Ya son más de 60 mil muertes por Covid-19 y casi un millón y medio de contagios

Brasil suma más de 60.000 muertes por COVID-19 y bordea los 1,5 millones de casos

Brasil registró este miércoles 1.038 nuevas muertes y 46.712 nuevos casos de coronavirus en las últimas 24 horas, con lo que ya superó las 60.000 víctimas mortales y bordea los 1,5 millones contagios en poco más de cuatro meses, informó el Gobierno.

Según el nuevo boletín del Ministerio de Salud, Brasil acumula hasta este miércoles 60.632 muertes por coronavirus y 1.448.753 casos confirmados de la enfermedad desde que registró el primer caso el 26 de febrero pasado.

El boletín indica que la tasa de muertes por la enfermedad en Brasil es de 29 por cada 100.000 habitantes y la de contagios de 689 por cada 100.000 habitantes.

Tales cifras y tasas confirman a Brasil como el segundo país más afectado en el mundo por el coronavirus después de Estados Unidos, como el epicentro de la pandemia en América Latina y como uno de los nuevos focos globales de la enfermedad.

Según el Ministerio de Salud, 826.866 pacientes con coronavirus ya se recuperaron y fueron dados de alta en todo el país, lo que equivale al 57,1 % del total de infectados, y otros 561.255 (38,7 %) continúan bajo observación médica.

El boletín indica igualmente que otras 3.931 muertes sospechosas están bajo investigación.

TERCER MAYOR NÚMERO DE CONTAGIOS DIARIOS

El número de muertes diarias del miércoles se ubicó por debajo de las 1.280 del martes, mientras que el de casos aumentó con respecto a las 33.846 de la víspera.

La cifra diaria de muertos está lejos del récord de 1.473 registrado el 4 de junio, pero la de contagios es la tercera mayor desde el comienzo de la pandemia, tras los 54.771 casos contabilizados el 19 de junio y los 46.860 del 26 de junio.

Pese a que el número de casos en Brasil continúa creciendo, la curva de contagios es diferente dependiendo de la región, debido a que hay algunas ciudades y estados que ya pasaron por el pico y otros que aún no se han acercado.

Una gran parte de los Gobiernos regionales y municipales, por lo mismo, inició procesos de flexibilización de las medidas de aislamiento social que rigen desde marzo.

La desescalada es incentivada por el propio presidente brasileño, el líder ultraderechista Jair Bolsonaro, uno de los gobernantes más escépticos sobre la gravedad de la pandemia y que defiende la inmediata normalización de todas las actividades.

El gobernador de Sao Paulo, Joao Doria, afirmó este miércoles que en el estado más poblado de Brasil, con 46 de los 210 millones de habitantes del país, la curva ya tiene una tendencia de aplanamiento y que la previsión es que el número de casos comienza a retroceder.

Según el boletín de este miércoles, Sao Paulo acumulaba 289.935 casos y 15.030 muertes por la enfermedad.

Enseguida se ubica Río de Janeiro, tercer estado más poblado de Brasil, con 115.278 contagios y 10.198 víctimas.

RÍO DE JANEIRO ABRE BARES Y RESTAURANTES EL JUEVES

Río de Janeiro es una de las ciudades que más ha avanzado en su proceso de desescalada, la única en toda Suramérica que autorizó el reinició del fútbol profesional y ya tiene previsto para este jueves la reapertura de restaurantes y bares.

Según los especialistas, Río de Janeiro ya pasó por el pico de su curva de contagios, pero corre el riesgo de sufrir una nueva onda por su rápida desescalada.

En medio del avance de la pandemia, el Gobierno de Brasil prorrogó por otros 30 días la medida mediante la cual restringió la entrada al país de extranjeros de cualquier nacionalidad.

De la misma forma, el pleno de la Cámara de Diputados de Brasil aprobó este miércoles, en las dos votaciones necesarias, la enmienda constitucional que aplaza por seis semanas la primera vuelta de las elecciones municipales en Brasil, prevista para comienzos de octubre, por la crisis de la pandemia del coronavirus.

El texto principal de la enmienda fue aprobado en dos plenarias virtuales y aplaza desde el 4 de octubre hasta el 15 de noviembre la primera vuelta de las elecciones para renovar alcaldes y concejos en los 5.570 municipios del país.

El aplazamiento de los comicios busca evitar posibles aglomeraciones en los actos de campaña electoral en medio de la pandemia, lo que puede agravar la crisis sanitaria.

Infobae


Brasil é líder global em novos casos da covid-19: foram 46 mil nas últimas 24 horas

Segundos dados do Conselho Nacional de Secretarias de Saúde (Conass), o Brasil registrou 46.712 novos casos da covid-19 entre terça (30) e quarta-feira (1º). Com esses dados, o país chega a um total de 1.448.753 de infectados desde que foi identificado o primeiro paciente, no fim de fevereiro. De lá para cá, não houve registro de queda no avanço da pandemia.

Para que se possa ter ideia do aumento na velocidade de contaminações, na semana entre os dias 26 de abril e 2 de maio, quase 38 mil brasileiros tiveram a confirmação de que estavam com a doença. Cerca de dois meses depois, na semana de 21 a 27 de junho, esse número subiu para 246.088 pessoas.

Nesta quarta-feira, o registro de mortes por causa do novo coronavírus chegou a 60.632. Em 24 horas, foram 1.038 óbitos. Desde 17 de maio, o total de casos fatais não fica abaixo de seis mil por semana. Em junho, foram registrados mais de sete mil mortos em três semanas diferentes. O último dado consolidado, referente à 21/06-27/06 foi de 7.094.

Embora São Paulo (289.935 casos e 15.030 óbitos) e Rio de Janeiro (115.278 casos e 10.198 óbitos) continuem sendo as unidades da federação com os maiores registros absolutos de infectados e casos fatais, nenhum estado registrou diminuição no avanço da pandemia. Ao contrário de outros países, que conseguiram conter as infeções a partir de medidas rígidas de isolamento, o Brasil nunca apresentou um plano nacional de distanciamento social.

Mundo em alerta

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), somente na última semana foram registrados mais de 160 mil novos casos por dia. A soma de infectados desde o início da pandemia está acima de 10,5 milhões. O número de mortos ultrapassa 512 mil. Junto com a testagem em massa, o isolamento social é a medida mais eficaz no controle da doença, segundo autoridades de saúde do mundo todo.

Nesta quarta-feira, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, fez um apelo às nações que estão afrouxando o isolamento: “Os países devem abolir as medidas mais abrangentes”. Nas palavras dele a pandemia é “um teste de caráter” no que diz respeito à solidariedade global e interesse de toda a humanidade.

O que é o novo coronavírus?

É uma extensa família de vírus causadores de doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em humanos, os vários tipos de vírus podem provocar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns, como a síndrome respiratório do Oriente Médio (MERS), a crises mais graves, como a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19.

Como ajudar quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.

Brasil de Fato


El Congreso de Brasil aprueba modificar la Constitución para aplazar las municipales a causa de la COVID-19

El Congreso de los Diputados de Brasil ha decidido este miércoles aprobar una propuesta de enmienda de la Constitución para poder posponer las elecciones municipales, cuya primera vuelta estaba fijada para el próximo 4 de octubre, para el mes de noviembre, a causa de la crisis sanitaria provocada por la COVID-19.

El texto, que ya fue avalado por el Senado hace una semana y será promulgado de manera oficial este jueves, ha sido aprobado esta vez en primera instancia por 402 votos a favor, 90 en contra y cuatro abstenciones, mientras que en segunda ronda ha obtenido 407 apoyos frente a 70 negativas y una abstención.

Así, las elecciones municipales pasarán de ser el 4 de octubre en su primera ronda al 15 de noviembre, mientras que la segunda ya no se celebrará el 25 de octubre, sino el 29 de noviembre.

No obstante, la enmienda recoge la posibilidad de aplazar todavía más estas fechas en caso de que algún municipio o estado no esté en condiciones sanitarias óptimas para poder celebrar los comicios en noviembre.

Si bien en un primer momento le correspondía al Tribunal Supremo Electoral (TSE) fijar una nueva fecha, finalmente será potestad del Congreso, que a través de un decreto legislativo designará cuándo han de celebrarse llegado a este caso, sin que por ello se supere el 27 de diciembre de este año como fecha límite

Listin Diario


Alexandre de Moraes prorroga inquérito das fake news por 6 meses

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), prorrogou por 180 dias o prazo para as investigações do inquérito nº 4.781, que trata da disseminação de fake news, ofensas e ameaças a magistrados da Corte.

A decisão foi divulgada nesta quarta-feira 1. Em documento, Moraes escreveu que considerou “a necessidade de prosseguimento das investigações e a proximidade do recesso” para estender o prazo. A contagem é feita a partir de 15 de julho, data prevista anteriormente para o encerramento das apurações.

As investigações incluem aliados do presidente Jair Bolsonaro. No último mês, o STF julgou um pedido de suspensão do inquérito e decidiu pela continuidade. O ministro Edson Fachin classificou como “inadmissíveis” as defesas da ditadura militar e do fechamento do Congresso Nacional e do STF.

A manutenção do inquérito é interpretada como uma derrota ao chefe do Palácio do Planalto, que já afirmou que os magistrados “estão abusando”.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) chegou a afirmar que, após a instauração do inquérito, é questão de “quando” vai haver uma ruptura com o sistema democrático no Brasil. A declaração fez o filho do presidente virar alvo de apuração aberta pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Blogueiros bolsonaristas também protestaram contra o inquérito por meio de um manifesto assinado por 29 nomes, entre eles, do criador do canal Terça Livre, Allan dos Santos. No texto, pede-se ao chefe do Executivo o lançamento de um decreto que impeça que agentes da Polícia Federal cumpram diligências ligadas à investigação.

Empresários como o dono da Havan, Luciano Hang, e Edgard Corona, da rede de academias SmartFit, foram listados em operação da Polícia Federal.

Também estão na mira deputados como Bia Kicis (PSL-DF), Carla Zambelli (PSL-SP), Daniel Silveira (PSL-RJ), Filipe Barros (PSL-PR), Junio do Amaral (PSL-MG) e Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP).

Carta Capital


Bolsonaro diz que projeto sobre fake news não vai vingar e fala em possibilidade de veto

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse a apoiadores na manhã desta quarta-feira (1º) que há possibilidade de vetar o projeto de lei sobre fake news aprovado na terça (30) pelo Senado. O texto ainda precisa passar pela Câmara antes de seguir para a avaliação do presidente da República.

“Acho que, na Câmara, vai ser difícil aprovar. Agora, se for [aprovado], cabe a nós ainda a possibilidade do veto. Acho que não vai vingar este projeto não”, disse o presidente a simpatizantes na área interna do Palácio da Alvorada. A declaração foi transmitida em vídeo por um de seus apoiadores.

Em uma derrota para o governo, o Senado aprovou nesta terça-feira o projeto por 44 votos a 32. Houve duas abstenções. Agora, a proposta seguiu para a Câmara dos Deputados. Se for aprovado sem alterações, vai para sanção ou veto de Bolsonaro. O governo orientou seus aliados pelo voto contrário.

“Falei com o senador que votou favorável, ele falou que como estava na [sessão] virtual, se equivocou. Assim deve ter acontecido com outros”, disse Bolsonaro.

Após longa negociação, os senadores votaram uma versão desidratada em relação ao que vinha sendo discutido. O projeto, relatado pelo senador Angelo Coronel (PSD-BA), foi acelerado na esteira do inquérito que apura a divulgação de notícias falsas e ameaças contra ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Uma CPI mista do Congresso investiga também a prática de fake news.

“Tem que ter liberdade. Ninguém mais do que eu é criticado na internet e nunca reclamei. No meu Facebook, quando o cara faz baixaria, eu bloqueio. É um direito meu”, afirmou Bolsonaro.

O texto aprovado pelo Senado manteve a retirada de um ponto polêmico debatido pelos senadores nas últimas semanas: a exigência de documentos (como CPF, identidade e passaporte) e número de telefone celular para abertura de contas em redes sociais.

Pela proposta, a identificação dos usuários irá ocorrer sob responsabilidade das plataformas apenas em casos suspeitos. As plataformas devem, segundo o projeto, identificar os conteúdos impulsionados e publicitários cujo pagamento pela distribuição foi feito ao provedor de redes sociais.

Os senadores aprovaram a exigência de guarda dos registros da cadeia de reencaminhamentos de mensagens no WhatsApp para que se possa identificar a origem de conteúdos ilícitos.

O armazenamento de registros se dará apenas das mensagens que tenham sido reencaminhadas mais de cinco vezes, o que configuraria viralização. Os dados armazenados sobre a cadeia de encaminhamento só serão acessíveis por meio de ordem judicial e quando as mensagens atingiram mil ou mais usuários.

Pelo projeto, ficaram proibidos o uso e a comercialização de ferramentas externas aos serviços de mensagens privadas e por eles não certificadas voltadas ao disparo em massa.

A matéria isentou a disseminação de fake news de penalizações criminais, retirando da versão debatida o financiamento de redes de fake news das leis de organização criminosa e lavagem de dinheiro. O texto final ainda excluiu a obrigatoriedade das empresas de identificação prévia no uso de pseudônimos para a inscrição em redes sociais.​

Ficou de fora também um artigo sobre a remuneração por uso de conteúdos jornalísticos, artísticos e outros por redes sociais.

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), afirmou que o Palácio do Planalto procurou chegar a um texto de consenso.

Segundo ele, no entanto, o projeto, da forma como ficou, é prejudicial aos investimentos no país, o que poderia causar prejuízos à economia. “O governo, embora reconheça o esforço feito, entende que a versão final não atende aos interesses nacionais”​, disse.

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente, foi um dos contrários ao projeto. ​

O relator Angelo Coronel entregou o texto aos senadores na noite desta segunda-feira (29). Foi a quarta versão do relatório elaborada pelo parlamentar em 11 dias, a fim de que se chegasse a um consenso para a apreciação.

De acordo com o texto votado, o acesso aos dados de identificação somente poderá ocorrer para fins de constituição de prova em investigação criminal e em instrução processual penal, mediante ordem judicial.

As plataformas de redes sociais deverão ter sede e representante legal no Brasil, sem a obrigatoriedade de um banco de dados no país.

A proposta estipulou que os serviços de mensagens devem suspender as contas de usuários cujos números forem desabilitados pelas operadoras de telefonia. A medida não se aplica aos casos em que as pessoas tenham solicitado a vinculação da conta para novo número de telefone.

Pouco antes do início da votação, o relator ainda acatou novas alterações ao texto. Uma delas foi para reforçar que as medidas previstas atingirão apenas os números celulares cujos contratos forem rescindidos ou pelo usuário ou pela plataforma.

Outra mudança garantiu o direito de resposta e a remoção imediata de conteúdos em situações graves como também de violação a direitos de crianças e adolescentes, que havia ficado de fora. Preconceitos por questões de raça, etnia e procedência nacional, orientação sexual e de gênero, origem e religião já estavam contemplados.

O texto também prevê a aplicação de multa para as plataformas caso não cumpram as regras de identificação dos responsáveis pela disseminação de fake news. A punição, neste caso, pode chegar a até 10% do faturamento do grupo econômico no Brasil no seu último exercício. Poderá haver ainda suspensão das atividades.

Os valores serão destinados ao Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação).

Líder do governo, Bezerra Coelho chegou a afirmar que a proposta traria perdas econômicas ao país ao limitar a atuação de redes sociais. O PSL também foi contrário.​

“Meu objetivo sempre foi vencer o anonimato. Não é admissível que a sociedade se veja refém daqueles que usam de perfis falsos para disseminar ameaças e mentiras. O anonimato é o caminho pelo qual crimes estão sendo cometidos nas redes sociais”, disse o relator, em defesa do projeto.

O texto determina a criação de uma instituição de autorregulação das plataformas, que seria responsável por elaborar regras e adotar medidas como rotular e colocar advertências em conteúdo caracterizado como fake news.

O projeto também diz que as contas de redes sociais de funcionários públicos, como ministros e secretários, e ocupantes de cargos eletivos serão consideradas de interesse público, tendo de respeitar os princípios da administração pública, além de listar regras de transparência para publicidade estatal, proibindo a veiculação em determinados sites que promovem a violência, por exemplo.

Segundo o texto aprovado, as contas de detentores de mandatos, ministros e secretários não poderão bloquear o acesso de usuários às suas publicações.

Para viabilizar a votação, o relator retirou toda a parte que tratava de eleições. Com isso, ficou de fora, por exemplo, a determinação para o pagamento de multa de até R$ 1 milhão a candidatos que se beneficiarem com propaganda com conteúdo manipulado para atacar os adversários durante as eleições.

Facebook, Google, Twitter e WhatsApp, em análise enviada a senadores, caracterizaram a legislação como “um projeto de coleta massiva de dados das pessoas resultando no aprofundamento da exclusão digital e pondo em risco a privacidade e segurança de milhares de cidadãos”.

O relatório foi estruturado sobre o projeto de lei do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE). A proposta, caso aprovada pela Câmara e sancionada pelo presidente Bolsonaro, institui a Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet.

Mesmo com as mudanças feitas poucas horas antes da votação, o projeto foi a plenário sem acordo. No começo da tarde desta terça havia cinco requerimentos para a retirada de pauta. Um grupo de senadores reivindicou a realização de audiências virtuais para debater a proposta, antes que ela fosse colocada em apreciação.

O senador Plínio Valério (PSDB-AM), por meio de um requerimento aprovado pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), defendeu a retirada do projeto da pauta. Ele alegou que a proposta não tinha relação com a pandemia causada pelo novo coronavírus, que têm prioridade nas votações no Senado.

O pedido foi negado por Alcolumbre. Ele afirmou que, apesar das divergências, a votação da matéria em plenário era urgente, devido aos ataques que são feitos em redes sociais.

“O Senado dará um sinal claro na votação desta matéria, que estamos buscando conhecer e entender esse universo que precisa ser reconhecido de liberdade de expressão, mas que alguns criminosos usam para agredir a vida de milhares de brasileiros”, disse.

O líder do MDB, Eduardo Braga (AM), alegou que o projeto não se trata de mordaça. “Quem quiser dar sua opinião que o faça, mas não atrás das máquinas de fake news que se instalaram no país. É preciso colocar um freio na pandemia de fake news.”

Folha de Sao Paulo


VOLVER