Brasil | Lula dijo que Bolsonaro es “el rey de la fake news” en el primer debate de cara al balotaje

1.073

En un debate caliente, Lula dijo que Bolsonaro es “el rey de la fake news”

Por Pablo Giuliano

El expresidente de Brasil Luiz Inácio Lula da Silva calificó este domingo como “el rey de las fake news y de la estupidez” al mandatario Jair Bolsonaro, quien lo acusó de ser partícipe de “la mayor corrupción de la historia de la humanidad”, durante el debate presidencial para el balotaje del 30 de este mes que se realizó en el canal Bandeirantes.

En medio de una expectativa a nivel global para definir el futuro de Brasil, el debate mano a mano entre Bolsonaro y Lula se trató de un intercambio de acusaciones y de visiones con alta tensión, y en un momento el actual mandatario intentó tocar el hombro del líder del Partido de los Trabajadores (PT).

Bolsonaro intentó vincular a Lula al narcotráfico por hacer campaña electoral en las favelas de Río de Janeiro mientras el jefe del PT lo rebatió diciendo que el jefe del Estado está vinculado al crimen organizado de los parapoliciales de ultraderecha que mataron a la concejala Marielle Franco en Río de Janeiro en 2018.

El líder del PT, vencedor de la primera vuelta, le dijo a Bolsonaro que durante su gestión el aumento real del salario fue de 74% entre 2003 y 2010. “Me gustaría que expliques por qué hace cuatro años no das un aumento real de salario mínimo y por qué el crecimiento promedio de tu gobierno es 2% cuando el mío era de 4%”.

Lula dijo que Bolsonaro se rio de los muertos por Covid-19. “Fuiste al velorio de la reina de Inglaterra y no consolaste a ningún padre que perdió hijos en la pandemia. Queda mal que mientas, sos el rey de las fake news”.

El mandatario cargó contra la corrupción del escándalo del Petrolao en Petrobras asesorado por el exjuez Sérgio Moro, hoy senador nacional, que volvió a ser aliado de Bolsonaro luego de haber renunciado como Ministro de Justicia.

Fue una de las grandes noticias de la noche el regreso de Moro a ser asesor del ultradrechista al que denunció por haber obstruido investigaciones.

Lula logró llevarse el primer tramo del debate al insistir en el rol de Bolsonaro en la pandemia, acusándolo de ser “negligente” con la adquisición de vacunas.

La corrupción fue una de las batallas del debate, con Bolsonaro buscando aumentar el rechazo a Lula, que venció la primera vuelta por 48% a 43% y recordando la detención de Lula por parte de Moro, en una escandalosa causa que fue anulada por el Supremo Tribunal Federal (STF, corte suprema).

“Lula fue liberado por un juez de la corte amigo”, dijo Bolsonaro, a lo que Lula omitió recordar el fallo del STF que anuló las causas en su contra y lo consideró inocente por lawfare.

En cambio, el exmandatario defendió su política de Petrobras para la suficiencia energética y fustigó la venta de la red de distribuidoras BR al sector privado. “Este gobierno está importando gasolina porque no quieren construir refinerías”, sostuvo.

El debate los tuvo de pie y frente a frente en bloques hablando por bloques de 15 minutos.

Ambos se acusaron de mentirosos y Bolsonaro se negó a responder cuántas universidades o escuelas técnicas realizó. “A vos te daba orgullo tener a Lula como presidente, nunca hiciste discursos criticándome cuando eras diputado”, afirmó Lula.

Bolsonaro intentó ideologizar la discusión vinculando a Lula con los presidentes de Venezuela, Nicolás Maduro, y de Nicaragua, Daniel Ortega.

“Miren hacia dónde fue la Argentina, el presidente (Alberto) Fernández tiene 40% del pueblo en la línea de la pobreza y ya revuelven basura para sobrevivir. ¿Queremos eso para Brasil, con personas sin calificación intelectual ni moral? ¿Quieren volver a la escena del crimen? Este pueblo respira libertad. Cerraron iglesias en la pandemia y usted no dijo nada. No hay más mascotas en Venezuela porque se los comen”, dijo Bolsonaro.

Lula defendió las políticas ambientales y acusó a Bolsonaro de tolerar y fomentar la invasión de tierras indígenas en la Amazonia por parte del agronegocio.

“El ruralista que invade tierras es un bandido, no es un empresario”, sostuvo el expresidente Lula.

“Bolsonaro hace cuatro años que no aumenta el salario. Vamos a bajar el mínimo no imponible del impuesto de renta. Vamos a reconstruir el país”, dijo Lula, quien afirmó que Bolsonaro fue “el peor presidente del mundo en la pandemia”, riéndose de los enfermos.

El debate tuvo audiencia récord en los canales de Youtube y 13 puntos de rating.

Bolsonaro cuestionó la edad de Lula -76 años- y dijo que “ya tendría que estar retirado y no volver al lugar del crimen”, además de que alentó el fantasma religioso al afirmar que “el PT quiere liberar las drogas, el aborto y la instalación de baños unisex en las escuelas”.

Bolsonaro logró que la corte electoral impidiera la divulgación de un escándalo por una declaración calificada como vinculada a la pedofilia, un tema que Lula se negó a abordar. Bolsonaro en otro trecho del debate acusó a los gobernadores del PT de desviar dinero federal para enfrentar la pandemia en “marihuana”.

“Vos tenés la conciencia pesada Bolsonaro, te levantás a la madrugada para hablar por internet”, aseguró Lula.

Lula acusó a Bolsonaro de querer expandir el número de jueces de la corte suprema y de tener proyectos para ser un “pequeño dictadorcito”.

El expresidente cerró diciendo que “en el país hay 33 millones de personas que están pasando hambre y vamos a hacer que el pueblo pueda comer una sado con cerveza porque Bolsonaro cree que el solamente puede, pero nosotros vamos a darle ese derecho a todo el pueblo”.

Bolsonaro dijo que el líder del grupo criminal PCC, Marcos Willians Camacho, Marcola, “expresó simpatía por Lula” y sostuvo que la ida a las favelas de Lula estaba vinculada al narcotráfico.

“Soy el único presidente y candidato a presidente que va a las favelas, el lugar donde la mayoría de la gente es trabajadora”, dijo Lula.

Pero sin dudas el punto clave de la campaña fue el ingreso de Moro en la campaña para abastecerlo sobre las causas de Lava Jato contra Lula y el PT. El exjuez que encarceló a Lula le dio municiones a Bolsonaro para lo que más busca, elevar para la segunda el rechazo a la figura de Lula y poner la corrupción por encima de otros temas.

En el tercero bloque, Lula dejó a Bolsonaro hablar siete minutos a voluntad, mezclando las iglesias evangélicas brasileñas y la agenda de costumbres y valores con el cierre de las iglesias en Nicaragua, un punto que está siendo nodal en el discurso del ultraderechista.

Télam


Sergio Moro acompanha e orienta Jair Bolsonaro em debate

O senador eleito pelo Paraná, Sergio Moro (União), compõe a comitiva de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL) no debate organizado por UOL, TV Bandeirantes, TV Cultura e Folha de S. Paulo. Após romperem em 2020, Moro e Bolsonaro se reaproximaram na campanha deste ano. Recentemente, o senador eleito declarou voto a Bolsonaro. Moro foi ministro da Justiça no atual governo por 15 meses.

Ao sair do cargo, em 2020, Moro afirmou que Bolsonaro queria interferir na Polícia Federal. “O presidente queria ter alguma pessoa do contato pessoal dele, que ele pudesse colher informações”, disse na época. Ao apoiar Bolsonaro neste segundo turno, o senador eleito afirmou que “Lula não é uma opção eleitoral”.

Também acompanham a comitiva de Bolsonaro o ministro das Comunicações, Fábio Faria, o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos), o empresário Filipe Sabará, o advogado Frederico Wassef e o coordenador de comunicação da campanha Fabio Wajngarten.

Críticas e “24 horas terríveis”

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou Bolsonaro (PL) pela fala envolvendo venezuelanas, enquanto o chefe do Executivo se defendeu e disse que passou por “24 horas terríveis”. As declarações foram feitas na chegada do debate.

Em entrevista a um podcast na última sexta-feira, Bolsonaro se referiu a um encontro com venezuelanas dizendo que havia adolescentes “arrumadas para ganhar a vida”, insinuando prostituição infantil. Também disse que “pintou um clima” e decidiu parar no local.

“Ele agiu com muita má-fé com aquela menina. Ele, no cargo de presidente, deveria respeitar muito”, disse Lula a jornalistas ao chegar à sede da TV Bandeirantes, em São Paulo. “É a molecagem que é feita sempre que ele pode. Ele é assim, parece que nasceu assim e vai terminar a vida assim, zombando de coisas sérias.”

Bolsonaro, por sua vez, declarou que passou por uma “acusação sórdida e infame”, apontando que o ministro Alexandre de Moraes, presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), barrou a campanha petista de utilizar a fala em propagandas eleitorais.

UOL


Eleições 2022: os cinco temas que dominaram o debate entre Lula e Bolsonaro


Os candidatos à Presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) participaram no domingo (16/10) do primeiro debate na corrida do segundo turno.

No encontro, transmitido pela TV Bandeirantes e um “pool” de outros veículos, os candidatos se enfrentaram diretamente em três blocos e durou quase duas horas.

Entre os principais temas discutidos pelos presidenciáveis estão pandemia, fake news, economia e benefícios sociais.

Apesar da tensão nas campanhas, o debate teve poucos momentos mais acalorados — o que se refletiu, por exemplo, no número relativamente baixo de pedidos de direito de resposta, ao contrário do que ocorreu no último debate do primeiro turno.

Em alguns momentos, Lula administrou mal o tempo que poderia usar para responder e questionar o adversário dele. No terceiro bloco, por exemplo, Lula esgotou o tempo dele quando Bolsonaro, que tenta a reeleição e está atrás nas pesquisas, ainda tinha mais de cinco minutos para falar.

A última pesquisa feita pelo instituto Datafolha, divulgada na sexta-feira (16/10) mostrou Lula com 49% das intenções de voto contra 44% de Bolsonaro. O segundo turno das eleições presidenciais acontecerão no dia 30 de outubro.

Confira abaixo uma seleção feita pela BBC News Brasil de alguns trechos do que foi discutido no debate.

Pandemia

O primeiro bloco do debate entre os presidenciáveis foi tomado pelas discussões sobre a pandemia. De um lado, Lula responsabilizou Bolsonaro por mais de 400 mil mortes de brasileiros que, segundo ele, poderiam ter sido evitadas e teriam sido causadas diretamente por atraso na compra de vacinas.

“O Brasil tem 5% da população mundial e 11% das mortes. Por que houve tanta demora para comprar vacina?”, questionou o petista.

Bolsonaro se defendeu dizendo que não atrasou a vacina, pois “não havia venda em 2020”.

“No Brasil, em janeiro de 2021 começaram a vacinar. Todos aqueles que quiseram se vacinar, se vacinaram. E o Brasil foi um dos países que vacinou mais rápido”, afirmou o candidato do PL.

Lula, então, retrucou dizendo que esse “é um fato de concreto” de que a negligência de Bolsonaro levou brasileiros à morte na pandemia.

“A verdade é que o senhor debochou, o senhor gozou das pessoas e deixou as pessoas morrerem afogadas por falta de oxigênio em Manaus. Apareceu na TV imitando pessoas sem ar.”

Bolsonaro, então, atacou Lula afirmando que “tem um vídeo de Lula dando graças a Deus que à natureza criou a covid”.

“O que eu fui contra é protocolo do sr. Mandetta (então ministro da Saúde), que mandava à pessoa irem pra casa até sentir falta de ar. A vacina não é para quem está contaminado – é para quem ainda não foi”, disse.

Bolsonaro também acusou o PT e políticos do Nordeste de corrupção na pandemia.

Benefícios sociais

Bolsonaro iniciou o debate dizendo que o Auxílio Brasil será mantido de “forma vitalícia”, caso ele seja reeleito e que o PT era contra o benefício.

Lula respondeu dizendo que o PT havia feito proposta de Auxílio maior antes da determinação dos 600 reais. “O presidente só propunha 200 reais”, disse o petista.

O petista disse ainda que “se souber planejar vai ter dinheiro para fazer as coisas” e fala em aprovar uma reforma tributária.

O ex-presidente citou feitos do seu governo: “Fizemos a maior política social que esse país já teve, geramos 22 mi de empregos” e cita criação de universidades. E questionou Bolsonaro sobre quantas universidades ele fez em seu governo.

Bolsonaro disse que “não tinha cabimento abrir universidade para ficar fechada (na pandemia)” e disse que deu anistia a dívidas do Fies.

Fake news

Uma declaração de Bolsonaro, dada em entrevista a um podcast, causou polêmica nas redes sociais nesta semana após ele narrar um episódio em que teria visto adolescentes venezuelanas em situação de vulnerabilidade no Distrito Federal. Vídeos mostram o presidente dizendo que “pintou um clima” ao passar pelas meninas que, segundo ele próprio, teriam entre 14 e 15 anos.

Bolsonaro aproveitou a pergunta de um jornalista para tocar no tema e chamar a campanha de Lula de mentirosa.

“O seu programa, influenciado por Gleisi Hoffmann, me acusou de pedofilia, tentando me atingir naquilo que tenho mais de sagrado: a defesa da família brasileira, defesa das crianças”, afirmou Bolsonaro.

E usou uma decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), tomada pelo ministro Alexandre de Moraes, que mandou excluir vídeo sobre as meninas e também proibiu que o PT o use em sua campanha.

“O sr. Alexandre de Moraes dá uma sentença contrária a essas mentiras. Diz a sentença aqui: ‘A postagem realizada pela representada Gleisi Hoffmann (que representa o PT), em 15 de outubro, agora, se descola da realidade por meio de inverdades, fazendo uso de recortes em encadeamentos inexistentes de falas gravemente descontextualizadas do representante Jair Bolsonaro, com o intuito de induzir o eleitorado negativamente. Tal contexto evidencia a divulgação de fato’.”

Lula, por outro lado, diz que o adversário dele tem 36 processos por fake news

“A imprensa publica fartamente que pelo menos seis ou sete mentiras por dia são contadas (por Bolsonaro). Brinca-se de contar mentira. Levanta de madrugada, tem vontade, vai e conta uma mentira, faz uma live e conta uma mentira, sabe? Levanta até uma hora da manhã para fazer live”, afirmou o petista.

Meio ambiente

Outro tema muito debatido entre Bolsonaro e Lula foi o meio ambiente, principalmente o desmatamento na Amazônia.

Lula afirmou que o Brasil era reconhecido como um país que preservava o meio ambiente.

“O Brasil participou da COP-15, em Copenhagen, e de um encontro em Paris, em que era elogiado porque era o país que menos desmatava e que mais cuidava da questão ambiental. Não existiu nenhum governo que fizesse o que a gente fez na questão ambiental”, afirmou.

O candidato petista dise que, caso seja eleito, vai implantar políticas de preservação que vão atrair investimento internacional para o país.

“E agora nós vamos fazer mais, porque nós vamos fazer com que a agricultura de baixo carbono possa fazer com que o Brasil receba, quem sabe, muito dinheiro da União Europeia e de outros países, por conta do sequestro de gás de efeito estufa que nós vamos fazer preservando a Amazônia, coisa que você (Bolsonaro) não sabe. Nós vamos tentar fazer da biodiversidade da Amazônia uma forma de enriquecimento daquele povo”, afirmou.

Já Bolsonaro disse que a intenção do candidato petista é dar parte da riqueza da Floresta Amazônica a outros países.

“Lula, tu acabou de dizer, há poucas semanas, que ia dividir a biodiversidade da Amazônia com o mundo. Você já está se curvando ao mundo. Em vez de você falar que a Amazônia é nossa, você quer dividir a nossa biodiversidade”, afirmou Bolsonaro.

O candidato à reeleição disse ainda que Lula não executou políticas para proteger a floresta durante os anos em que ele e Dilma Rousseff foram presidentes do país.

“Em 14 anos, você não fez nada. Está prometendo que vai fazer pela Amazônia agora? Você não fez nada! Você passeou por aí, nas suas viagens, mas nada além disso”, disse.

Corrupção

Lula disse que houve corrupção no governo Bolsonaro durante a compra de vacinas, algo que foi investigado por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI).

“O senhor atrasou a vacina, depois tendo um processo inclusive de corrupção definido e denunciado pela CPI. E o fato concreto é que a sua negligência fez com que 680 mil pessoas morressem quando mais da metade poderia ter sido salva. A verdade é que o senhor não cuidou, debochou, riu, dizia que quem tomava vacina virava jacaré, virava homossexual, que não podia tomar vacina. O senhor gozou das pessoas, imitou as pessoas morrendo afogada por falta de oxigênio em Manaus”, disse o petista.

Bolsonaro disse que Lula mentiu e disse que “não teve corrupção porque não teve vacina no Brasil”. E retrucou dizendo que o PT se envolveu em corrupção durante a pandemia.

“Corrupção fez o seu partido na covid. Quando chegou na CPI a notícia de 50 milhões de reais desviados do sr. Carlos Gabas, ex-ministro de Dilma Rousseff, que passeava de bicicleta com ela, a CPI, dos seus amigos Renan Calheiros e Omar Aziz, não quis investigar. 50 milhões torrados em uma casa de maconha, não chegou nenhum respirador, e daí sim irmãos nordestinos morreram por falta de ar, por corrupção do sr. Carlos Gabas, deixar bem claro, e, em especial, o seu governador da Bahia, Rui Costa”, afirmou o candidato à reeleição.

BBC

Más notas sobre el tema