Venezuela pode ser rebaixada a membro não pleno do Mercosul, diz Serra

O ministro das Relações Exteriores, José Serra, disse que a Venezuela pode ser rebaixada à categoria de membro não pleno do Mercosul por não haver incorporado o acervo normativo do bloco sul-americano. O chanceler fez as declarações no sábado à noite, ao chegar a Foz do Iguaçu para um jantar com o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon.

Ainda no aeroporto da cidade paranaense, Serra foi abordado por jornalistas que o questionaram sobre a possibilidade da exclusão dos venezuelanos do Mercosul, no momento em que Brasil, Paraguai e Argentina atuam para impedir que a Venezuela assuma a presidência rotativa do bloco.

“Pode haver uma possibilidade, não de excluir, mas, de, como se diria em inglês, ‘downgrade’: de colocar como membro não pleno, em face do não cumprimento das exigências, que deviam ser prévias ao ingresso no Mercosul”, disse Serra. “É uma possibilidade também, estou aqui falando de possibilidades. Uma certeza, dentre elas, é que a Venezuela não vai presidir.”

Na última quinta-feira, diplomatas dos quatro países fundadores do Mercosul se reuniram em Montevidéu para discutir a situação da Venezuela, mas não conseguiram chegar a um acordo. O Uruguai, que entregou a presidência sem consenso sobre quem seria seu sucessor, segue defendendo que os venezuelanos a assumam, seguindo a tradicional rotação por ordem alfabética.

Mas brasileiros, paraguaios e, de forma mais discreta, a Argentina tentam impedir que o país governado por Nicolás Maduro fique à frente do Mercosul neste momento. Seus governos entendem não haver condições políticas para tanto e afirmam que Caracas não incorporou quase metade do acervo de normas do Mercosul perto do fim de um prazo de 12 anos para fazê-lo.

Em Foz, afirmou que esse imbróglio “até meados de agosto vai estar resolvido”. E citou duas fórmulas possíveis como saída para o impasse. ” Nós vamos caminhar para um entendimento, ou de um colegiado, pra tocar o Mercosul, ou, mesmo, de o presidente da Argentina, que seria o próximo na rotação por ordem alfabética, assumir, o presidente Macri”, disse.

Em notas publicadas nos últimos dias, a chancelaria venezuelana disse ser vítima do que chama de uma “Nova Tríplice Aliança”, formada por Brasil, Argentina e Paraguai, que pretende tolher seu direito de exercer a presidência do bloco. Em uma referência à coordenação de ditaduras sul-americanas para caçar militantes de esquerda nos anos 1960 e 1970, também se disse vítima de uma nova “Operação Condor”.

Serra, por sua vez, voltou a criticar Maduro, dizendo que ele não tem condições de assumir o a presidência do bloco.

“A Venezuela, ou melhor, o presidente Maduro, que é o presidente da Venezuela, não vai poder assumir. Até porque a Venezuela não cumpriu com os pré-requisitos de ingresso no Mercosul”, disse Serra. “E também porque o Maduro hoje não governa nem seu país direito, imagina o Mercosul.”

Valor


Nueva fecha para resolver la crisis del Mercosur: martes 23

Los coordinadores Nacionales del Mercado Común del Sur (Mercosur) volverán a reunirse el 23 de agosto, cuando ya podrían definir la situación de la presidencia pro tempore del bloque regional. La convocatoria se da para cuando ya haya vencido el plazo en el cual Venezuela debería haber cumplido con todos los requisitos del grupo regional.

Tal período fenece el próximo viernes 12, según lo estipula expresamente el artículo 4 del Protocolo de Adhesión de Venezuela al Mercosur.

La nueva fecha de la convocatoria fue fijada el viernes en la conversación que mantuvieron los presidentes de Argentina, Brasil y Paraguay, tras recibir los respectivos informes de los coordinadores de sus países.

Fue en ocasión de la inauguración de los Juegos Olímpicos de Río de Janeiro en donde Mauricio Macri, Michel Temer y Horacio Cartes abordaron la situación del grupo en el cual Venezuela se autoproclamó presidente pro tempore, pese a no haber sido formalizado por los tres países mencionados.

El próximo 12 de agosto se cumple el plazo para que el gobierno de Venezuela, encabezado por el presidente Nicolás Maduro, cumpla con todos los requisitos establecidos por el Mercosur. El país caribeño fue incluido como miembro pleno del bloque en el 2012, en ese momento fue establecido un plazo de cuatro años para que el país cumpla con todos los requisitos del mismo.

El incumplimiento de la integración de todos los protocolos y acuerdos del Mercosur es uno de los cuestionamientos de los demás países miembros para que Venezuela sea miembro pleno y asuma la presidencia del Mercosur. En este sentido, en la próxima reunión los coordinadores ya tendrían un panorama claro sobre el cumplimiento de los requisitos por parte de Caracas.

El pasado jueves 4 de agosto, la reunión de coordinadores del Mercosur no logró un consenso entre los países partes, por lo que se llevó a un cuarto intermedio para la consulta con los jefes de Estados sobre la situación. Con la nueva convocatoria se espera que finalmente se dé fin a la crisis que persiste dentro del bloque regional a raíz del traspaso de mando regional a Venezuela.

La Nación