Tras la renuncia de la presidenta de Petrobras, el Gobierno brasileño comienza a seleccionar su reemplazante

Joaquim Levy ganha a tarefa de comandar a escolha do novo presidente da Petrobras

A antecipação da saída de Graça Foster do comando da Petrobras deixou a presidente Dilma Rousseff pressionada a encontrar um nome para sucedê-la o mais rapidamente possível. Ela tem apenas 24 horas para encontrar alguém de esteja disposto a assumir uma empresa mergulhada num escândalo de corrupção. Por isso, Dilma decidiu escalar o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, para comandar a escolha do novo presidente da estatal.

Segundo fontes do governo, os ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, e o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, vão ajudar na missão, mas Levy é a estrela que pode convencer um executivo do setor privado a aceitar a espinhosa missão de comandar a estatal.

Ao ministro da Fazenda também foi dada a tarefa de encontrar uma solução para o balanço da empresa referente ao terceiro trimestre de 2014, que foi divulgado sem auditoria.

A PricewaterhouseCoopers (PWC), contratada para fazer auditoria externa da empresa, recusou-se a auditar o balanço devido a uma falta de entendimento sobre o tamanho das perdas da empresa com o esquema de corrupção. Segundo a estatal, R$ 88,6 bilhões de 31 ativos foram superavaliados, com indícios de sobrepreço, o que poderia mostrar o custo de parte das irregularidades.

— O Levy é o cara para conversar com o mercado. O nome que ele endossar será bem digerido — afirmou um integrante da equipe econômica.

Na lista dos candidatos, os primeiros cotados foram o presidente da Vale, Murilo Ferreira, o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles e o ex-funcionário da Petrobras e hoje da Ouro Preto Petróleo e Gás, Rodolfo Landim.

Os três têm boa imagem no mercado e seriam uma forma de tentar retomar a credibilidade da empresa.

Auxiliares da presidente Dilma dizem que Murilo Ferreira é uma boa opção. Ele se relaciona bem com Dilma, mas justamente essa questão pode atrapalhar a indicação, já que integrantes do governo acham que é momento de nomear para a estatal uma pessoa absolutamente independente, já que a relação próxima de Dilma e Graça dificultou uma decisão mais objetiva da presidente da República em demiti-la.

Diante disso, também passou a circular o nome da ex-secretária de Fazenda do município do Rio, Eduarda La Rocque, que já trabalhou com o ministro da Fazenda e chegou a ser cotada para assumir a secretaria do Tesouro Nacional quando Levy foi indicado para o ministério. Ela tem um perfil ortodoxo como o ministro e seria vista como um “braço” dele na estatal.

O nome do ex-presidente da Vale Roger Agnelli também vem sendo cotado, mas com menos chances de emplacar. Isso porque ele saiu da empresa de maneira tumultuada e brigado com o Planalto. Além disso, lembrou um interlocutor da presidente, ele apoiou o candidato da oposição Aécio Neves (PSDB) na disputa presidencial.

— Ele estava no comício do Aécio. Aí já é demais — lembrou um ministro.

Petistas, no entanto, cobraram a escolha de alguém com afinidade ideológica com o partido.

— Além de ser um nome do mercado, a presidente da República deveria considerar alguém identificado com o que ela defendeu na campanha eleitoral, que tenha identidade política com o que ela pensa — defendeu o deputado Paulo Pimenta (PT-RS). (Colaborou: Fernanda Krakovics)

O Globo

Dólar fecha no maior valor dos últimos 10 anos, cotado a R$ 2,74

O dólar fechou em alta de 1,78% nesta quarta-feira (4), cotado a R$ 2,7420, o maior valor dos últimos dez anos. Em março de 2005, a moeda americana fechou a R$ 2,7522 na venda. O mercado reagiu à renúncia de Graça Foster da presidência da Petrobras, anunciada pela manhã.

O impacto da estatal sobre as expectativas para o câmbio se dá principalmente pelo fato de ser uma das principais emissoras de dívida no mercado internacional, o que mexe diretamente com as perspectivas de entrada de capital.

Nesta manhã, o Banco Central deu continuidade às intervenções diárias, vendendo a oferta total de até 2 mil swaps cambiais. Foram vendidos 800 contratos para 1º de dezembro de 2015 e 1.200 contratos para 1º de fevereiro de 2016, com volume correspondente a US$ 98 milhões de dólares.

O BC também vendeu a oferta integral de até 13 mil swaps para rolagem dos contratos que vencem em 2 de março, equivalentes a US$ 10,438 bilhões.

Ações da Petrobras perdem força e fecham em pequena alta

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 0,69%, aos 49.301 pontos, após alternar movimentos de avanço e queda durante o pregão. Logo após o anúncio da renúncia de Graça Foster da presidência da Petrobras, as ações da estatal chegaram a subir mais de 7%, mas perderam força e passaram a oscilar, alternando altas e baixas. No fechamento, as preferenciais tiveram pequena alta de 0,20%.

Altas no setor bancário também impulsionaram o Ibovespa. O Banco do Brasil estava entre os principais ganhos do dia, com alta de 6,95%.

A ação do Itaú Unibanco também subiu mais de 3%. Bradesco e Santander também tiveram alta.

Gafisa e Oi lideraram as perdas nesta quarta-feira.

Jornal do Brasil

Oficial: renunció María Graca Foster a presidencia de Petrobras

La presidenta de Petrobras, Maria das Graças Foster, y otros cinco directores de la petrolera estatal renunciaron a sus cargos, informó la empresa el miércoles.

Los nuevos ejecutivos serán electos en una reunión del Consejo de Administración de la mayor empresa brasileña que se realizará este viernes, agregó la mayor compañía brasileña.

Las acciones de la petrolera se dispararon más de un 7 por ciento tras conocerse la noticia y luego amenizaron el alza.

Además de Graca Foster, renunciaron los directores Almir Barbassa (Finanzas), José Carlos Cosenza (Abastecimiento), José Miranda Formigli (Exploración y Producción), José Alcides Santoro (Gas y Energía) y José Antônio Figueiredo (Ingeniería, Tecnología y Materiales). Permanecerían en tanto los directores de Gobernanza, Riesgo y Conformidad, João Elek Junior, y Corporativo y Servicios, José Eduardo Dutra.

La salida de la ejecutiva de 61 años, quien comenzó su carrera como becaria en la empresa, ocurre en medio de las investigaciones de la Operación Lava Jato, que desmanteló un esquema de fraudes millonarios a Petrobras y de la dificultad de la actual gestión de cuantificar las pérdidas que sufrió la compañía estatal.

El gobierno venía sufriendo la presión del mercado para la salida de la ejecutiva, de extrema confianza de la mandataria Dilma Rousseff.

La mayor parte de los problemas de Petrobras se dieron antes que Graça Foster llegara a la presidencia de Petrobras.

Pero pese a su estilo gerenciador, centralizador en extremo y que le valió el apodo de “La Dilma de Petrobras”, terminó perdiendo las condiciones para mantenerse en el cargo.

Los rumores de salida de Graça Foster se extendieron desde el martes y llevaron a las acciones de la empresa a subir un 15 por ciento.

Maria das Graças Foster asumió la presidencia de Petrobras en febrero del 2012, sustituyendo a José Sergio Gabrielli, que estaba hace siete años en el comando de la empresa.

Funcionaria de carrera da Petrobras, Graça Foster había ingresado en la empresa en 1978. Fue la primera mujer en presidirla.

Brasil 247