Temer: elección de diputados trae armonía con el Congreso

El presidente interino Michel Temer manifestó su esperanza de una mayor “armonía” en el Congreso tras la elección del nuevo presidente de la Cámara Baja, el diputado derechista Rodrigo Maia, de la agrupación Demócratas.

Maia, que apoya a Temer y respaldó el impeachment a Dilma Rousseff, fue elegido tras la renuncia la semana pasada del polémico legislador Eduardo Cunha, principal arquitecto del proceso de destitución contra la presidenta suspendida.

Temer evitó celebrar de manera directa la victoria de Maia, aunque conmemoró la “armonía interna” y la “distensión” que se ha respirado en el Congreso tras la salida de Cunha, quien lucha por mantener su banca.

“Tendremos más armonía, lo que será muy útil para el Ejecutivo. Particularmente en el caso del Ejecutivo es necesario tener el apoyo del Legislativo, sin él es difícil gobernar”, aseguró Temer.

Maia se impuso en una segunda y definitiva votación por 285 votos a 170 a Rogério Rosso, del Partido Social Democrático (PSD). Rosso fue apoyado por Cunha, acusado de beneficiarse de la red de corrupción enquistada en la petrolera estatal Petrobras.

Maia será el primero en la línea de sucesión de Temer.

“Acompañé con mucho cuidado, mucho interés y verifiqué una cosa curiosa: hemos pedido la pacificación y la armonía entre los Poderes y asistimos ayer una armonía interna, una distensión”, señaló Temer.

Agregó que esa “distensión que está viviendo Brasil quedó reflejada en el momento en el que Maia y Rosso se abrazaron tras concluir la votación”.

Brasil 247


Rodrigo Maia visita Aécio Neves após vitória na Câmara

Em seu primeiro dia como presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) visitou ontem (14) o senador Aécio Neves (PSDB-MG) para agradecer ao apoio dos tucanos, sobretudo no segundo turno na eleição desta quarta-feira (13), quando o candidato do DEM derrotou o deputado Rogério Rosso (PSD-DF), candidato governista, por 285 votos contra 170.

“Nós, deputados e senadores, vamos trabalhar juntos, construir pautas em conjunto para que a gente possa superar a crise, reformar muitos temas no Brasil em conjunto. É fundamental que Câmara e Senado voltem a ter um diálogo saudável, o que deixamos de ter há muito tempo”, disse quinta-feira (14) após visita ao senador Aécio Neves (PSDB-MG).

No Facebook, Aécio comentou o encontro:

“Recebi, hoje pela manhã, a visita do novo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, em meu gabinete no Senado, em sua primeira agenda no cargo. Ele continuará tendo o apoio do PSDB para trabalhar para que a Câmara dos Deputados atue como deve: com respeito à oposição e possibilitando o amplo espaço para o debate político. Entreguei a ele a PEC 36/2016 que foi apresentada, ontem, por mim e pelo senador Ricardo Ferraço. A PEC propõe o fim das coligações proporcionais e estabelece cláusula de barreira, para assegurar que apenas partidos com representatividade possam existir”.

Na noite da votação, em seu discurso, o novo presidente da Câmara elogiou Aécio, que já presidiu a Casa.

“Dentre as biografias que a presidência da Câmara ajudou a escrever, não esqueceria o meu amigo e senador Aécio Neves, eleito numa quadra não tão adversa, nem complexa como a atual, mas que remou contra a maré da própria base de apoio governo de seu partido. Aécio construiu pontes com todos os atores centrais de todas as legendas, deixou o posto aclamado e respeitado, conduziu a Casa com espírito republicano”, disse Rodrigo Maia, nesta quarta.

Na tarde, Maia encontrou o presidente interino Michel Temer e prometeu trabalhar junto com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Jornal Do Brasil


O que a eleição de Maia representa para Temer, Cunha, Dilma e Aécio?

A eleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a presidência da Câmara é uma boa notícia para o governo do presidente interino Michel Temer e péssima para seu antecessor no cargo, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que está cada vez mais próximo de ser cassado.

Para analistas políticos ouvidos pela BBC Brasil, o parlamentar reúne condições para trazer mais estabilidade e governabilidade ao Palácio do Planalto, contribuindo para o avanço das pautas de interesse de Temer no Congresso.
Sendo bom para a administração Temer, naturalmente é ruim para a presidente afastada Dilma Rousseff, que parece cada vez mais distante de uma volta ao centro do poder.

E quem pode sair ganhando também é o senador Aécio Neves (PSDB-MG), que articulou o apoio da bancada tucana a Maia e agora tem um aliado no comando da Câmara.

Entenda as consequências da nova configuração de poder em Brasília:

Temer

Os cientistas políticos ouvidos pela BBC Brasil foram unânimes em apontar a vitória de Maia como algo bastante positivo para o Palácio do Planalto.
O professor da UnB David Fleischer avalia que a experiência de Maia, que está no quinto mandato de deputado federal e conhece bem o funcionamento da Câmara, deve contribuir para a votação de projetos de interesse do governo na solução da crise econômica.

O analista da consultoria Tendências Rafael Cortez destaca sua afinidade com as propostas de Temer nessa área – o novo presidente da Câmara é quadro histórico de um partido com linha ideológica clara de direita liberal, portanto favorável a políticas de austeridade.

A equipe econômica do governo tem desafios importantes na aprovação de propostas polêmicas, como a criação de um teto rígido que limite o crescimento das despesas do governo à inflação, e também a Reforma da Previdência.

“Trata-se de um nome bastante associado à agenda econômica do Planalto. Assim, a eleição de Maia contribui positivamente para a aprovação da PEC (proposta de emenda constitucional) que cria o limite para o crescimento dos gastos e para o bom encaminhamento da reforma da Previdência”, escreveu Cortez, em relatório aos clientes da Tendências.

Além disso, a vitória de Maia tem o aspecto positivo de afastar a influência de Cunha da Câmara – o outro candidato forte na disputa pelo comando da Casa, Rogério Rosso (PSD-DF), era mais próximo do peemedebista.

“Maia era o melhor para Temer porque é totalmente descompromissado com Cunha, e ainda mais descompromissado com Dilma e Lula”, afirma Fleischer, relembrando seu passado de persistente oposição aos governos petistas.
Mas, apesar desse histórico, o democrata foi capaz de construir diálogo com a esquerda e reunir apoio para derrotar Rosso.

“Acho que o resultado foi muito positivo para o governo. Vai ter um presidente (da Câmara) que não só é confiável, mas que vai ter uma articulação mais ampla, fazendo uma pacificação das diferentes forças políticas”, opina o professor da Uerj Geraldo Tadeu Monteiro.

Cunha

A vitória de Maia reforça a probabilidade de que Cunha seja cassado em agosto.
Abalado por sucessivas denúncias de corrupção, o peemedebista renunciou à presidência da Câmara na semana passada em uma tentativa de tentar salvar seu mandato.

No entanto, seu candidato preferido, Rogério Rosso, foi derrotado, e, após o resultado da eleição na madrugada desta quinta, o plenário foi tomado por um coro de “fora, Cunha!”.

São necessários 257 votos dos 513 deputados para cassar o peemedebista. Maia teve apoio de 285 em sua eleição.
Maia foi apoiado por partidos que queriam fugir de candidato mais próximo a Eduardo CunhaImage copyrightEPA

Em entrevista após a vitória, o democrata disse que pautará o pedido de cassação do peemedebista no dia em que o plenário estiver com “quórum adequado”.

A declaração foi uma indicação de que privilegiará um dia de grande presença de parlamentares – um quórum baixo poderia beneficiar Cunha.
“Como ele controla a agenda, ele pode manipular para colocar em pauta algo que seja extremamente importante, para atrair muitos deputados para votar, e ao mesmo tempo pautar a cassação de Cunha. O presidente da Câmara tem muito poder de manipular e manejar a agenda”, nota Fleischer.

Para piorar ainda mais a vida de Cunha, a Comissão de Constituição e Justiça da Casa rejeitou nesta quinta-feira, por ampla maioria, um recurso que tentava anular a decisão do Conselho de Ética de recomendar sua cassação pelo plenário.

Dilma

O candidato de Dilma e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na disputa pelo comando da Câmara era Marcelo Castro (PMDB-PI), ex-ministro da Saúde da petista. No entanto, ele não chegou nem ao segundo turno.

“A vitória de Maia é notícia muito ruim para Dilma porque ela articulou e fez forte lobby em favor do Castro, como Lula também. Diminui as chances de ela voltar, claro”, acredita Fleischer.

Já para Monteiro o resultado não é tão relevante, porque Dilma não teria mais chances de retomar ao Planalto de qualquer forma.
“Dilma não tem forças para voltar ao poder, isso está muito claro. Acho que nem ao PT interessa ter a Dilma de volta. Quer ficar na oposição e ficar criticando Temer pelo desemprego, tudo que tiver ruim”, observa.

“Se Dilma, por malabarismo da história, voltasse à Presidência, ela voltaria com uma legitimidade tão comprometida, não sei em que condições ela conseguiria governar”, acrescentou.

Aécio Neves

Em sua primeira agenda como presidente da Câmara, Maia visitou o senador Aécio Neves (PSDB-MG) para agradecer o apoio na sua eleição.
Após o encontro, indicou gostar da proposta do tucano de colocar em votação uma reforma política – o tema é sempre polêmico e acaba emperrando no Congresso.

“Aécio Neves está trazendo uma pauta importante, que é a da reforma política. O sistema político faliu, ruiu, e a ideia do senador Aécio Neves vem em boa hora. A reforma política talvez seja, fora da pauta econômica, uma agenda urgente”, defendeu.

Para Rafael Cortez, da Tendências, a proposta indica uma tentativa de Aécio de protagonizar uma agenda positiva, com apoio de Maia, de olho nas eleições de 2018 para Presidência da República.

“Essa eleição do Rodrigo Maia de alguma maneira pode dar algum fôlego para o projeto do Aécio (de se candidatar em 2018), especialmente nesse momento em que ele foi bastante questionado e se viu enfraquecido por conta de citações na Lava Jato”, ressalta.

“Também equilibra um pouco as forças no interior da coalizão de governo entre o PMDB e o bloco liderado pelo PSDB, a antiga oposição à Dilma”, acrescentou.

Por trás do apoio do PSDB à Maia estaria também um acordo para tentar eleger um tucano para comandar a Câmara a partir de 2017.

BBC


Manifestantes fazem ato de repúdio à política praticada por José Serra

A Frente Povo Sem Medo realizou ato ontem (14), em frente à casa do ministro interino das Relações Internacionais, José Serra (PSDB), no Alto de Pinheiros, zona oeste da capital paulista. Aproximadamente 150 pessoas entoaram palavras de ordem, acusando o tucano de ser “entreguista” e “golpista”. Senador por São Paulo, Serra redigiu um projeto que altera a lei da partilha de exploração do pré-sal.

Agora em trâmite na Câmara dos Deputados, o PL 4.567/16 retira a obrigatoriedade da participação da Petrobras na operação dos campos de petróleo. “Hoje realizamos um escracho na casa do ministro Serra. Foi um ato de repúdio a ele e ao golpismo e entreguismo que ele representa”, disse Guilherme Boulos, integrante da Frente Povo Sem Medo e coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores sem Teto (MTST).

“Além de ser autor do projeto de entrega do pré-sal, como ministro interino, ele tem representado uma política externa que dilapida a soberania nacional e deixa o país subserviente aos interesses norte-americanos, em especial”, continuou Boulos.

O ato marcou a retomada das mobilizações pela Frente Povo Sem Medo – há mais de um mês sem organizar protestos – que convocou, em entrevista coletiva realizada hoje, uma mobilização contra o governo interino de Michel Temer (PMDB) para o dia 31.

Em nota, a Frente Povo Sem Medo afirma que defenderá “nas ruas as reformas que o país precisa (…) Não aceitando nenhuma privatização”. Os movimentos ainda afirmam que querem de volta o controle das estatais, em especial o “controle sobre o pré-sal e o conjunto de recursos naturais do Brasil”. Em seu facebook, Boulos criticou o tucano, “aquele que fala grosso com a Bolívia e fino com os Estados Unidos. Aquele que quer entregar o pré-sal para a Chevron”.

Rede Brasil Atual