro e por ter prestado falso testemunho quando depôs na CPI da Petrobras negando ter contas secretas no exterior.

Cunha será notificado e terá 10 dias para apresentar defesa por escrito.

Minutos antes da votação, os deputados chegaram a tentar acordos para adiar a sessão pela oitava vez. Os parlamentares queriam evitar novas estratégias para atrasar o andamento da representação protocolada há mais de 60 dias e também evitar a judicialização do processo.

O Conselho de Ética decidiu, por 11 votos a 9, rejeitar pedidos de vista ao parecer apresentado pelo novo relator do caso, Marcos Rogério (PDT-RO). Segundo alguns deputados do conselho, “a ordem veio de lá” da defesa de Cunha que agora quer concentrar esforços para responder as acusações na Justiça.

Em uma sessão um pouco mais tranquila do que a da última semana, deputados do Conselho de Ética decidiram, sob divergências, não aceitar o pedido de vista que tinha sido apresentado pelo deputado Genecias Noronha (SD-CE) que poderia adiar, pela oitava vez, a votação do relatório favorável ao seguimento das investigações sobre Eduardo Cunha no colegiado. A decisão foi questionada por aliados do peemedebista.

O deputado Carlos Marun (PMDB-MS) disse que, como o Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu acatar a decisão de afastar o relator anterior do processo, Fausto Pinato (PRB-SP), sob alegação de que o parlamentar é de partido da base de Cunha o que regimentalmente é proibido, a sessão de hoje pode ser anulada. Aliados de Cunha sinalizaram que vão recorrer à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara para anular a decisão do conselho sobre o pedido de vista.

Araújo havia se manifestado contra o pedido do Solidariedade, mas, diante de críticas, Araújo pediu para que o colegiado decidisse por voto. Por 11 a 9, os deputados decidiram não aceitar o pedido de vista e dar sequencia a votação do parecer que vai definir o destino de Cunha.

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) reforçou o discurso do relator do processo, Marcos Rogério (PDT-RO). “Não há nulidade se não houve prejuízo. Não dá para anular o ato porque não teve um prejuizo a ele [Eduardo Cunha]. Se tem uma pessoa que nunca foi prejudicada foi ele”, afirmou. Na mesma linha, o deputado Zé Geraldo (PT-PA) afirmou que qualquer ato tomado pelo Conselho de Ética no processo contra ele, Cunha vai anular.

Marcos Rogério defendeu que se trata do mesmo processo e que o momento é pela admissibilidade do processo. “Somente a instrução probatória poderá permitir que sejam examinados os fatos capaz de assegurar ou não a conduta imputada ao representado”, defendeu.

PSDB
Depois de quase três horas de sessão com ânimos mais controlados, a temperatura chegou a subir, pelo menos uma vez, quando o deputado Nelson Marchezan Junior (PSDB-RS) pediu para que as “tropas de Cunha e Dilma” permitam que o processo contra o presidente da Câmara seja votado com celeridade.

“É vergonhoso a Polícia Federal estar dentro do Senado, da Câmara, enquanto nós, parlamentares, parecemos manter [José] Sarney no Poder, Renan [Calheiros] no Poder. As pessoas nos cobram nas ruas como [Eduardo] Cunha (PMDB-RJ)) continua na presidência da Casa. Como mantemos Dilma [Rousseff] com tanta roubalheira. Eu não estou na mesma lata de lixo que alguns colegas que estão aqui”, atacou provocando gritos e tumultos que rapidamente foram controlados.

No bate boca entre Marchezan e o deputado Léo de Brito (PT-AC) que também usou o termo quadrilha para mencionar a “aliança” do PSDB com Cunha no processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, Zé Geraldo, em tom irônico, anunciou que Cunha daria uma coletiva a tarde para anunciar que renunciaria ao cargo. “Estou fazendo uma análise de conjuntura”, explicou.

Operação Catilinárias
A Polícia Federal cumpriu na manhã de hoje (15) mandado de busca e apreensão na residência oficial de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em Brasília, e na casa particular dele, no Rio de Janeiro. A ação faz parte de uma nova fase da Operação Lava Jato e foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki.

No total, a Polícia Federal cumpre 53 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal (9), em São Paulo (15), no Rio de Janeiro (14), Pará (6), em Pernambuco (4), Alagoas (2), no Ceará (2) e no Rio Grande do Norte (1).

redebrasilatual


VOLVER