Surgem as provas da atuação de Moro, o Russo, como chefe da ORCRIM – Por Jeferson Miola

Por Jeferson Miola *

As revelações do Intercept de 19/10 [aqui] trazem as provas do Moro agindo como chefe da ORCRIM – organização criminosa, como o ministro Gilmar Mendes denomina a força-tarefa da Lava Jato.

Nunca houve dúvidas quanto à função do ex-juiz na hierarquia da ORCRIM. O que se tem agora é a comprovação documental do papel exercido por ele em obediência às ordens emanadas desde o centro de inteligência estratégica da Operação, sediado nos EUA.

É assombroso o conluio entre o “Russo” [codinome com que Moro era chamado na ORCRIM] com procuradores e policiais federais.

Aqueles funcionários do Estado brasileiro pagos com impostos recolhidos da população conheciam as práticas criminosas do capo di tuti capi [aqui] e, ao invés de denunciá-las, prevaricavam e “ajeitavam” os ilícitos, como disse o delegado da PF Luciano Flores: “Normal… deixa quieto…Vou ajeitar…kkkk”.

Ainda mais estarrecedor e vergonhoso que os crimes cometidos por eles é o fato daqueles agentes públicos ainda estarem ocupando cargos públicos e, em alguns casos, tendo sido alçados a escalões superiores do governo Bolsonaro:

como retribuição pelos serviços prestados – o mais notório deles a farsa para tirar Lula da eleição – Russo ganhou de Bolsonaro o cargo de ministro da justiça;

o delegado Luciano Flores foi nomeado pelo Russo para comandar a PF no Paraná;

a delegada Renata da Silva Rodrigues, que foi informada pelo colega Luciano Flores que “Russo deferiu uma busca que não foi pedida por ninguém ….hahahah” e reagiu com um “Kkkkk – Como assim?!”, é a Chefe do Serviço de Repressão a Crimes Financeiros do ministério comandado pelo Russo;

a delegada Erika Marena, que dirigiu operação que levou o reitor da UFSC Luis Cancellier ao suicídio, foi indicada pelo Russo para o cargo de conselheira do COAF, atual UIF [Unidade de Inteligência Financeira];

o delegado Marcio Anselmo, que alertou Moro a redefinir o mandato de busca e apreensão na casa do Lula em 4 de março de 2016, foi designado como conselheiro da UIF [ex-COAF];

o delegado Igor Romario de Paula foi nomeado pelo Russo para comandar a Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado do ministério comandado por ele.

O STF começou julgar, depois de quase 2 anos de atraso, a inconstitucionalidade da prisão antes do trânsito em julgado. Com a decisão, pessoas pessoas presas em flagrante inconstitucionalidade serão libertadas, como é o caso do ex-presidente Lula.

Mais relevante e essencial que este julgamento, entretanto, é o julgamento sobre a suspeição de Sérgio Moro, o gângster que chefiou a ORCRIM que corrompeu o sistema de justiça e atentou contra o Estado de Direito para viabilizar a eleição do governo fascista ao qual hoje serve.

A liberdade do Lula deve ser imediatamente devolvida não apenas porque o STF deverá restaurar o princípio constitucional da presunção de inocência que ele próprio, Supremo, violou.

Lula terá de ser imediatamente libertado porque é um inocente que foi vítima da maquinação monstruosa da ORCRIM chefiada por Sérgio Moro, o Russo.


VOLVER