Grupo pró-intervenção militar invade plenário da Câmara

Invasores também entoaram palavras de apoio ao juiz federal Sergio Moro e cantaram o ‘Hino Nacional’. Porta que dá acesso ao local foi quebrada.

Um grupo de manifestantes que pediam intervenção militar invadiu nesta quarta-feira o plenário da Câmara dos Deputados e provocou tumulto na Casa: os intervencionistas ocuparam a Mesa Diretora e gritaram palavras de ordem em favor da Operação Lava Jato e do juiz federal Sergio Moro. Mas o grosso do discurso foi direcionado ao que chamaram de ‘intervenção do povo’ com a ajuda dos militares. “General aqui”, bradava parte do grupo de cerca de setenta pessoas. Depois de retirar jornalistas e deputados do plenário, e de esvaziar também o Salão Verde, a Polícia Legislativa entrou no local com escudos para retirar os manifestantes que ainda estão no local (cerca de quarenta pessoas).

Os parlamentares foram pegos de surpresa pelo grupo, que rapidamente tomou a tribuna. A porta de vidro que dá acesso ao plenário foi quebrada e a sessão teve de ser interrompida. “Nem eu sei o que está acontecendo. Não sei o que eles estão reivindicando”, disse Waldir Maranhão (PP-MA), que presidia a sessão, ao sair visivelmente assustado do plenário.

Deputados foram xingados, pelo menos um assessor foi agredido e, segundo o deputado Marcos Rogério (DEM-RO), pelo menos quatro manifestantes foram detidos. Parte do grupo foi hostilizada ao ser retirada do plenário aos gritos de “fascistas” e “arruaceiros”. O deputado Júlio Delgado (PSB-MG), que estava dentro do plenário no momento da invasão, afirmou: “O que mais pediram para mim foi intervenção militar. Defenderam a presença de um general aqui. Em seguida começaram a xingar. Estão muito alterados”.

Os manifestantes leram uma pauta com cerca de cinquenta itens, segundo o deputado Darcisio Perondi (PMDB-RS), em que constam temas como o fim dos supersalários. A invasão se dá no dia em que a Comissão Especial da Câmara criada para analisar o pacote anticorrupção se reuniria para votar o texto. “Somos contra todos os políticos”, afirmou o manifestante Jeferson Vieira Alves. Ele nega que o movimento tenha sido articulado com outras entidades. “Sou uma pessoa sozinha e cansada. O que nós queremos é acabar com a impunidade e a corrupção no país”.

Pouco antes da ação do grupo, o procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Lava Jato recorreu às redes sociais para denunciar o que chamou de manobras contra as Dez Medidas propostas pelo Ministério Público. “Notícias dão conta de que estão acontecendo manobras de líderes partidários na Câmara para mudar os deputados da Comissão que votariam a favor das 10 Medidas contra a Corrupção. Isso é um desrespeito com os mais de 2 milhões de brasileiros que assinaram o projeto de iniciativa popular. É um desrespeito com os 200 milhões de brasileiros que querem um processo de discussão e aperfeiçoamento legítimo no Legislativo – basta dizer que esses deputados ouviram mais de 100 pessoas. Não é possível simplesmente trocá-los. Sentindo-me profundamente desrespeitado, como cidadão”, escreveu.

Veja


Manifestantes deixam Câmara e sessão é retomada

Todos os manifestantes que invadiram na tarde de hoje (16) o Plenário da Câmara dos Deputados já deixaram o local. Com isso, a sessão foi retomada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Antes, Maia determinou ao Departamento de Polícia Legislativa que prendesse todos os manifestantes que invadiram o plenário da Câmara. Eles foram levados pelas polícias Federal e Legislativa.

“Eles entraram no plenário, depredaram e a ordem que dei ao diretor do Depol é que todos saiam daqui presos e sejam levados com o apoio da Polícia Federal, porque nós não vamos aceitar esse tipo de abuso e de agressão ao Parlamento”, disse Maia.

No meio da tarde, manifestantes invadiram o plenário da Câmara dos Deputados. Houve tumulto, a sessão foi suspensa e o local fechado. O grupo, formado por cerca de 50 pessoas de dez estados do país, defendia fim da corrupção, dos supersalários e intervenção militar no país. A porta de vidro que dá acesso ao plenário foi quebrada.

EBC