Para el MST, el gobierno de Bolsonaro está en crisis y el momento exige movilización – Por José Eduardo Bernardes, Brasil de Fato

27

Para el MST, el gobierno de Bolsonaro está en crisis y el momento exige movilización

La crisis institucional, política y social que sucede en Brasil empeora cada vez más bajo el gobierno de Jair Bolsonaro (sin partido). Este es el análisis compartido por los movimientos populares, centrales sindicales y partidos políticos que integran el Frente Brasil Popular. Las y los dirigentes de esos grupos se reunieron en último lunes (02) por la mañana en São Paulo en la sede de la Central Única de Trabajadores (CUT).

“En la economía, los problemas de la clase obrera solo se profundizan. Se detuvieron las inversiones en la industria, la precarización incrementó el desempleo y hubo una fuga de capital extranjero equivalente a de US$ 25 mil millones, por ello la tasa de cambio se incrementó”, explica João Pedro Stedile, de la dirección nacional del Movimiento de Trabajadores Rurales Sin Tierra (MST).

Sin embargo, el dirigente considera que la ofensiva de Bolsonaro, como un llamado a participar en una marcha para el próximo 15 de marzo con el fin de apoyar el cierre del Congreso y del Supremo Tribunal Federal (STF) divulgado por el presidente en Whatsapp, pueden ser los catalizadores de una presión social contra el presidente.

“Hay que incrementar las movilizaciones populares y en este sentido la convocatoria que hizo Bolsonaro para el día nos ayuda porque revela que está en crisis, incluso su tutela militar porque no pueden sentirse cómodos ante esta situación”, señala.

Según él, el Congreso y la Corte Suprema del país forman parte de las fuerzas derechistas del país. “¿Cómo el presidente derechista ataca a sus propios aliados?”, cuestiona el dirigente.

En el encuentro también se debatieron los retos del campo progresista, como la formación de un frente amplio entre partidos políticos para unir diversas tendencias en las próximas contiendas electorales y en la oposición al gobierno federal.

Brasil de Fato


Para Stedile, do MST, governo Bolsonaro está em crise: “Mobilização precisa crescer”

A crise institucional, política e social que acomete o Brasil têm se agravado cada vez mais pelas mãos do governo Jair Bolsonaro (sem partido). Essa é a avaliação compartilhada por movimentos populares, centrais sindicais e partidos políticos que integram a Frente Brasil Popular. Dirigentes desses grupos se reuniram na manhã desta segunda-feira (2), em São Paulo (SP), na sede da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

“Na economia, os problemas da classe trabalhadora só se aprofundam. Os investimentos na indústria pararam, o desemprego está aumentando com a precarização e fugiram U$ 25 bilhões do capital estrangeiro, por isso a taxa de câmbio subiu”, explica João Pedro Stedile, da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

Para Stedile, porém, as investidas de Bolsonaro, como a circulação de um vídeo por meio de aplicativo de mensagens conclamando seguidores a participar de uma manifestação contra o Congresso Nacional, podem ser catalisadores de uma pressão social contra o presidente.

“Precisamos aumentar as mobilizações populares e nesse sentido, a convocação que o Bolsonaro fez para o dia 15 nos ajuda, porque revelou que ele está em crise, inclusive da tutela militar, porque eles não podem estar confortáveis diante dessa situação que ele estimulou, o motim da Polícia do Ceará e esses arroubos dele contra o Congresso e contra o STF”, aponta.

Segundo ele, o Congresso e o STF são parte das forças de direita. “Então como é que um presidente de direita ataca seus próprios aliados?”, questiona o dirigente do MST.

“A confiança do povo”

O encontro também serviu para discutir temas que pairam o campo progressista, como a formação de uma frente ampla entre partidos políticos, que uniria diferentes tendências durante as disputas eleitorais e também na atuação enquanto oposição ao governo federal.

Uma frente, segundo Mônica Valente, da executiva nacional do PT (Partido dos Trabalhadores), seria fundamental para resgatar os direitos que têm sido perdidos nos últimos anos.

“Nós temos que construir uma frente forte de enfrentamento e de resistência à essas políticas do governo Bolsonaro e uma frente que também busque resgatar a democracia e o respeito aos direitos dos movimentos sociais, de se organizarem, de protestarem.”

Outro tema debatido foi a participação popular. É consenso entre os movimentos que uma das maneiras mais eficientes de pressionar o governo de Jair Bolsonaro é com intensa mobilização popular.

Para Walter Sorrentino, vice-presidente do PCdoB (Partido Comunista do Brasil), no entanto, antes de fazer um chamado para que o povo vá às ruas, é necessário entender quais as ferramentas utilizadas por essa população.

“Precisamos reconquistar a confiança do povo. Uma parte dessa confiança foi perdida, não se trata apenas de convocar manifestações, mas se trata de estabelecer um diálogo com uma imensa massa, que seria o centro social no nosso país, que não está com ele, mas também não está conosco”, afirma. “É preciso uma nova linguagem, novos modos e métodos de fazer a pedagogia política junto a esses setores”, completa Sorrentino.

Brasil de Fato


VOLVER
Más notas sobre el tema