Brasil: Dilma Rousseff inicia su último año de mandato y es la favorita en las encuestas

Dilma inicia última etapa do mandato como favorita para eleições de 2014

Dilma conta com apoio popular maior que Lula e FHC no último ano de seus primeiros mandatos

A presidente Dilma Rousseff inicia nesta quarta-feira o último dos quatro anos de seu primeiro mandato e aparece como favorita para vencer as eleições presidenciais que serão realizadas em outubro, apesar de ainda não ter confirmado oficialmente sua aspiração à reeleição.

Após três anos de intenso trabalho e diversos desafios, tanto econômicos como sociais, Dilma encara a última etapa de seu primeiro mandato com o respaldo de mais da metade dos brasileiros (56%), segundo uma pesquisa publicada pelo Ibope em dezembro.

A governante manteve uma elevada aprovação desde sua posse, mas sua avaliação pessoal desabou por conta da onda de protestos sociais que sacudiram o Brasil em junho, embora meses depois e após dar resposta a algumas das reivindicações, recuperou parte de sua popularidade.

Com relação à gestão de seu Governo, Dilma conta com um apoio popular maior que tinham tanto seu antecessor e mentor político, Luiz Inácio Lula da Silva, como Fernando Henrique Cardoso no último de seus primeiro quatro anos de mandato, no qual ambos foram reeleitos. Enquanto 41% dos brasileiros consideram “excelente” ou “bom” o Governo de Dilma na última pesquisa realizada pela Datafolha em 2013, essa porcentagem era apenas de 28% para Lula em dezembro de 2005 segundo a mesma empresa e de 37% para FHC em dezembro de 1997.

Embora ainda não tenha se pronunciado sobre se voltará a ser candidata do PT nas eleições presidenciais de outubro, as pesquisas apontam que caso concorra ao cargo, a chefe de Estado contaria com intenções de voto que permitiriam ser reeleita sem necessidade de disputar um segundo turno.

As enquetes dão a Dilma intenções de voto próximas de 50%, enquanto nenhum de seus possíveis rivais superaria 20%, exceto a ecologista Marina Silva, que caso seja candidata do Partido Socialista Brasileiro (PSB), formação à qual filiou-se recentemente, alcançaria cerca de 25%. Apesar de seu silêncio, tanto o PT e como seu líder máximo, Lula, defenderam em mais de uma ocasião a candidatura de sua afilhada política.

Lula lembrou, durante a inauguração do Congresso Nacional do PT, em dezembro, a prioridade do partido.

— Temos uma responsabilidade e é reeleger esta companheira como presidente da República.

Caso aspire finalmente à reeleição e ganhe de novo as eleições, como apontam as pesquisas, a chefe do Estado tem pela frente vários desafios, sobretudo o de impulsionar uma economia que cresce a um ritmo menor do que o esperado. Após registrar uma expansão de 7,5% em 2010, no último ano de Lula no poder, o crescimento econômico brasileiro com Dilma foi do 2,7% em 2011 e de 1% em 2012, enquanto os analistas calculam que o de 2013 não passará de 2,3% e que essa taxa se repetirá em 2014.

O próximo chefe do Estado deverá, além disso, lidar com uma alta inflação, que nos últimos três anos se manteve em torno dos 5%, assim como com uma elevada taxa de juros, que fecha o ano em 10%. Além disso, após um 2013 marcado pelo programa de licitações ao setor privado, o Brasil deixou no papel a concessão do trem de alta velocidade entre Rio de Janeiro e São Paulo, um projeto cuja viabilidade dependerá do vencedor das eleições presidenciais.

A concessão do projeto, defendido pela presidente brasileira e considerado por alguns de seus possíveis rivais como custoso e desnecessário, foi adiada em setembro pela quarta vez desde 2010, por isso que em caso de vitória Dilma, a presidente terá a incumbência de colocá-lo em andamento.

 

http://noticias.r7.com/eleicoes-2014/dilma-inicia-ultima-etapa-do-mandato-como-favorita-para-eleicoes-de-2014-01012014