Obama participó de evento empresarial en Brasil y llega a Argentina para reunirse con Macri

No Brasil, Obama defende política da esperança contra nacionalismo e xenofobia

O ex-presidente dos EUA Barack Obama realizou nesta quinta-feira (6) sua palestra em São Paulo para representantes do mundo empresarial brasileiro e destacou pontos como aquecimento global, crise com a Coreia do Norte, imigração, além da importância da diplomacia na resolução de conflitos internacionais e da igualdade social.

O ex-chefe de Estado norte-americano destacou a importância do engajamento na defesa da democracia e defendeu que cada país dê a seus jovens a educação de que precisam. Para Obama, as nações precisam desenvolver sistemas tributários justos. “Eles têm de reinvestir e dar a outras pessoas as oportunidades de que elas merecem”.

“É preciso empoderar as pessoas para que elas possam tomar riscos. Conforme trabalhamos para reduzir a desigualdade, precisamos trabalhar para fechar a distância entre ricos e pobres”, destacou.

“Hoje, o mundo vê a volta do nacionalismo e a xenofobia. Será que nós podemos convencer pessoas de que não vale a pena voltar a esses movimentos? Será que podemos fazer políticas que inspirem pessoas a substituir o medo pela esperança? Devemos mostrar a todos a importância do pluralismo, da diversidade e do império da lei”, acrescentou Obama.

Durante seu discurso, o ex-líder dos EUA também ressaltou que “o mundo está mais conectado do que jamais esteve, mas mesmo que a internet tenha total capacidade de espalhar conhecimento, ela empodera quem só quer espalhar terror e medo”.

Obama ainda disse que a “internet contribui com a tribalização da política na era da informação instantânea. É natural que os arranjos sociais sejam afetados com toda essa disfunção tecnológica”.

A tensão entre o governo norte-americano e o presidente da Coreia do Norte, Kim Jong-un foi abordada por Obama com preocupação. Para o líder, “não é possível resolver problemas apenas com tanques e aviões de guerra”.

A questão dos refugiados, por sua vez, rendeu comparações por parte do ex-presidente entre EUA e Brasil. Segundo Obama, é imprescindível reconhecer o fluxo de novas ideias e o dinamismo econômico trazido por refugiados para cada país. “Nós devemos ter um senso renovado de abertura para as pessoas de diferentes culturas que não se parecem conosco. Sociedade e história multirracial são fatores em comum entre EUA e Brasil. A minha esperança é de as pessoas vejam isso como fonte de força e não de separação”, disse.

Em discurso no Fórum Cidadão Global, realizado pelo jornal Valor Econômico, em parceria com o Banco Santander e a Advantage, o democrata ainda afirmou que é preciso garantir que a nova economia funcione para todas as pessoas.

“Em um mundo em que só 1% controla a riqueza, não haverá estabilidade política”, disse Obama, ressaltando que, historicamente, as economias não crescem quando a riqueza é muito concentrada.

Segundo ele, a sociedade não funciona muito bem quando as pessoas sentem que só “insiders” são beneficiadas. “Concentração de riqueza é a receita para polarização [política]”, acrescentou.

Esta é a primeira visita de Obama ao Brasil desde que deixou a Casa Branca – como presidente, ele veio ao país uma vez, em março de 2011.

Nos últimos meses, o democrata já discursou e palestrou em nações como Alemanha, Itália e Indonésia. Sua agenda ainda inclui a Argentina, onde estará no próximo dia 6.

Barack Obama tem sido um líder global no avanço do engajamento cívico e tem incentivado os cidadãos a se envolverem em sua comunidade. Além do norte-americano, o evento em São Paulo contou com palestras de Martin Wolf, editor e comentarista do Financial Times, e de Robert Salomon, professor da Stern School of Business da New York University. José Roberto Marinho, vice-presidente do Grupo Globo, e Sérgio Rial, presidente do Santander Brasil, também falam no evento.

UOL


Obama de vuelta en la Argentina

Un año y medio después de su visita, Barack Obama regresará hoy a la Argentina. El ex presidente de Estados Unidos llega como disertante de la Fundación Advanced Leadership para participar de la Cumbre de Economía Verde organizada por el gobierno de Córdoba. Mañana se reunirá con Mauricio Macri.

Obama embolsará entre 400 y 450 mil dólares por su participación en el encuentro, la misma cifra que cobra por sus disertaciones en Wall Street.

Según el presidente de la Fundación Advanced Leadership, Juan Verde, el evento, cuyo costo aproximado fue de un millón y medio de dólares, solventado por sponsors que aportaron entre 15 y 100 mil dólares cada uno, se propone que quienes “quieran y sientan que pueden cambiar y mejorar sus respectivas comunidades repliquen el mensaje y la información” recibidos de parte de “distintos referentes mundiales vinculados a la ciencia, la economía y el desarrollo sustentable”.

El propósito es “inspirar y formar a 300 nuevos líderes verdes de todo el país” elegidos por la propia Advanced Leadership. Además de Obama participarán dos premios Nobel de Economía, Edmund Phelps y Eric Maskin, y un nieto de Nelson Mandela.

El ex presidente de Estados Unidos no permanecerá muchas horas en Córdoba. Desde esa provincia viajará a la Ciudad de Buenos Aires. Su reunión con Macri está pautada para mañana a la tarde.

Página 12